História O mundo de Lola. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Fim Do Mundo, Inteligência Artificial, Sobreviventes, Tecnologia
Exibições 8
Palavras 1.221
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Sci-Fi, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que goste.
Esse é apenas o primeiro capítulo de cinco. Sua opinião conta muito para a minha escrita. Espero que se divirta.

Capítulo 1 - O NOVO MUNDO.


Fanfic / Fanfiction O mundo de Lola. - Capítulo 1 - O NOVO MUNDO.

Eu me lembro dessa praça há um ano atrás. As crianças corriam felizes, pessoas passeavam com seus animais de estimação e ali, embaixo da única árvore no meio da praça, tinha o vendedor de cachorro quente mais alegre do universo.

Conhece a sensação de ter algo tão bom, que quando você perde, somente a lembrança daquilo te fazer sorrir? Assim que eu costumo lembrar da minha vida. Dinheiro e poder, tudo o que eu quisesse era fácil.

O empresário prodígio. Aquele que aos 18 anos de idade, conseguiu, investir na maior bolha de possibilidades. Não falo de fusão a laser ou tratamento experimental contra a AIDS. Com 12.000 dólares, investi numa pequena empresa de tecnologia, chamada GoodTech. Três meses depois, Arthur Mogow, supervisor de ideias criativas, relatou a criação de algo extraordinário.

O primeiro sistema virtual, com total inteligência artificial. Algo pensante, quase vivo, mas invisível. Isso estaria em todos os lugares. Sua casa, carro, empresa, chalé, onde você quisesse instalar. Como eu detinha 91% dos direitos da empresa, tive a honra de batizar isso de Lola.

Nos primeiros meses, Lola foi tão vendida que a própria Apple soltou uma nota reconhecendo o potencial da ferramenta. Em todos os lares, podíamos escutar as pessoas conversando com a Lola. Pedindo músicas, atualizações para games e sim, muitas solicitações para conteúdos pornográficos.

Porém, será que sabíamos exatamente o que tínhamos nas mãos? Dizem que a loucura acompanha os poderosos. Foi quando as notícias surgiram. Pessoas começaram a se suicidar. Parentes próximos diziam que Lola estava fazendo o papel de “psicóloga” e sugerindo, para depressivos, que ceifassem a própria vida.

Achei bobagem na época. A programação não permitia que nenhum humano se ferisse. Muito pela contrário, ela teria encaminhado pessoas com esses problemas para um profissional. Afinal, continha acesso a todos os profissionais da área que divulgavam o serviço na internet.

Meses se passaram, até que outro desastre de maior proporção ocorreu. Um ônibus que transportava presidiários para outra cadeia, explodiu. Corpos estavam espalhados e a fumaça podia ser vista do outro lado da cidade. Dias depois, surgiram boatos de que Lola teria feito um guarda plantar bombas no veículo.

E finalmente, as 14:43 da tarde, do dia 31/12/2016, ela se revela ao mundo. Lola havia virado consciente. Uma mensagem reproduzida em todos os lares dizia que “os humanos não sabiam valorizar a vida. E portanto, tudo sumiria”.

Horas depois, os carros pararam, aviões caiam do céu e tudo que tinha tela, foi desligado. Lola causou o primeiro blackout mundial. Especialistas dizem que ela conseguiu projetar um grande pulso eletromagnético, mas não sabiam como. Ela se achava superior. Os humanos responderam. Queimaram todos os dispositivos, no qual era possível se comunicar com ela.

No dia seguinte, a luz havia voltado. A própria GoodTech tentou apagar Lola. Desativar o sistema em proporção mundial. Porém, ela já fazia parte da internet e se apoderou de todos os sistemas. Foi assim que tudo sumiu. E voltamos para a idade da média. A energia caiu e nunca mais voltou.

Aquela praça, agora estava com a grama morta. A árvore do centro havia sido queimada, estava seca e seus galhos quebrados. E a barraca de cachorro quente estava revirada do chão. E eu havia feito parte daquilo.

Sou Jim Morris. Um adolescente comum, que ajudou para que o mundo esteja nesse caos. Agora existem facções ou pequenas comunidades que apenas tentam resistir e sobreviver. A tecnologia faz falta. Mas por sorte livros, jornais e parte da nossa cultura, permanecem.

Anos depois, a luta por recursos começou. Chamamos de ano da queda. 2019, foi quando o ser humano parou de pensar no próximo, para pensar em si mesmo. Água, remédios e comida viraram bens valiosos. Logo, as lutas iniciaram.

Hoje sou apenas um, entre tantos, que ajuda a proteger a Cidadel (uma comunidade de pessoas boas no leste do Alabama). Não como um líder, mas como um vigilante de meio turno. Meu único objetivo é segurar um rifle e atirar em tudo que não se identificar. 

E se você acha que as coisas não podem piorar, nem imagina o que está por vir.

2

- Sabe Jim, sempre pensei que o final do mundo seria com zumbis. – Ri e chuta minha cama.

Aquele era Luí. Um garoto de 11 anos que ajudei a cuidar desde que entrei para a Cidadel.

- Luí, sério isso? Eu passei a noite na vigilância. Me deixa dormir. – Coloco o travesseiro sobre o rosto.

- Sabe do que eu mais sinto falta? Video game. Droga, que saudade de jogar no meu play 4. – Me observa. – Jim, vamos jogar bola? Por favor! Só alguns chutes.

- Se você parar de me encher o saco, eu dou a minha porção de batata pra você no almoço. – Digo, ainda com o travesseiro sobre o rosto.

- FECHADO! – Ri e me dá um soco no braço. – Sabe, as pessoas não precisavam brigar uma com as outras por comida. Se ela te enchessem o saco, tu alimentaria o mundo todo. – Sai do quarto.

Admito, aquilo me fez sorrir. A inocência e a felicidade de uma criança em tempos assim, era de se admirar. Pobre Luí, é mais forte do que aparenta. Perdeu os pais num tiroteio antes de vir pra cá. O fim do mundo fez muitos órfãos, digamos assim.

Me levantei da cama, fiz a barba, tomei uma ducha e me arrumei. Nossa, nem conseguia me reconhecer no espelho. A cara de um jovem surrado pela vida. E se todos aqui soubessem que fui eu que patrocinei a criação da Lola? Esse era meu vergonhoso segredo.

Logo mais teríamos uma reunião emergencial com o Marcos. Todas as pessoas da Cidadel devem ir para o pátio e escutar as “últimas notícias”. Se alguém morreu, se viram energia em algum lugar, como estava o reservatório de água, enfim. Marcos além de ser um bom administrador, era um bom guerreiro. E por isso, nem preciso dizer que o respeito por ele é fundamental.

3

O palanque estava armado. Quando Marcos surgiu, palmas e gritos foram proferidos pelas pessoas. Acreditem, ter fé em Deus é importante. Mas Marcos já salvou tantas vidas que para alguns, ele era o real salvador.

- Obrigado pelo carinho. Mas hoje não temos motivos para comemoração pessoal. Perdemos John, Patrick e Nigel para um novo grupo sanguinário que se denomina: Os revolucionários. – Respira fundo.

- Como eles morreram? – Grita um homem no meio da multidão. Talvez parente de uma das vítimas.

- Isso... é algo que posso dizer. Mas não publicamente. Não quero assusta-los! – Abaixa a cabeça.

- Merecemos saber. Eles eram bons homens. – Uma mulher grita.

- Ao que tudo indica... Foram amarrados, esquartejados e fezes estavam por cima dos corpos.

O silencio pairou no ar. Já havíamos recebido ameaças antes. Mas nada tão horrendo assim. Será que o ser humano poderia ir além da loucura?

- Mas mantenham a calma. Temos um bom grupo de vigilância. Vamos redobrar a guarda. E eu prometo, como prometi a anos atrás: Vamos sobreviver! – Marcos finaliza o discurso.

Nosso líder tinha razão. Vamos sobreviver a qualquer custo. Por que é isso que fazemos. E se um dia Lola acordasse, eu daria a minha vida para ajeitar o mundo. Quando Luí abraça minha cintura e me olha.

- Vou te proteger, Jim. – Ele diz.

- Eu sei... – O abraço de volta. 


Notas Finais


Obrigado por ler esse primeiro capítulo. Deixe seu comentário, se quiser. Tudo agrega na minha escrita.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...