História O Lado Escuro Do Vermelho - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Bts, Jeon Jungkook, Jungkook, Sexo, Staygirl, Você
Visualizações 510
Palavras 1.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, tudo bem?

A Unnie tá pistola esses dias, atualizando fanfic atrás de fanfic rsrs.

Não sei se comentei para vocês, mas acabei entrando em Hiatus semana passada, resumindo, quando postei a fanfic, por isso dessa demora toda para atualizar. Mas já retornei e as atualizações será diárias.

Queria agradecer a todos vocês, pelo carinho enorme que deram para esse enredo, fiquei muito feliz quando vi que aceitaram a fanfic, suas safadas rsrs

Boa leitura =

Capítulo 2 - Qualquer coisa.


Fanfic / Fanfiction O Lado Escuro Do Vermelho - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 2 - Qualquer coisa.

Saindo da empresa a qual trabalho, pego um táxi qualquer deixando o endereço com o homem. Ele logo deu a partida e seguiu caminho da concessionária. Passo a olhar pela décima vez o dinheiro que estava em minha mão. A quantia certa para comprar meu carro.

Meu primeiro carro, ainda não acredito que depois de anos trabalhando, eu finalmente consegui comprá-lo, estou tão ansiosa e nervosa ao mesmo tempo. A última vez que segurei um volante, foi na auto escola. E se alguma coisa de ruim acontecer enquanto estiver com esse carro?

Vira essa boca pra lá _________, nada vai acontecer, você sabe dirigir tão bem, quando seu pai. Vai dá tudo certo, você só não precisa ficar nervosa. Ao chegar na empresa a qual vendia o carro que estou olhando a um bom tempo, pago o motorista, depois o agradeço e entro na loja.

— Bom dia! — Um dos vendedores falou comigo. — Deseja comprar um carro?

— Bom dia. Sim, na verdade meu primeiro carro. — Sorri para o atendente.

— Já tem um em especial?

— Sim, eu quero o Opala. — Aponto para o carro em minha frente.

O vendedor me levou até o carro, pediu para olhar melhor, e assim que fiz tudo, falei novamente que queria o carro. Era um bem antigo, e o mais barato que a loja oferecia. Talvez seja o único que meu dinheiro desse para comprar também, os demais carros são bem modernos e parecem caros.

Depois de tudo, ele me mandou para outra atendente, mas agora para trata do dinheiro. Espero um pouco para calcular que o carro era definitivamente meu, depois que todo o processo foi feito, finalmente o carro seria meu.

Depois que paguei a moça, caminhei de volta para o carro, agora levando definitivamente da loja. Depois que o tiraram de lá, eu entrei dentro dele.

— Agora você é meu. — Passos às mãos pelo volante, admirando um pouco mais o carro.

Não ficaria com vergonha de andar com um carro desse, mesmo sendo bem antigo, não me importo. Aqui em Nova York, é meio difícil encontrar alguém com carros antigos, já que eles têm costumes de comprar coisas modernas.

Dei a partida no carro, saio pelas ruas da cidade. nervosa eu estava até demais, a última vez que dirigi um carro foi a dois anos atrás. Agora com vinte três anos, pretendo dirigir o mundo todo com esse carro. Mas espero que aguente essa viagem.

Decido abastecer ele um pouco, gasolina nunca é de mais. Assim que o moço terminou, saio pelas ruas novamente. Mas acelero um pouco, não precisava desse medo todo para dirigir.

— Vamos ver até quanto você consegue. — Dito isso, o ponteiro que antes marcava quarenta quilômetros, agora passou para os oitenta.

Sorri ao ver que ele era rápido e até agora não tinha morrido. A pista marcava cinquenta, mas não obedeci a isso e acabei passando para os oitenta e cinco. O carro era rápido de mais, e eu gostava disso.

Mas acabo não vendo outro carro quando passei a pista contrária. Ele acabou batendo com força ao meu lado, levando o carro para longe. Só o que consegui ver depois, foram as pessoas correndo de um lado para o outro.



(...)



— Ela está acordando.

Abrindo meus olhos lentamente, consigo avistar várias pessoas a qual não conhecia dentro da sala a qual não sabia onde estava também.

— Onde estou? — Pergunto meio desorientada ainda. — Hospital? — Olhei para a máquina que apitava perto de mim.

— Você sofreu um acidente _________. Se não tivéssemos te trazido a tempo, você estaria morta. — Um dos médicos falou.

— Como sabe meu nome? Onde está meu carro? Tenho que voltar para o trabalho.

— Descobri seu nome nos documentos a qual estão em sua bolsa, seu carro está no conserto e você não poderá trabalhar durante três semanas.  

— O que? Não, eu preciso sustentar minha casa. Estou perdendo dinheiro desse jeito. — Tento me levantar da cama, porém, o médico não permitiu.

— Se acalme, já mandamos o atestado para a empresa, eles mandaram os benefícios que precisa. — Respiro mais aliviada, porém o nome que estava escrito em seu jaleco me chama atenção.

— Hospital particular? — Ele assenti. — Como eu vim parar aqui? A conta desse hospital deve ser caro.

Antes mesmo de terminar a falar, um homem alto entrou onde estava. Ele tinha cabelos negros, olhos castanhos escuros e parecia ser novo. Seu rosto é familiar para mim.

— Posso conversar com ela? — Logo em seguida os médicos saem de sala. Lembrei, ele é o filho de um dos milionários em Nova York. — Não sei se você me conhece…

— Jeon Jungkook, o filho do milionário de Nova York. — Reviro meus olhos. — Seu pai comprou a empresa que trabalho a três meses atrás. O que faz aqui? Seu pai te mandou? — Debochei.

— Na verdade, você colidiu em meu carro. — Arregalei meus olhos para o play boy. — Vim te cobrar pelo que me deve.

— O que? Você pode estar brincando não é? Você é rico, como assim ainda estar me cobrando?

— Ou paga o que deve, ou terei que te processar, por estar correndo a oitenta em uma pista de cinquenta.

— Quanto estou te devendo? — Pergunto sem muito me importar.

— Ao total, são trinta e cinco mil reais.

— O que? — Gritei com o garoto que continuava sério demais para mim. — Olha, não tem como eu te pagar tudo isso, eu só recebo mil e quinhentos por semana. — Falei baixo. — Por favor, Jungkook, aceite minhas desculpas.

— Claro que aceito, mas só depois que me pagar também.

— Jungkook, por favor, eu te imploro. Aceite apenas o meu perdão… Eu faço qualquer coisa!

— Qualquer coisa? — Assenti. — Amanhã você receberá alta, passarei aqui para te buscar. Eu tenho uma proposta para fazer a você, e garanto que irá aceitar. — Inclinou seu corpo diante ao meu. — Você irá querer isso, mais do que eu quero.

— Do que se trata essa proposta? — Engoli a seco, quando percebi que ele estava a metros de distância de mim.

— Quando chegamos em minha casa, você saberá. Mas te garanto, que gostará da proposta! — Piscou para mim, e caminhou até a porta novamente, mas antes de sair, me olhou. — Até amanhã, ________. 


Notas Finais


Gostaram do primeiro capítulo?

Queria agradecer a @Animecutecute por te feito as capas da fanfic, muito obrigada Bárbara ^-^

Não sei se comentei para vocês, mas a fanfic é um presente para a Bunny, então espero de coração que você esteja gostando @BunnyPsychopath

Perfil: @StayGirl


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...