História O Melhor Amigo Do Meu Namorado - Capítulo 56


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Adolescente, Bangtan Boys, Bts, Bts Antes Da Fama, Drama, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjon, Romance, Suga, Traição, Vhope
Exibições 107
Palavras 1.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 56 - Permanecerei longe


                   4 meses depois...

Tentei continuar vivendo a minha vida como se nada tivesse acontecido. A não ser pelo fato de que eu e o Jimin permanecemos somente amigos.

Flashback on

Jimin: Esse bebê... É do Jeon?- ele parece apreensivo, olhando para minha barriga, já sabendo a resposta.

Balanço a cabeça afirmando.

Jimin: Parece que você já se decidiu não é mesmo?... Boa sorte para o casal. Realmente espero que esse bebê pareça bastante com a mãe. Será uma criança linda- ele tenta parecer feliz, mas percebo sua voz trêmula e seus olhos cheios de água.

Eu: Nós... Nós não estamos juntos- falo encarando o chão.

Jimin: Ele te deixou?- ele parece pasmo.

Eu: Não, eu que não quero ele mais na minha vida.

Jimin: Ah...- ele pensa um pouco- Mia, mesmo que esse filho não seja meu é eu ainda esteja no hospital, eu vou estar aqui como amigo dando todo apoio para você e para ele.

Amigo...

Eu: Eu já te fiz muito mau Jimin... Não mereço nada que venha de você.

Jimin: Mas também já me fez muito bem.

Eu: Não compensa, você está em uma cadeira de rodas. Você passou meses em coma. E tudo que eu te fiz passar, todo sofrimento... Nada compensa.

Jimin: Você me fez amar de novo Mia. Isso compensa qualquer coisa. E quanto essa cadeira de rodas, nada que uma boa fisioterapia não resolva.

Eu: De novo? Você não acreditava no amor?

Jimin: Você sabe de uma boa parte da história, mas os detalhes, que são a parte mais importante, ainda não é de seu conhecimento.

Detalhes...

Flashback off

Para todos lugares onde vou, há um carro parado e o garoto de cabelos negros ao lado a me observar. No início eu me irritava, mas nada mudava a ideia dele de que tinha que me observar 24 horas por dia, acabei tendo de me acostumar. Em frente à minha casa... Em frente à casa dos meus amigos... Qualquer lugar onde eu estivesse. E quanto mais o dia do parto se aproxima, mais sua presença se torna frequente, mas somente de longe. Nesses meses a Emma e o Namjoon se aproximaram rapidamente um do outro e no momento moram juntos na casa dele. Eu não sei o que eu perdi, mas Hoseok e Tae não se falam mais, as vezes percebo o Hobie tentando se aproximar, mas o Tae se afasta sem pensar duas vezes. Já tentei conversar com eles sobre o assunto, mas nenhum dos dois me diz nada, acabei desistindo. O Jin parece estar em um relacionamento com uma garota que ninguém conhece ou que ele não quer que conheçam. Yoongi e Sook de repente começaram a pensar em casamento, filhos e morar juntos, os dois estão enlouquecendo os pais, o que chega a ser até engraçado. Hoje é meu aniversário todos vieram para minha casa me fazer uma festa surpresa, 17 anos, mas a Ailee apareceu fazendo maior escândalo.

Ela não desiste do Namjoon mesmo! Bem que a Emma falou.

Ela acabou com o clima da festa, mas decidimos todos parar para ver um filme. O dia foi muito divertido, mas já é noite e a minha mãe me enche o saco para descansar bastante, as vezes não sei se estou grávida ou doente. Todos já foram em bora e eu estou deitada na cama observando o carro do outro lado da rua, pela minha varanda.

Ele nunca vai para de me seguir?

O Jimin, apesar de ser somente meu amigo, cuida de mim como se fosse o pai do bebê. Nós acabamos discutindo até mesmo o nome. Ele me manda mensagens a todo tempo para saber como estou ou se preciso de algo. Fomos juntos escolher o berço, que já está montado no meu quarto, guarda-roupa, roupinhas... Nesses dia eu sentia como se estivéssemos juntos de novo e meu sonho de crescer e ter uma família com ele estivesse se realizando, mas assim que saímos da loja, o carro e o garoto de cabelos pretos me faziam acordar das minhas fantasias. Apesar de tudo o filho ainda é dele e sinto que ele não me deixará lha tirar isso tão facilmente. Me viro de costas para a varanda, me aconchego no travesseiro e fecho os olhos tentando dormir.

Já está começando a ficar difícil achar uma posição confortável para dormir com essa barriga enorme. Mas no final, quando eu ver a carinha do meu filho, tudo pelo o que passei vai valer a pena...

Acabo pegando no sono.

...

Estou naquela noite novamente... A noite em que meus pais morreram. Só que dessa vez.

Eu: Mamãe!

Mãe: Calma filha, ficará tudo bem. Só feche os seus olhos.

Olho em volta, Lucy está no chão chorando e eu começo a chorar junto a ela. Um homem grande, gordo e com uma barba enorme, sorri sombriamente ao lado da minha mãe. Não a minha mãe adotiva, a minha mãe biológica. Olho um pouco mais adiante e vejo o Jungkook parado observando tudo ao lado de dois homens grandes.

Jungkook: Pare! Chega! Ela é só uma criança! Você não pode fazer isso com ela!- ele vem em minha direção, mas os homens seguram seus braços e o puxam de volta- Não! Lucy!

***: Cala a boca pirralho! Se não a criança vai junto com os pais!

Jungkook: Não!

Um dos homens que o seguravam vem até mim, segura meus cabelos com força e puxa minha cabeça para trás passando uma faca amolada pelo meu pescoço.

Mãe: Não! Por favor! Não faça nada à ela! Você não pode!

***: Então manda o pirralho calar a por*a da boca.

Mãe: Jungkook, fique calmo, vai ficar tudo bem... Só não grite mais ok?

Jungkook: Ma-mas...- ele começou a chorar.

Mãe: Jeon...

Só agora consigo vê-lo claramente.

Ele ainda é pequeno... Eu culpei uma criança de não ter feito nada... Eu não sabia... Eu estava tão brava e assustada que não pensei... Ele é mais velho que eu, mas não tanto, pelo menos não ao ponto de poder fazer alguma coisa naquela época...

...

Abro os olhos, acordo em um susto, minha cama está molhada e eu sinto um dor horrível.

Eu: Mãe!- grito é em questão de segundos ela aparece no quarto e liga a luz.

Mãe: A bolsa! A bolsa estourou! Vai buscar o carro! Rápido!- ela grita para que meu pai ouça.

Jungkook on

Estou deitado dentro do carro quando ouço um grito vindo do quarto da Mia e as luzes do seu quarto serem acesas. Saiu do carro rapidamente e me aproximo da casa.

Mãe da Mia: A bolsa estourou! Vai buscar o carro! Rápido!- ouço ela gritar.

Meu Deus!

Vejo seu pai abrir a porta e correr para garagem. Entro correndo na casa e subo as escadas sem pensar duas vezes.

Mãe da Mia: O que você tá fazendo aqui?- ela fala assim que me encontra na porta do quarto.

Eu: E-eu sei que você não me quer aqui, mas...

Pai da Mia: Eu não consigo achar as chaves...- ele olha para o topo da escada, me vê e fica sem reação.

Mãe da Mia: A prioridade agora é a nossa filha! Vai buscar as chaves! Anda!- ele sai do transe e começa a vasculhar a casa- E você vai embora daqui agora! Sai da minha casa!

Eu: Eu posso leva-la! O meu carro estar aí na porta!

Mãe da Mia: Não mesmo! Sai da minha casa moleque!

Mia: Ah!- olho para ela na cama e vejo que ela parece sentir dor.

Mãe da Mia: As contrações...- ela parece aflita- Anda homem!- ela grita lá para baixo.

Pai da Mia: Eu não consigo encontrar!

Mia: Mã-mãe...

Mãe da Mia: Fala filha. E você sai!- ela grita comigo.

Mia: E-Eu vou com ele.

Mãe da Mia: Nem por cima do meu cadáver!

Mia: Mãe eu vou morrer aqui! Eu vou com ele e acabou!- ela diz tentando se levantar.

Mãe da Mia: Ma-mas filha...- a mãe dela fica sem reação com os gritos da Mia.

Mia: Jungkook me ajuda, pelo amor de Deus!

Jungkook: Licença- entro no quarto e ajudo a Mia a andar até o meu quarto.

Mãe da Mia: Eu vou junto- ela diz pegando uma sacola e nos seguindo- e você avisa para o Jimin- ela fala para o homem que corria de uma lado para o outro dentro da casa.

Mia: Mãe!- ela grita no meio da rua em repreensão.

Mãe da Mia: O que? Foi ele que exerceu o papel do pai todos esse meses- ela fala como se esfregasse algo na cara de alguém.

No caso na minha.

Mia: Mãe! Fica quieta!

Mãe da Mia: Olha aqui garota, não é porque você está prestes a dar a luz que eu vou deixar você me tratar assim não viu!- ela diz entrando no carro logo depois que eu ajudo a Mia.

Eu: Acorda Lucca!- falo ligando o carro para ele.

Lucca: Onde é que a Mia está indo essa hora?- ele fala sonolento.

Mia: Anda Lucca!- ele dá um pulo dentro do carro ao ouvir o grito dela.

Lucca: Aí meu Deus!- ele grita olhando para as duas no banco de trás- O que foi que eu perdi?- ele diz assustado dando partida no carro.

Jungkook: Só vai para o hospital, depois te explico.

...

Assim que chegamos no hospital me esbarro com Jimin.

Lucca: Calma...- ele fala como se conversasse com cachorros prestes a morde-lo- A mulher tá parindo aqui. Paz e amor gente.

Jimin: Eu vou entrar com ela- ele diz indo em direção a Mia que está em uma cadeira de rodas.

Jungkook: Eu sou o pai- digo seguindo em sua frente.

Jimin: Não foi oq eu pareceu nos últimos meses. Estava mais para um serial killer investigando a vida da vítima.

Jungkook: Continuo sendo o pai.

Lucca: Sai! Agora eu que sou o pai!- ele diz nos empurrando e passando na nossa frente.

Enfermeira: Pai?

Lucca: Eu!- ele diz antes mesmo que a gente abrisse a boca.

Jungkook/Jimin: Sou eu- falamos calmamente ao mesmo tempo.

Lucca: Se isso fosse um desenho, estariam saindo raiozinhos dos olhos de vocês.

Enfermeira: Desculpem senhores, mas somente um pode entrar.

Vemos a Mia sumir pelos corredores.

Lucca: Jimin, você teve todos esses meses como pai, já ele a Mia não deixava nem se aproximar dela.

Jimin: Ela teve os motivos dela.

Lucca: Depois daqui ela também não deixará ele se aproximar. Deixa ele ter somente esse momento como pai.

Jungkook: Se for da escolha dela eu permanecerei longe.

Jimin: E não irá se aproximar nem dela nem da criança.

Jungkook: Não.

Jimin: Então vá.

Sigo correndo pelo corredor até chegar a sala onde estavam acabando de aplicar a anestesia.

Mia: Jungkook, me perdoa.

Jungkook: O que? Pelo que?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...