História O Meu Professor Particular - Nova Versão - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~AmoraWerneck

Postado
Categorias Diego Domínguez, Jorge Blanco, Lodovica Comello, Martina Stoessel, Violetta
Personagens Diego Domínguez, Jorge Blanco, Lodovica Comello, Martina Stoessel, Personagens Originais
Tags Jortini, Nova Versão, Romance
Exibições 344
Palavras 1.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente!
Eu não ia postar hoje, mas vocês estão tão merecedores que não consegui me segurar. O capítulo está bem simples e é pelo ponto de vista do Jorge.
Obrigada a todos que comentam e por todos os favoritos.
Espero que gostem e tenham uma boa leitura. ❤️☺️

Capítulo 3 - Afrodite


Capítulo Dois:

Afrodite

Jorge’s POV

 

Quando meu pai disse que Germán estava precisando de um professor para sua filha, não imaginei que ela fosse tão linda e tão atirada. Nas primeiras semanas ela foi bem comportada, se concentrava ao máximo nas aulas e não tentava avançar em mim. Mas depois que fomos ficando mais próximos e mais íntimos, que as investidas dela começaram. Começou com tentativas falhas de me beijar, depois passou para uma mão boba aqui e ali e agora chegamos ao ponto de ela praticamente se despir em minha frente, como aconteceu mais cedo.

Se eu não respeitasse demais Alejandro e se eu não fosse o professor dela, com certeza já teria acabado com o fogo que ela tem. No entanto, não quero perder a confiança de meus pais e de Alejandro, mesmo que isso tenha que me custar sonhos que me fazem acordar suando e com uma puta de uma ereção.

Tini está em uma fase em que seus hormônios estão aflorados e ela ser Virgem explica um pouco o porquê dela agir dessa maneira tão... ousada.

Rejeitei-a mais cedo e me doeu ter feito isso, mas não surtiu muito efeito, agora estou mais ferrado que nunca. Martina é a própria Deusa Grega Afrodite com toda sua beleza e sua invocação ao sexo. 

Depois do que Martina me aprontou na piscina, fui preciso procurar algo que ocupasse minha mente ou precisaria tomar outro banho, mas um bem gelado.

— Maldita seja! — passo as mãos pelas madeixas, exasperado.

Ouço baterem à porta de meu quarto e, hesitante, vou abri-la, e me arrependo quase que no mesmo instante. O ser de olhos castanhos, que vem me atormentando dia e noite, me empurra com delicadeza e antes de entrar em meu quarto, olha para os lados, conferindo se não tem ninguém. Então tranca a porta.

— ‘Tá trancado neste quarto há horas, Jorgito. — sorri maldosa. — Está correndo de mim?

— Se você não se recorda, eu sou seu professor e preciso planejar minhas aulas. Então, por favor, me deixe trabalhar.

Respiro fundo e caminho em direção a ela, estendendo o braço para destrancar a porta, mas ela é mais ágil e me prende com sutileza contra a porta.

— Eu não mordo. — sussurra em meu ouvido, enquanto cola nossos corpos. — Só se você me pedir.

Sua risada rouca me arrepia inteiro, mas preciso me manter firme e ignorar toda e qualquer coisa que ela fizer.

— Tini, eu... — minha voz falha ao sentir a mão dela percorrendo a frente de minha calça e dar uma apertada. Pigarreio. — Eu preciso trabalhar, Martina. Seu pai me paga para isso e não para foder a filha dele. 

— Foder? É isso que você faz? — o sorriso que ela dá me faz gelar. Preciso buscar falar as palavras corretas na frente dela. — Pois saiba que meu pai não precisará saber disso.

— Eu respeito muito seu pai e de forma alguma quero perder a confiança dele. Tente o que for, mas não vou me deitar com você, Tini.

A expressão dela se torna irritada.

— Isso é o que vamos ver, Jorginho! — sem me deixar falar, ela destranca a porta e sai.

Sinto-me exausto com essas investidas dela, não sei se consigo aguentar isso por muito tempo. Dou um tempo e saio, indo para a cozinha e bebo um copo enorme de água, mas quando estou na metade do segundo, quase cuspo por Mirta aparecer atras de mim do nada.

— Se assustou muito facilmente, Jorge. — ela está séria e abre a geladeira. — Está devendo alguém? Ou esconde algo?

— De onde você tira isso, Mirta? — dou uma risada fraca. — Você apenas me pegou de surpresa.

Ela dá uma risada forçada e se vira, fechando a geladeira com brutalidade.

— Eu vou ser direta, rapaz! Brinque com o coração da minha garotinha para ver o que eu te faço.

Reviro os olhos e lavo o copo sem dizer nada, Martina já deve ter enchido a cabeça da mulher de coisas. Antes que eu possa dizer algo, ouço uma música alta vindo da sala e vou apressado ver, encontrando Tini dançando ao som de Beyonce. Não vou negar e nem quero; Tini dança muito bem. Fico olhando-a embasbacado.

— Vou ao mercadinho e volto em dez minutos, fica de olho na minha garotinha e não tente nada, ou eu o castro. — Mirta diz ao meu lado e eu apenas aquiesço, estou muito concentrado em Tini.

Não noto quando ela sai, pois sou puxado por Martina e a mesma me senta no sofá, deixando-me totalmente atônito, então começa a dançar sensualmente para mim ao som de uma música que não consigo identificar. Mordo o lábio, sentindo os efeitos dessa maldita dança começando e está bem evidente devido à calça apertada. Então ela se senta em meu colo, dando um sorriso malicioso ao sentir minha ereção crescente e rebola, fazendo-me soltar uma exclamação.

Não sei em que momento, mas Martina me beija e atordoado com o momento, acabo retribuindo e agarro as madeixas dela, deixando o beijo um tanto selvagem. Mas a porta é aberta e a voz de Alejandro, embora baixa por causa do som, me trás de volta à realidade e me afasto rapidamente de Martina, derrubando-a no sofá. Ela pragueja, porém se levanta rapidamente e desliga o som. Alejandro se vira, falando ao telefone, erguendo uma sobrancelha e pede para o ser do outro lado da linha esperar um pouco.

— Não quebre nada, mocinha! — é tudo o que ele diz, antes de voltar a falar no celular e entrar no escritório. Solto um suspiro de alívio, pois ele não viu o bendito beijo e não serei demitido.

Tini me olha.

— Você está me cansado, isso não é coisa que se faça, Tini!

— Mas...

— Mas nada! Faz o favor de ir estudar o que deixei para você em seu quarto e me dá um tempo.

Ela revira os olhos e esse simples ato me faz imagina-lá em minha cama, em completo êxtase. Xingo e passo as mãos pelos cabelos, puxando-os com força e subo irritado. Precisarei dar um jeito nesse maldito volume na calça ou não irá baixar tão cedo.

Que eu vá para o inferno por fazer isso, mas que ela nunca saiba que me toco pensando nela! , penso entrando no banheiro e tirando a roupa.

 


Notas Finais


Por hoje é só, espero que tenham gostado e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...