História O mundo de Paradox - Interativa - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Angels, Ficção, Interativa, Nanotecnologia, Paradox, Psicológico
Exibições 59
Palavras 2.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Survival, Suspense
Avisos: Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


GENTE, ainda tem vaga aberta viu, aconselho que leiam antes de mandar a ficha pra entender o estilo da história e os núcleos já existentes pra facilitar a inserção do personagem e ele sempre aparecer ;3

Capítulo 13 - Conexões


Fanfic / Fanfiction O mundo de Paradox - Interativa - Capítulo 13 - Conexões


CONEXÕES
=======================================================================


_ Não aguento mais fazer tantos cálculos, meus olhos já estão se revirando. - reclama Elysae a largar o lápis e deitar a cabeça sobre a mesa.

_ Onze da noite e ainda estamos aqui, isso parece escravidão. - murmura Noah a tomar um grande copo de café para tentar mante-lo desperto.

_ Acorda, acorda. - diz Akashi a se aproximar dos dois e mexer nos ombros de Elysae. _ Por quê usa lápis e papel? Usa o tablet, tem a caneta e pode apagar sem bagunça, além de que é bem mais simples passar para o computador depois. - aconselha a moça de cabelos vermelhos.

_ Tanto faz, agora a gente pode gastar tudo que o meio ambiente não sofre. Além do mais prefiro usar isso, consigo visualizar melhor o que faço. - responde Elysae a bocejar e pegar o lápis novamente.

_ Antigamente devia ser estranho, não poder usar o que queremos, ter que preocupar com a natureza e tudo mais. Devia ser uma encheção, porém as pessoas deviam ser mais inteligentes porque precisavam pensar mais nas consequências dos seus atos. - fala Noah a olhar para o alto.

_ Ô, senhor filósofo, volta pra cá e continua fazer isso, acabei de terminar minha parte, deixei de jantar para agilizar isso,tô indo até a lanchonete, querem algo? - pergunta a ruiva Akashi com um olhar cansado.

_ Me traz um sanduíche daqueles de pacotinho, o de pepino com creme e frango. Pro Noah pode trazer um chá de gengibre e um daqueles biscoitinhos salgados da embalagem azul. - responde Elysae a fazer Akashi erguer a sobrancelha por ela já saber o que o amigo ia querer.

_ Ok então né. - sorriu a ruiva com um maliciosamente. _ Até já. - diz a ir até a porta.

Ao se aproximar da lanchonete, agora vazia e escura, com apenas as máquinas de lanches e bebidas disponíveis, a garota vê Lyon sentado a conversar com Fox. Akashi já sorria para cumprimentá-los, mas quando começam a falar ela volta um passo e aguarda atrás da parede.

_ Eu tô te falando, não posso contar o que houve, Fox. Você não confia em mim? - pergunta Lyon para a mulher de pé com uma feição irritada.

_ Você desaparece por quase uma semana inteira, semana esta que tínhamos marcado de viajar, nem um aviso deu antes, simplesmente desapareceu enquanto a otária aqui ficou lá te esperando com malas prontas e sorriso no rosto. - reclama ela com os olhos umedecidos.

_ Fox, olha para mim. - pede ele a se virar para ela e pegar em suas mãos, mas ela puxa rapidamente. _ Escuta, eu nunca pensaria em outra, não sinto necessidade de me relacionar com outra pessoa que não seja você, eu gosto muito de você, muito mesmo. - explica Lyon enquanto ela olhava para o lado a fim de evitar contato visual.

_ Para onde você foi? - agora Fox já o olhava nos olhos e estava muito séria. _ Lyon, o que você esteve fazendo esse tempo? Tem ideia do quanto de trabalho tivemos que fazer sem você aqui? Todos os dias tinha que fazer meu trabalho, ajudar os garotos e ainda por cima fazer a sua parte, reuniões e relatórios gigantescos. - briga ela quase a cuspir enquanto fala tamanha a raiva que estava.

_ Perdão, não queria sobrecarregar vocês, desculpa fazer vocês trabalharem tanto, eu não - falava ele quando interrompido.

_ O PROBLEMA NÃO É ESSE, CARAMBA! - grita Fox agora a deixar lágrimas correrem pelo rosto. _ A gente tava preocupado com você. - agora ela já chorava bastante. _ Noah te tem quase como irmão mais velho, Akashi se sente calma por trabalhar ao seu lado, Elysae sempre ri das suas piadas idiotas e eu... - Fox dá uma pausa enquanto passa a mão no nariz molhado. _ Eu te amo, porra! - finaliza ela a fazer o olhar de Lyon entristecer. _ Pensamos que você havia morrido ou nos abandonado para sempre. - chora a jovem engenheira química.

_ Desculpa, Fox. - diz Lyon a se levantar e abraça-la fortemente. _ Eu queria muito poder falar sobre o que houve, mas não posso, GOD não permite. - e ele a aperta bastante enquanto ela chora em seu ombro.

_ Só avisa antes, por favor, não some desse jeito nunca mais. - pede a mulher.

_ Tudo bem, vou tá sempre a te segurar assim. - responde Lyon ainda a aperta-la, tentando fazer com que ela sentisse todo seu calor e paixão. Akashi observa com uma feição estranha, seus olhos estavam umedecidos de emoção, mas era possível ver a curiosidade em seu rosto.

"Não quero ver Fox triste assim novamente, essa atitude de Lyon a deixou dessa forma, deixou todos pra baixo e comprometeu muito nosso rendimento. Preciso dar um jeito nisso.", pensou a garota ruiva enquanto dá a volta e retorna para o laboratório sem os lanches.

_ "Honroso é para o homem desviar-se de questões, mas todo tolo é intrometido." Provérbios, capítulo 4, versículo 23. - diz uma voz quase inaudível a interromper os pensamentos de Akashi naqueles corredores pouco iluminados e vazios. A garota apenas imagina que se trata do seu subconsciente, já que ela mesma amava usar trechos de livros.


oºOºoºOºoºOºoºOºoºOºo


Paradox caminhava pelas ruas com seu rosto inexpressivo, a moça de olhos amarelos, cabelo branco e pele pálida usava uma bata marrom com pequenas pedras da cor vermelha, uma calça jeans de um azul bem escuro e justo, e nos pés calçava uma sapatilha azul. Embora ventasse e estivesse um pouco frio, aquilo parecia não incomodar a garota que andava a olhar apenas para frente em seu dia de folga, tinha que ir ao mercado comprar pães e macarrão instantâneo, o que parecia ser a única coisa que ela comia. O silêncio de sua mente, que sequer o barulho urbano de carros e pessoas incomodava, foi interrompido pelo som de algo bater em um vidro.

_ Um cãozinho. - murmura ela a olhar para o lado e ver um cachorrinho com pelo branco a ficar de pé no vidro da loja e olhar para ela enquanto sua pequena língua balançava para fora. Estava bastante agitado tentando pular até que cai para trás e rola, se levantando em seguida, dá uma sacudida e pula novamente no vidro para ficar de pé. Paradox não esboça nenhuma reação, apenas se agacha e olha aquele pequeno e inocente ser, como se tentasse entender a existência dele.

_ Muito fofo, não é mesmo? - pergunta uma garota de cabelos castanhos acompanhada de um rapaz. Paradox ignora.

_ Angélica, seus pais vão ter mesmo que fechar a clínica e o pet shop? - pergunta Bruno para a amiga. O garoto usava um moleton preto com um sabre de luz vermelho estampado, uma calça jeans e tênis estilo all stars.

_ Sim, sim, GOD mandou que eles fossem para outra região, parece que há muitos animais a precisarem de cuidados. - responde Angélica que usava uma aconchegante blusa de lã branca, uma calça marrom de fibra de lã e uma bota.

_ Mas e onde você vai ficar? Por quê o sistema não permite que vá com seus pais? - pergunta Bruno indignado, mas Angélica não estava mais atenta ao que ele falava, a moça olhava para Paradox que continuava abaixada a olhar fixamente para o cãozinho.

_ Ei, você é enfermeira, não é? - pergunta a jovem amante dos animais a ter apenas uma resposta positiva com o movimento de cabeça de Paradox, que ainda tinha os olhos vidrados no cachorrinho. _ Não gostaria de levar esse cãozinho? - quando Angélica termina tais palavras Paradox se vira imediatamente para ela, ainda inexpressiva, mas a balançar a cabeça uma vez positivamente. _ Prazer, sou Angélica e esse é meu amigo Bruno. Já fui atendida por você e pela doutora Euphoria há poucos meses. - sorriu a simpática garota.

_ Paradox. - diz brevemente a se apresentar.

_ O cãozinho pareceu gostar mesmo de você. - sorriu Bruno, ele achara estranho o modo de agir de Paradox, mas conseguiu sentir algum carinho vindo do olhar dela para o cachorro.

_ Filha, GOD tem notícias, foi pedido para que todos fossemos ao centro de conexão mais próximo. Sinto dizer, mas vocês dois também precisarão ir conosco. - diz a mãe de Angélica a sair e dar o aviso à filha.

O centro de conexão mais próximo, local onde eram feitos os escaneamentos mentais, não ficava muito longe da casa de Angélica, que também era a clínica veterinária e pet shop da família. Paradox apenas acatou a ordem de GOD, já Bruno achava estranho ser chamado também, mas se fosse para acompanhar Angélica ele não se importava.

_ Bom dia. - fala uma simpática mulher com cabelos longos e pretos, com bastante produto para mante-los para trás. Ela já tinha todos os cinco sentados em cadeiras com uma abertura atrás próximo à nuca, local onde eram encaixados o cabo para GOD entrar na mente das pessoas.

A funcionária após fazer os ajustes necessários conecta o cabo na entrada que todos tinham na nuca, pausadamente, um de cada vez, até que ela apaga as luzes do laboratório e apenas pequenas e focadas lâmpadas sobre cada cadeira permaneciam acesas, o restante da sala estava completamente imersa na escuridão.

_ Não entendo, sequer conhecemos essa garota! - reclamava o pai de Angélica muito irritado a andar de um lado para o outro após o término da comunicação com GOD.

_ Ela trabalha no hospital, mamãe e eu já chegamos a conhece-la. - diz Angélica a tentar justificar.

_ Só vimos ela uma única vez, não é bem conhecer. Não sei o que fazer ou o que falar, por favor, não se sinta ofendida, não é nada pessoal. - diz a mãe a desculpar-se com Paradox, alvo da conversa.

_ Não tem problema. - responde a inexpressiva garota.

_ Bem, se GOD ordenou que Angélica morasse com Paradox, não deve ter problema, certo? GOD sabe tudo que passa em nossa mente, então isso mostra que ela é uma pessoa boa. - Bruno tenta acalmar a família, Angélica nesse momento levanta o braço, puxa um pouco a manga da blusa e mostra o pulso para o rapaz que tinha fobia.

_ Fica quieto, meu pai nervoso não ouve ninguém além da minha mãe, vai acabar sobrando para nós. - diz ela a esconder de novo o pulso após assustar Bruno e fazer ele ficar em silêncio.

_ Aqui está meu endereço, até mais. - diz Paradox a entregar um papel para Angélica, virar de costas e caminhar para a saída.

_ Quando eu me mudar vou levar aquele cachorrinho. - sorriu Angélica, Paradox dá uma pausa de um segundo e continua a caminhar em seguida, a sair da sala.


oºOºoºOºoºOºoºOºoºOºo


Em uma sala com paredes brancas, móveis brancos, objetos brancos e bastante detalhes em vidro na mesa, no lustre, até mesmo nas cadeiras, se encontravam cinco pessoas. Era possível ver pelas janelas algumas nuvens e a luz natural era bastante agradável e a temperatura aconchegante.

_ Eu os trouxe, assim como foi ordenado, mestre. - sorriu o pequeno Katsue na frente de um belo homem de terno e cabelos brancos.

_ Bem-vindos Euphoria, Mei e Lyon, podem se sentar. - diz com uma voz calma e gentil Shiro, o Angel responsável por parte da Ásia.

_ Também já demos início àquele novo teste com Paradox. - avisa Katsue. Ao falar o nome da garota, Euphoria não deixa de esboçar uma reação a apertar os olhos e mover a cabeça. Enquanto isso Lyon só conseguia pensar na viagem que estava marcada com sua namorada, mas não podia fazer nada, estava diante de um Angel.

_ Muito bom, Katsue-chan, obrigado por seu ótimo trabalho. - agradece Shiro com sua expressão calma, parecia um boneco de cera de tão perfeita que sua pele e olhar pareciam. _ Algum problema, Mei? - pergunta ele a virar seus olhos para a mulher que estava inquieta, mas ela não consegue responder, a presença do Angel era realmente intensa. _ Deve ser difícil para você, uma pessoa tão sensível, estar em um local com a barreira que divide os planos tão fina. - sorriu ele a se aproximar e passar a mão sobre a cabeça dela, a tocar brevemente pelas orelhas de gato que a médica possui. Como num passe de mágica o coração de Mei foi tomado por calma e tranquliidade. _ Bem, meus caros, vamos decidir o futuro de vocês. - fala Shiro a virar levemente a cabeça para a esquerda e dar um sorriso de olhos fechados.


Continua...


Notas Finais


GENTE, ainda tem vaga aberta viu, aconselho que leiam antes de mandar a ficha pra entender o estilo da história e os núcleos já existentes pra facilitar a inserção do personagem e ele sempre aparecer ;3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...