História O Início De Um Legado - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Resident Evil
Personagens Albert Wesker, Barry Burton, Chris Redfield, Claire Redfield, Jill Valentine, Kevin Ryman, Ozwell E. Spencer, Personagens Originais, Rebecca Chambers
Tags Ação, Chris Redfield, Drama, Jill Valentine, Raccon City, Resident Evil, Romance, Stars, Valenfield
Exibições 70
Palavras 1.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Lembrete: A Fic se passa em 1996!!
Me mantive fiel à época... Vocês irão entender no decorrer da leitura rss

Trilha sonora: Love Someone - Jason Mraz
Não deixem de ouvir na última cena! (emocionante)

Com muito carinho, para vocês:

Capítulo 13 - Mesmo se nada der certo


Fanfic / Fanfiction O Início De Um Legado - Capítulo 13 - Mesmo se nada der certo

Naquele domingo, o shopping estava bem movimentado. O lugar era imenso, tinha dois andares, escadas rolantes, uma variedade de lojas, cinema, restaurantes, boliche e até uma pista de patinação no gelo.

Chris e Jill foram primeiro até uma loja de discos. Ficaram lá por um tempo, ouviram algumas músicas, conversavam sobre seus discos favoritos, seu gosto musical e, mesmo com algumas divergências, ambos ainda tinham muito em comum.

 Jill sorria observando Chris tocar uma guitarra imaginária enquanto ouviam Queen, uma das bandas favoritas dele. E quando ele olhava para ela, dava aquele sorriso torto que a fazia sorrir ainda mais.  

Chris aproveitou e comprou um CD do Bon Jovi, enquanto Jill comprou um CD com os clássicos de Tony Bennett, um cantor clássico de jazz, era o favorito de seu pai, Dick. Valentine. A morena contou para Chris que ouvir aquilo a faria se sentir mais perto dele. Entretanto, não entrou em muitos detalhes com o rapaz a respeito de seu pai.

--- Onde vamos agora? – Jill pergunta.

--- Antes de almoçarmos, podemos ir patinar no gelo! Eu não sou muito bom mas... – Chris começa a falar, mas é cortado pela animação da morena.

--- Adorei!!!! Vamos logo... – Ela puxa ele pelo braço direto para a pista de patinação.

Jill parecia uma criança animada com a idéia de patinar no gelo. Quando tinha 9 anos, Jill morava em Nova York e sempre ia patinar no parque. Depois que cresceu, nunca mais teve tempo ou oportunidade para patinar.

Na pista haviam apenas alguns jovens e crianças. Eles colocam os patins com lâminas. Chris não conseguia se equilibrar direito, mas ele tentava. Jill vai ajudando o rapaz até entrarem no gelo.

--- É fácil, Chris!! Tente flexionar um pouco mais os joelhos... – A morena vai dando dicas para ele.

--- Eu sou um desastre nisso! – Chris fica resmungando.

Jill sorri. Finalmente algo em que o Redfield não era bom!!

Chris olha bravo para ela.

--- Pare de rir de mim!

--- Não estou rindo... – Jill leva as mãos até sua boca, segurando o riso.

Ele fica sem graça. Jill percebe e se aproxima dele, segura em suas mãos e vai guiando ele para o centro da pista.

--- Vou te ajudar! – Ela fala carinhosamente.

Chris sorri e vai se deixando guiar.

De mãos dadas, eles vão passeando pela pista de gelo, deslizando, mesmo entre um desequilíbrio e outro de Chris, eles continuavam.

Aos poucos ele parecia estar pegando o jeito. Uma das melhores características dele era o fato de conseguir se adaptar com muita facilidade a qualquer tipo de situação. Agora eles já podiam patinar em uma velocidade mais rápida.

--- Já tinha me esquecido como isso é divertido! – Jill ria bastante.

Chris adorava ver aquele riso. Era contagiante.

Depois de patinarem por mais de meia hora, eles foram comer alguma coisa em um restaurante da praça de alimentação.

 --- Podemos combinar com os meninos de virmos ao shopping jogar boliche qualquer dia... – Jill comenta.

--- Seria ótimo! Só espero não ficar com Brad no meu time... – Chris brinca.

Jill dá uma gargalhada.

Chris termina de comer seu hambúrguer e espera Jill terminar o seu.

--- Ainda é cedo. Podemos ver um filme! – Ele diz empolgado.

--- Só depois de tomar um sorvete... – Jill avisa.

Chris não queria que aquele dia terminasse. A companhia de Jill era muito agradável. Os dois se entendiam bem. De todas as mulheres que tinha se envolvido, nunca tinha feito esse tipo de passeio. Mas com Jill era diferente, mesmo se nada desse certo entre eles, ele ainda teria a amizade da morena. Ter aquela mulher ao seu lado, mesmo apenas como amiga, lhe fazia bem.

--- Chris! – Jill o tira de seus pensamentos

Ele, distraído, volta a olhar a morena.

--- Volte a ser “aquele idiota” que eu odiava! Hoje está sendo divertido demais... – Jill brinca com ele.

Chris sorri torto para ela. E chama a garçonete que estava limpando a mesa ao lado. A mulher loira olha ele e sorri.

--- Sophia! Por favor, nos traga a conta. – Ele pede gentilmente.

--- Como sabe o nome dela? Não tem crachá... – Jill observa.

--- Pelo pingente que ela tem com o nome! – Chris coloca a mão no colar da mulher, que sorri timidamente para ele.

--- Se quiser aproveitar e passar seu telefone, eu agradeço! – Ele pede enquanto a garçonete vai se afastando.

Jill olha brava para ele.

--- Não precisa levar ao pé da letra tudo o que eu falo... – Jill diz com um sorriso no rosto. Ela sabia que ele estava brincando e provocando-a propositalmente.

Chris sorri dela.    

 A garçonete volta e entrega a conta para eles.

--- Pra voltar a ser “aquele idiota” e finalizar a brincadeira, você paga a conta! – Ele entrega a comanda para a morena.

Quando Jill pega a comanda, vê que a garçonete escreveu com caneta azul seu telefone ao final da conta.

--- Não acredito! Ela passou o telefone dela pra você! – Jill diz atônita.

Chris dá uma gargalhada. Em seguida, deixa o dinheiro para pagar a conta, ignorando o telefone escrito no papel.

Jill ria da situação, Redfield era um homem extremamente charmoso, quando queria era muito sedutor e nenhuma mulher resistia ao seu charme. Mas com ela, era diferente, aquele dia estava sendo a prova de que ele não era o idiota que ela imaginou no início.

 --- Vamos pegar seu sorvete! – Ele sorri esticando a mão para ela.

Eles seguem de braços dados. Com o sorvete em mãos, eles vão para a escada rolante, o cinema ficava no último andar do shopping.

 

(Enquanto isso, no térreo do shopping)

 

Barry e sua família passeavam pelas lojas de departamento do shopping.

Moira andava de mãos dadas com o pai e Poly no colo da mãe. Barry estava distraído olhando para as vitrines quando Moira puxa sua blusa, chamando sua atenção:

--- Olha lá, papai!!! Eu disse... eu disse... o tio Chris com a namorada! – A garota parecia animada ao ver Chris e Jill subindo pela escada rolante.

Barry procura por eles, e se surpreende ao encontrá-los juntos, sorrindo, feito um casal de namorados.

Jill estava no degrau acima de Chris, ambos tomavam sorvetes, e sorriam, quando a morena sujou o nariz de Chris com o sorvete.

--- Ele não te contou nada, Barry? – Kathy questiona o marido.

--- Ainda não... – O homem responde.

Barry sorri ao ver os dois parceiros juntos, se divertindo. Chris era um bom rapaz, e Barry tinha um carinho especial por ele e pela irmã. Estava feliz pelo amigo, Jill era uma ótima mulher, e eles formavam um belo casal.

  --- Temos que deixar os dois aproveitarem o dia... Vamos voltar ao nosso passeio! – Barry diz sorridente para a família.

Eles seguem pelas lojas no térreo.

 

(No cinema)

 

Chris deixa a escolha do filme para Jill. Ela pega os ingressos enquanto ele vai para a fila da pipoca.

--- “O Professor Aloprado”! Sério? – Chris questiona quando a morena lhe entrega o ingresso.

--- Dizem que é filme de comédia muito bom! – Ela explica.

Chris pega dois baldes de pipoca e refrigerante e segue para a sala de cinema.

Durante o filme, ele tirava a concentração de Jill, jogando um punhado de pipoca na cara dela, que revidava com outro punhado de pipoca. Os dois riam mais das brincadeiras que faziam do que do próprio filme.

Após o término do filme, ainda sentados em suas poltronas, Chris comenta:

--- Esse filme é mais pra romance do que comédia!

--- Da próxima vez, você escolhe o filme, Sr. Exigente! – Ela retruca.

Eles vão se levantando e caminhando para fora do cinema.

--- Então, está me convidando para sair mais vezes com você? – Chris diz entusiasmado.

--- Podemos combinar de voltar ao cinema mais vezes, ou assistir algum filme no meu apartamento ou na sua casa... – Jill responde normalmente.

--- Tem razão! Foi divertido hoje... – Ele comenta sorridente.

Jill sorri de volta para ele. Chris passou o dia todo a tratando com respeito, não tentou nenhuma gracinha, nem no cinema. Estava sendo um perfeito cavalheiro. Ele era uma companhia agradável. Era bom estar ao lado dele. Naquele dia, Jill se divertiu como há um bom tempo não o fazia.

--- Quase oito da noite! – Chris olhava para o relógio.

--- O tempo passou rápido... – Jill afirma.

--- Vou te levar pra casa. Amanhã temos um longo dia de trabalho. – Chris diz um pouco triste. Não queria que aquele dia chegasse ao fim.

Ambos seguiram para o estacionamento, já era hora de retornarem para casa.

 

*

 

Chegando no apartamento de Jill, Chris subiu junto dela, para pegar as roupas da noite passada que havia deixado lá.

--- Obrigada pelo passeio! – Jill agradece Chris que estava em pé na sua sala, segurando suas roupas.

--- Eu que deveria agradecer pela companhia! – Ele diz tímido, dando um sorriso encantador.

Jill fica encarando ele, que agora se afastava devagar, indo em direção à porta. Ela queria abraça-lo, beija-lo, queria ter ele junto de si. Ele não era o “idiota” que pensou que fosse. Ele era um bom parceiro, um bom amigo, mas aquilo ainda não era suficiente.

Alguma coisa ainda a bloqueava. Talvez fosse medo. Medo de se envolver com alguém do trabalho, medo daquela relação não dar certo... Medo!

Ela o acompanha até a porta. Eles ficam parados se encarando em silêncio por alguns segundos. Chris se despede dela com um beijo no rosto. O coração de Jill bate forte, parecia que iria sair pela boca.

Ela se despede, e fecha a porta.

Jill gostava daquele homem. Mais do que um parceiro no trabalho. Mais do que apenas um amigo. Ela simplesmente gostava...

 *Ele passou o dia todo comigo e não tentou nenhuma aproximação mais íntima. Ele foi tão gentil. Talvez ele não queira apenas uma noite. Talvez eu não seja apenas um nome a mais na lista dele. Talvez...* Jill fica encostada na porta pensando.

Talvez o problema dela seja pensar demais! Seu coração batia tão acelerado.

--- Foda-se! – Ela diz para si.

Jill abre a porta e corre pelo corredor em direção do elevador.

--- Chris!!! – Ela chama, mas o elevador se fecha.

Ela olha para os lados e vê as escadas de emergência. Eram 3 andares até o térreo.

Jill não pensa duas vezes, ela começa a descer correndo pelos lances de escadas, pulando de um degrau para outro.

 

(2º andar)

A porta do elevador se abre para que um senhor que pegou o elevador junto de Chris saísse.

O moreno apertou o botão para o elevador seguir para o térreo.

...

Jill corria feito uma maratonista pelas escadas. Eram muitos degraus. Mas ela estava decidida. Naquele momento, colocava para fora toda sua coragem e fôlego.

 

(1º andar)

Chris está sozinho, olhando para o teto do elevador.

*Amanhã tenho que encarar aquela cara amarrada do Wesker. Que saco! * Ele pensa.

...

Mesmo com as pernas doendo. Ela não se renderia. Não agora.

Jill passa correndo pela porta que dava acesso ao térreo. A porta ficava ao lado do elevador. Ela respira fundo, numa tentativa de recuperar seu fôlego.

 

(Térreo)

A porta do elevador se abre.

Chris leva um susto ao ver Jill ali parada em frente à porta.

--- Jill?


Notas Finais


Link da música com tradução: https://youtu.be/hSLK4dYz40E

Espero que tenham gostado de ler tanto quanto eu me diverti escrevendo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...