História O mestre mandou! [Namjin] - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jin, Jogos, Lemon, Lemonada, Namjin, Namjoon
Exibições 135
Palavras 1.992
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Mistério, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI TOMATINHAAAS <3 Eu acho que dessa vez não demorei. Acontece que esse capítulo já estava finalizado a muito tempo, mas eu ando com a cabeça no mundo da lua, e esqueci disso acabando por escrever outro capítulo. Resumindo, eu fiquei muito enrolada e acabei não postando. ME DESCULPEM T.T

Não acho que este ficou bom, mas não gosto de demorar a att minhas fanfics, espero que vocês gostem! Boa leitura.

Capítulo 3 - Capítulo três.


Fanfic / Fanfiction O mestre mandou! [Namjin] - Capítulo 3 - Capítulo três.

           Merda de consciência, e um garoto problemático.

Busan, sábado 04:38 da madrugada.

Merda, inútil, fraco, um verdadeiro lixo. Nenhum desses adjetivos eram capazes de descrever o quão imprestável e horrível, Seokjin se sentia. - Andava de um lado para o outro naquele cubículo que o mesmo costumava chamar de quarto, enquanto que, sua progenitora gritava algo enfurecida ao pé de seu caríssimo telefone.

Ela estava furiosa, e com razão. Após a punição do garoto, ele fora levado para um lugar, - ainda desconhecido pelo mesmo - ficando desaparecido por quase dois dias, até ser encontrado no mesmo local em que o acharam. Inconsciente e completamente machucado.

- “ Como não encontraram imagens deste dia no circuito de seguranças? pago uma fortuna para dar uma boa educação para o meu filho, e ele não tem nem segurança? ... Como assim ele não saiu pelo portão da frente? ... Você está me dize- SEOKJIN APAREÇA AQUI NA SALA AGORA!”— Ela o chamou mais alterada que o costume.

Ele calçou os chinelos vestiu um casaco e seguiu para sala, pedindo mentalmente que não fosse descoberto. Sua eomma o fitou de cima a baixo, com uma expressão de raiva enquanto ainda, segurava o telefone.

- Seokjin, eu vou perguntar apenas uma única vez— respirou fundo— por que diabos você saiu pelos fundos aquele dia?

Merda!

- Eu saí por onde todos os alunos entram e saí eomma, juro por tudo que não saí pelos fundos!— Seokjin mentiu.

Ele sabia que não podia contar a verdade para ninguém, e por isso ele ia negar, não importaria o que viesse a acontecer. Para eles, Seokjin não saiu pelos fundos, e diria isso até morrer.

- Seokjin você está mentindo!— a mulher afirmou.

- Não estou, por que eu iria mentir?— questionou e a mulher franziu o cenho.

- Não sei, diga-me você— a mulher indagou.

- Não saí, se eu tivesse ido por lá você não acha que eu já tinha falado?— suspirou cansado— Olhe para mim, veja como eu estou horrível. Acha que eu também não quero achar quem fez isso a mim?

Não!

Seokjin não queria achar ninguém, na verdade, ele queria uma bem distância dos que o machucaram. Apenas queria acabar com aquilo de uma vez por todas, porém, mal sabia ele que aquela tortura estava apenas começando.

Voltou para seu quarto, e atirou-se violentamente contra a cama. Os gritos vindos da sala cessaram, e o silêncio que pairava naquela casa, era demasiado agradável.

Fechou seus olhos, e mal percebeu quando havia dormido. Poderia ficar para sempre ali, seu rosto ainda doía e sua pele estava marcada por vários tons de roxo. Abraçou o travesseiro e procurou pensar em coisas boas, queria que, aquela paz, se estendesse para sempre.

      ~Pov Seokjin.

Se você tem amor à sua vida, 1) não veja pornografias de madrugada, 2) se misteriosamente uma guia anônima abrir em seu navegador, não hesite em fechá-la. 3) Não deixe que a curiosidade te consuma, 4) Escute todos os alertas de seu subconsciente, e acima de tudo: não se meta com o que você não conhece.

Sério, você pode acabar muito, muito, muito fodido!

Como eu, deitado em uma cama, com o rosto completamente desfigurado - estou sendo dramático eu sei - e com a porra de uma dor de cabeça que por um acaso, surgiu das profundezas do tártaro.

Abro vagarosamente meus olhos, e passo a fitar o teto. Ainda estava demasiadamente cedo, e eu não tinha nada para fazer. Observo atentamente a tela do meu celular acender, aparecendo a foto de Jung Hoseok.

- O que você quer?— perguntei assim que atendi a chamada, revirando os olhos ao escutar o barulho de música alta ao fundo.

- Hyung — indagou com a voz embargada— soube que acharam você, como você est-... Aio gatinhas da balada, o papai chegou!

- Merda Hoseok, você está de brincadeira comigo?— perguntei furioso, ele estava claramente alcoolizado.

- Quê? Não hyung, não estou de brincadeira não. Estou ligando por que eu estiver preo-... Oi gata, você mora na sua idade?

- Puta merda Hoseok! Onde você está?— questionei levantando-me da cama e seguindo em direção ao armário.

Vesti rapidamente um casaco enquanto tentava arrancar de Hoseok, o endereço do lugar que ele estava. Após o fazer, calçei os sapatos e encerrei a chamada, segui para a sala e cuidadosamente abri a porta para que saísse.

Implorei mentalmente para que quando chegasse ao hall do prédio, o porteiro não notasse a minha presença. Este que não estava na portaria e eu pude escapar sem complicações.

Hoseok era menor de idade, e estava em uma festa, completamente embriagado. E se eu bem sabia, aquilo ia dar merda.

Segui para a estação de metro e embarquei em um dos vagões, a festa era do outro lado da cidade, e eu precisava chegar lá o quanto antes.

Após esperar uns 40 minutos, finalmente consegui desembarcar. E lá estava eu procurando por Jung Hoseok, em uma festa lotada de adolescentes irresponsáveis, bêbados.

Tinha de todos os tipos: aqueles que estavam por se engolir na frente de todos sem ao menos se importar, os que estavam jogados no chão com a blusa suja do próprio vômito, aqueles que se parecia com um Jung Hoseok alcoolizado dançando polidance na pilastra feito uma verdadeira streep.

Deus, por que ele tinha que pagar tanto mico?

Caminhei até ele rapidamente, e o agarrei pelo braço, tentando o puxar para fora daquele ambiente. Ele parecia um bebezão e eu me perguntava internamente, se os pais dele tinham consciência de que ele frequentava lugares desse tipo.

- Merda! O que deu na sua cabeça?— perguntei retoricamente, eu estava furioso.

- Eu to boladão e vou pegar altas gatinhas— Hoseok cantarolava, e eu estava me segurando para não rir.

- Hoseok, você não vai pegar ninguém porque eu vou te levar embora!— disse sério, enquanto que ele parecia dar zero fodas.

- Ah mais não vai!— disse soltando seus braços de minhas mãos— Olha só isso hyung, é um harém de gatinhas.... E eu vou pegar toooodas elas!

- Hoseok,  eu vim até aqui para levar você embora, e você vai. Quer você queira, quer não!— afirmei agarrando seu braço novamente.

- Olha só, não seja tão careta. Há gatinhas de toooodos os tipos, por que não aproveita?— ele me questionou e eu franzi o cenho.

- Hoseok você está se esquecendo de algo— comentei áspero.

- Oh sim, eu não sei onde coloquei as chaves de casa, Hyung eu estou encrencado— falou tateando os bolsos, enquanto sorria feito bobo— que bom que me lembrou!

- Não Hoseok, eu me referia sobre as "gatinhas"— comentei fazendo aspas com as mãos.

- Ah! Se quiser posso te ajudar a conseguir uma pitanguinha, o que acha?

- NÃO HOSEOK!— o repreendi— Eu não quero gatinhas, nem pitanguinhas, por favor pare!— falei sentindo meu rosto queimar.

Droga! Hoseok era um porre bêbado.

- Todo mundo quer, não precisa ser tímido hyung!— merda, eu não sei o que é pior. Hoseok sóbrio ou Hoseok bêbado.

- Eu sou gay, mas que droga!— falei para que somente ele escutasse.

- iu si guiy, mis qui drigui!— Hoseok tentou imitar minha fala revirando os olhos— É bom que sobra mais pra mim, eu vou transar até o amanhecer... Não, não, melhor. Eu vou transar até o meu pau cair!

Balancei a cabeça negativamente e observei ele virar as costas para mim e sair correndo, e como eu havia previsto aquilo ia dar uma merda das grandes!

Corri em sua direção e o segui, logo eu já estava novamente dentro da casa em que acontecia a festa, e a música ensurdecedora já se fazia presente.

Procurava por Hoseok em todos os cantos, mas parecia que ele havia entrado em um buraco pois não conseguia achá-lo por nada. Já exausto, me sentei em um sofá em meio aquelas pessoas. Bebidas e convites para sexo era me feitos à todo momento, e eu me odiava mentalmente por estar naquele lugar.

Maldita hora que eu abandonei o conforto da minha cama, para ir atrás de um adolescente bêbado.

- Hyung o que faz aqui?— uma voz ecoou ao meu lado, e abruptamente prestei-me a encarar a figura em minha frente.

- Eu que pergunto Jeon Jungguk?— o fitei incrédulo.

Aquilo era oficialmente um complô para testar minha responsabilidade.

- É a festa da Kim HyunA e ela nos convidou, e eu pensei que bem... Não seria uma má ideia— comentou bebericando o conteúdo que havia no copo que estava em suas mãos.

- Jungguk solta esse copo antes que eu enterre ele no seu cú!— mandei e prontamente fui obedecido, talvez Jungkook não queria ter um copo enterrado no cú. Seria complicado até para explicar para os pais do garoto o porquê de eu ter feito isso — ...Jungguk, olhe para meu rosto e veja se aqui tem algum palhaço.

- olha hyung...— ele parou e me observou por alguns segundos, e dali, eu já sabia o que estava por vir.

- Não, não precisa responder! Eu quero que você e Hoseok estejam aqui em menos de 5 minutos, e não ousem testar ainda mais a minha paciência— indaguei áspero, e observei a silhueta de Jungkook sumir em meio a multidão de pessoas.

- A EOMMA DO KOOK É O SEOKJIN GALERO!— um garoto levemente alterado gritou um pouco próximo a mim— i ni isim tistir minhi picienci... Que otário!

- aposto que seus pais também nem sabem que você está aqui, e seria uma pena se alguém ligasse para eles— comentei irônico— E sim, eu reconheço a sua voz, não seja tão petulante Park Jimin.

O garoto não voltou a se pronunciar, e eu agradeci mentalmente, pois minha paciência estava se esgotando.

Não demorou mais que alguns minutos, até que Jungkook aparecesse em minha frente, acompanhado por Jung Hoseok. Os acompanhei até a residência de cada um, cuidando para que os pais dos mesmos, não notassem o quão alcoolizados, os dois meninos estavam.

Feito isso, me senti em paz para voltar para minha casa e dormir para sempre. Embarquei no vagão do metro e segui para o meu bairro, a viagem fora tranquila, e não tardou para que eu estivesse alguns quarteirões mas próximos ao prédio em que residia.

A rua estava vazia, e eu procurei apressar os passos. Não queria ser assaltado, e considerando a minha beleza angelical. Corria risco de até mesmo ser estuprado, e pensando nisso, comecei a caminhar, ainda mais rápido.

Estava com medo de minha progenitora ter me descoberto, e temia que ela estivesse a me esperar com um interrogatório na ponta da língua.

Meu celular tocou.

Um misto de sentimentos atingiu-me em cheio, e um conflito interno tomou conta de mim. Eu não sabia se pegava o celular para saber do que se tratava, ou esperava chegar em casa para saber.

Pausei meus passos e tirei o celular do bolso de meu casaco, fiz todo o processo, desbloqueando o mesmo e quase tendo um ataque cardíaco quando vi que se tratava de um SMS.

Desde de minha punição, eu não havia recebido nada. O tal mestre não dava sinal de vida, e meu interno agradecia por isso. Mas nem tudo é um mar de rosas, e lá estava eu, mais uma vez para servir as vontades daquele estranho.

[Desconhecido]: Olhe para sua direita, há uma loja de lingerie's, quero que pegue para si, uma de seu agrado.

Procurei olhar por todos os lados, para me certificar de que havia mesmo, alguém a me observar, todavia só encontrei o vazio. Podia parecer que eu estava sozinho, mas havia alguém ali, e eu me sentia observado.

Fitei a loja de lingerie's e engoli seco, não havia como eu voltar mais tarde e comprar. Deixaram bem claro, que não importaria a hora ou o lugar, eu teria que executar a missão.

E mesmo relutante eu ia fazer, não queria de maneira alguma ser punido novamente.

Continua?


Notas Finais


KKKKK O QUE ACHARAM MONA? ESSE "MESTRE" É UM PERVETIDO, SIM OU CLARO?

GOSTARAM DO HOSEOKAO BEBADO? SÉRIO EU NÃO QUERIA COLOCAR E DEVE TER FICADO UMA BOSTA, ENIUEI.

Se gostar comente e favorite, sério eu não gosto de levar vácuo pois estou aqui por vocês e quero saber a opinião de cada um <3

Obrigado pelos favoritos e comentários, prometo que não vou decepcionar vocês <3

BJUNDA!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...