História O melhor de mim (Imagine Jin) - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Hope, Hoseok, J-hope, Jimin, Jin Seokin, Jungkook, Kook, Namjoon, Rapmosnter, Suga, Taehyung, Yoongi
Exibições 199
Palavras 1.869
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


*-*

Capítulo 12 - Flagra


Fanfic / Fanfiction O melhor de mim (Imagine Jin) - Capítulo 12 - Flagra

O despertador de Cate soava pelo quarto dela, cujo havia desligado ele cerca de três vezes, mas todas as vezes que se afastava Seokjin apertava-a mais contra seu corpo, até que ele acordou.

— Nossa, como dormi bem. Que horas são? — diz finalmente soltando Cate que pula da cama em busca de uma roupa e acaba ficando sem mesmo, quando checa a hora. Droga, pensa quando vê o relógio.

— Cala e se veste — pediu para ele.

— Por quê?

— Caterine, você já acordou? Está ficando atrasada para escola. — ouviu a voz de Maísa do outro lado da porta.

— Por conta disso. — falou baixo para Jin, que se apressou em vestir-se. — estou descendo já, já.

— Você está bem? — fala após ouvir um barulho de algo caindo, esse algo foi o Jin, que caiu ao tentar vestir a calça pulando em um só pé.

— Depois nós nos falamos Maísa. Desce para sala e… e me prepara um café forte, sim?

— Está bem. — Caterine vai até Jin e impede que vista a calça.

— Que horas são? Por que está fazendo isso? — pergunta quando ela puxa a calça de sua mão.

— Você precisa se vestir com a farda para poder ir para escola. — diz indo até o guarda-roupa e pegando dois uniformes.

— Farei isso em casa. — diz pondo um pé na calça novamente.

— Só faltam trinta minutos para o sinal tocar e fechar os portões. — pega a saia e veste, vestindo em seguida a blusa branca de mangas da escola.

— O quê? — se exalta, Cate faz silêncio com as mãos e joga-lhe um uniforme masculino. — por que tem isso?

— É do Jackson, dá pra falar baixo? — pergunta vestindo a parte azul do uniforme.

— Por que tem roupas do Jackson aqui? — ajeitou as roupas no corpo e foi até o banheiro, voltou com o cabelo molhado e um secador, o conectou na tomada.

— Eu explico na escola, agora se veste pelo amor de Deus. — diz pegando o secador e ligando-o, seca o cabelo e deixa seus fios lisos, com a presença de química ele seca ficando liso de forma natural. Se vira para Jin e vê que ele ainda está sem roupa, apenas com sua box. — se veste, eu vou dar um jeito de tirar você de casa sem que… Droga.

— O que foi? — diz voltando a se vestir vestindo a calça rápido.

— Suas chaves ficaram na mesa e o carro de frente a minha casa… Com certeza eles viram.

— Deixei meu carro na frente da casa vizinha, o do Hoseok estava lá, mas ele tirou. — vesti a blusa branca e depois a azul…

— E as chaves? — pergunta começando a se assustar.

— Na sua mesa… — já vestiu a roupa e agora falta o sapato.

— Fica aqui, vou até lá. Não sai. — ele assenti, olha para o secador e pensa, vou usar.

— Senta e come, você dormiu tarde não é? — ela faz um uhum com a boca fechada, olha para a ponta da mesa e lá está a chave do carro de Jin. Imediatamente pega a chave de seu pai na ponta do sofá e troca de lugar com a chave do Jin. — a propósito, você sabe de quem é essa chave? — olha para trás onde devia estar a chave e se espanta.

— Ué, do papai, por quê? — atua.

— Não… era outra chave que estava aqui… Como assim cara? — pergunta para si mesma enquanto segura a chave.

— Você precisa de um descanso, isso pode ser a velhice afetando Maisinha. — cara de pau? Imagina… — vou pegar para comer no caminho. — pega duas maçãs e três bolinhos.

— E o café? — pergunta.

— Muito quente. — sobe apressada e chega ao corredor, vê seu pai parado a sua porta, se desespera. — o que faz ai?

— Que zoada é essa? — ouve o som do secador.

— Acho que esqueci o secador ligado. Licença pai. — entra no quarto sem dar tanto espaço para ver além da porta. — desliga. Olha, meu pai e minha madrasta estão lá embaixo, vou abrir a porta e fazer eles entrarem na dispensa, quando eu gritar Boombayah você corre porta afora, okay?

— Por que boombayah? — pergunta parando na porta do quarto.

— Ai Jin, vai logo.

— E meus materiais? Como vou estudar sem eles? — pergunta lembrando deles.

— Não pode ligar para alguém levar na escola?

— Vou tentar. — diz indo para porta.

— Agora vamos. — descem cuidadosos, Caterine abre a porta e deixa-a livre, Jin para ao final da escada esperando o sinal. — Pai, Maísa, ontem eu vi um rato na dispensa. — volta para cozinha pegando os dois em um beijo. — existe quarto para isso.

— Respeito menina. — seu pai repreende. Vocês se pegam na cozinha e eu que estou desrespeitando?

— Um rato? — Maísa pergunta. — onde?

— Eu mostro. — arrasta ambos para a despensa, quando abre e empurra-os grita. — boombayah. — seu pai olha para dispensa enquanto Maísa faz cara de nojo olhando para o chão. Cate olha para trás e vê Jin andando apressado sem fazer barulho, ele passa pela porta e sai de seu campo de visão, pensei que morreria.

— Por que gritou? — Maísa sei da despensa.

— Deu vontade… Tchau. — se apressa e pega a mochila, anda até o outro lado da rua e vê um carro preto se aproximando. Abre a mochila e pega uma maçã com dois bolinhos.

— Não quer que eu te leve? — pergunta ao abrir o vidro do carro. Caterine entrega a ele a maçã e os bolinhos. — não quer?

— Tenho na mochila, e não, não quero uma carona, prefiro ir a pé. — diz depois de entregar o lanche e vê-lo comer um bolinho

— Você vai chegar atrasada. — ele fala.

— Não vou não, a escola não é longe da minha casa, dois quarteirões apenas. E outra, eu ando bem rápido quando estou sozinha.

— Certeza? — pergunta mastigando a maçã.

— Sim. — abre a bolsa e pega a maçã. — até. — ela volta a andar, indo em direção a escola, o carro de Jin passa por si e ela reflete sobre o que tinha se passado a noite anterior, não doía nada nela, mas ela se sentia diferente. Caterine estava diferente.

Quando chegou na escola, Seokjin foi encarado durante segundos por Jackson, na cabeça dele a sua pergunta era, o que ele tem? Na cabeça de Jackson a pergunta era: aquele é meu uniforme?

Depois de uns dez minutos, Caterine entra na escola e vai direto para sala, senta na cadeira cansada do trajeto, teve que apressar muito o passo para não se atrasar. Mal imagina que Jackson desconfia dela ter dado seu uniforme a Jin.

— Seokjin? — Jackson pergunta parando Jin que ia para o refeitório.

— Sim Jackson? — ele para bem a sua frente. Ambos já sabiam quem eram, Yoongi fez favor de contar a Jin quem era o novato, e Caterine contou tudo para Jackson, e tudo de sua estadia em Seul incluía Seokjin.

— Seu uniforme é bem bonito. Onde conseguiu? — perguntou sorrindo.

— Bem… não me pergunte isso. Você deve saber onde. — falou impassível, porém impaciente.

— Reparou que ele tem uma costura branca no final do terninho? — cruza os braços, realçando os músculos.

— Ah, na verdade não percebi. — abaixa o rosto para ver.

— Essa linha quem colocou foi a madrasta da Cate, esse uniforme estava com ela. Como conseguiu esse uniforme Seokjin?

— Pergunte a ela, o que ela te falar, será a verdade. — ele passa, indo para o refeitório. Jackson pensa em possibilidades coerentes, mas não encontra.

— Unnie, você está bem? — Ayume está no almoço junto com sua unnie, pergunta pois o comportamento dela está bem desaparecido.

— Estou sim dongsaeng. — Jackson se senta ao seu lado e lhe encara. — o que foi? — pergunta percebendo o clima nele.

— Posso falar com você a sós? — pergunta.

— Pode falar na frente da Ayume? — come arroz e fala de boca cheia.

— Por que aquele Seokjin está com meu uniforme customizado?

Caterine pedra, de forma que Jackson nunca viu.

— Bem… Você perde seu uniforme e eu que tenho que dar conta? — fala mesmo sabendo que não vai colar.

— Pra cima de mim Caterine? — cruza os braços e lhe encara.

— Ele… dormiu lá em casa. — fala levantando os ombros e forma de, pois é… a boca de Ayume não tem mais apoio.

— O quê? — pergunta depois de muito tempo lhe encarando.

— Agente… vocês sabem, aquilo que nossos pais tiveram que fazer para nos ter.

— Como assim unnie? — Ayume grita e Jackson arregala os olhos.

— Quietos, eu vou explicar… — a história que Caterine contou foi resumida, ela não falaria tudo aquilo que sentiu e o quanto gostou. Como já sabemos dessa história, e sabemos bem, vamos para as próximas cenas.

Cate estava olhando mais uma vez a quadra, dessa vez com a companhia de Jackson, nas arquibancadas estavam Yoongi e Hoseok, Ayume aparece com algo em mãos, joga-o em Caterine que lhe olha abismada com a tal audácia, o que essa menina tá pensando? Ayume aponta para o papel e está escrito nele

Me encontra na sala de artes.

Ayume sai da quadra descendo as arquibancadas, passa pela porta e vai-se, Caterine apenas faz o que o papel, ou melhor, Ayume mandou, pede e avisa que vai sair.

Chegando na sala de artes não encontra Ayume, a não ser um Seokjin relaxado sentado na cadeira com os pés sobre a mesa.

— Você viu a Ayume?

— Vi.

— Onde ela está?

— Ora, não sei… eu vi hoje de manhã e agora a pouco.

— Okay, folgado. — alfineta antes de se voltar para porta, estava saindo da sala quando houve:

— Fui eu que te chamei. — Seokjin se levanta e vai até Caterine que se vira para ele. Devagar e sensual, aquela sala estava mesmo na escola? Ou teria Caterine entrando em um bar stripper cheio de tensão sexual?

— Ah, pediu para que ela me chamasse? — ele assenti. — o que quer? — Caterine estava meio inquieta perto do Jin, era diferente agora depois de tudo que viveram a algumas horas antes.

— Nós não nos despedimos corretamente hoje de manhã. — se aproxima, muito perto. Caterine se recosta na parede e Seokjin põe seu braço por cima de seu braço

— Como assim? — se perde na frase dele.

— Quando duas pessoas têm uma noite de relações sexuais, é costume se beijarem pela última vez na manhã antes de continuarem seus respectivos trabalhos. — Caterine havia entendido, apenas não entendia ele mencionar aquilo. — assim olha.

Se aproxima devagar, selando seus labios ao dela, um beijo que começa suave e vai se tornando aos poucos a chama de um vulcão.

Sei que se perguntam, o Jin esqueceu Melody? Nada posso afirmar, embora que sua cabeça esteja sim pensando nela ainda, porém a ocidental lhe rouba suspiros quando o mesmo lhe dá permissão de entrar em seus pensamentos. Caterine tem um passado que lhe deixa com medo de se apaixonar, não que esteja, mas e se isso acontecer? O que ela fará?

Esses dois… entretidos com esse beijo nem perceberam que alguém os observava, alguém meticulosa e de mente astuta.

— O que está acontecendo aqui? — Melody grita de forma esganiçada.

— A cena não é obvia? Um beijo. — Caterine rebate quando se separa de Jin as pressas, ambos arfando, o beijo havia sido bom, mas esse flagrante não. Preocupações em Seokjin brotaram, o que ele estava fazendo com Caterine, ele sabia que não podia dar um compromisso a ela, afinal… ainda pensa em Melody, Caterine não se preocupava, ao contraria sabia que dali sairia diversão.


Notas Finais


*-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...