História O Ladrão de Almas - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), HyunA, Ladrão de Almas
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags _yeonjoo, Hyuna, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Lemon, Magia, Mistério, Taemin, Vkookmin, Vmin, Vminkook, Yaoi
Visualizações 64
Palavras 4.511
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Slash, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hellooooo, olha eu aqui! \o/
Bem, antes que tacarem pedras e tijolos em mim (pois eu mereço, eu sei - q) quero muito mesmo agradecer de todo o meu coração aos favoritos e comentários de incentivo! Gente, vocês não imaginam como isso me deixar super iper mega ULTRA feliz. Heuheu Obrigado. <33

E claro, antes de explicar a minha ausência - no qual eu talvez mereça umas broncas? Talvez - deixarei esse capitulo para apreciação de vocês xuxus. Portanto, por favor, leiam até as notas finaaaais pois tenho uma surpresinha! =3

Boa leitura! ^^

Capítulo 6 - • Capítulo Cinco •


Sem mistério algum, sabe-se muito bem que as palavras ao serem proferidas exercem determinado grau de importância para cada tipo de ser humano. Por exemplo, algumas tendem a serem descartadas e deixadas para trás por qualquer pessoa no exato momento em que são ditas, já outras tendem a possuir uma densa capacidade de impregnar-se rapidamente nos pensamentos daqueles que o ouve. Digamos que isso deve-se ao simples poder que elas possuem, algo cósmico por assim dizer.

Com o Park não foi nada diferente, pois, apesar de ter seu lado crítico bem forte e estruturado, pela primeira vez algo que lhe fora dito estava o perturbando de forma incessante. E pelos seus cálculos isso já se faziam semanas, desde a aparição daquele estranho homem no qual se designava pastor.

Pelo que ouvira falar das pessoas o mesmo fora julgado e condenado em Kwangju, porém, outros disseram que dias depois ele havia milagrosamente fugido da condenação e desaparecido do mapa. O que também não adiantou muito em relação a efervescência e a influência oculta de rebeldia nos ares, pois estas não pareceram serem aplacadas suficientemente com sua ausência. Realmente os ensinamentos daquele homem tinha plena força de alojar-se na mente das pessoas.

Contudo, aquele não era somente o único fato ligado as preucupações do menor pois além das palavras profanas do pastor fajuto, ultimamente algo mais importante estava o incomodando e pelo momento em que jazia sentia-se confuso ao contemplar em como as tais coisas que aquele homem dissera em relação a Jeon eram verdadeiras. Coisas que até mesmo foram proferidas por seu irmão.

Para começar, esse estranho e incômodo sentimento surgiu quando Jungkook decidiu lhe segregar as margens do lago algo que lhe aconteceu e no qual não conseguia esquecer. Algo que fazia parte das mudanças de sua vida. De início o Park tinha uma leve noção do que seria e em que rumo aquele assunto andaria, só não esperava que seria da forma que tanto evitou pensar.

A primeira amante de Jeon Jungkook e as consequências.

O maior lhe confessara calmamente que havia se tornado um participante dessa valsa secreta de amantes ilícitos existente em St. Jeon aos seus 16 anos, e que isso tinha ocorrido justo em um dia no qual seu pai decidira o levar para visitarem um dos fazendeiros mais ricos do povoado. O Sr. Kang e sua esposa.

"Ficar ouvindo os mais velhos conversarem sobre terras e trabalho não eram tão agradável assim, então por conta do tédio e como de costume também, decidi sair mansamente de perto dos senhores e ir passear pelos arredores da fazenda. Aliás, realmente a fazenda era um lugar bastante bonito e agradável para se admirar."

Contudo, Jeon também lhe confessara que pela primeira vez o mesmo estranhamente fora convidado pela senhora da casa - que aparentava ser jovem e bela - para que pudesse tomar um pouco de seu chá enquanto seu pai conversava com o marido da mesma. E um tanto surpreso no início, aceitou o convite porém alegou que não sabia que a moça continha em seu peito um desejo ardente e extremamente carnal por ele.

"De facto, naquele tempo eu não sabia nada sobre mulheres ou desejos carnais e muito menos a sensação de tal prazer. E como um lobo à espreita de atacar o cordeiro, a mesma ardilosamente me seduziu alí mesmo naquele lugar onde faziam as sagradas refeições do dia-a-dia."

Enquanto a mulher distribuía tocadelas quentes pelo corpo forte do rapaz, até chegar o exato momento de desabotoar suas calças, Jeon admitiu que não ousou agir contra tal ação. De certa forma, naquele instante sentiu a intensa necessitade em descobrir tal sensação no qual fazia todos os homens delirar pelo simples fato de ter uma mulher em seu braços. Queria sentir o prazer correr por seu corpo, e, este... foi exatamente a mesma o concedeu.

Jungkook o afirmou que naquele dia, depois de todo ocorrido e até mesmo atualmente, ninguém havera percebido e descoberto o que acontecera debaixo daquele teto. Nem seu pai e muito menos o marido daquela mulher. Caso descobrissem, talvez nada poderia lhe acontecer mas em relação a ela não havia nada para assegurar. Poderia ser tachada como adúltera.

"Vezes ou outra notávamos a presenta um do outro e nossos olhares se cruzavam entre a multidão, porém, desde aquele acontecimento, decidi que não voltaria mais naquela fazenda. E desde tal experiência, começei a visitar certos lugares pois minha ânsia por mais "contato" se intensificaram."

E como finalização em desculpas, alegou que não somente ele era culpado de ter ficado com várias mulheres - mesmo estas sendo casadas - mas que também elas possuíam suas parcelas de culpa; o que de fato uma era verdade.

Desde esta confissão, o Park não conseguiu mais tirar de si a sensação descabida em saber que seu melhor amigo compartilhava leito com várias mulheres daquele lugar por puro prazer e experiências sexuais. Que realmente tudo que lhe falavam eram puras verdades. Já até mesmo lhe era notório que - mesmo os pais não sabendo - Jungkook possuía uma alma digna de um casamenteiro espiritual nato e nada poderia mudar.

Contudo, mesmo escutando tudo aquilo Jimin nunca tentou sequer tocar no assunto ou ao menos julgá-lo, afinal, era a vida de Jeon e mesmo sendo o seu melhor amigo não tinha o direito de opinar.

Entretanto, ficaria com sua opinião para si por um bom tempo e quem sabe pela eternidade se não fosse por um ocorrido recente entre os dois.


Era um lindo findar de tarde, e o loiro estava à horas na companhia de alguns visitantes novos pela região quando Jungkook aproximou-se a cavalo de sua moradia. E como sempre, vendo-o em frente a sua casa o chamando para um passeio, o Park também viu alí um um bom e ótimo pretexto para sair daquele momento em que se encontrava no qual não era nada divertido.

Com toda destreza e rapidez, subiu no cavalo que ganhara de presente do seu pai e seguiu em direção ao amigo no qual lhe esperava com um grande sorriso amistoso nos lábios, porém, ainda de longe se pôde ouvir a doce voz de sua irmã a lhe chamar. Como sempre percebendo a sua ausência.

— Oppa! Você não irá fazer companhia para nós? - a mesma possuía uma expressão confusa, e ao seu lado estava a linda moça no qual desde que chegara não parava de encarar o rapaz. Entretanto, Jimin parecia não perceber nada.

— Não se preocupe JiSoo, logo eu voltarei para você minha irmã. - ele a respondeu com um fraco sorriso e acenou apressadamente a Jungkook para que fossem embora antes que sua mãe decidisse aparecer e exigisse para que ficasse.

Sendo assim os dois seguiram cavalgando lado a lado rumo a floresta com todo cuidado, e apesar de o local não ser tão longe assim, tudo alí dentro parecia está denso demais naquele dia. Poderiam muito bem machucar os cavalos ou até mesmo eles. 

Porém, como se estivesse a ler os pensamentos de Jimin, o moreno logo pegou um atalho inesperado sendo seguido logo atrás pelo menor. Até porque o Park sabia para onde o amigo estava os levando, era o novo lugar onde os dois rapazes passavam a tarde. 

Naquele local, pelo fato de ser um campo limpo e grande, gostavam de cavalgar livremente um desafiando o outro em corridas inofensivas. Claro, sem contar que também havia o fato de uma linda jovem possuir uma modaria por aquelas bandas e Jungkook nunca perdia chance de dizer tais proezas a moça.

Apesar de ser um pouco desagradável - afinal, vinham para se divertirem juntos - o mais novo não demonstrava nenhum esboço de seus reais sentimentos ou descontentamentos.

Contudo, para a sua grande sorte, naquela tarde estavam somente os dois no campo e não havia nenhum sinal da jovem que fazia de tudo para se chegar próximo a eles. Até mesmo de longe Jeon pode notar que a casa da mesma estava toda fechada, dando sinal de que ninguém jazia alí dentro.

— Para onde ela deve ter ido?

— Não se sabe - Jimin respondeu de modo sincero - pode ser que fora visitar uma amiga ou até mesmo um parente.

— EunJin não possui parentes por essa região - comentou o moreno expresando curiosidade demais naquela menina - Bom, outro dia quem sabe ela aparecerá não é mesmo?

— Sim - acentiu, descendo de seu cavalo e parando um pouco para analizar a pergunta que surgiu em sua mente - Hyung.

— Hm?

— Porventura, você está interessado na Srta. Eunji?

A pergunta do mais novo lhe pegara de surpresa pois raramente Jimin as fazia, mesmo Jeon sentindo-se acostumado com suas curiosidades repentinas. 

— Talvez - falou com um leve sorriso - afinal, quem não se interessaria por ela? Entretanto, devo dizer que não é o suficiente para querer algo a sério com ela. Digo, meus sentimentos ainda não chegaram a tanto, afinal, preciso saber mais sobre a ela.

— Com algo a sério você quer dizer…

— Vamos parar de falar de mim? - sugeriu com uma risada para em seguida lhe direcionar um olhar provocativo - Que tal falarmos de você? 

— Eu? - o Park sentiu-se confuso e um pouco intimidado, não havia nada de importante lhe acontecendo em que podesse compartilhar.

— Sim Jimin, achas que eu não percebi? Aquela moça que estava junto a sua irmã não tirava os olhos de você.

— Quem? Espera, a Fleur? Não é para tanto - riu sem graça acariciando a crina de seu cavalo - você deve está confundindo as coisas.

— Esse é o nome dela? Um tanto diferente, posso dizer.

— Ela vem da Europa hyung, é parte da família distante de minha mãe - Jimin o respondeu calmamente, nem todos sabiam de sua descendência - Por isso que…

— Você possui madeixas tão loiras e olhos tão azuis - disse Jeon de forma admiradora - sempre soube que você possuía descendência distinta. Você é perfeito demais Jimin.

Nesse instante, o menor sentiu um desenrolar dentro de seu estômago e suas mãos começarem a soar entre as rédeas. Já se fazia um bom tempo em que Jeon não o provocava com atos depravados ou palavras, causando-lhe aquelas coisas. 

— Não fale assim - resmungou - perfeito é somente o nosso senhor.

— E você também - retrucou o mais velho - na bíblia diz que Deus nos fez a sua imagem e semelhança, sendo assim você também possui a perfeição.

— Você não mede as palavras, não é? Pare agora mesmo - riu de nervoso fazendo o mesmo sorrir para si.

— Não, e acho que não é somente eu que penso desta mesma forma.  Com certeza muitas se sentem atraídas por você Jimin e quem sabe sonham em está em seus braços. Por acaso, você…

— Hyung, eu já lhe disse para não comparar-me a você - disse o mais novo seriamente porém de modo calmo - Não quero alguém para saciar somente os meus desejos, e sim alguém para amar e que me ame também.

— Todos nós merecemos um amor, porém, enquanto esperas…

— Não Jungkook - o interrompeu - é extremamente sórdido seduzir jovens para somente usá-las, saiba? Elas possuem coração e desejam encontrar alguém que as ame e não alguém que se aproveite delas. 

O mais velho suspirou e o encarou com um semblante pensativo, no fundo Jeon não dizia tais coisas por maldade e nem por ter a alma corrompida (apesar de que realmente metade dela estava), e sim por uma admiração que sentia ao ouvir as palavras que lhe eram ditas por Jimin.  Pareciam tão sinceras, mesmo que muitas das vezes discordasse das mesmas; o que estava ocorrendo bastante ultimamente.

O loiro não sabia mas desde que o conhecera, o rapaz nutrira grande simpatia pelo amigo e por tudo que lhe falava. Para Jeon, o Park tinha o grande dom de dizer coisas nas quais nem todos queriam ouvir e um coração puramente bondoso. Realmente tinha grande fortúnio em tê-lo próximo a si.

— Tudo bem - admitiu com as mãos ao alto e um sorriso ladino bastante amigável - Não era de minha intenção chateá-lo com isso, torço para que encontre o tal amor de sua vida.

— Quem sabe eu já tenha encontrado.

— Como? - Jeon arqueou uma de suas sobrancelhas com um quê de supresa, curiosidade e indagação. E vendo o que acabara de dizer o mais novo sentiu suas bochechas quererem ganhar um certo rubor, algo que odiava pelo simples fato de que era um homem e não devia ter reações desse modo, porém, era inevitável não sentir-se envergonhado com tudo que relacionasse a Jungkook. 

Pelo visto, agora estava mais que evidente.

— Eu digo que talvez eu possa ter cruzado meu caminho com a pessoa que futuramente possa se tornar o meu grande amor - respondeu  palavra por palavra, de modo a tentava fazê-lo entender melhor o que havia insinuado.

— Hm - acentiu - Entendo, talvez seja sua prima tão distante Fleur! - lhe sorriu com malícia, fazendo com que o menor revirasse os olhos em suas orbes.

— Você não a conhece, não diga tais absurdos. Aliás, diga-me o por quê de isso agora?

— Você que começou com as perguntas meu amigo, e também porque eu posso ver claramente o quanto aquela moça está enamorada por você - o moreno  aproximou-se mais dele que o olhava indignado - Qual o problema?

— Aish, somente pare de me empurrar para os outros hyung! - irritou-se o menor, pouco ligando para a reação do mesmo alí em sua frente - Não entende que... Eu detesto...

O Park logo se calou, tudo bem gostava de dizer verdades mas não ousaria dizer isso naquele momento. Mesmo que seu amigo tenha mudado de modo tão drástico, não diria a ele que detestava o que este tinha se tornado. Não lhe diria que detestava vê-lo atrás de outras pessoas à passar o seu tempo sem que fosse com ele. 

Não diria.

— Você destesta…? - ele o perguntou diante de sua mudez, o encarando mais ainda. Na verdade, Jeon sentia-se mais confuso com aquela situação do que o próprio Jimin que logo soltou um suspiro.

— Desculpe, não é nada - sussurrou. E neste mesmo instante, ao longe, os dois puderam escutar uma voz ecoar em suas direções. Ao dirigem seus olhares para ver quem se tratava, era nada mais nada menos que Eunjin acenando para Jungkook ir à seu encontro. Ela parecia está bem contente.

— EunJin.

O moreno logo voltou o seu olhar ao amigo que como sempre, com um aceno, o deixou ir ao encontro dela. Para que não parecesse chateado, Jimin subiu em seu cavalo e o afirmara que teria que passar em um lugar antes de ir para sua casa e que ele poderia aproveitar o resto do dia com sua adorável donzela. 

Aquele dia não era a primeira vez que Jeon o deixava para ir ao encontro da mesma, porém, desta vez,  o menor se sentiu estranhamente traído pelo melhor amigo pois mal haviam chegado e ele já tinha ido atrás dela.

Por que não o levar junto já que eles apenas conversavam? Mas como sempre, ficava apenas calado e seguia para onde gostava de está quando Jungkook se prestava a tal coisa.

O lugar onde poderia dizer e ouvir a verdade que precisava e que não o trocava.


[...]

O caminho - diferentes de antes - estava se tornando sinuoso e estreito para a passagem de qualquer criatura que não fosse um ser humano, portanto, Jimin logo deixou o seu cavalo em um lugar seguro amarrando-o em um tronco forte e seguiu seu caminho à pé. De longe já podia avistar a casa de Hari-ah e em alguns minutos sabia que estaria lá.

Enquanto caminhava pensou em diversas coisas, porém, seus pensamentos são tão padrões que logo se voltaram a Jungkook a sua quase confissão para ele. 

Se tivesse lhe dito que não aguentava mas o jeito que ele levava sua vida, talvez o amigo poderia se chatear e o loiro odiava quando isso acontecia. De certa forma, sentia-se ligado a ele.

Era um tanto cômico em como seus pensamentos em relação a ele sempre foram um turbilhão, vezes ou outra chegava a confundi-lo tanto até mesmo supusera que estivesse nutrindo sentimentos pelo moreno. No entanto, descartou essa possibilidade ao lembrar que era errado sentir atração por alguém da mesma forma que você. Que ia contra os princípios de Deus e dá igreja.

O que Jimin ainda não tinha consciência era o fato de que um amor a florescer, poderia causar grande problemas a sim mesmo se não o pusesse a prova. Porém, como sempre, sua mente insistia em dizer que era errado. Ou talvez ele quisesse que fosse?

Contudo, a única que talvez poderia lhe ajudar era Min. E por ficar tão entretido e absorto em tudo o que lhe vinha a mente - e por não ser tão longe do campo - logo notou que já havia chegado onde queria está. 

Como de costume e esperado, sua tão preciosa amiga estava sentada na varanda e parecia está bordando algo que jazia em seu colo. Quando viu que Jimin estava presente a mesma abriu um largo sorriso e acenou para que se aproximasse.

Desde que a conhecera o baixinho nunca parou de visitá-la, sempre arrumava um pouco de seu tempo para ver como estava. Até mesmo havia trazido Jungkook para conhecê-lá, porém, ele não foi tão receptivo assim com ela. Aliás, ninguém sabia (a não ser Jeon) que o loiro frequentava aquele lugar e nem poderiam saber.

— O adorável mochi voltou a me visitar  - disse ainda com aquele sorriso em seus lábios, o apelido fora algo que amigo havia lhe dado porém pouco dizia. Sendo assim, ao contar para ela a mesma logo decidiu usá-lo - Venha, vamos entrar.

Com uma breve reverência Jimin seguiu para dentro de seu lar, no qual sempre fora aconchegante para para ele e cheirava a biscoitos de chocolate. Parte de sua infância.

— Como tens passado? - perguntou gentilmente enquanto sentava-se a mesa que havia no centro - desculpe-me por não vim com tanta freqüência.

— Não precisa se desculpar - disse com o sorriso gentil de sempre, trazendo em mãos um pequeno bule de chá e juntando-se a ele em sua mesa - Agora você é um rapaz, tem suas obrigações e eu entendo.

— Mesmo assim sinto muito por não comparecer, afinal, gosto muito de está aqui. Diferente…

— Do quê? - o questionou curiosa e Jimin deixou escapar um suspiro passando suas pálidas mãos elas madeixas loiras - Aconteceu algo? Estou a ouvidos, sabe disso.

— Não acho que tenha tamanha importância - sussurrou para em seguida a olhá-la nos olhos - diga-me, é normal sentir-se enciumado por alguém não é mesmo? Por pessoas se são importantes para nós?

Ela sorriu um pouco e aproximou-se mais dele.

— Creio que sim, porém, depende o motivo que o leva a ter esta sensação.

Dito isso o menor escorou-se em sua cadeira e fitou a bola de cristal que jazia no centro da mesa de modo pensativo, esta parecia ser tão clara e tão evidente porém através de tudo ainda sim continha coisas profundas que ninguém saberia dizer ou explicar. Jimin se assemelhava a aquele objeto.

— Ultimamente, eu... não me sinto confortável ao lado de Jeon - confessou tocando por reflexo o seu colar que jazia em seu pescoço - Primeiramente, ele não parece ser o mesmo de antes; e segundo, ando sentindo coisas estranhas quando estamos juntos.

— É dele que você sente ciúmes? - Ha Ri perguntou calmamente, aliás, ela sempre teve plena consciência de que um dia isso iria acontecer.  Fora o que viu, porém, também podia ser evitado - Vocês estão deixando a fase de adolescência meu querido, é mister que isso aconteça. Cada um está seguindo seu rumo predestinado.

— Será mesmo? - indagou com uma pontada de súplica em seu tom de voz - Será mesmo esse o real motivo? É isso que eu temo? Não estaria eu…

— Apaixonado por seu melhor amigo?

Com aquelas palavras o Park abaixou a sua cabeça e suspirou fundo, pareceram estapeá-lo com força. Nunca passara pela sua cabeça que chegaria um dia em que pensaria ou falaria tais absurdos desses. E que esses tais absurdo parecessem tanto com uma verdade.

— Talvez eu deva está somente sobrecarregado - disse por fim, tentanto acalmar os ânimos e bebericar seu chá que até mesmo havia esfriado -  Tanto que... está afetando meu raciocínio.

A mulher sorriu perante a alegação do menor.

— Por acaso houve algo recente que o tenha lhe deixado desta forma? - perguntou cuidadosamente - Pode me contar Jiminnie.

— Bem, ultimamente ele me chama bastante para cavalgarmos, porém, sempre acaba deixando-me de lado para conversar com a moça do campo aqui próximo.

— Entendo - disse atentamente - Já falou com ele? Porque não os acompanha? Talvez ele pense que você não se importa.

Jimin riu diante daquela pergunta, seria muito infantil de sua parte exigir para ir com ele se o mesmo queria ficar a sós com a garota para quem sabe namora-la.

— Acho que não - deixou a xícara de lado para encarar a mulher a sua frente - Bem, para ser sincero eu não sinto raiva de meu amigo por querer um tempo com a garota que está interessando, fico chateado mas ele temha compensar-me depois. Só não gosto quando ele tenta a todo custo me empurrar a alguém no qual eu não sinto absolutamente nada. Isso só faz com que...

— Jimin - ela tocou em uma das mãos do loiro que jazia em descanso na mesa - Confesse para mim meu bem, a afinal, não é errado gostar de alguém. Mesmo que essa pessoa seja seu melhor amigo, já vi casos iguais aos seus.

Nesse momento o Park rapidamente tira suas mãos, sentindo seu coração acelerar com tais palavras. Apesar de serem absurdamente profana, algo em seu interior queria tomar aquelas palavras para si.

Mesmo que internamente, sabia que não era de agora que vinha tendo tais sensações e carrega em seu peito esse tipo de sentimento. Na verdade, a única coisa que lhe custava acreditar era em que como poderia ter se apaixonado tão rápido por seu hyung e sem ao menor perceber? Isso o assustava um pouco.

Jimin não era tolo, mesmo não querendo sabia que poderia está gostando dele. O que é engraçado para se pensar, afinal, não era normal querer o filho da cidade somente para si e do seu lado.

Entretanto, o pior era o fato de que tudo aquilo já estava começando a querer deixá-lo confuso até demais, tanto que podia sentir sua cabeça latejar com todas as reviravoltas de fatos e objeções. Como se o acontecimento recente tenha servido de gatilho.

— Jimin…

— Desculpe-me - a interrompeu levantando-se de seu assento - Eu  achei que me faria bem vir aqui, mas vejo que estou em um momento que não pode ser resolvido tão facilmente. Desculpe-me.

— Jiminnie, somente olhe para mim - ditou firme e logo o mesmo obedeceu, o rapaz já até mesmo se encontrava a beira de passar pela porta - Independente do que descubra sentir por Jeon Jungkook, só lhe peço que tome cuidado. Vocês dois não-...

Neste segundo, o menor imediatamente sentiu algo forte bater contra o seu ombro fazendo com que voltasse para dentro. Com um olhar irritado virou-se para ver quem era e alí em sua frente havia um homem alto e forte, este parecia muito ser um dos lenhadores do Sr. Jeon só pelos trapos que usava. 

Na presença desse homem Jimin sentiu Min Ha Ri ficar um pouco tensa, no qual passeava seus olhos por ela e logo parou no menor.

— Freguês novo Ha Ri? - perguntou com uma voz extremamente irritante aos tímpanos, com um sorriso nojento nos lábios - Ou quem sabe é um novo aprendiz? Bem que eu estou curioso em saber como é experimentar algo diferente.

— Cale-se! - a mulher o ordenou. Jimin sentiu um asco tremendo lhe invadir, o que aquele asqueroso queria insinuar? Antes que pudesse dizer qualquer coisa e até mesmo ser surrado por tais palavras, Min o segurou pelo braço e o conduziu rapidamente até a saída.

Em sua face o Park pode perceber o quando ela estava incomodada e envergonhada com a presença desse estranho.

— Noona...

— Por favor, esqueça o que ele disse tudo bem? Vá para casa e espero que você possa resolver o que está passando. Você ainda virá me visitar não é mesmo? - Perguntou em um tom de voz que parecia conter certo nervosismo, a questão era o que aquele homem representava para ela para deixa-la deste modo? 

Jimin acentiu para ela que voltaria e assim que a mesma fechou sua porta delicadamente, o mesmo suspirou e tentou não pensar no que aquilo poderia representar. No que realmente aquele homem poderia fazer contra ela, mesmo este parecendo próximo demais.

Porém, evitando tais pensamentos - pois sabia que ela tinha uma força diferentes das mulheres comuns e seria capaz de defender-se de qualquer coisa - estes foram logo direcionados ao princípio novamente: Jeon Jungkook; no qual naquele momento devia está a galopes rumo a sua casa, deixando a moça apaixonada por si para trás.

E alí, em meio ao silêncio da varanda de Min Ha Ri, por incrível que possa parecer pegou-se pensando em como seria ter alguém para amar e entregar-lhe o coração. Um alguém que o aceitasse, em que pudesse dizer lindas juras de amor e assim vice-versa. Um tanto clichê para um rapaz mas não para Jimin, pois este acreditava fielmente na maravilha que era amar e ser amado.

Entretanto, mesmo que - porventura - estivesse a nutrir algo por seu melhor amigo, talvez o melhor seria cortar o mau pela sua raiz. Mas como faria isso? Não é mesmo? Sendo assim teria que se afastar dele e isso esta fora de questão para Jimin.

Com um suspiro seguindo de um bufo irritado, o loiro espantou para longe tais pensamentos e saiu de frente aquela porta na qual permanecera parado e caminhou para dentro da trilha.

Enquanto seguia em direção ao seu cavalo que devia está descansando na lugar que deixara, lembrou-se das muitas palavras ditas por Jeon nos longos decorreres dos anos. Contudo, somente uma chamou-lhe bastante atenção naquela hora:

“Chegará o dia em que você irá encontrar uma garota e se apaixonar, quem sabe até mesmo me deixará de lado. Digo de antemão que não gostarei nem um pouco, porém, é justo que isso aconteça.”

Nesse instante, o menor pode perceber que as palavras foram evidentemente proferidas pela pessoa errada. Não se sabia ao certo, mas parecia está próximo o dia em que ele talvez haveria de aparecer com uma futura noiva. E incrivelmente, quem sabe novamente pela primeira vez, aquilo o deixou com certa angústia no peito.

Ao chegar até o seu cavalo e desamarra-lo, subiu no mesmo e com um supiro cansado seguiu rumo a sua casa. Com toda certeza seus pais o questionaria de seu paradeiro como sempre, porém, parecia ser mais interessante ouvi-los falar do que permanecer com pensamentos avoados em situações estranhas e complicadas.

Sendo assim, Jimin decidiu entregar tudo aquilo a seu destino. Não poderia tomar conclusões precipitadas. Se toda a confusão de sentimentos que haviam dentro de si fossem verdade, a vida lhe arrumaria um jeito de lhe confirmar. Lhe mandaria uma forma de obter a resposta que tanto queria.

Contudo, sabe-se que nem sempre se pode confiar no destino.


Notas Finais


Aehhh, o que acharam desse capítulo gente? Jimin descobrindo aos poucos os sentimentos guardados em, o que cês acham que ele irá fazer???? Deixem seus comentários a respeito. heuheu. <33
Bom, eu disse que iria explicar o meu atraso não é? Esperem, deixa só eu colocar o meu propretor de cabeça... OK! Pronto!
Sabe o que é gente, é porque ultimamente minha mente anda muito avoada sabe, estão surgindo muitas coisas para eu por em prática e comi eu não sei dá conta eu preciso me decidir entre fazer um ou fazer outro. Ententes? Por isso que eu acabei deixando de lado o capítulo e consequentemente demorei para terminar. Mil perdõoooes! 🙏
Entretanto, eu disse que eu tinha uma surpresinha não é mesmo? Heheh
Gente, saiu o trailer da fanfic! \o/ (não é aquelas coisas mas... ADOREI). Corre lá para ver. <33

https://youtu.be/Ytkj9wUMvIQ

Obrigado a todos que leram até aqui e até o próximo! Chu. SZ

PS: caso contenha erros, me perdoem gente eu revisei mas sempre algo passa por despercebido. K


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...