História O lado negro (do momento mais lindo na vida) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Hiato, Kpop, Musical, Namjin, Romance
Visualizações 17
Palavras 3.598
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora para postar, eu fiquei sem computador e não pude postar antes.
Mas aqui esta mais um capitulo quentinho.
Espero que gostem.
Enjoy.

Capítulo 5 - Capítulo 4- Even If I Die, Its You


Fanfic / Fanfiction O lado negro (do momento mais lindo na vida) - Capítulo 5 - Capítulo 4- Even If I Die, Its You

Capítulo 4- Even If I Die, It's You

 

Ppigeodeok ppigeodeok, geumi gan nae mame
Sirin neoui hansumdeu
Jogeumssik jogeumssik, sideuneun kkocccheoreom
Simjangi naeryeoanja

(Rachando, rachando, meu coração rachado
O frio de sua respiração
Pouco a pouco, como flores murchas
Meu coração afunda)

 

 —Onde raios você estava? –Megan foi ao encontro de Steh assim que a mesma entra na lanchonete, a abraçando com força

 —Ahn... Eu estava dormindo, por isso cheguei atrasada –A jovem retribui o abraço, rindo, e a solta logo depois, indo até a saleta se trocar

 —Eu avisei a eles que vi você saindo com um rapaz loiro, e que provavelmente você não queria ser incomodada, mas não me ouviram –Natasha dá de ombros enquanto fala, com seu milk-shake de morango em mãos

 —Você dormiu com um rapaz que conheceu ontem? –Priyanka arregala os olhos, levando aos lábios um copo grande de um liquido verde e bebericando apenas uma gota, antes de colocá-lo novamente no balcão

 —Você se espantaria em saber que, no ocidente, isso é muito comum? –Alile disse, com a sobrancelha arqueada, enquanto limpava a mesa de clientes que acabaram de sair

 Steh sai da saleta, já trocada, enquanto amarrava seus cabelos dentro da toquinha da lanchonete, e se junta a Zuela na preparação dos lanches. Ele estava estranhamente quieto, mas ela resolveu não falar com ele, para não ser inconveniente.

 —Se fosse no meu país... Não, se fosse na minha cidade, que ainda é bem tradicional –Priya continuou, balançando os longos cabelos escuros com as mãos, para tirá-los do rosto —Vocês teriam que se casar agora

 —Diana me livre –A morena disse, alto, enquanto ri e corta um pão de hambúrguer —Trevor é legal, mas não quero nada sério com ninguém. Ainda mais com ele, que volta para a Noruega semana que vem

 —Você tem que aprender umas coisinhas, Priya –Natasha balança a cabeça, terminando o milk-shake e olhando o relógio —Mais vinte minutos e depois temos que ir para a academia.

 Priyanka apenas assentiu, enquanto fingia estar muito interessada no celular, o que fez com que a loira revirasse os olhos. Tasha era fã de lutas e, por isso, estava matriculada em uma academia para começar o Taekwndo, enquanto sua companheira de apartamento era uma nerd que não queria sequer pensar em exercícios, e por isso a russa a arrastava.

 —Ah, nossa bela oriental disse que viu um dos membros do BTS na festa, sabia? –Megan diz, indo até a mesa e entregando os lanches que haviam acabado de serem feitos —Ela descreveu o encontro dos dois como: ‘Nossos olhares se encontraram e eu soube quem ele era’

 Todos fingiram colocar o dedo na garganta e vomitar, fazendo sons de ‘eca’, enquanto a viam ficar vermelha

 —É sério, gente, eu juro que vi Park Jimin na festa de ontem! –Ela diz, aumentando consideravelmente o tom de um sussurro para quase um grito

 —Eu acredito nela –Alile deu de ombros —Afinal, eles não são aqueles que estão sumidos?

 —Eles estão em hiato –Natasha respondeu, pegando outro milk-shake e oferecendo um pouco para Steh, que não recusou e tomou uma boa quantia —O que significa que deram uma pausa por motivos pessoais e podem voltar a qualquer momento

 —Ninguém sabe onde eles estão mesmo, podem muito bem estar aqui –A jovem de cabelos enrolados sussurrou, indo anotar o pedido de outra mesa —Eles pareciam estar precisando de novos ares na televisão.

 Assim que ela voltou para o balcão, entrega o novo pedido a Megan e se dirige as mesas, para limpá-las, ainda dentro da conversa

 —Eu acredito em Pryianka pelo simples fato de que eu tenho provas de que ela fala a verdade –Todos se viraram para Megan e ela deu de ombros —Eles vieram aqui em uma van preta outro dia e pediram lanches.

 Steh estreita os olhos, interessada na conversa. A primeira coisa que veio a sua cabeça foi: Será que aqueles garotos que eu havia visto eram realmente o BTS?

 —Se vocês os encontraram, por que não foram falar com eles? Pedir um autografo? –Natasha se inclinou sobre o balcão, esperando respostas

 —Se eles saíram da Coreia pelo assédio, seria meio insensível importunar eles aqui –Megan disse, e Pryia concordou —Sem contar que um deles, J-Hope, estava com a perna bem machucada...

 O rapaz de muletas... Stephane o havia encontrado assim que ele entrara na lanchonete aquele dia. Seus olharem haviam se cruzado naquele momento, e ainda estava fresco na mente da jovem o fato de acha-lo muito bonito, antes de ser obrigada a ir lavar pratos na cozinha e não poder vê-lo de perto.

 —Eu me lembro de ver um rapaz asiático com a perna enfaixada na boate de ontem –Alile sussurrou, como se fosse um segredo —Mas se era desse grupo, eu não sei, afinal não sou muito ligada nesses estilos de música.

 —Um rapaz de perna enfaixada? –Steh sussurra para si mesma, sem ser ouvida —Eu me lembro vagamente de encontrar o sorriso de um rapaz com a perna enfaixada, quando estava no bar indo até Trevor. Será que era ele?

 Ela não teria como saber, já que estava muito escuro e ela já estava muito tonta. Mas seria muita coincidência, não?

 —Bom, se um foi a boate, presumo que todos os outros seis foram juntos –Natasha deu de ombros, antes de se levantar —Mas que eu queria ter visto isso, eu queria.

 —Depois da academia leve Pryianka para casa, ela está sofrendo de amor à primeira vista –Alile deu risada e balanço a cabeça, pegando a bandeja e levando dois copos de suco para a mesa 5

 —Amor à primeira vista não existe, amores –A morena disse, voltando com a bandeja vazia enquanto ajeitava os óculos —Não existe essa coisa de, de repente, quando você encontrar aquela pessoa destinada a você, seu coração vai bater mais rápido e vocês vão se apaixonar... isso só acontece em filmes.

 Megan revira os olhos e a atinge com o pano de prato, fazendo cara feia, logo depois que ela acaba de pronunciar tais palavras.

 —Deixe de ser tão cética, senão terei que te bater.

 Em resposta, ela recebe mãos erguidas em rendição e sua amiga fecha a boca, encerrando o assunto. Logo, Pryianka e Natasha pegaram suas bolsas e pagaram suas bebidas, saindo em seguida.

 Steh as vê indo embora e as acompanha com os olhos, inclinando a cabeça. Ela repassava mentalmente o que haviam conversado há pouco. Amor? Depois de se trombar em uma boate? Isso é impossível, certo?

 No máximo foi uma paixãozinha. Da mesma forma que devia ser uma pequena paixão o fato de que vez ou outra as imagens do rapaz com a perna enfaixada, sentado no balcão, viessem a sua mente. Era isso que ela tentava repetir para si mesma o tempo todo.

 —Ué, ela pediu o shake e não tomou nada –Alile diz, confusa, e mostra o copo, cheio do liquido verde que a jovem estava tomando, vendo Megan franzir o cenho ao confirmar que ela sequer havia tocado na bebida —Esse não era o café da manhã dela?

 —Estranho. Será que está ruim?

 Mas a morena de cabelos encaracolados sequer estava prestando atenção a nada que elas estavam falando sobre copos e mais copos de bebidas.

 

Haneure matgyeossdeon
Nae unmyeongui yeolsoeneun
Dasi naui sonane
Gin sumeul samkigo
Yeonghoneul bultaewo
Neoreul chajiharyeo hae

(Eu deixei para o céu
A chave para o meu destino
Agora ela está de volta em minhas mãos
Com uma longa respiração
Colocando minha alma em chamas
Eu preciso ter você pra mim)

 

 —QUE PORRA VOCÊS TÊM NA CABEÇA? –Os gritos vinham do telefone, colocado em modo viva voz por Chung, que estava de braços cruzados, escorado a porta da sala, com óculos escuros para disfarçar as olheiras da ressaca.

 Todos estavam no mesmo estado, jogados inertes no sofá e nas poltronas, sem nenhuma vontade de levar bronca, e com uma dor de cabeça intensa. A noite passada era um borrão para a maioria deles, e o fato de que seus superiores ficaram sabendo não era nada bom.

 Eles permaneceram mais alguns minutos escutando uma bronca monumental, de olhos fechados, sem responder até que lhes era ordenado.

 Assim que a ligação foi encerrada, todos suspiraram quase ao mesmo tempo, sem vontade de falar ou de se mexer.

 —Foi você que contou, Chung? –Namjoon sussurrou, levemente irritado, enquanto passava a mão por seu rosto, tentando acordar

 —Não –O mais velho respondeu —Eu também ouvi poucas e boas por ter levado vocês na van. Não sei como ele ficou sabendo.

 Um gemido do líder foi a resposta que o homem recebeu e, logo em seguida, ele foi atingido por uma almofada.

 —Como você pode cair na nossa conversa e nos levar até uma boate desconhecida, hyung? –Jin dizia, com uma compressa na cabeça, para aliviar a dor

 —Jin hyung, não quero te contrariar, mas... –Hoseok pigarreia, antes de continuar —Vocês dois foram comprar pão e voltaram bêbados, e depois falaram dessa boate e nos convenceram a ir... Portanto, de certa forma, você está tão errado quando ele

 —Eu sei, não precisa me lembrar –Jin reclamou, choramingando —O que exatamente aconteceu ontem? Depois de um tempo minha mente parece uma sucessão de flashes...

 —Eu nem me lembro como chegamos em casa –Yoongi sussurrou, com os olhos fechados e a touca na cabeça

 —Eu me lembro de estar dançando... –Tae disse, com um copo de água em mãos —Eu lembro de ver Jin hyung deitado no colo de Namjoon hyung no sofá da boate...

 Naquele momento, os dois rapazes citados se encararam, o rosto rapidamente ficando vermelho ao se lembrarem do que o rapaz estava falando. Jungkook percebeu o desconforto de ambos, e apenas mudou de assunto, se espreguiçando antes de começar a falar:

 —Hoseok e Jimin devem se lembrar muito bem da noite anterior...

 —Por que está nos dizendo isso agora?

 —E por que está nos tratando informalmente? Quer morrer? –Jimin completa a pergunta de Hoseok, atirando seu sapato no mais novo, que desviou.

 —Eu só pensei que, como vocês dois encontraram garotas bonitas na festa, teriam pelo menos alguma lembrança da noite, certo? –Ele sorriu, malicioso.

 —Garotas? –Yoongi abriu um olho —Com Hobi e Jimin? Qual era o problema delas?

 Ambos balançaram a cabeça e os ignoraram, mas logo foram bombardeados de perguntas, os deixando com dor de cabeça.

 —Por que vocês são tão insuportáveis? –Jimin resmungou, segurando uma almofada no rosto, para evitar olhar para eles

 —Cuidado como fala conosco, somos seus hyungs –Yoongi sussurrou, fazendo um muxoxo de desdém em seguida —Jovem insolente.

 —Nós só perguntamos como elas eram, apenas isso –Taehyun disse, calmamente, terminando de beber seu copo de água e indo buscar mais.

 —Eu não terei como fugir disso, não é? –Hoseok suspirou, se jogando no chão da sala, inerte —Por que vocês continuam sendo maldosos comigo? Eu estou com a perna machucada!

 —Hey, hyung! –Jungkook chamou, o cutucando com o pé —Pare de fazer drama. Sua perna já está praticamente boa.

 —Ela era bonita, ok? Apenas isso. Bonita –Jimin disse, fazendo menção de se levantar e sair, mas é impedido por Tae, que volta da cozinha com outro copo de água e se põe a sua frente.

 —Bonita quanto?

 —Ela tinha... –Ele se sentou novamente, pensativo —Tinha a pele bronzeada, quase cobre, e os cabelos negros dela iam até depois da cintura. E ela tinha olhos grandes e quase negros.

 —Estrangeira?

 —Parecia indiana.

 Todos soltaram risadinhas e começaram a atirar coisas em Jimin, que tentava desviar da melhor forma que podia.

 —Eu já falei tudo que eu tinha para falar.

 —Não falou não, hyung –Jungkook ergueu a sobrancelha para ele —Aconteceu alguma coisa?

 —Claro que não! Eu apenas... esbarrei nela sem querer. Ela me viu, nós pedimos desculpas...

 —E você ficou olhando para ela como um babão –Yoongi deu um peteleco na cabeça do rapaz, o tirando do transe.

 —Não, ela apenas foi embora e eu não tive sequer tempo de perguntar o nome dela.

 —Acha que ela te reconheceu? –Namjoon perguntou, cruzando as pernas.

 —Não sei, mas eu sinceramente espero que não.

 O silêncio se instalou na sala por um momento, e Hoseok, calmamente, começa a tentar sair da sala, até que sente uma mão segurar em sua perna boa.

 —Se eu tive que contar, você não vai escapar

 —Jiminie... Por que fazer isso comigo? –O rapaz disse, fazendo drama, enquanto desvencilhava a perna da mão do outro

 —Porque é assim que a vida é. Eu tenho que falar, e você também.

 O jovem rapper se sentou no chão, emburrado, e falou rapidamente

—É só uma garota que eu vi na lanchonete aquele dia...

—Você reencontrou a garota da lanchonete? –Taehyung se joga no sofá, derrubando algumas gotas da água em cima de Hoseok.

 —Quem é essa garota da lanchonete? –Jungkook os olha, com a sobrancelha arqueada, curioso

 —Tem essa garota... que o Hope viu naquela lanchonete onde nós fomos...

 —A ruiva do balcão?

 —Não. Ele disse que ela tinha os cabelos cacheados bem armados, e usava óculos... mas ela foi até a cozinha e não voltou mais –Tae deu de ombros e voltou a beber a agua —Ele até achou que fosse uma visão.

 —E quem garante que essa garota exista mesmo? –Jungkook foi atingido com uma almofada, jogada por Hoseok.

 —Esse garoto está querendo morrer mesmo. –O mais velho suspirou —Eu não pensei que ela fosse uma visão, é só que ela não voltou da cozinha quando nos vimos... e ontem eu a vi na boate.

 —Ela é bonita?

 —Sim –O rapaz sorriu —Ela tem os cabelos grandes e encaracolados, e usa óculos que realçam seus olhos castanhos... ela tem o rosto arredondado e-

 —Certo, chega, já entendemos, você está descrevendo demais –Yoongi revirou os olhos —Por que então não foi falar com ela ontem?

 —Ela...

 —Ela o quê?

 —Outro rapaz chegou antes.

 Todos se encararam, sem saber o que responder a essa situação. Até que Seokjin pigarreou, chamando a atenção de todos, e disse, com a mão esquerda massageando a têmpora:

 —Sinto muito por isso, Hobi-nah –Hoseok deu de ombros e seu hyung continuou —Mas, como dizem, se for para vocês dois ficarem juntos, então vocês acabarão se reencontrando em algum momento.

 —Obrigada hyung.

 —Ninguém falou em ficar junto –Taehyung revirou os olhos e finalizou outro copo, limpando a garganta em seguida —Eles só as acharam bonitas, não quer dizer que estão apaixonados, certo?

 Park Jimin e Jung Hoseok se entreolharam e suspiraram, sem responder.

 —Certo, essa conversa está me deixando com mais dor de cabeça –Namjoon se levantou, cambaleante, e foi em direção a cozinha, tomar um remédio.

—Nós devíamos estar descansando para a primeira aula amanhã –Yoongi completou, colocando a touca em seu rosto novamente, pronto para voltar a dormir.

 —Eu não queria concordar com Suga-hyung, mas ele está certo –Jungkook suspirou e passou a mão por seus olhos, cansado.

 —Vão descansar enquanto preparo um almoço para vocês –Chung disse, finalmente tirando os óculos escuros, e adentrou a cozinha, arrancando palmas de todos, que estavam muito agradecidos, enquanto os mesmos subiam para os quartos, os quais estavam dividindo.

 —Chung devia receber um aumento –Namjoon sussurrou e todos acenaram com a cabeça, concordando, antes de fecharem as portas dos três quartos.

—Taehyung estava certo sobre o que disse, não é? –J-Hope sussurrou para Jimin enquanto se jogava sem sua cama e o menor apenas deu de ombros, sem saber o que responder

 

Nareul tteonagaji ma, Nareul namgyeoduji ma
Doraseon ne mame, Balgireul naege dollyeojwo
Ganjeolhan neoreul wonhae, Moksum geon jeonbuya
Heuteojyeobeorin bit sogeuro
Nal deryeoga jwo, Jeosesang kkeutkkaji

(Não me deixe, Não me deixe para trás
O seu coração que se desviou, Por favor, redirecione-o de volta para mim
Eu quero você desesperadamente, Isso é tudo pelo qual arrisquei minha vida
Em direção às luzes dispersantes
Me leve até lá, por favor, Até o fim do mundo)

 

Na manhã seguinte

 

 —Vamos, Megan, vamos acabar nos atrasando para a primeira aula –Steh encarava o relógio, parada na porta do apartamento simples da amiga ruiva

 —Você tem que se acalmar! –Dizia ela, correndo de um lado para outro —Se não vai me deixar nervosa!

 —Você já está nervosa –A jovem morena revirou os olhos —E eu já estou calma.

 Megan bufou e saiu pela porta, trancando a mesma com rapidez. Ambas descem os degraus rapidamente, até chegarem na porta do prédio, onde já estavam sendo aguardadas.

 —Mil perdões, galera –A ruiva se desculpou, andando com o grupo na direção do ponto de ônibus —Eu perdi a hora.

 —Nós percebemos –Alile deu de ombros, com o caderno em mãos, andando ao lado de seu irmão.

 —Pessoal! Entrem no carro! –Todos se viraram na direção da voz, apenas para ver Natasha dirigindo um carro esporte, com Pryianka no banco do carona, gritando para que o grupo fosse com elas.

 Zuela e Steh se entreolharam e deram de ombros, correndo para entrar no banco de trás, sendo seguidos por Megan e Alile, que se jogaram ao lado dos outros dois, enquanto a loira dava partida.

 —Como vocês conseguiram um carro? –Zuela perguntou, surpreso.

 —Meu pai arrumou para mim –A russa deu de ombros, olhando para frente enquanto dirigia.

 Os outros se entreolharam, sem dizer mais nada, e ligaram o rádio, indo a caminho da faculdade.

 

...

 —Levanta, Namjoon –Hoseok tentava arrastar o líder para fora da cama, enquanto o mesmo resmungava

 —Vai chamar o Yoongi –O rapaz fez um início de birra, tentando se desvencilhar dos braços do amigo

 —Jin hyung já está cuidando dele, meu trabalho é acordar você –J-Hope puxou seu dongsaeng pelo pé e o arrancou da cama, o fazendo acordar, finalmente.

 —Certo, certo, hoje é o grande dia.

 —Sim, passei o mês inteiro esperando por isso –O jovem sorriu, fazendo uma curta mesura, e saindo do quarto, com a perna ainda enfaixada, mas já andando sem muletas.

 —Eu sei que sim, Hobi hyung. Eu sei que sim.

 Os gritos de Taehyung foram ouvidos enquanto ele corria atrás de Jungkook pelo corredor, berrando alguma coisa sobre ele ter tomado shampoo. Namjoon suspirou e foi até lá para tentar separá-los.

 Assim que todos terminaram de tomar banho, pegaram suas mochilas e saíram, em direção a van, que tinha Chung no volante.

 —Meu inglês ainda não está... bom –Yoongi sussurrou, ainda sonolento, testando sua pronúncia.

 —Você devia ter testado nesse mês, como todos fizemos –Jin respondeu, tendo como resposta um murmúrio de desdém.

 —Eu estou treinando agora, já é o bastante –Ele deu de ombros e ficou quieto, olhando pela janela, enquanto faziam o caminho na van.

 

...

 A manhã passou rápido na sala do curso de férias, enquanto Steh e seus amigos estavam ensaiando na sala de música, tendo a primeira aula teórica sobre música e dança. A maioria dos alunos eram estrangeiros, o que dava mais liberdade para que todos se sentissem confiantes e não se sentissem medo de errar as pronúncias das palavras.

 Megan mostrou seus dons na dança contemporânea e recebeu diversos elogios, sendo a única sênior entre eles, que fazia o curso de férias pela segunda vez consecutiva, e logo depois os calouros mostraram o que sabiam fazer.

 No andar superior, a aula de canto avançado passou rápido no primeiro período, e logo depois a aula de dança contemporânea veio, a qual Hoseok não pôde participar por ainda estar com a perna enfaixada, mas ele recebeu bastante elogios por sua experiência em dança, e por isso ele auxiliou os membros nos movimentos.

 Assim que a aula do terceiro andar acabou e todos os alunos se retiraram, em direção as suas casas, Megan e Steh ficaram com seus amigos na sala, praticando mais um pouco antes de dar a hora de irem para a lanchonete.

 Assim que o prédio ficou silencioso, Natasha se sentou em frente ao piano e chamou Stephane para acompanha-la na voz.

 A jovem assentiu e se recostou no piano, aquecendo a voz de forma rápida antes de começar a cantar.

 —Ah, eu adoro essa música –Pryianka se sentou próxima, para escutá-las melhor, Steh sorriu ao ouvir o comentário e continuou cantando

 —Nega eopsin, gaseumeul gwantonghal nunmul –A jovem fechou os olhos, sentindo a música, que era tocada no piano por sua amiga —Tteoreojil geomeun jiokppun, naege neon geureon jonjaeya*

 Fora da sala, Hoseok era amparado por Jungkook, enquanto os sete desciam as escadas, na direção do terceiro andar, para saírem do prédio. Logo que pisaram no corredor do terceiro andar, Taehyung parou de andar e sussurrou, surpreso:

 —Hyung –Ele olhou para Jin e indicou a sala com a cabeça —Estão cantando nossa música.

 Todos os membros se entreolharam e correram rapidamente na direção do som, se esgueirando na ponta da porta, para olharem o que tinha dentro.

 Assim que Jimin e Hoseok olharam as pessoas presentes, ambos ruborizaram e se encararam, surpresos.

 —O que foi, hyung? –Jungkook sussurrou

 —São elas! –Jimin exclamou, o que atraiu a atenção de todos que estavam ensaiando, e todos os sete timidamente tiveram que entrar na sala.

 Assim que Steh se virou, encontrou o rosto do rapaz com a perna machucada a sua frente. Pryianka se levantou rapidamente ao ver o rosto de Jimin e ficou a encará-lo, o que era feito também pelo rapaz.

 Ninguém teve coragem de dizer uma palavra, e o clima estava tenso. Todos finalmente viram que a jovem indiana estava certa e que aqueles eram realmente os membros do grupo sul-coreano que ela tanto falava.

 Mas não era isso que passava pela cabeça daqueles quatro que não paravam de se encarar.

 Finalmente, com um fio de voz, Hoseok sussurrou, com um inglês levemente acentuado por seu sotaque, com um sorriso de canto no rosto:

 —Eu lembro de você.


Notas Finais


*Tradução:
Sem você
Só existem lágrimas que cortam o meu coração
E a queda para uma escuridão infernal
É isso o que você significa para mim

FINALMENTE ELES SE ENCONTRARAM DIREITOO
Estão empolgados como eu?
E é isso gente, até o próximo capítulo

Como vocês viram, a música desse foi a OST de Hwarang, feita por Jin e V, e você escuta ela aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=mJEHTdQoSsA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...