História O melhor de mim (Imagine Jin) - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Hope, Hoseok, J-hope, Jimin, Jin Seokin, Jungkook, Kook, Namjoon, Rapmosnter, Suga, Taehyung, Yoongi
Exibições 187
Palavras 2.255
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Leiam as notas finais: avisos.

Ta vendo que nem é grande coisa Kkkk
É SÓ UMA MOTO QUE EU QUERO MUITO
Mais enfim...
Boa leitura e perdão os erros.

Capítulo 15 - Muito rápido.


Fanfic / Fanfiction O melhor de mim (Imagine Jin) - Capítulo 15 - Muito rápido.

— Ela é da linha Honda CG 125 KS, o motor OHC, 4 tempos, arrefecido a ar e monocilíndrico, suporta 15,4 litros de gasolina no tanque, o sistema de partida é a pedal, uma das mais vendidas no Brasil. — a moça falava sorridente, talvez pelo que via nos olhos de Caterine, é igual à da mamãe…

— Ela não é alta para você filha? — Marcelo observa os olhos brilhantes de Caterine sobre a moto.

— Não pai, eu quero esta, em um modelo vermelha, assim como esta. — Caterine olhava as outras motos, vendo algumas bem estilo roqueiras, mesmo sendo uma simples moto para vista do que já encontrou na Coreia, ela amava aquela linha.

— Queira me acompanhar para assinar os documentos sim? — a moça sorri absurdamente, parece até que é ela que vai comprar… Ah é mesmo, ela ganha comissão quando vende. Caterine perdia a saúde, mas não perdia a arrogância, a moça estava sendo simpática, e claro, agradecida por vender. — temos uma parceria com uma autoescola, se se matricular nela poderá ganhar desconto por comprar aqui, é de menor? — vão até uma mesa e seu pai se senta na cadeira, a vendedora fica em pé do lado de um homem que entrega uma pasta a Marcelo.

— Sim, eu adorei a ideia de desconto. — seu pai responde avaliando os papéis.

— Eu posso dar uma olhada nas outras motos? — Caterine pergunta feliz. A vendedora assenti deixando que olhe a vontade as motos.

Os requezitos da Coreia do Sul para conduzir veículos são de dezoito anos para automóveis e dezesseis para motos, esse é um outro ponto que Cate amava, com dezessete anos ela podia ter sua moto e dirigir sem medo de ser barrada, claro que vai estudar e fazer as provas, mas nada impede que use a moto para ir para a escola, ou sair quem sabe com a Ayume e com o Jackson.

Viu uma moto muito linda, roxa e branca, era de um modelo japonês tunada. Um dia eu vou ter uma dessa… pensou atrevida. Olhou para seu pai e ele finalmente assinava os papéis de compra, não demorou muito para saírem da loja, sorridentes, a entrega seria feita na casa deles.

Maísa havia ficado dormindo, estava cansada das viagens feitas ultimamente, algo que particularmente nunca acontecia com ela, sentia-se também um pouco mal as vezes, mas logo passava. Quando Marcelo e Caterine chegaram a menina correu para o quarto, pulando na cama e acordando sua madrasta.

Seu relacionamento com Maísa tinha melhorado de forma extraordinária.

— Maisinha… Maísa, acorda. — se jogou por cima de Maísa e balançou seu corpo, a maior sentiu-se mal com aquele impulso.

— Ai Caterine, para com isso. O que raios foi?

— Meu pai me comprou uma moto. — grita. — UMA MOTO VERMELHA.

— Legal minha fofa, agora me deixa dormir. — bateu leve na cabeça dela.

— Mais é sua culpa, ele me deu porque eu fui boa com você nos últimos tempos… Até que você tem uma utilidade… desculpa, o costume. Prometo parar com isso Maisinha.

— Está bem, agora saia do quarto, estou enjoada. — Caterine diz um okay, beija sua bochecha e sai do quarto, fechando a porta. Maísa nem acredita que recebeu toda essa alegria da sua enteada. No fundo Maísa nunca odiou ela.

Caterine corre para sua cama, se joga e pega o celular.

Na escola, estava no fim do horário de almoço, Jackson entrou no banheiro e fez suas necessidades, quando saiu para perto da pia, viu que Seokjin entrava no banheiro também. Ligou a torneira, mas logo desligou quando viu que uma ligação estava sendo recebida, olhou o número e viu o nome Caterine

Alô, oppa? — fala quando é atendida.

— Oi Cate, o que quer. — se vira e fica de frente para Seokjin, cujo o mesmo olha de lado para ele depois retoma o olhar para a torneira ligada.

Venha para minha casa mais cedo hoje, preciso te mostrar uma coisa que meu pai me comprou e dentro de minutos está chegando. — sua voz saia feliz.

— Não posso sair cedo. E o que você comprou? — Seokjin nunca demorou tanto para lavar as mãos, olhou seu reflexo e bagunçou o cabelo para soltar a raiz dos fios.

Venha e descubra. — ela falava sorridente.

— É algo grande? — pergunta se voltando para o espelho.

Sim… — Marcelo aparece na porta e fala para sua filha, eles já trouxeram, está na garagem.Ah Meu Deus, chegou, eu vou infartar. — ela grita fazendo Jackson afastar o celular do ouvido, Seokjin ouve a última frase e olha para Jackson com a cara de: O que aconteceu com essa louca? Eu vou para garagem, quando vier vá para lá… AI MEU DEUS, ELA É LINDA. — a última coisa que Jackson ouve antes da ligação ser deligada.

— Essa garota é louca. — desliga o celular e põe no bolso.

— Só agora você percebeu? — Seokjin fala encarando o menor. Ele olha para o espelho e sorri divertido. Sai sem pressa do banheiro.

— Esse garoto é estranho, uma hora ele ignora tudo da Caterine, outra hora ele comenta descontraidamente sobre o jeito dela… O que se passa na cabeça dele? — pergunta se olhando o no espelho. — Caterine… o que você comprou?

Indo para a quadra; Seokjin tenta amenizar seus pensamentos.

Eu não deveria ter feito aquilo com a Cate, ela não merecia que eu tivesse usado ela, além do mais, eu amo a Melody, fui um idiota mesmo, como pude beijar e até… desvirginar uma garota sendo que sou apaixonado pela Melody?

Passou as mãos no rosto puxando-as para o cabelo e bagunçando em seguida. Olhou ao redor da quadra e se jogou na arquibancada.

Por que tenho pensando tanto nela? Cate é apenas uma colega de escola, o que ela tem que atrai meu olhar? Se eu soubesse as respostas não teria tantos problemas com a Melody… Preciso me organizar, meu noivado está cada segundo mais próximo, e eu tenho que me casar com Melody, pelo meu amor por ela e também pelas relações da família.

Jackson não aguentava a curiosidade, assim que saiu da escola foi direto para casa da dongsaeng, se quer entrou na casa, foi realmente para a garagem, mas estava fechada, sendo assim voltou para a frente da casa e chamou pela menor.

— Por que demorou tanto Jack? — perguntou sorridente e foi em seu encontro, segurou sua mão e puxou-o para garagem, abriu o portão e entrou com seu oppa.

— O que você comprou? — pergunta direto.

— Pedi ao meu pai e como ele viu que tenho me esforçado para aceitar a Maísa, cujo já aceitei, ele me comprou isso. — vai até algo grande coberto com um pano branco e retira ele, libertando a moto. — me ensina a pilotar ela?

— Não… — se sente meio decepcionado.

— O quê? — por que não?

— Não acredito de entre tantas você escolheu essa Caterine. — fala do modelo da moto.

— Yah, respeito, ela é nova e sentimental, seu nome vai ser… Rize.

— Rize, de rosa? — pergunta confuso.

— Não, Rize com z, Rize de Rize. E outra, essa foi a última linha que minha mãe usou, já planejei comprar outras, mas essa é meu xodó por enquanto. Me ensina ou não?

— Claro, mas agora não.

— O quê? — Caterine questiona, eu quero aprender logo.

— Meu pai quer ajuda na oficina durante ao menos uma semana, pois ele vai passar dois dias em Busan para trazer nossa família para Seul, você sabe… — nem toda a família de Jackson estava gostando da ideia de vir para Seul, mas quando souberam que a oficina de carros do pai de Jack estava indo bem, cederam e resolveram vir.

— Droga. — Vai até a moto e alisa-a.

— Entre na autoescola, você vai poder tirar habilitação e eu te ensino manobras. Que tal?

— Me ensina a rabiada? — fala maliciosa e o maior assenti.

Passaram os dez minutos seguintes falando sobre movimentos radicais.

[…]

E assim foi-se os dias, Cate ia para escola e sempre ignorava Seokjin, tratava seus assuntos do festival com Hoseok, algo bom de tudo isso, pois descobriu o quão engraçado e legal o sunbae era, conversando com ele na mesa do refeitório Caterine diz ter comprado uma moto, mas não aprendeu a andar nela ainda.

— Posso te ensinar o básico e você vai treinando aos poucos. — Hoseok propõe. Eles estavam juntos pois precisavam marcar o dia para começar a arrumação da quadra, e também o dinheiro que a peça precisa pagar.

— Pode mesmo? Eu adoraria que fizesse isso por mim. — Caterine sorri.

— Sem problemas… — Hoseok fala se levantando e sentando na mesa.

— O que planejam? — Namjoon pergunta chegando ao lado do seu amigo.

— Vou ensinar a Caterine algumas coisas básicas sobre moto. — Hoseok de longe vê Yoongi e Ayume conversando, Jimin, Taehyung e Jungkook comendo em uma mesa e vê seu hyung Jin ao lado de Melody, ela presta atenção em alguma coisa no caderno, já Jin, olhava para eles três ali conversando.

Namjoon era amigo de Jackson e isso Caterine só descobriu quando viu os dois conversando, então comentaram com ela, desde esse momento Caterine aproveitou para saber sobre podres passados do Jackson e acabou descobrindo que no ensino fundamental, seu oppa era apaixonado por uma professora… que tinha cinquenta anos. Eca, nada contra as velhinhas de cinquenta anos, mas… sei lá…

— Ah, que legal, você tem uma? — pergunta enquanto bebe o suco que seu dongsaeng lhe entrega.

— Sim, você pode vir, se prometer que vai ficar longe da minha moto. — faz cara de: estou de olho em você. — Seu histórico de destruição me assusta. — Namjoon sorri aceitando aquilo, ele não podia lutar contra sua fama de Deus da Destruição.

— Prometo. — os mais velhos ali sorriem, Hoseok olha para Seokjin e vê que ela ainda encara… Por que ele não desvia o olhar?

— Está fechado então, até depois, sunbaes. — se levanta e vai até Ayume buscar ela. O sinal tocou e você não percebeu sua boba. Teve vontade de falar isso, mas se conteve.

Hoseok comentou sobre seus pensamentos a respeito de Seokjin e Caterine para Namjoon, que concordou com o mais novo, então formularam um plano para tirarem a prova.

Naquele mesmo dia, Hoseok e Namjoon apareceram na casa de Caterine.

— Vocês vieram mesmo, querem alguma coisa antes ou já podemos ir para garagem pegar a Rize? — Hoseok nega com a cabeça.

— Não queremos nada, quem é Rize? — Namjoon pergunta.

— A minha moto, venham comigo. — os três seguem para garagem, Caterine tem em sua mão a chave. — aqui está ela. — retira o pano branco de cima, a luz vermelha dela fez um belo brilho nos olhos de Caterine. — me ensina a como ligar, sei apenas a teoria.

— Okay, faça o que sabe, mas devagar. — Hoseok diz.

— E não aperte o acelerador. — Namjoon avisa e Hoseok concorda. Aos poucos Caterine tira o apoio da moto, põe a chave, gira e pisa quatro vezes seguidas no pedal, finalmente consegue ligar.

— Okay, agora eu quero que saia da garagem, mas devagar. — como a garagem estava sem carro era bem mais fácil. Cate sai da garagem com sucesso, olha para trás e sorri para os meninos. Hoseok e Namjoon se aproximam dela. — você tem que saber controlar sua velocidade, comece bem devagar e dê a volta, mas devagar, você ainda não aprendeu então se acostume com a velocidade baixa e aos poucos você vai aumentando.

— Certo. — Caterine responde e vai em frente, em baixa velocidade, sente o vento leve em seu corpo, dá a volta e para novamente ao lado dos mais velhos. — fui bem?

— Sim, continue nessa velocidade. — Namjoon responde.

— Mas agora faça um oito com os pneus da moto, para você se acostumar com as curvas que fara na sua vida de pilota de moto. — Hoseok sabe ensinar.

— Pilota de moto? Gostei… — sorri.

Caterine faz o que Hoseok pede, forma alguns oito invisíveis no chão e começa a acelerar, ama sentir o vento bater sem seu rosto. Liberdade.

— Vou acelerar. — grita passando pelos mais velhos e acelerando para o lado oposto.

— Hoseok, ela vai… — Namjoon tenta falar mais é cortado, uma ruga de preocupação se forma em cada um dos dois.

— Não hyung. — eles observam e veem que Caterine avança cada vez mais, ela faz a curva e então acelera ainda mais, seu cabelo chicoteava o vento, sentia a adrenalina em suas veias, algo que ela estava amando sentir. — Caterine, desacelere.

Caterine então percebe o que está fazendo, eu ainda não aprendi… seu corpo entra em pânico, como faz para parar? Perde o controle e acaba acelerando ainda mais a moto, vendo que pode morrer pela velocidade que nunca enfrentou, solta-se da moto e joga-se no chão. Péssima ideia.

Sentiu o chão nada macio bater seu corpo, como estava usando roupa de manga curta, ralou seus braços quando caiu, sua cabeça sofre um certo impacto e então ela escuta de longe as vozes do oppa Hoseok e oppa Namjoon lhe chamar. Seu corpo doía.

Ambos mais velhos correm em sua direção, Namjoon chega antes em Caterine, segura sua cabeça e a única frase que ela fala é:

— Levantem a moto… levantem. — Hoseok sabe que ela escolheu aquele modelo por causa da sua mãe, perguntou se a escolha tinha sido dela e então ela revelou, foi até a moto e levantou, não queria que ela se sentisse culpada por danificar a moto, tirou a chave da ignição e olhou para Namjoon.

— Hyung, vou ligar para emergência. — Hoseok fala.

— Certo, vou ficar com ela. — diz. Caterine olha para Hoseok que levou a moto para perto da casa dela. Sua última visão foram os olhos do Namjoon preocupados. — Yah, não durma Caterine. — disse quando Cate fechou os olhos perdendo os sentidos.


Notas Finais


Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Os comentários de vocês estão cada vez mais raivosos.
Me perdoem por todo esse drama em relação a uma moto.
Sei que tem pessoas ou alguém que Shippa Hoseok e Caterine, e sei que Namjoon agora talvez entre no meio também, eu só quero pedir um coisa.

Não digam que Caterine precisa fazer ciúmes a Seokjin para ele ver o que é bom...
PAREM DE CONTAR O ENREDO DA MINHA HISTORIA

Kkkkkkkkkk eu acho muito bom que saibam dividir o real Jin com esse Jin da historia, me sentiria culpada de fazer vcs acreditarem em algo que não é verdade..

A omma tá triste sabe... hoje não foi um dia de muita paz aqui em casa... Mas os comentários de vocês me fazem tão bem que momentaneamente eu esqueço.

Em relação aos meninos mais novos, V, Jimin e Kook, eles vão entrar em cena mais vezes, só falta eu planejar totalmente o festival.

Melody a cachorra... digo... a namorada do Jin, ela terá sim o que merece, junto com o Jin.
Mas acalmem-se... Como sei que vocês gostam de treta, eu vou criar, na vdd eu já tinha planejado neh kkk, muitas tretas pesadas Kkkk

Espero que tenham gostado.
Beijos da omma de vcs 😘😘😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...