História O legado Colt - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 16
Palavras 2.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Terror e Horror, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa é uma história baseada na série de Eric Kripke SUPERNATURAL

Capítulo 1 - 13 balas


Fanfic / Fanfiction O legado Colt - Capítulo 1 - 13 balas


-Um ninho de vampiros! Contendo de 7 a dez monstros, fortes o bastante pra trucidar qualquer homem grande em segundos.
Quem diz isso? Meu avô dando todas as informações para começarmos a caçada, eu ele e minha avó, que é uma tremenda gata devo dizer,Júlia e Samuel os mais velhos e experientes caçadores da cidade e os mais orgulhosos, nunca deixam de ir a uma caçada especialmente se eu for, meu nome? Amanda Colt, descendente direta de Samuel Colt, uma das mais antigas e tradicionais famílias de caçadores, não fugimos a luta, mesmo quando dois idiotas como os Winchesters libertam o Diabo da jaula, nós lutamos no apocalipse como se estivéssemos em uma guerra, precisávamos deixar a nossa cidade protegida, fizemos nossas escolhas. Enquanto fico pensando nisso Samuel acaba de dar as instruções, eu não quero ir a essa caçada, mas é minha obrigação.Droga! Como eu odeio vampiros!
-Amanda?
-Sim?
Respondo Matt voltando a realidade
-Suas armas e seu sangue de homem morto, é um belo conjunto para uma garota.
Dou um sorriso amigável e olho para aquelas seringas e frascos com sangue de gente morta.Droga! Como eu odeio vampiros!
Matt sempre é um amor comigo, mas não é um caçador, nem um Colt, é apenas quem nos ajuda a organizar as caçadas, ele é descendente dos "Homens de Letras" um organização secreta de "caçadores" que não caçam como diria meu avô.Matt sempre quer ir nas caçadas mas convenhamos ele seria um peso morto, eu o adoro, mas ele é mais útil com um laptop do que com uma arma.
-Amanda! Chega de papo e vamos, não temos tempo.
Pego minha bela bolsa que contém tudo que uma mulher precisa:
•Dois facões banhados em sangue
• Dez seringas e Cinco frascos de sangue
• 3 armas de fogo
• Canivete
• Facas menores
•Sal e água benta
• Esqueiro
E muito mais, um kit para caçada simples.
Estamos na estrada agora, meu avó faz questão de colocar alguma música do Bob Seger, todo alegre parece até que vamos tirar férias, passar um tempo pescando, rindo, mas essa não é nossa realidade, somos caçadores salvamos as pessoas daquilo que está na escuridão, heróis sem capas ou glória.

 Chegamos, começo a analisar lugar de dentro do carro, casa simples com duas janelas na frente e a porta, nada que chame a atenção é claro, a única coisa que me incomoda, a floresta, se deixarmos um apenas ele pode fugir por lá, e se fugir vai querer ir atrás de vingança e cara como aqueles monstros são sentimentais. Desço do carro e vejo  Chris Melloni, ele se acha o melhor caçador, mas na verdade não passa de um merdinha metido.

- Está com medo Colt?

Reviro os olhos e fico de costa para ele, volto a olhar a casa, estamos em uma distância boa para que eles não nos vejam, mas isso não adianta já que eles podem sentir o nosso cheiro. O trabalho deve ser rápido e limpo, observo os pontos de fulga daqueles sanguessugas, são muitos, mas estamos em bom número para poder cobrir isso, mas ninguém pode errar, e se errar, que Deus nos ajude, se é que ele realmente existe.

-Colt? Nunca de a costa para um rival

Diz Melloni, tive que rir na hora.

-Para você ser um rival no mínimo tem que estar no meu nível e isto está longe de acontecer, porquê não volta para seu carro e deixa os caçadores de verdade fazerem o serviço? Não quero perder tempo cobrindo você.

Ele ficou realmente muito irritado, mas se calou, ele sabe que aqui não é hora de discutir, nossas diferenças tem que ser colocadas de lado, pois aqui, o inimigo não vai avisar, vai apenas rasgar a sua garganta isso se não fizer pior. Vampiros só morrem depois que você arranca a cabeça deles, eu odeio fazer isso é muito sangue pra lá, pra cá, imagina quanto tempo eu fico pra tirar isso da minha roupa? Odeio vampiros! Odeio!

-Amanda? Vamos! Estamos ficando sem tempo! Você está pronta? 

-Sim vovó, estou!

-Você sabe o que fazer, seja cautelosa, não se preocupe, apenas siga o plano!

Respiro fundo e tiro o sobretudo começo a me mover para o outro lado da floresta, junto ao Melloni ele fica me olhando, mas é claro que está, vestido preto e curto, sou magra mas com curvas bem expressivas, confesso, se eu fosse um homem eu me pegaria! Começo a rir do pensamento narcisista 

-Do que está rindo?

-Nada, vamos começar o show!

-acho que o seu namoradinho, Matt não é? Vai odiar isso

Reviro os olhos e me controlo pra não dar um soco nesse babaca.

- Faça o seu maldito trabalho!

- Ok! Você é quem manda!

Ele me pega pela cintura e começa a me beijar, a passar a mão pelo meu corpo, eu dou uma risada alta como se eu estivesse gostando, começo a passar a mão sobre o corpo dele, e começamos a rir alto e fazer barulhos, ele me repreende em uma árvore e as coisas vão começando a ficar quentes e boas, logo começo a tirar a camisa dele e beijar seu corpo definido indo da boca até o seu cinto.

-Será que posso participar da brincadeira ?

Morena, alta, sem medo algum de nós, o plano começou a dar certo, com certeza ela é um daqueles monstros. Olho para Melloni e ele está pronto pra agir, mas não é isso que vamos fazer.

-Desculpa querida, mas eu faço o tipo ciumenta! 

-Talvez eu possa resolver isso? 

- Ae ? Vai fazer o que? Me matar?

-Você? Oh não, ele! Você eu quero todinha pra mim! Que tal ser meu brinquedinho essa noite?

- Humm, não vai rolar!

Samuel a pega por trás e aplica sangue de homem morto, isso os enfraquece. Precisávamos de um deles para saber se existe alguma vítima ou se podemos ir com tudo sem medo de arriscar a vida de alguém além das nossas. Levamos ela para o furgão onde eu e minha avô Júlia começamos o interrogatório, eu confesso não sou uma boa pessoa, mas a minha avô em interrogatório é pior que os demônios. Na primeira vez que eu a vi assim eu não dormi por quase um mês, espero aprender muito com ela, principalmente essa arte medonha das mulheres Colts, tortura do mais alto grau de maldade e desumanidade, mas quem liga? São monstros, eles tiram as vidas de inocentes, isso é pouco para eles!

-E ae? Vai contar ou eu vou ter que fazer você falar?

-vai para o inferno vadia!

Júlia sorri e aplica uma dose de ácido nas vias dela

- Oh, eu vou para lá, mas não antes de você me falar

Eu tampo a boca dela para ela não fazer tanto barulho. Júlia rasga as roupas dela e abre as pernas, amarrando na cadeira.

-Você sonha em ser mãe? Bom isso não vai acontecer se você não me falar o que quero- 

Eu olho assustada, eu faço isso a muito tempo mas ainda não estou acostumada. A vampira se cala e com um olhar de raiva cospe em nossas caras. Júlia olha bom um segundo é observa aquele ser, ela está tremendo de medo, mas não quer nos dizer nada.

- Você está grávida? Oh meus pêsames pelo seu bebê morto! Já que eu vou mata-lo ae dentro e depois quem sabe não dê para ver o feto, viu não sou tão cruel! Antes de te matar vou deixar você ver o seu bebê, será o dia mais feliz da sua vida! A não ser que me fale e talvez eu deixe você ir. 

A vampira começa a chorar e eu estou assustada com a crueldade de Júlia

- Tem um garotinho, o pai do ninho queria transforma-lo, 

-Uma criança? Por quê?

Pergunto, mas acho que sei o motivo, isso será um desastre!

- Crianças são descontroladas, ela pode acabar com uma cidade em poucos dias, seri uma massacre e um recado para os caçadores nos deixarem em paz!

Júlia sorri, retira as amarras das pernas dela

- Você foi muito útil querida! 

Sorrindo, Júlia pega uma faca com sangue de homem morto e acerta a barriga na altura para atingir o feto dela. Eu arregalo os olhos e vejo a vampira olhar para sua barrigas em desespero.

- Deveria ter sido mais colaborativa querida!

Ela sai do furgão e me manda terminar o serviço, eu olho para ela e não vejo o monstro e sim uma mãe desesperada. Então faço o que tenho que fazer arranco a cabeça dela.

- Você demorou!

- Não me apresse Samuel! Se a Amanda tivesse me ajudado teria sido mais rápida! 

Olho para ela com um certo medo e raiva, o que eu deveria ter feito? Isso não é o meu trabalho! Matar bebês? Qual é ! Ele nem tem culpa da mãe que tem.

- Hey, Colt? Bom trabalho na floresta! Quase acreditei que era pra valer.

Volto os olhos para Melloni, ele me fez parar de pensar na vampira e voltar a pensar na caça!

- Bem, eu acho que você acreditou, já que eu senti algo duro perto do seu bolso, ou seria sua faca?

Ele fica vermelho e eu saio de perto, devo ter falado besteira, huumm, provavelmente falei.

-Amanda! Aqui! Agora!

Samuel explica por onde vamos entrar na casa e quem vai cobrir para que ninguém escape. Eu, ele e Júlia na linha de frente, os Mellonis por trás da casa, para cobrir o perímetro os Novaks. Famílias tradicionais de caçadores que vivem em uma mesma cidade. Começamos a entrar, os Colts são os últimos mas entramos com tudo, pego dois vampiros um deles quase conseguiu me morder mas eu me livrei empurrando para a faca do meu avô, fiquei toda suja de sangue! Que nojo!  Mas nenhum foi para dentro de mim. Começo a ir para o porão, nós abatemos a maioria deles mas faltam dois. Desço e vejo o garotinho amarrado, mas nenhum vampiro, está na cara que era uma armadilha mas o que posso fazer? Vou correndo para o garoto um deles aparece vindo diretamente em cima de mim, eu tento lutar o máximo que posso ele é bem forte, me soca uma, duas, três vezes até que eu pare de me debater e fique tonta, então só vejo um cano de arma na cabeça do vampiro e mais sangue em cima de mim, então vejo o outro vampiro em cima do Melloni, corro para ele e decapito o vampiro. Melloni sorri aliviado

- Você tá muito sexy cheia de sangue um ótimo aperitivo para esses monstros!

- Idiota!

Ajudo ele levantar e vou para o garotinho, ele deve ter uns 10 anos no mínimo, está morrendo de medo, inclusive de nós.

- Está tudo bem! Viemos ajudar você.

Eu tento me aproximar para mostrar confiança, o que é difícil quando se está suja de sangue. Então Melloni me puxa para trás e pega a arma.

- O que está fazendo?

- Olha pra ele! É um deles agora!

Eu fico sem reação e sem ar, ele deve ter a idade da minha irmã, como vou matar ele? É só uma criança! Melloni me olha, parece que ele estar lendo a minha mente!

- Sai, eu vou fazer isso!

Não é a obrigação dele fazer isso, o que ele está pensando? Nós podemos tentar algo, eu não sei. Penso em várias coisas antes de sair, coisa que não faço, mando ele sair e faço o trabalho sujo, eu não queria, eu realmente... Fiz rápido e o máximo sem dor que pude. Estou visivelmente acabada, eu só quero chegar em casa abraçar a minha irmã e beber um pouco de vinho, talvez eu chore um pouco, eu não sei ainda. O importante é que o trabalho está feito e não vai haver vampiros por algum tempo. Voltamos para carro, e todos estão me olhando como se algo muito horrível tivesse acontecido comigo. Mas não foi comigo e sim com aquela criança, eu prometo Anne nunca vou deixar nada do tipo acontecer com você minha irmãzinha! Pelo papai isso nunca vai te acontecer! 

Pegamos a estrada e depois de um longo banho para tirar todo o sangue eu fui para o bar da minha família, é lá onde as outras famílias de caçadores se reúnem também. Matt chega em mim e observa o que estou bebendo, ele sabe como estou pela bebida segundo ele.

- Quer dar uma volta?

Término de beber e pego minha jaqueta e saio com ele mas vejo que Melloni obervou nossa saida com um ar de desaprovação.

- Eu soube do caso da floresta

- É foi... Difícil, eu...

- É, eu percebi, mas eu me refiro a você eo Melloni, vocês estão...

- Cala a boca!

- Deixa eu te calar!

Eu fico vermelha e saio, 

- Vou para casa.

Finalmente uma taça de vinho e minha cama, fico pensando como Samuel Colt fazia tudo aquilo? Como ele conseguia separar tudo, Droga! Eu preciso parar com isso! Erro não é opção! Eu tenho que ser firme! Eu sou uma Colt! Esse é meu legado! Minha vida e eu vou lutar e salvar quantas pessoas eu poder! Esse é o caminho dos Colts , o nosso legado! 


Notas Finais


Legado de Samuel Colt foi passado em geração em geração, no que isso afeta a vida desses caçadores em pleno século XXI?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...