História O medalhão e o gênio. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Medalhão, O Gênio
Exibições 3
Palavras 2.264
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Minha vida.


Fanfic / Fanfiction O medalhão e o gênio. - Capítulo 2 - Minha vida.

O medalhão e o gênio.

Cap.2: Minha vida.

Mia acordou na manhã seguinte. Após o encontro com Salomon, não sabia mais se era tudo real ou sonho, custou a se levantar, pois ainda se sentia tonta. Foi para o banheiro realizar sua toalete costumeira, após um longo banho quente voltou para o quarto para se vestir, quando estava no corredor ouviu um barulho estranho vindo da cozinha; geralmente naquelas manhãs de sábado, Thierry tinha a péssima mania de entrar no apartamento sem permissão e preparar o café. Mesmo sendo uma gentileza por parte do amigo, Mia achava aquilo uma invasão, reparou que a mesa estava posta e bem rica com um lindo café.

- Um café de hotel! O Thierry é um amor, mas às vezes exagera, não foi para isso que dei uma cópia da chave.

Mia se dirigiu à cozinha para ver a cara de pau do amigo, mas para sua surpresa não era Thierry que estava no recinto. Um rapaz de cabelos negros espremia laranjas para o suco, a moça se assustou quando viu aquele “desconhecido” em sua casa. Amedrontada, a garota expeliu um grito excessivamente agudo.

- Quem é você? – Ela gaguejou um pouco para falar. O homem se virou com uma cara de choro meio infantil.

- Já se esqueceu de mim, ama?

-SALOMON? – Diz ela assustada

- Bom dia! – A expressão em seu rosto muda rapidamente esboçando um sorriso idiota. – Que bom que se lembra de mim! Do contrário, seria um problema atender seus pedidos.

- Como? Quando? O quê? Por quê? – Mia se mostrava confusa.

- Respire ou vai desmaiar! – Salomon ri.

- Certo! Primeiro como você está aqui?

- Não disse? Você me libertou, agora estou aqui. – Ele leva a jarra de suco para a mesa - Precisava que me visse para selar o contrato de servo e amo... Ops ama! – Corrige ele. – Depois que nos encontramos fui libertado para esse mundo e, agora, sou todinho seu! – Salomon abre os braços como se esperasse um abraço, mas Mia fez uma cara de poucos amigos.

-Então é isso! – Conclui ela cruzando os braços.

- Não aja como se não fosse nada... Assim você me mata de angustia, ama!

- Para com esse drama! – Torce o rosto diante da ideia – E para com esse negocio de ama, meu nome é Mia Jones!

-Quer que eu a chame pelo nome? – O gênio olha de canto para Mia.

-Sim, pelo menos assim fica menos ridículo.

- Se você prefere assim, Mia querida! Tudo o que desejar será seu! – Salomon beija a mão da garota.

Um som quebra o momento, na porta Marie gritava e tocava a campainha furiosamente, Mia empurra Salomon para o corredor e o manda se esconder a ultima coisa que a garota precisava era ser obrigada a dar explicações a Marie.

- MIA! Abre Logo!

- Oi! Tudo bem, Marie? – Mia Abre a porta bruscamente.

- Nossa que demora! O que houve? – Diz Marie ao entrar.

- Desculpe estava... Espera não... –Marie entra na sala e vê aquela linda mesa de café.

- Quê! O Thierry veio aqui outra vez? Pergunto-me por que ele sempre faz isso para você e nunca para mim... – Diz estufando as bochechas, visivelmente emburrada – Isso é preferência.

- Não fica com ciúmes! – Mia fala em tom ameno, mas logo fica pálida ao ver Salomon deitado no sofá.

- Você está estranha hoje, está se sentindo bem?

- Eu... Estou bem não se preocupe. – Salomon ri da confusão que Mia estava passando. – Marie não está vendo nada ou ninguém aqui?

- Do que está falando? – Marie põe a mão na testa da amiga. – Está alucinando ou coisa assim? Já sei, não comeu ainda. Aposto que o Thierry te encheu tanto que nem comeu.

- Sim! Deve ser isso...

- Certo, então senta e come. Esse café está com uma boa cara, vou fazer um lanche também... Porém, onde aquele gourmet louco foi parar não o vi ainda!

- Não sei, deve ter saído...

-Mia outro dia deixei umas amostras de tecido aqui, você as viu?

-Estão ali! – Ela aponta para a mesa de centro perto do sofá.

Marie limpa os lábios com um guardanapo e se levanta para pega as amostras. Enquanto isso, Salomon fazia mil caretas para sua amiga, mas Marie parecia não reparar. Aquela atitude deixou Mia irritada, aquele gênio não parava de provocá-la: ele ria alto todas às vezes, falava mal de Marie e fazia caretas.

- Bem é isso, tenho que ir, mas se quiser sair é só me chamar, ok? – Marie coloca as amostras na bolsa, despede-se da amiga e vai embora.

Depois de fechar a porta, Mia correu para sala. Salomon lhe devia muitas explicações, tanto de seu comportamento quanto do fato de sua amiga não ter notado a presença do gênio.

- O que foi aquilo? Por que a Marie não te notou?

- Fácil! Só quem é meu amo pode me ver, é só uma regra simples para evitar que alguém tente me roubar ou te passar a perna. Sempre é divertido ver o rosto do seu amo quando não sabe dessa regra.

- Idiota, poderia ter me dito antes! – Mia bate o pé. – Certo, tem mais alguma coisa que preciso saber?

- Faço um excelente bolo de nozes! – O sorriso de Salomon começou a irritar Mia.

Mais tarde, enquanto o gênio dormia no sofá, Mia folheava o livro de lendas que havia ganhado de seu pai. Em uma das páginas, ela achou o texto que procurava, mitos sobre os gênios. No entanto, aquilo não passava de crenças, a única maneira de obter mais informações seria perguntar diretamente ao Salomon, mas não tinha como a garota dizer diretamente para ele. O telefone toca e ao atender Mia recebe um convite para um passeio, Thierry queria realizar um piquenique na praça e chamou a amiga para ir. A garota acha uma boa oportunidade para se distrair e aceita. Ao chegar, Mia avistou Marie e Thierry.

- Se comporte, por favor, não quero ter que brigar com você e todos acharem que falo sozinha.

- Não se preocupe, não farei nada, mas não prometo ficar quieto.

- Ora, seu! – Mia aperta os olhos na direção de Salomon.

- MIA! - Grita Thierry. – Vem para cá!

 A garota corre para o encontro dos amigos, apesar de ser um piquenique, Thierry havia preparado um verdadeiro banquete cheio de doces e sanduiches. Marie chegou logo em seguida e sentou-se ao lado da amiga, porém, o jovem gourmet pede que as amigas esperem um pouco até que todos os convidados cheguem para poder comer.

- Outros convidados? – Marie desconfia. – Você é tão tonto, aposto que acabou convidando aqueles...

- Salut mes dames (oi minhas damas!) – Pierre cumprimenta entusiasmado. – Como estão as mais lindas damas essa tarde?

- Mais felizes antes de te ver! – Marie vira o rosto.

- Desculpe Pierre. – Diz Mia. – Mas a Marie não está de bom humor hoje!

- Não precisa se desculpar Mia! – Adam puxando Pierre para trás. – Esse aqui não sabe quando parar!

- Gente, por favor! – Thierry tenta amenizar a discussão. – Viemos aqui para aproveitar à tarde, não para maltratar uns aos outros!

- Que bando estranho. – Debocha Salomon. – Se dependessem um do outro para sobreviver, morreriam!

Mia fecha os olhos para conter a irritação diante do comentário nada amigável; o tempo passou tranquilamente, todos conversavam e se divertiam muito, apesar das tentativas ridículas de Pierre, Marie não se dava o trabalho de lhe dar atenção. Adam, no entanto, não conseguia manter contato visual com Mia apesar de tudo. Salomon viu nos modos do rapaz certo interesse por sua ama, o gênio sendo bastante possessivo, não iria permitir que aquela conversa continuasse. Então, maldosamente, começou a pregar peças em Adam. Todas as vezes que o rapaz pegava algo para comer ou beber virava um problema, ou a comida desaparecia, ou simplesmente caia no seu colo.

- Mas que desastrado Mon ami Adam (Adam meu amigo) – Riu Pierre entregando um guardanapo para o colega. – Hoje você está azarado!

- Não sei o que é! Não consigo fazer nada direito hoje!

- Não deve ser nada. – Thierry piscou para Pierre. – Bem quem quer torta de morango?

- Eu vou ao banheiro primeiro! – Mia se levanta. – Podem começar sem mim!

A moça se levanta e sai de perto, Pierre e Thierry percebem a vergonha que Adam passou e começam e brincar com ele, quando já estava bem longe dos amigos - e também de qualquer pessoa – Mia se vira para Salomon, pronta para dar uma bronca no gênio brincalhão.

- O que foi aqui-lo? – Diz Mia irritada. – Por que fez todas aquelas coisas com o Adam?

- Do que está falando ama? Não fiz nada em sua presença!

- Não sei como fez, contudo, sei que a culpa é sua! – Salomon esboça um sorriso sádico e volta seus olhos escarlates para Mia.

- Certo, eu admito ama, fui eu... Não pude resistir aquele paspalho estava pedindo por isso!

- Pedindo pelo o quê? Aquela brincadeira não teve graça!

- Não percebeu ainda? – Diz Salomon incrédulo.

- Percebi o quê? – Mia cruza os braços com a cara descontente.

- Então é isso! – Sorri satisfeito o gênio. – Não tem nada para se preocupar, prometo me comportar!

- Por que será que não acredito? Certo, vamos voltar, mas fique quieto!

Enquanto caminhava Mia sentiu uma forte dor de cabeça, tentou se manter firme, mas seus olhos começaram a embaçar. Salomon segurou a garota pelos ombros para que ela não caísse. Ela tentou respira fundo para recuperar as forças e, com esforço, consegue voltar a si. Mesmo o gênio lhe pedido para se sentar ela não deu atenção, retornou para onde os amigos estavam.

Passou pelo menos uns quarenta minutos antes da dor voltar a atacar, dessa vez foi muito forte, Mia não resistiu de acabou desmaiando. Adam segurou a cabeça da moça antes que batesse no chão. Preocupados, os amigos a levaram direto para o hospital, não era normal aquilo. Inconsciente, Mia foi arrastada para o mundo dos sonhos, onde havia conhecido Salomon, mas dessa vez não estava num magnífico castelo ou num lindo jardim. Era uma planície vazia com muita nevoa, por mais que andasse não via um fim ou qualquer pessoa, continuava correndo sem ao menos saber para onde ia. Foi então que um vulto negro surge a sua frente, Mia para ao ver o fantasma.

- Quem está aí? – Diz ela sem se mover. – Salomon? Se for uma brincadeira sua pode parar agora! – O fantasma começa a rir alto e esganiçadamente, aquele riso gelou seu sangue.

- Você... É a nova mestra daquele gênio? – Rapidamente o fantasma desaparece, Mia, assustada, olhava ao seu redor; de repente, a garota sente um forte aperto na garganta. – Esperava mais... Salomon me pertence!

Mia acorda de repente na cama de um hospital. A enfermeira se assusta com o forte despertar da garota, rapidamente o médico e os amigos dela entram no quarto, enquanto o doutor a examinava. Marie começou a conversar com ela para ter certeza de que estava tudo bem, ao fundo Mia avistou o gênio, ele não disse nada nem ao menos se aproximou dela. Podia-se notar que Salomon estava desesperado com algo, um semblante de medo e ódio consumia seu ser; a garota, preocupada, não sabia o que fazer. Aquela noite Mia permaneceu no hospital em observação, não conseguia dormir, então, finalmente Salomon começou a conversar. Mia pode notar os olhos vermelhos ainda marejados do amigo, ele havia chorado muito.

- Como se sente? – Perguntou ele, sua voz sedutora estava rouca e seus olhos escarlates estavam envolvidos em lagrimas.

- Não sei o que houve... – Diz Mia num tom ameno, vagaroso. – Nunca fui de ficar doente, devo ter preocupado a todos!

- Ama! – O tom da voz do gênio muda de chorosa para preocupada. – Viu algo, ou sentiu algo... Aterrorizante?

- Agora que falou, tive um sonho assustador! – Mia tenta descrever a cena. – Um fantasma negro tentou me sufocar, ele gritava que você o pertencia... O que isso significa?

- Mia... – Salomon começou a chorar novamente. – Sinto muito! – Ele cai de joelhos ao lado da cama, segurando forte a mão de Mia. – Achei que finalmente estava livre desse carma, mas ela ainda vive!

- Ela? – Diz Mia confusa. – Do que está falando? Vamos Salomon me diga!

- Há muitas eras, fui servo de um grande rei, me apaixonei por alguém... Mas um grande mal me queria, para salvar meu mestre, o reino e quem amava fiz algo que não me orgulho! – Salomon explica com a cabeça baixa sem levantar os olhos para Mia. – Magoei muitas pessoas, tudo para que me trancassem no medalhão...

-Salomon! – Mia alisa as madeixas negras do gênio. – Não sei o que fez e nem me importa! Mas se esse grande mal que mencionou ainda estiver atrás de você, te ajudarei. Então, não tenha medo, estarei com você!

- Ama... Mia... Obrigado! Vou te proteger, não deixarei que nada lhe aconteça, vou te servir com todas as minhas forças!

Mia viu naquele dia, três lados do gênio: o primeiro era assanhado e muito exibido; o segundo foi o lado infantil e chorão; e o último, o que para a garota foi o melhor de todos eles, seu lado humano, protetor e corajoso mesmo tremendo de medo. A garota viu em Salomon algo realmente impressionante, mesmo os modos dele a irritar, ela ainda podia dizer que gostava do novo amigo. Quem ou o que era o mal que Salomon descrevera ainda não se tinha certeza, mas, por aquele sonho, Mia tinha certeza que era extremamente perigoso.

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...