História O meu (nem) tão irritante Instrutor. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Bts, Comedia, Dimplexo, Fluffy, J-hope, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Romance, Sope, Suga, Tentativadecomédia, Yoonseok
Visualizações 219
Palavras 4.619
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong pessoas!
Quem é vivo sempre aparece não é mermo? Sei que dei uma demoradinha mas antes tarde do que nunca. Haha
E então? Vamos partir para o que interessa? É hoje cof que o Jimin cof cof sofre cof ksksksk

Nos vemos nas notas finais, boa leitura!

PS: há coisas ditas aí que não são feito em auto-escola gente (pelo que eu sabia né), vieram por parte de minha imaginação tudo bem?. haha =3

Capítulo 2 - Jeon Jungkook e seus métodos peculiares.


Fanfic / Fanfiction O meu (nem) tão irritante Instrutor. - Capítulo 2 - Jeon Jungkook e seus métodos peculiares.

— O quê?! — Hobi respondeu tão alto que (é claro) atraiu toda atenção para si, porém, não querendo pagar vexame na frente dos outros ele logo soltou uma risada que estava mais para nervosa do que debochada, em seguida se aproximou e sussurrou próximo a mim como se tudo aquilo fosse um segredo ultra secreto da CIA — Tipo, agora?! Está maluco?!

Respirei bem fundo e o encarei com um sorriso exageradamente falso, não me era nada surpreendente e estranho a reação dele devido ao que eu lhe propusera naquele momento. Diga, quem não ficaria nervoso em finalmente tomar a coragem necessária para trocar algumas palavrinhas com o Crush? Um sonho não é mesmo? Contudo, a questão é: eu estava sendo um pouquinho precipitado em pôr em prática o “Operação Cupido” agora? Talvez, porém, era o único jeito de salvar a minha pele por mais alguns míseros minutos. 

Não me julguem.

— Sim Hoseok, você vai aceitar ou não? Olha que eu estou me propondo a te ajudar então preste atenção no que vai responder para não ficar de mimimi depois.

— Mas… mas eu não pensei que seria assim, do nada! Você está tramando algo, não é Park Jimin? Fala logo — me encarou com seu olhar investigativo, só porque passa horas assistindo séries de investigação na TV agora acha pode ler a minha alma e descobrir minhas mentiras mas obscuras? Ata. (não que eu tenha, OK?).

Tá! Eu admito e tenho a plena consciência dos meus atos nesse momento, sei que usar o próprio amigo para adiar a ida ao inferno não é nada legal, entretanto, deixo por esclarecido que se estivessem no meu lugar fariam a mesma coisa; claro, a não ser que tenha se apaixonado pelo próprio diabo, o que complica as coisas pra você meu amigo.

O fato aqui é que Infelismente meu instrutor vulgo Jeon Jungkook é um doido varrido que precisa urgentemente ser estudado.

— Aliás, você precisa ir para a aula de direção não é mesmo Sr. Jimin? — mudou de assunto, como sempre voltando o maldito o foco para mim e da pior maneira possível. Eu mereço - Vai dizer que está pensando em não pisar mais lá?

— Se bem que eu cogitei isso mesmo — confessei com um suspiro cansado, mesmo estando a pá das minhas desgraças o idiota alí achava que tudo não se travava de birra minha por não ser Taemin hyung à me ensinar. Bom amigo que eu tenho, devia me apoiar isso sim e não me empurrar ao matadouro — Mas pensei melhor e nem a pau que eu vou deixar meu dinheiro ser gasto em vão, mesmo que o tal instrutor seja um tanto… anormal.

— Jimin-ah, ele realmente é dessa forma como você falou? Convenhamos, às vezes você é exagerado demais.

Nesse momento eu não pude me conter, soltei mesmo uma risada debochada diante daquela pergunta tosca, mal sabe ele que Jeon Jungkook é mil vezes pior do que eu descrevi minha gente!

Para vocês terem uma idéia, ontem eu só não fui queixar-me na direção da falta de sobriedade dele porque o indivíduo me deu a entender que caso eu o fizesse, com toda certeza - além de perder o dinheiro - eu iria perder minhas aulas também. Aliás, o cretino ainda teve a coragem de me dizer que foi a única alma bondosa que se propôs a me ajudar. Ah, me economiza né!

E claro, para completar com tudo ele ainda fez com que eu me sentisse extremamente humilhado naquela tarde. Diga-me, até uma criança sabe mexer para lá e pra cá aquela bengala chamada de marcha não é mesmo? Mas não, se Jeon Jungkook disse que tem que passar mais de horas mexendo naquilo tem que fazer.

Além de que eu também tive que aprender a ficar pisando nos pedais ao mesmo tempo que balança aquele troço, algo que eu já sabia de có e salteado. Mas “Não, você tem que fazer isso. Você quer estancar o carro no meio da rua, é? Olha que isso também e para minha segurança Jimin.” 

Foda-se!

Okay, talvez eu esteja um pouco exaltado porém entendam-me, pensar que terei que vê-lo e quem sabe passar a fazer as mesmas malditas coisas de ontem ou talvez pior, fazem com que tudo em mim doa instantaneamente. Entretanto, aqui está Hoseok me perguntando se realmente estou sendo “justo” com ele. Tão engraçado.

— Nossa, claro que não, até porque ele é um enviado de Deus que veio me salvar da reprovação — ironizei revirando os meus olhos com aquilo, aliás, nem adiantava mostrar o cara para o Jung pois seria óbvio que ele não veria nada do que JK é de verdade.

Precisa ser Park Jimin para saber despertar o demônio interior daquele homem.

— Está sendo irônico não é? Tanto faz, não me use para escapar de suas responsabilidades.

— Quem disse que estou fugindo? — me defendi, apesar de aquilo ser verídico nada impedia de ser uma meia verdade. Afinal, eu tenho um coração bom sim e quero mesmo ajudar ele a desencalhar - Sua falta de fé me magoa sabia? E você com certeza vai é me agradecer mais tarde por isso.

— Ata,  não enche — revirou os olhos para mim só para em seguida encarar um certo trevoso - até que bonito, vale ressaltar - há alguns metros de distância de nós. O olhar dele era tão fixo que estava mais que evidente que Hoseok queria sim trocar uns a, b, c com Min Yoongi. 

Ah mas eu não ficaria parado mesmo.

— Aish, vamos logo!

Com toda sinceridade do mundo nem deu tempo de ele protestar contra a minha ação, a essa altura eu já  estava com os braços dele totalmente presos debaixo dos meus e seguíamos leves e soltos  em direção  ao futuro namorado de Jung Hoseok (no qual seria graças  a mim, vale ressaltar).

A parte chata é  que o idiota se vangloria tanto que tinha trocando  umas palavras antes com o crush mas a essa hora estava todo frangote ao meu lado. Vai entender.

— Age naturalmente — sussurrei pelo canto da boca, ou eu falava ou parava de sorrir porque os dois não dá — Com essa cara é capaz de você espantar ele.

E o que foi que eu recebi em resposta? Um beliscão. Isso mesmo que você leu, afinal, é o que se ganha tentando ajudar os outros. Parece que até através dos meus amigos a vida se aproveita  de mim.

Por sorte, Suga (não me pergunte o porque desse apelido pois é uma longa estória)  estava bem atento ao que ele chamava de livro e não percebeu a nossa atrapalhada aproximação. Olha, eu até que sou um ótimo universitário, tiro notas médias a altas mas estudar demais não cansa não? Eu vou perguntar isso a ele porque não é possível.

— Oi Yoongi hyung — falei com a voz e o jeito mais amigável possível, porém, sabe aqueles olhares  mais afiados que navalha? Foram exatamente  o que recebi de Hoseok no momentos  em que proferi essas palavras, um olhar digno que dizia “desde quando tu conhece o meu boy?”. Porém,  eu me chamo Jimin e não me intimido fácil viu — Esse aqui é meu amigo Jung Hoseok, se conhecem?

Aprendam crianças, é dessa forma que se é um Cupido de sucesso. Direto e cheio de atitude. Ah, conhecer o flechado ajuda muito viu? 

— Acho que sim — respondeu encarando o Jung no qual parecia mais com uma estátua que fora petrificada, e o Min era a sua digníssima medusa - Nos conhecemos, não é?

Claro, para completar o idiota ficou calado e eu tive que dá uns cutucões para ele acordar  para vida e não fazer vexame novamente, porém, tudo o que conseguiu foi balançar a cabeça em um aceno positivo. É, pelo visto eu que teria que tomar as rédeas da situação; o que é até bom para mim, pois assim eu tomo mais tempo para criar coragem em vez de chegar na auto-escola e senti a dor da morte certa.

— Então, eu somente queria saber se você fez aquele trabalho de Inglês no qual o professor Ruy passou sabe, preciso muito que nos me empreste hyung. Claro, não iremos colar é somente para ver os pontos principais, como uma ajudinha para abrir nossas mentes.

Se eu sou bom com lábias e mentirinhas? Imagina.

— Bem... eu fiz porém não está comigo — respondeu alternando um olhar calmo até demais entre mim e o Jung petrificado. Acho que deve está se perguntando o real por quê daquilo —Mas claro, caso você queira mesmo pode passar em casa para pegar.

— Perfeito! — soltei animado, e isso foi até capaz de acordar o Hoseok do transe de paixonite dele. Oremos para que isso não estrague as coisas, porque se dê  errado eu desisto — Digo, o meu amigo aqui vai com você pegar tudo bem? Nós faremos o trabalho junto e também eu tenho… Algo importante para fazer — sorri sem graça — Acho que estou até atrasado. 

Os dois se entreolharam e ficaram assim por uns bons segundos, cheguei até a cogitar se Yoongi diria um grande e lindo “Não”; até porque  eu conheço essa peça há anos e diferente do risadinha  do meu amigo, o Min as vezes poderia ser extremamente irritante. Aqui é experiência própria meus amigos, só não me perguntem como e o por quê.

— Por mim está tudo bem — ele deu de ombros, digo logo que isso é uma falta de educação pessoas, não façam isso — Tudo bem para você… Hoseok?

Eu até que iria cutuca-lo novamente, porém  ele - pela glória de Deus - reagiu.

— Por mim está tudo Ok também.

Com isso eu soltei um baita suspiro de alívio, quem sabe no caminho os dois não trocaram números de celular ou se Yoongi fosse mais esperto convidaria Hoseok para entrar na sua casa. Entretanto, toda felicidade dura pouco e a minha esvaiu-se pelo ralo no exato momento em que lembrei no que faria em seguida. 

— É, eu já vou indo e mais tarde a gente de fala — essa última parte eu falei bem sussurrado só para Hobi ouvir, sou melhor amigo dele e se algum babado acontecesse ele tinha que compartilhar comigo, não é mesmo?

Com um sorriso lindamente falso para dizer que eu estou feliz, eu - enfim (lizmente) - sigo para o que me aguarda além dos domínios da faculdade. Só digo uma coisa, já posso pressentir que essa aula vai ser pior do que a anterior.

Só espero que Deus proteja a minha alma e meu corpo também.


[…]

— Nem preciso lhe dizer que está 15 minutos atrasado, não é mesmo? — disse aquele que possui um tom de voz no qual eu reconheceria de longe, não parecia está irritado mas também não estava gostando nada de meu atraso — Tem algo a dizer?

— Tive coisas importantes para resolver — dei de ombros, e sobre o conselho que dei sobre isso eu retiro o que eu disse. É impossível largar desse vício — Nada que realmente lhe interesse. 

— Hm, é verdade — cruzou aqueles braços evidentemente fortes e ainda possuía um olhar digno de um encrenqueiro, esse homem não é um enviado de Deus — Porém, isso irá prejudicar você então não reclame depois.

Revirei meus olhos, grandes coisas, eu só perambulei mais alguns minutos pela cafeteria. Aliás, só por tê-lo como professor era inevitável a minha reprovação. 

Na maioria das vezes me acho um completo acéfalo no qual sabe a burrada que está se metendo mais continua na mesma, como essa decisão de voltar para cá. Se meus pais soubessem no que eu me meti por causa de um crush e que o dinheiro que usei foi o que tinha me mandado, seria morte decretada a Park Jimin.

Eu tenho que passar. Ah se tenho.

— E então, qual será a aula de hoje? Não venha me dizer que eu vou ter que ficar trocando marchas o dia inteiro — apontei para ele, com o olhar mais intimidador que eu tinha e o que ele fez? Apenas soltou uma risada da minha cara. O que isso quer dizer?

— Vamos.

Se eu lhes dissesse que eu tenho o dom de sentir que as coisas vão embaçar, vocês acreditariam? Não? Ah, mas é a verdade. Quando ele disse isso eu até cogitei - só pela postura relaxada que ele tinha ao andar - que o que ele tinha preparando para mim não seria nada legal. Ele até assobiava gente!

E nessa de seguir  ele, até pude notar uns olhares para cima de mim. O que me fez pensar mesmo na possibilidade de haver algo além do normal para mim fazer alí,  senão ninguém estaria  me olhando e quem sabe pensando “coitado, seria melhor desistir logo “.

Entretanto, o lugar que ele me levou era nada mais nada menos que um local de treinamento no qual possuía o dobro de tamanho do outro (e olha que o anterior não é nada pequeno). Só aí, já foi o necessário para minhas orelhas ficarem em pé. Realmente ele estava planejando algo e não sei se iria gostar desses “métodos”. 

— Não entendo, o espaço anterior  não é o suficiente para você? — o indaguei com ceticismo, pois com boa dose de chatismo e alguns minutos eu havia descoberto que ele odeia isso. Ponto para Park Jimin.

— Eu? — apontou para si e ainda deu uma risada irritantemente fofa,  em seguida parou para somente me olhar serenamente. Aquele olhar de quem sabe que está fodendo (figuradamente) com a sua vida — Não, ele não é suficiente para você.

Ponto para Jeon Jungkook.

Aquela ênfase invisível que ele deu em você fez com que a indignação desse um dos seus famosos tapas na minha cara. Mas é aquela questão, deve se aguentar por enquanto de um todo. Porém, quando o limite atingir… sai da frente meu amigo.

— Tudo bem — me rendi em paz, na verdade eu só quero terminar com isso e sair ileso, não terminando com nada quebrado já é o suficiente para mim. E até que o carro daquela área era melhorzinho do que outro, pensa num estofamento e em uma marcha dura do cão.

— Bom, está conseguindo ver aquilo alí? — apontou para bem longe, em direção a uma parede alta com um tipo de pintura esquisita. Eu não sou cego, porém, as cores são tão chamativas e com o sol atrapalhando ficava difícil de enxergar. Mas com alguns segundos eu consegui notar e decifrar aquela coisa.

— É um desenho de sinais de trânsito? É, não é mesmo? Isso vai me ajudar com o quê  necessariamente? Vou parar de mexer a marcha pra lá  e pra cá?

— Ei, já cheguei a te contar que eu detesto excesso de pergunta? — e lá estava novamente aquela postura arrogante, porém, ele não parece está ciente que “confessar” o que detesta e irrita para o seu inimigo é a pior coisa a se fazer. Aprendam amigos,  não dê a chance de os outros lhe atazanar. — Sim, como eu havia lhe falado ontem você possui uma forma de frear muito brusca. Portanto, essa será sua aula de hoje. Na verdade serão duas, frear e dá a ré. Fácil fácil.

Analisei bem essas palavras antes de entrar no carro (bem cheiroso por sinal), contudo, eu ainda não estava entendo como uma parede pintada iria me ajudar a frear com mais calma. Confesso que o carro às vezes dá uns solavanco assustadores, porém, é necessário isso?

— E o que eu terei que fazer? — ajeitei meu cinto sem ao menos dirigir o olhar para ele, sei que por dentro ele deve está rindo de mim e eu estou morrendo de medo.

— É o seguinte — aproximou-se da janela e apoiou aqueles braço musculosos coberto pela camisa branca na janela, me fazendo assim perceber que eu pareço ter uma leve queda por músculos. Foco Jimin, foco! — Você irá nessa velocidade — apontou para o velocímetro e em seguida para o muro alto — e irá frear antes de bater naquela parede. A questão aqui não é você-…

— Está louco é?! Eu vou bater o carro!

Sério, agora sim eu tenho a pura certeza que ele é um completo louco e entendo aqueles olhares pra cima de mim. Como assim dirigir em uma velocidade - que não é nada favorável visto o local que estamos - sem conseguir triscar um pouquinho na parede de concreto? Ele deve está achando que eu tenho muito dinheiro e sete vidas, só pode!

— Não se você souber frear na hora certa Jimin — advertiu ele com um tom autoritário e experiente demais para o meu gosto — Lembre-se que não se pode frear quando se estiver praticamente em cima do sinal fechado, você precisa fazer segundos antes de chegar ao final sem solavancar o veículo. Isso contará no teste final.


— Mas... Aish, me diz uma coisa, quantas pessoas além de mim você já deu aulas? Em? Que fizeram isso e passaram? — perguntei mais por autopreservação, pois duvido que alguém tenha passado com esses tipos de método que eu nem sei se são licenciadas. Aliás, e se essas pessoas mo...

— Pelo que eu saiba todos — desgrudou da janela e me encarou com um olhar que, bem, não aceito isso na minha vida e nem para o meu coração —Você acha que sou amador Sr. Park? Tenho uma carteira e documentos para provar, sabia? Quer que eu dirija primeiro para... 

— Está bem! — me dei por vencido, não adianta nada lutar contra isso e para falar a verdade eu pude comprovar ontem mesmo quando quis ir reclamar. E também o meu maldito orgulho vive me empurrando em direção a essas coisas absurdas, querendo me fazer provar o meus pontos de vista. Ah, mas eu tinha que perguntar uma última coisa — Uma última coisa, quando anos você tem?

Ele soltou uma risada e me sorriu cético, olha a hipocrisia se manifestando minha gente. Para quem não gosta de ceticismo...

— Desde quando minha idade tem haver com essa situação? Está ciente que o tempo que está perdendo fazendo perguntas poderia muito bem está fazendo o que eu pedi. Quer que eu faça por você? 

Respirei bem fundo, eu não posso de jeito nenhum perder a paciência que eu lutei para acumular quando paguei de cuspido para o Hoseok. Mas se é assim eu faria o que ele está pedindo, se ele está dizendo que funciona eu vou tentar, porém, já sabem que é pelo dinheiro não é? Até porque dá a ré eu sei de có e salteado, mas como sempre ele exagera em dizer que eu não sei das coisas.

— OK — assenti com uma digníssima revirada de olho, agora seria Deus no controle da minha vida e do meu bolso — Eu vou fazer.

— Ótimo — disse com um sorriso fraco, se eu cheguei a me assustar? Um pouco,  ele raramente me dirige sorriso quando está dando aula. A não ser para rir dos meus desastre  — Não se preocupe - afastou-se da janela e por um momento me amaldiçoei por querer que não tivesse feito isso — Caso ocorra algo… inesperado, o Airbag irá acionar. 

Isso, bom conselho a se dá Jeon Jungkook, logo para alguém que está se cagando de medo por dentro ao pensar na possibilidade de bater na parede. Poderia dizer "nada irá lhe acontecer, isso é somente um teste viu? "

— Nossa, obrigado pelo conselho tão encorajador — ironizei tentando acalmar os meus ânimos e checando o cinto novamente, ao menos isso ele não poderia dizer que eu não sabia.

Isso, eu jogo na cara mesmo.

Contudo, para surpreendê-lo mais ainda, ao ligar o carro eu dei orgulhosas batidinhas em minhas costas por não errar a marcha e o pedal do acelerador. O que recebi em troca até que foi bom, a cara de satisfação que ele fez instantaneamente e ainda mostrou um dedo de joinha para mim foi algo que eu menos esperava.

Mas não vão achando mesmo que isso limpa a barra de Jungkook-ssi ser um completo doido, ok? Ok.

Nesse momento eu respirei bem fundo mesmo sabe, parecia até que eu estava sugando todo ar do mundo para dentro de mim. E o meu coração? Bom, a medida que eu começei a fazer o carro andar e a velocidade foi começando a subir, batia mais ou chegava a ser equivalente ao bater de asas de um beija-flor. 

Sei o que você está pensando, que isso é impossível não é? Mas sabia que com Park Jimin, o impossível e improvável sempre acontece; e das piores maneiras, vale frisar.

O local - para a minha alegria e como eu havia dito - era até um pouco grande comparado com o outro, o que deu tempo suficiente de recapitular tudo o que ele disse. “Não frear logo em cima, fazer isso segundos antes”, Okay. 

Porém, como se fosse uma coisa mesmo, eu fui logo inventar de fazer algo que nunca se deve fazer caso você manje muito mal nisso, principalmente se o tempo está acirrado. A questão é, o acéfalo aqui inventou de calcular a mais ou menos que minuto iria parar e - convenhamos - eu sou péssimo em matemática.

E claro, quando dei por mim,  tudo se resultou em um grito agudo do meu instrutor e uma baita freada contra a parede de concreto. Para ser sincero, a única coisa que eu senti foi a bolha do airbag contra a minha cara mandando minha cabeça para trás. 

Nesse meio tempo, fiquei tão atônito com o que acabou de acontecer que nem notei quando Jeon apareceu do meu lado abrindo a porta do carro.

— Você é doido por acaso?! — perguntou irritado, sendo que na verdade era eu quem devia está. Ele quase me matou! — Está tudo bem?

Contudo gente, eu acho que eu devia ter batido a cabeça pois o único pensamento que eu formulei foi:

— Jungkook, eu bati o carro?

E foi então que nesse momento eu comecei a ouvir uma enxurrada de broncas dele, até parecia meu pai. Disse que isso não devia ter acontecido e que eu devia se preocupar é com a minha vida e não com o carro. ATA, claro, até parece que ele que iria pagar por algo quebrado nessa joça. Eu me preocupo mesmo e não estou nem aí.

— Céus, eu não imaginei que… Espera — ele surpreendentemente se aproximou de mim, nesse instante eu até pude ver claramente a pintinha debaixo dos lábios rosados dele, e só para em seguida tocar no canto da minha boca.

— Ei! O que pensa que está fazendo? — afastei sua mão de minha face — Tem outros jeito de pedir desculpas, nem a pau quero beijar você.

— Quê?! — riu debochado, até desse jeito ele é irritantemente atraente — Deixe de idiotice que o canto de sua boca está sangrando Jimin, com certeza deve ter mordido na hora do impacto.

“Ah, então era isso? Ufa”, até sorri um pouco sem graça mas minha postura na defensiva continuava a mesma. Ao tocar no local determinado realmente estava sangrando, ainda bem que não foi o meu nariz ou nem outra parte do corpo. Graças a Deus.

— Aish — coçou a cabeça me fitando com preocupação — Venha, iremos tentar outro método e dessa vez eu irei lhe mostrar. Esse não vai funcionar mais com vo-...

—Não! Eu vou de novo — retruquei instintivamente, o que eu odeio muito pois é por causa desse meu instinto que surge por conta do orgulho que sempre me fodo. Porém, eu havia prometido que ele iria se arrepender de me achar um fracassado não é mesmo? Aqui estou. - Digo, quero fazer de novo e provar que eu posso sim aprender com esse método.

E novamente riu debochado, algo que - tenho que admitir - fica ótimo nele. Foco Park Jimin, foco.

— Não irá rolar, quer ficar machucando o rosto? Já deu para perceber que você não consegue fazer isso eu não quero ter que me responsabilizar caso você se machuque gravemente. Vamos, saia logo. 

— Quer apostar que eu consigo? - o desafiei, se ele é um homem de verdade não iria recuar. Não é mesmo?

A verdade é que um homem ele poderia até ser, mas se for realmente um professor iria dizer um "não" novamente para mim e isso até que poderia comprovar seu senso de responsabilidade. Entretanto, Jeon pareceu pensar um pouco na proposta e por incrível que pareça nem me surpreendi com o que veio a seguir, pois eu já sabia antes mesmo de ele proferir. 

— Se é o que você quer, tudo bem — disse por fim, fechando a porta do carona e se aproximando com um sorriso cínico nos lábios — Porém, você irá usar um capacete e se você triscar o carro ou melhor, se passar de meio metro entre a parede e o carro você terá que pagar uma bebida para mim depois do meu expediente.

— Só isso? Fechado.

Se seria fácil? Quem sabe, não é? Mas o que ele não está ciente é que quando Park Jimin quer algo (nem sempre) ele consegue. Dessa vez eu canto vitória, não irei pagar café ou bebidinha de jeito nenhum.


[…]

OK, confesso que não foi nada fácil como cheguei a pensar. Eu bati minha cara naquele balão inúmeras vezes? Sim, mas palavra a minha felicidade tudo em mim é feito de ferro e aguenta qualquer baque. 

Já em relação à dar a ré eu estava até que ficando bom nisso, chega ia certinho e bem reto. Porém, somente na questão de frear eu estava na dificuldade; chega eu podia ver o quando ele se deliciava em me ver tentar e eu fracassar em seguida, até porque ele já sabia que eu não me desmantelaria nem se um meteoro caísse em mim. (Que Deus me livre disso, amém)

Mas por um milagre dos cosmos celestiais,  na minha não sei quantos tentativas - pois até perdi a conta - eu realmente me sucedi na última. Eu soube calcular o momento certo e freei da forma mais cautelosa que se possa imaginar,  o carro não  deu solavancos e nenhum airbag vôo contra a minha cara; chega que eu faltava dar pulos dentro do carro, só queria ver a cara de Jeon nessa minha conquista!

Quando se aproximou do carro, ficou medindo com uma trena e tudo o que eu conseguia pensar era "Até que enfim, não sou tão ruim assim". Porém, a expressão  dele realmente foi a melhor.

Sabe, ainda bem que ganhei, imagina se o que tivesse em jogo fosse um beijo? 

— Parabéns Park — disse depois de verificar  os ditos centímetros de distância  no qual eu orgulhosamente acertei, estou começando a cogitar que eu sou bom sim em cálculos — Mas foi por pouco,  viu.

— Acho que não, só  diz isso porque  não  vai ter quem financie seu café da tarde.

Ele apenas revirou os olhos e seguiu de volta pelo caminho, e incrivelmente pouco liguei para a sua reação. Estava feliz mesmo é por ter conseguido algo que confesso ser muito difícil para mim.

Entretanto, quando eu ia começando a aquietar os ânimos e me dá realmente conta de que  eu tinha conseguido, ele voltou de surpresa e ainda teve a audácia de sussurrar no meu ouvido:

— Traga o carro de volta, viu? E não Jimin, na verdade felizmente faltou muito para você acertar na distância. Mas... Fighting! 

— Quê?! — mas não adiantou,  ele já estava caminhando novamente para longe na maior tranquilidade e ainda gritou um “te espero na cafeteria”.

Nesse momento só senti mesmo meu sangue subir, nossa, justo quando eu achei que algo daria certo na minha vida ele vem e destrói com isso. Poxa, não custa NADA deixar essa passar não? Claro que não,  parece que há uma cegueira em me infernizar disfarçado de ajuda. Fui ludibriado. 

Maldita hora em que decidi aceitar a proposta de Jeon Jungkook. Maldito dia. 


Notas Finais


Tadinho do Jimin gente kkkkkk Jeon bem que podia deixar essa passar não é? Kkk Só eu acho que Jungkook não é normalzinho gente? (só eu mermo) kk

Eiii, comentem o que acharam meus amores, não fiquem tímidos por favor , façam dessa pessoinha aqui feliz! Afinal, nem tira pedaço né mermo? Heheu ♡

E claro, quero agradecer muuuuuitooo mesmo cada serzinho que comentou e favoritou, cês não imaginam como eu fico toda sorriso com isso! "Ah, mas por tão pouco..." Mesmo assim, obrigadaa ! KKKK

Byeeee lindeos, até o próximo!

Me desculpem por qualquer erro contido no texto, e por favor, me avisem. Hehe


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...