História O Jogo da Mentira - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 1
Palavras 1.766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 6 - O Jogo da Mentira


São exatamente 06:00 horas da manhã.

- Stella, acorda! – chamo, chacoalhando-a – Stella!

- Só mais 5 minutos... – ela se enrola ainda mais no lençol.

- Ah, não vai acordar, né?

Corro e abro a janela. Está um dia lindo.

- Fecha isso! – grita.

Fico com raiva. Agora ela vai se ver comigo. Chego na beira da cama e olho fixamente para a Srta. Preguiçosa, que cobriu a cabeça. Pego na borda do lençol e puxo, de modo que minha irmã fique descoberta.

- Devolve! – ordena.

- Stella, está na hora!

- Aiii, ta bom!

Ouvimos um barulho.

- O que é isso? – pergunto.

- Não sei...

- O jogo!

Nos abaixamos e o tiramos de debaixo da cama. Está piscando.

- Será que quebrou?

- Acho que não.

- Tem uma mensagem na tela. – aponto para o local.

 

É melhor se apressarem, tem aula e uma ótima jogada esperando por vocês!

 

- Depois disso, acho que é melhor eu me levantar. – murmura minha irmã.

Nos arrumamos, tomamos café e vamos para a escola a pé.

- O que você acha que vai acontecer hoje na escola? – minha irmã está tensa.

- Não sei e tenho medo de descobrir.

Dando passos largos, finalmente, chegamos a Royal High School. Emma já está na frente da porta, nos esperando.

- Como você está, Emma? – pergunta Stella.

Emma faz que sim com a cabeça. Entramos e vamos diretamente para a sala. O Sr. August não está presente, talvez tenha se atrasado. Quer saber? É melhor assim. Stella, Emma e eu entramos e vamos na direção de Archer, Mirelly e Rafael.

- Dormiram bem? – pergunta Stella.

- Se ter pesadelos com um jogo de tortura for dormir bem, sim! – resmunga Mirelly.

Todos estão tensos.

- Assim que acordamos ouvimos um barulho vindo do jogo, achamos que tinha quebrado, mas ele só nos mandou uma mensagem. – a revelação os assusta.

- Que mensagem? – Rafael franze a testa.

- Tem uma ótima jogada esperando por nós... – minha voz falha.

O sinal toca e vamos para os nossos lugares. Uma mulher entra na sala. Quem é? A substituta do Sr. August? 

- Muito bem! Sentem-se todos. – pede, colocando as coisas no birô – Sou a professora Trilony e irei mostrar a vocês à maravilha do teatro.

Sério? Teatro? Isso é muito mais que maravilhoso!

- Para aqueles que não sabem, o teatro é uma forma de arte em que um ator ou um conjunto de atores, interpreta uma história ou atividades para o público em um determinado lugar.

BZZZZ. BZZZZ

Meu celular vibra no meu bolso. Disfarçadamente, retiro-o para ver o que é. É uma mensagem.

 

Como eu disse: “Tem uma ótima jogada esperando por vocês.”. Ainda é a sua vez Emma.

 

Noto que Stella, Rafael, Mirelly, Emma e Archer também receberam a mensagem. Nos entreolhamos. Chega outra mensagem no celular, dessa vez, no Whatsapp.

Emma: Precisamos conversar RÁPIDO!!!

Rafael: Como?

Stella: Tive uma idéia! É brilhante.

Eu: Qual é a idéia?

Olho rápido para a professora e em seguida para o celular.

Stella: Faça o que eu fizer. Ok?

Eu: COMO É QUE É?!

- AIII, QUE DOR DE BARRIGA! – grita Stella.

Arregalo os olhos enquanto minha irmã faz um show na sala.

- Rápido Thiago! – diz baixinho.

Respiro fundo, abraço a minha barriga e berro junto com a minha irmã.

- A MINHA TAMBÉM!!!!!

- O que houve? – pergunta a professora se aproximando.

- Deve ser frescura! – diz Regina com um sorriso no rosto, certamente, está adorando. Agora eu sei por que a Stella a odeia.

- Professora! – chama Mirelly, se levantando da cadeira – Acho melhor levá-los ao banheiro.

- É o que eu irei fazer.

- Não! – grita Mirelly – Quer dizer... Não. Deixe que eu e a Emma levemos a Stella, enquanto, Archer e Rafael, levam o Thiago.

- Tudo bem.

Nos levantamos das cadeiras e saímos da sala. Lá fora, vamos na direção dos banheiros. Como era mentira, ficamos apenas parados na frente deles.

- Dá pra me explicar que cena foi aquela? – resmungo

- Foi a primeira coisa que veio na minha mente. – ela dá de ombros.

Reviro os olhos.

- E agora? Ainda é minha vez de jogar. – Emma está com medo – O que eu devo fazer?

Uma mensagem chega no celular de cada um.

 

Bom dia para vocês, The Liars!

 

- Tá legal, quem é você?! – pergunta Rafael olhando para a tela do celular.

 

Eu sou o criador do “Jogo da Mentira”

 

- Jogo da Mentira? Achei que aquela coisa não tinha nome. – minha irmã franze a testa.

 

Pois tem Srta. Driv.

 

- O que quer com isso? – pergunta Archer.

 

Quero que vocês façam o que eu mandar! Ouviram bem?!

 

Parece que somos um grupo de estudantes loucos falando com os nossos próprios celulares, que nem vida eles tem.

- O que quer que eu faça? – pergunta Emma.

 

Tem sangue novo chegando na escola. Eu disse novo? Me enganei, vocês conhecem esse tipo sanguíneo. Prevejo um acidente. O que acha Emma? Acho que cabeças vão rolar.

 

Emma suspira de medo.

- Isso só pode ser uma brincadeira de mau gosto. – Stella diz histérica – Só pode ser a Regina, tenho certeza.

- Stella, dá pra parar com isso? – exijo.

- Não estou mentindo, estou?

- Mentindo sobre o quê Srta. Driv? – uma voz grossa pergunta atrás de nós. É o Sr. August.

- Nada... professor... – gagueja.

- O que vocês seis fazem fora da sala?

- Ah! Nós estávamos levando o Thiago e a Stella para o banheiro, porque estavam com dor de barriga... – responde Archer.

- E não podiam vir sozinhos? – o tom de voz do Sr. August muda, certamente está desconfiado.

- Bom... eles...

- Não quero saber. – interrompe – Voltem para a sala.

- Sim, senhor! – dizemos em coro e nos viramos para ir embora.

Faltando poucos metros para chegarmos a sala de aula, lembro da mensagem da Emma. Não gostaria de machucá-lo de alguma forma? Isso me preocupa.

- Já estão melhores? – pergunta a professora Trilony ao entrarmos.

- Sim professora, não foi nada. – respondo

- Claro, sentem a mesma coisa, afinal, são gêmeos. – ela sorri.

- Gêmeos idiotas, a senhora quis dizer. – Regina comenta. Será que ela não pode nos deixar em paz por um segundo?

- Se somos idiotas, você é pior. – digo com um sorriso.

Todos começam a rir. Regina me encara. Nos sentamos e a professora continua a aula como se nada tivesse acontecido. Já estamos na 3ª aula. Olho para o relógio encima do quadro, são nove e cinqüenta e cinco. Faltam só mais cinco minutos para irmos ao refeitório.

- Faltando pouquíssimos minutos para o intervalo, – começa – irei liberar vocês mais cedo. Podem ir.

Arrumamos nossas coisas e saímos. Somos os primeiros da fila, cada um de nós pegamos uma bandeja. Eu coloquei arroz, purê e uma maçã. Odeio comida de escola. Quase nunca tem o que eu quero. Vou em direção a uma mesa e os outros me seguem. De costas, ouço Regina comentando algo sobre derramar suco em alguém. Ela está acompanhada de um menino e uma menina. Olho pelo canto dos olhos, uma das amigas dela vem na frente, com um copo de suco cheio.

Imaginando o que é, pego a maçã e finjo que derrubei alguma coisa. Levanto-me e, me virando, jogo a maçã como se fosse uma bola de boliche. A garota tropeça nela e cai com tudo no chão.

- Opa! Escorregou da minha mão... – falo rindo.

Todos me olham.

- Que foi? – pergunto – Escorregou mesmo.

Meu grupinho começa a rir e eu me sento.

- Mandou bem. – elogia Rafael – Pena que só derrubou um pino.

- É, quem sabe da próxima. – digo com um desânimo falso.

Mirelly pega um espelho do bolso e pede para que eu me olhe. Que lindo. Regina está vindo, mas agora um garoto vem na frente. O que ela quer agora?

- Tá na hora de voltar aos velhos tempos. – digo.

Todos sorriem, ansiosos pelo o que estou prestes a fazer. O garoto está vindo. Ainda me admirando pelo espelho de Mirelly, vejo que está se aproximando. Assim que ela guarda, me endireito na cadeira e coloco o pé no meu do caminho. O menino cai. A bandeja está voando. De repente, pousa em cima da cabeça dele.

- Nossa! Você não olha por onde anda não?! – finjo que estou furioso.

Com medo de responder ele sai correndo, certamente, para o banheiro. Me viro e encaro Regina – Ah... Eu também sou mau. – penso. Volto para a minha bandeja de comida e começo a devorar o arroz que coloquei. Há quanto tempo eu não derrubo alguém desse jeito. Eu sempre fazia isso na outra escola.

São dez e quarenta e nove. Meu grupinho e eu estamos voltando à sala, ainda temos duas aulas. Estamos andando no corredor, porém, Regina está vindo na nossa direção.

- O que quer agora? – pergunta Stella.

- Queria tirar satisfação sobre aquilo no refeitório.

- Quer que eu te derrube também? – levanto uma sobrancelha – Como se pudesse. – ela ri baixinho.

- Eu tomaria cuidado se fosse você. – Mirelly olha no fundo dos olhos dela ao dizer cada palavra.

- E por quê?

- Porque somos seis e você... – antes de terminar a frase, Mirelly a olha da cabeça aos pés – é só uma.

Ela revira os olhos e antes de sair pisca um dos olhos para Rafael. Voltamos para a sala, no birô, está o Sr. August. Ai meu Deus! Imediatamente, cada um vai para os seus lugares. George está jogando algum joguinho de celular, para um nerd, isso não é novidade. Ao passar, vejo que é Xadrez Online.

- Com licença – digo. – George, não é?

- Sim.

- Você joga Xadrez Online? – franzo a testa, fingindo interesse.

- Amo, sou fascinado pelo xadrez – ele olha para o jogo de celular e volta para mim. – Amo jogos, xadrez e ludo são os meus favoritos.

- Legal... – meus lábios se contorcem em um sorrisinho falso, mas ele não percebe porque voltou a jogar.

Ao sentar no meu lugar, pego o meu celular e, disfarçadamente, mando uma mensagem.

Eu: Acho que acabei de descobrir quem pode ter mandado o jogo.

Archer: Quem?

Eu: George Malcon.

Archer: Duvido muito, ele pode ser um nerd, mas não seria capaz de criar aquilo.

Stella: Para mim, ainda é a Regina.

Eu: Falamos sobre isso depois! Agora é arriscado, o Sr. August pode nos ver.

Emma: Estou ansiosa para a conversa.

O Sr. August ainda não começou a aula. Está ocupado falando ao celular.

Olho para ele e em seguida para George, ele ainda está jogando. Sério? Logo você George? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...