História O Incubu - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Anjos, Demônio, Hentai, Incubu, Lolicon, Porn, Sexo, Sucubu
Exibições 45
Palavras 2.026
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - O inicio


Eu acabei de acordar e fui direto almoçar porque estava sentindo muita fome, eu estava me sentindo meio estranho, vi que já era dez horas então fiz meu prato e fui comer, escutei alguns barulhos do quarto dos meus pais, da ultima vez que eu fui olhar eles estão transando então melhor deixar os dois sozinhos, eu sentei no sofá e liguei a TV para almoçar, eu estava sentindo algo estranho no meu saco então eu cocei ele, acho que a puberdade esta começando, eu fiz dose anos alguns meses, eu terminei de comer e me levantei, minha irmã mais velha entrou na sala e quando me viu falou sorridente.

- bom-dia Joe, tudo bem? – eu respondi com um sorriso.

- sim, só estou me sentindo um pouco estranho mas nada de mais – ela ficou curiosa mas logo mudou seu rosto pra um sorriso, ela tem vinte anos e nós temos um caso.

- ok docinho, se precisar de algo me liga que eu te busco na escola, tchau – ela me deu um beijinho na boca e foi embora, onde ela vai tão sedo? Eu estava sentindo algo estranho no meu corpo principalmente no meu pênis, então eu fui tomar um banho, entrei no banheiro e tirei minha roupa, eu liguei o chuveiro e comecei a me lavar, foi então que percebi.

- que nojo, desde quando você ficou tão grande – falei olhando para o meu pênis enquanto tomava banho, ele estava realmente grande – ainda bem que eu sei me controlar, se eu ficasse hesitado isso pularia da minha calça – eu fechei o chuveiro e comecei a me secar, quando terminei de secar meu cabelo percebi que meu pinto diminui-o de tamanho e isso me deixou assustado, eu sai do banheiro com minha camisa da escola e uma calça-jeans, meu pai estava assistindo TV com minha mãe e minha irmã mais nova estava terminando o almoço, minha irmã é baixinha e tem longos cabelos loiros, ela tem dez anos e seus olhos são castanhos claros, ela praticamente é o oposto de mim – bom dia Sacha – falei enquanto abria a geladeira.

- bom dia irmão... – eu peguei um suco de caixinha e me virei, percebi que minha irmã estava meio envergonhada olhando pra mim – J-Joe, vo-você esta... d-diferente – ela parecei-a meio dengosa e eu falei.

- ok? eu vou colocar meu tênis e pegar minha mochila pra gente ir – ela balançou a cabeça dizendo sim, quando eu estava indo pro meu quarto minha mãe falou.

- nossa filho, você esta um gatinho essa manhã – eu olhei pra minha mãe e percebi que ela estava com um olhar malicioso, achei estranho mais minha mãe é meio loca mesmo.

- obrigado, eu estou me sentindo meio diferente mesmo – eu fui para o meu quarto, quando eu estava colocando o tênis vi meu reflexo pelo espelho do guarda roupa, minha aparecia estava diferente, eu parecia mais... bonito?

- irmão vamos logo – falou minha irmã batendo na porta, eu peguei minha mochila e falei.

- ok, já estou indo – eu cheguei perto do espelho e levantei a minha pequena franja, eu fiquei um pouco assustado porque eu estava com uma espinha monstruosa na testa, arrumei meu cabelo e sai de casa com minha irmã, no caminho percebe que ela parecia meio estranha ao meu lado.

- ei, Joe – falou ela sem olhar pra mim.

- o que foi Sacha, você esta passando mal? – ela balançou rapidamente a cabeça dizendo não.

- não, é que eu... posso segurar seu braço – eu achei realmente muito estranho mas é minha irmãzinha.

- ok, ja que você quer – ela segurou o meu braço o abraçando, conseguir sentir seus minúsculos seios mas esse tipo de coisa nunca me deixou nervoso, nós fomos pra escola e percebi que muitas mulheres estava olhando pra gente, o que esta acontecendo? Quando chagamos na escola eu deixei a minha irmã na sala dela e fui para a minha, eu entrei na minha sala e sentei no fundo como sempre faço, meu amigo Alex sentou do lado e falou.

- e ai Joe, tudo certo? – eu olhei para ele e falei.

- acho que sim, de repente parece que eu fiquei mais bonitão – ele olhou pra mim me analisando e falou.

- eu não sou uma garota pra entender – ele começou a rir, eu e Alex somos bem parecidos, a única diferença é que ele é baixinho e é louco por videogames, todos na escola pensão que ele é gay simples mente porque ele disse que não gosta de garotas e não quer namorar, o Alex é uma criança ainda, ele nem sabe o que é amor ou sexo por isso ele diz isso.

- oi Joe, você esta lindo hoje – falou minha amiga Luana, eu então falei.

- obrigado, você também esta bonita – ela ficou meio dengosa e falou.

- você pode me encontrar no recreio, quero falar com você – eu fiquei curioso e balancei a cabeça dizendo sim – certo, me encontra perto da biblioteca – ela voltou para a carteira dela e percebi que todas as garotas da sala estavam olhando pra mim, serio o que esta acontecendo? no intervalo eu estava indo pra biblioteca encontrar a Luana e eu já estava ficando incomodado com os olhares femininos, quando eu a encontrei falei.

- oi Luana, o que foi? – ela abri-o a porta da biblioteca me puxando pelo braço para dentro, ele então trancou a porta e olhou para mm – ok, você ja pode me falar o que é? – ela estaca nervos e suas bochechas estavam avermelhadas, ela então respondeu.

- eu quero transar com você – eu me espantei e ela começou a tirar a roupa, eu falei meio nervoso.

- uou, espera um minuto, como assim você quer transar? – quando ela ficou completamente nua percebi que estava falando serio, ela se jogou encima de mim e falou

- seu gatinho, fofinho e inocente – ela começou a abrir o zíper da minha calça e seu olhar era de uma garota louca por sexo, quando ela tirou minha calça percebeu que eu não estava hesitado – você não esta gostando – eu a segurei pelos ombros e falei.

- Luana, você tem certeza que quer fazer isso? – ela balançou a cabeça loucamente dizendo sim, ela não parecia ser a Luana que eu conheço, eu dei um suspiro e falei – ok, você vai acabar se arrependendo - eu fiquei por cima dela e ela agarrou os meus ombros com força, meu pênis de repete ficou duro e sentir algo estranho por todo meu corpo, ela então falou.

- vamos, vai, me fode com força – eu então penetrei com força nela que gemeu, senti um pouco de sangue escorrendo então eu perguntei.

- você é virgem? Nossa – ela puxo minha cabeça para perto dela e me beijou, sua língua se enrolava na minha e eu não tinha outra coisa pra fazer, eu comecei fode-la enquanto ela me beijava aranhando minhas costas, aquela sensação era bom e parecia que minha fome estava passando, eu não estava me cansando por algum motivo na verdade eu sabia exatamente o que ela queria, sabia que ela gostava de sentir um pouco de dor e que eu apalpasse o seu peito, ela parou de me beijar e começou a gemer loucamente com algumas lagrimas, foi então que sentir sua vagina fiar mais molhada e seu corpo se soltar cansado, eu tirei meu pênis dela e vi ela jogada no chão – Luana você esta bem – ela se levantou ofegante e segurou meu pau.

- eu quero provar o seu sêmen – ela começou a fazer um boquete enquanto eu estava sentado no chão, meu pênis parece que tinha crescido mas ela mesmo assim continuo e fez mais fundo, meu pinto parecia uma régua de trinta centímetros mas ela ia mais fundo, eu consegui sentir sua garganta e então soltei todo o meu esperma na boca dela, ela engoliu um pouco e deitou no chão – que delicia, isso foi tão bom – ela falou meio tremula, eu vi meu reflexo num pequeno espelho numa estante e me espantei, tinha coisa pontudas no topo da minha cabeça e algo nas minhas costas, eu rapidamente me levantei e falei.

- é Luana... eu já vou ok – ela estava colocando sua roupa e eu lembrei, quando olhei para o chão onde nos tínhamos transado vi que não avia sangue dela, eu sai correndo para o banheiro jogar uma água no rosto – como assim? O que esta acontecendo comigo – um supervisor segurou meu braço antes que eu entrasse no banheiro, ele então falou.

- sua irmã Maria esta aqui para busca-lo – fiquei surpreso porque eu não pedi nada, depois que eu peguei a minha mochila ele me levou até a saída, minha irmã mais velha estava me esperando, ela tem cabelos loiros bem claros e seus olhos são bem claros também.

- oi Joe, vamos indo – nós então fomos caminhado pra casa, diferente das mulheres ela não estava me observando, na verdade ela estava meio seria.

- porque você me pegou mais sedo na escola? – ela olhou pra mim e abriu um sorriso.

- é que você esta doente, então vou te levar no medico – eu achei muito estranho esse papinho dela, então eu perguntei.

- doente? Admito que estou meio diferente hoje mas estou bem – ela então segurou meu braço e me puxou para um beco, nem uma pessoa estava passando por ali e eu comecei a ficar preocupado – ei Mary, pra onde você esta me levando? – ela me jogou no chão com força e eu cai de costas, quando fui me levantar uma espada parou na frete do meu nariz me fazendo congelar – que merda é essa? – perguntei assustado.

- Joe, hoje aconteceu algo estranho com você certo? – perguntou ela colocando a espada dourada debaixo o meu queixo.

- sim, eu estou sentido coisa estranhas – seu olhar era serio, eu nunca tinha visto esse olhar nela.

- você também transou com uma garota? – eu fiquei mais nervoso ainda, como ela sabe e pior, ela vai me matar porque eu trai ela.

- sim, eu transei com uma amiga minha – ela colocou o pé no meu peito e me prensou no chão, a espada estava na minha testa e eu gritei.

- desculpa, eu não pude evitar, eu prometo que não faço mais isso – ela falou com aquele olhar serio.

- incubu nojento – eu não entendi

- incubu? O que é isso? – percebi que ela achou bem estranho minha resposta e falou.

- incubus são demônios sexuais que seduzem mulheres em seus sonhos, eles se alimentam do prazer delas e isso o deixa mais fortes satisfazendo sua fome – devagar eu tentei tirar a ponta da espada da minha testa.

- olha Mary, eu não faço a menor ideia do que você esta falando e estou seriamente arrependido – ela tirou o pé do meu peito saindo de cima de mim, quando eu me levantei ela rapidamente colocou a mão em meu peito e eu senti uma gigantesca dor percorrendo em todo meu corpo, eu gritei caindo de joelhos no chão, minha camiseta e mochila rasgaram, senti coisas saindo do meu corpo que me traziam mais dor, do topo da minha cabeça saíram chifres negros de bode e um rabo negro de demônio saio da minha calça, surgiram garras das pontas do meu dedo e meus braços até o cotovelo formaram escamas, uma asa de demônio saio das minhas costas e senti meus dentes ficaram pontudos, minha irmã me jogou contra parede de um prédio e eu a atravessei caindo dentro de uma garagem subterrânea.

- acredita em mim agora, você sempre foi um incubu mas estava selado, agora que esta passando pela puberdade humana você se libertou – eu estava saindo dos escombros e falei.

- como assim humana? até parece que você... – quando olhai para ela vi que seus cabelos estavam dourados e ela estava voando, asas de anjo saíram de trás dela e sua roupa virou uma armadura curta dourada que mostrava muito de seu corpo – Mary... você... – eu não consegui falar de tão surpreso.

- eu sou um anjo, fui mandado para te observar ate esse dia, agora você morrera – ela avançou pra cima de mim.


Notas Finais


gostaria de saber se gostaram e oque acharam das senas hentais, acho que todo capitolu terá uma


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...