História O mundo está nas tuas mãos - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Tags One Piece
Exibições 2
Palavras 1.749
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 37 - Morte da boss


   -Tens apenas alguns minutos para falar. 

   -Melissa? O que estás aqui a fazer? 

   -Tu sabes bem...eu ouvi a tua conversa com o Valdir, agora fala. 

   -Achas mesmo que vou dizer algo? 

   -Acho. Tu não tens nada a perder...vais ser executada de qualquer maneira. 

   -Tens razão. Queres mesmo saber? Toda a verdade sobre o desaparecimento da tua ilha? 

   -É para isso que aqui estou. 

   -Melissa, vai ter de ficar para outra altura. - disse Justin com um ar preocupado. 

   -São os guardas. Foge Melissa, o Valdir já sabe que estás cá. - retorquiu a boss. 

   -Eu não vou sair daqui sem saber o que aconteceu ao meu reino, por isso é melhor começares a falar. 

   -Antes de saberem toda a verdade têm de compreender que o que nós fizemos foi para limpar o nome do teu pai. 

   -O nome do meu pai? Espere, o quê? 

   -Acabou-se a conversa. 

   -Valdir... 

   -Há muito tempo que não te vejo Melissa. Desde que o Igor morreu tu fugiste a sete pés como uma cobarde. 

   -Não menciones o nome dele! Ele era meu amigo, meu segundo pai. 

   -Continuas temperamental...isto tem duas maneiras de acabar. Morres ou rendeste. 

   -Tu sabes bem que eu não me vou render. 

   -Então morres, mais simples que isto não há. 

   -Melissa, diz-me que tens um plano. - disse Bella. 

   -Tu sabes que eu nunca tenho um plano. - arregaçou as mangas e atou o cabelo. - O que estás a fazer? Larga o meu braço! 

   -Sabes perfeitamente que nenhum de nós está apto a confrontar um almirante!  

   -Eu sei, mas tenho de tentar! Sidorov, este homem matou o meu pai! O que és suposto fazer? Sorrir a apertar-lhe a mão?! 

   -Compreendo, mas tens de perceber que não podes arriscar a vida sem mais nem menos! 

   -O Sidorov tem razão, temos de arranjar maneira de sair daqui. Os guardas não são um problema, mas o Valdir é. Não vamos poder sair pela saída normal, porque se ele encontra um de nós está tudo perdido. Bella, pensa num plano rápido! 

   -Estou a tentar, mas não me ocorre nada...temos de sair daqui e salvar a boss num curto período de tempo. As probabilidades são extremamente baixas.  

   -Não podemos usar uma distração? - sugeriu Sidorov. 

   -Talvez...Justin tu corres rápido, certo?  

  -Sim. Queres a que velocidade? 

   -A máxima que conseguires. Justin, vais partir a fechadura e levas a boss contigo até ao cimo. 

   -Tudo bem, mas como subo até ao telhado? 

   -Os guardas vão chegar aqui dentro de um minuto. Sidorov, abre um caminho. Melissa, nós tratamos dos emplastros. 

   Sem mais demoras, Justin ativou os seus poderes e arrombou com a fechadura. Pegou na boss e colocou-a nas suas costas. 

   -Não me vais tirar as correntes? 

   -Sou boa pessoa, mas não sou ingénuo. 

   -Bem pensado. 

   -Sidorov, a saída agora! 

   -Vais ter de esperar, estou a tentar abrir caminho! - esfaqueou um guarda com uma das espadas e com a outra cortou um guarda abrindo-lhe o peito. Desviou-se de uma flecha e atirou a espada da mão direita até ao guarda. - Digamos que estou um pouco ocupado. 

   -Sidorov, não há tempo! Deixa os solados comigo e com a Melissa. - gritou Bella. 

   -Mas, não vêem que estou ocupado? 

   -Só tu o podes fazer! 

   -O quê? Do que é que estás a falar? 

   -Não te faças desentendido...há uns dias vi-te a treinar.  

   -Tu o quê?! Bem, ainda não está pronto e não sei os danos que poderá causar. 

   -Neste momento os danos colaterais não interessam! Apenas fá-lo! 

   -Depois não me venham dizer que eu não vos avisei... - pegou nas espadas de uma forma firme, relaxou os músculos, acalmou a sua respiração e fechou os olhos. - Um...dois...três! - Um grande relâmpago de luz saiu das espadas e abriu um enorme buraco no telhado do edifício.  

   -Nunca pensei que estivesses a trabalhar numa coisa em grande. - exclamou Melissa. 

   -Agora salta e despacha-te! - gritou Bella. 

   -Até já malta! - aumentou a sua força física e impulsionou-se saltando até ao cimo. 

   Desceram do telhado e foram para o barco. 

   -Vais deixar-me aqui? 

   -A missão é colocar-te num lugar seguro e a meu ver este é o lugar mais seguro.  

   -Justin? 

   -Ania! Vejo que já acordaste. 

   -Quem é? 

   -Ania, esta é a boss. Vais ter de cuidar dela enquanto eu vou buscar o resto do pessoal. 

   -O que é que se está a passar? 

   -Nada de mais. 

   -Onde está o dono daquela organização? Já o encontraram? 

   -Estou aqui. 

   -Tu? - olhou-a de cima abaixo com um ar de estranheza – Julguei que era um homem. 

   -A sério? Qual é o problema de uma mulher gerir um negócio? 

   -Não quis ofender, apenas não estava á espera que uma senhora tão bonita pudesse cometer crimes tão hediondos.  

   -Já somos dois. - concordou Justin. 

   -Tu cala-te, antes que te corte a língua. 

   -Caramba, á pouco estavas bem disposta...que te aconteceu? 

   -Deve estar com a menstruação. - comentou Ania. 

   -Bem visto. 

   -Sai já daqui antes que te mate! 

   -Ania, cuida bem dela e dá-lhe muitos chocolates. - olhou para a boss e piscou-lhe o olho. 

   -O que é que o Justin anda a fazer? - perguntou Bella. 

   -Será que a boss se libertou? Ou o Valdir os encontrou? Se uma destas opções aconteceu eles estão em grandes sarilhos. 

   -Temos de sair daqui...o Sidorov? 

   -Não sei onde se meteu...Sidorov! Sidorov! Onde estás? 

   -Estou aqui, dentro de uma cela rodeado por guardas! Onde está o Justin? 

   -Não fazemos ideia. 

   -Ele tem de se despachar, a minha ferida abriu e estou a perder muito sangue.   

   -Oh...era o que mais faltava...Bella, ajuda-o! 

   -Para já! - foi até ao local onde Sidorov se encontrava e inspecionou a ferida. - Isto não é nada bom...nada bom mesmo. 

   -Já reparei nisso, sou médico lembraste? 

   -Talvez possamos estancar a ferida durante uns minutos. - tirou a camisola e colocou-a á volta do tronco dele. Fez um nó e puxou com toda a força fazendo-o gritar de dor. - Acho que já esta bastante bom. 

   -Sim, muito bom, obrigado.  

   -Malta, venham cá! 

   -Anda, a Melissa precisa de nós. Consegues andar? 

   -Sim, mas temos de ser rápidos, já estou a ficar zonzo. 

   -Que bom... - revirou os olhos e pegou nele – Apoia-te em mim. 

   Andaram uns metros e viram uma corda pendurada no local onde Sidorov tinha feito o enorme buraco. 

   -Subam! 

   -Finalmente, estava a ver que nunca mais aparecias. - disse Bella. 

   -Digamos que houve uns problemas. 

   -Já vi que sim...tens um olho negro. 

   -Também já vi que as coisas aqueceram. 

   -Digamos que houve uns problemas. 

   -Já vi que sim...a camisola até saiu. 

   -Podem despachar-se? Há aqui uma pessoa a morrer. - exclamou Sidorov. 

   Sorriram e içaram-no para cima. Foram todos para o barco em silêncio. Mal entraram levaram Sidorov para a sala dos cuidados médicos. 

   -Que irónico...o único médico neste barco precisar de cuidados intensivos. 

   -Bastante normal...o problema é saber fazê-lo. - disse Justin. 

   -Nenhum de vocês sabe coser uma ferida? - não se ouviu uma voz - Que bom... 

   -Eu sei. 

   -Tu? Achas mesmo que te vou tirar essas correntes? - exclamou Melissa. 

   -Não têm escolha...tiram-me as correntes e eu ajudo-o. 

   -Como se tu quisesses saber do teu próprio sobrinho... - sussurrou Justin. 

   -Cala-te ou ficas com o outro olho negro! Acreditem ou não, mas eu quero-vos ajudar. São descendentes dos meus amigos.  

   -Está bem, nós tiramos as correntes. 

   -Bella! O que pensas que estás a fazer?! 

   -Melissa, ela é tua tia! Por muito que me custe dizê-lo, ela preocupa-se conosco. 

   -Ela apenas nos está a usar para escapar das garras do Valdir! - gritou Justin. 

   -Tê-la aqui não é mau para nós! Ela sabe o que todos nós queremos saber... 

   -Eu conto-vos, mas só se me deixarem ajudar o meu sobrinho. 

   -Melissa, por favor, confia em mim. 

   -Eu confio em ti, tira-lhe as correntes. 

   Pegou em dois ganchos e num piscar de olhos abriu todos os cadeados. Sem demoras, a boss foi a correr até á sala em que Sidorov estava. Pegou numa agulha e linha e começou o procedimento.  

   -Tens a certeza do que fizeste? - perguntou Justin com voz de preocupado. 

   -Tenho. A Bella tem razão. Por mais que custe admitir, ela quer saber de nós. Ainda lhe resta um pouco de honra, apesar de tudo o que fez. 

   -Só espero que estejas certa. Se ela realmente nos contar tudo, o que iremos fazer com ela? 

   -Matá-la. - disse Bella. 

   -Não o podemos fazer. O Sidorov pediu-nos para a salvarmos antes de ser executada e foi isso que fizemos. - recordou Melissa. 

   -Já reparaste que o salvamento foi bastante simples? 

   -Agora que falas nisso, foi. Se o Valdir a quisesse ver morta achas que não estaria á procura dela? Melissa, eu não vejo nenhum sniper profissional a tentar abatê-la. Talvez ela não tenha o assim tanto valor. 

   -Ela tem provas de que conheceu os nossos familiares, ela sabe realmente o que aconteceu. - ripostou Melissa. 

   -Só espero que isto tudo valha a pena. - no silêncio da noite ouviu-se um barulho – Isto foi... 

   -Um tiro. - suspirou Bella. 

   Correram todos para a sala dos cuidados médicos e viram o corpo da boss deitado na cama. 

   -Não acredito nisto! O Valdir chegou primeiro. - exclamou Melissa. 

   -Podemos esquecer as informações... - disse Sidorov. 

   -Afinal de contas, ela tinha sempre valor. - retorquiu Justin de uma forma sarcástica. 

   -Sidorov, lamento imenso. Apesar de tudo, ela era tua tia, sangue do teu sangue, família. - disse Bella. 

   -Agradeço, mas ela deixou de ser familia desde o dia em que partiu. - soltou um longo suspiro e levantou-se – O que fazemos? 

   -O melhor é concretizar o seu último desejo. - Melissa tirou um pequeno papel do bolso – Eu encontrei isto na mesma sala que eu encontrei a fotografia do meu pai. Toma. - entregou o papel a Sidorov - És o único que tem o direito. 

   -Obrigado. - leu o papel e fechou os olhos. Voltou a suspirar e saiu da sala. 

   Justin e Melissa pegaram no corpo da boss com delicadeza e colocaram-no dentro de um pequeno barco. Bella, aproximou-se do corpo, ajeitou-lhe os longos cabelos negros, colocou-lhe as mãos sobre o peito e retirou do seu bolso uma carta.  

   -O que é isso? - perguntou Sidorov intrigado.  

   -Aquela carta que encontramos. Foi a única em que o marido lhe disse que a amava. Acho que ela merece morrer com isto. 

   Colocaram o barco na água. Sirdorov pegou numa caixa de fósforos e acendeu um. Atirou-o para o barco e observou as chamas a consumirem o corpo da sua tia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...