História O namoradinho da mamãe! - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Exibições 360
Palavras 1.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Amo muito todos vocês.
Obrigado por me esperarem.

Capítulo 4 - Capitulo IV


Fanfic / Fanfiction O namoradinho da mamãe! - Capítulo 4 - Capitulo IV

---------------------------------------------------------------------------

Acordei com a visão mais adorável do mundo, Jimin dormia silenciosamente agarrado em mim como uma criança. Ele era tão fofo! Sem acordar ele, sai do seu abraço e me levantei da cama procurando pelo meu celular. Vi as horas e fui até a cozinha.

Abri a geladeira e peguei algumas coisas para preparar o café de Jimin. Eu iria preparar Waffes para ele, comecei a preparar rapidamente afinal Jimin parecia acordar a qualquer momento. Me aprecei um pouco e por esse motivo eu cai do nada. Tipo do nada, eu tava andando e cai. Levantei rapidamente e olhei para meu braço que sangrava um pouco, mas tudo ótimo.

Peguei a bandeja com o café e fui até o quarto, coloquei a bandeja em cima do criado mudo e sentei na cama, olhando Jimin dormir. Levei minhas mãos ao cabelo de Jimin e acariciei, Jimin se mexeu um pouco e sorriu.

-Minnie.... Minnie acorda! – Chamei gentilmente e ele abriu os olhos lentamente. – Bom dia príncipe. – Seu sorriso foi encantador. – Fiz o café da manhã para você. – Ele se sentou na cama e olhou para o criado mudo sorridente.

-Bom dia princesa! – Sorri de volta. – Muito obrigado. – Ele pegou a bandeja e olhou para mim. – O que aconteceu com seu braço? – pergunta preocupado, sorri. Como ele havia percebido?

-Eu cai. – Ele me olhou.

-Está doendo? – Ele coloca a bandeja no criado mudo novamente.

-Um pouco. – Ele se levanta.

-Vou pegar remédios para fazer o curativo. – Ele ia se levantar, mas eu segurei em sua blusa. – Não vou comer se você estiver sentindo dor.

-Por favor, vai esfriar... – Ele suspira e se senta. – Como devagar...

Jimin me obedeceu e comeu com calma, sorria para mim a cada mordida. Após comer se levantou para legar os remédios e eu apenas fiquei sentada esperando ele, mas como ele demorou um pouco, eu peguei meu celular. Abri o celular e vi mensagens da minha mãe.

 “ Não ouse roubar ele de mim garota, ou eu juro que te jogo no meio da rua.” – Mãe

“Não durma na mesma cama que ele, não fique perto dele, não olhe para ele, não fale com ele, não exista perto dele.” – Mãe.

                                                      Uma ligação atendida.

“Jimin, meu amor não é ciúmes.” – Mãe

“Eu apenas quero você longe dessa peste, ela é o demônio.” – Mãe

“Se ela fosse minha filha de verdade, eu iria abortar ela. ” – Mãe

“Se continuar a falar dela assim, eu juro que termino com você.” – Erro

“Ela é uma garota incrível, maravilhosa e perfeita.” – Erro

“Não quero saber mais desse insultos desgraçados com ela.” – Erro

“Ela pode até não ser sua filha de sangue, mas ela te reconhece como uma mãe então a reconheça como filha. Mulher doente!” – Erro

“Mude esse nome imediatamente! ” – Erro

                                    Mãe mudou seu nome para Filha

“Eu odeio ela!” – Mãe.

Senti meus olhos marejarem. Que história é essa de eu não ser filha dela de verdade? E-eu não sabia o que pensar, sem ao menos perceber eu já estava chorando. Jimin sabia disso e não me contou?

-Baixinha está doendo muito? – Ele perguntou e me olhou assustado. – Ai Meu Deus, por que está chorando?

Me levantei e o olhei com raiva, Jimin engoliu em seco e largou os remédio quando eu estiquei o braço mostrando as mensagens. As lagrimas ainda caiam.

-Que história é essa de eu não ser filha dela? – Ele apenas olhou para baixo. – ME RESPONDE!

-Se acalme por favor! – Ele se aproxima de mim e tenta me tocar, mas eu empurro ele com força.

-NÃO ME TOCA. VOCÊS MENTIRAM PARA MIM, E VOCÊ SABIA. – Meus olhos ardiam em ódio. – EU CONFIEI EM VOCÊ PARK.

-Eu não tinha direito de lhe contar, este segredo é da sua mãe. – Ele diz baixo.

-NÃO TINHA O DIREITO? ACHEI QUE SE IMPORTAVA COMIGO! – Ele me olhou com raiva.

-É CLARO QUE EU ME IMPORTO SUA IDIOTA. – Arregalei os olhos assustada, ele apenas se aproximou e continuou a gritar. – NÃO OUSE FALAR QUE EU NÃO ME IMPORTO, EU QUASE ESTOU PERDENDO A SUA MÃE POR VOCÊ.

-SE NÃO QUER PERDE-LA É SÓ PARAR DE FINGIR SE IMPORTAR COMIGO BABACA! – Ele rosnou me jogando na cama e ficando em cima de mim, meus pulsos foram presos brutalmente. – Me solta idiota!

-Cala essa boca, antes que eu te cale! – Ele disse irritado.

-Então me cale Park! – Ele sorriu cínico e eu estremeci.

Jimin selou nossos lábios rapidamente e logo senti a sensação de borboletas em meu estomago. Jimin já havia soltado meus pulsos, ele acariciava a pele machucada. Levei minhas mãos até seu cabelo e puxei os fios lentamente o sentindo estremecer. Senti suas mãos possessivas em minha cintura apertando com força.

Jimin e eu apenas demos um selinho demorado, nada além disso. Mas aquele selinho fora o suficiente para calar nossas palavras e fazer com que ficasse nos olhando, procurando uma resposta daquilo. Só foi ai que caiu a ficha de que acabei de beijar o namorado da minha mãe, joguei ele para o lado da cama e me sentei corada.

Ele tentou falar algo, mas eu corri para o banheiro e tranquei a porta envergonhada. Encostei na porta e deslizei lentamente suspirando e fechando os olhos. Ouvia Jimin me chamar, mas eu só conseguia chorar. Aquilo foi bom, muito bom. Mas por que eu ainda sinto essa dor no peito?

-Baixinha abra a porta! – Bateu na porta me chamando. – Por favor pequena... Me desculpa, eu não pensei.

Agarrei os meus joelhos e comecei a soluçar, sentindo as lagrimas quentes. Mordi os lábios tentando conter as lagrimas, tentando conter a vontade de gritar. Jimin havia ficado quieto, ouvi barulhos de chaves e me virei, vendo Jimin abrir a porta. Ele me olhou da cabeça aos pés e sorriu triste.

-N-não... – Neguei quando ele se aproximou, mas ele não parou. Se agachou e me abraçou. – Jimin... – Agarrei em seu pescoço chorando.

-Me perdoa, por favor! – Ele me pegou no colo e me levou para a cama. – Eu sou um babaca.

-Jiminnie Babo! – Eu disse manhosa e ele riu. – Eu te perdoou. – Ele sorriu e me abraçou. – Minnie, você está me amassando! – Ele riu e se desaproximou.

-Tenho que te levar para casa. – Sorri e assenti.

------------------------------------------------------------------


Notas Finais


AEO, CAP NOVOOOOOOOOO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...