História O Namorado Do Meu Irmão (Crossover) - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~vick1997

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters, Teen Wolf
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Allison Argent, Chris Argent, Clary Fairchild (Clary Fray), Derek Hale, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jackson Whittemore, Lydia Martin, Magnus Bane, Personagens Originais, Peter Hale, Scott McCall, Sheriff John Stilinski, Simon Lewis, Stiles Stilinski
Tags Clott, Dalec, Jeter, Malec, Sciles, Sterek, Stydia
Exibições 143
Palavras 2.004
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoas!


Capítulo novo no ar. Espero que gostem! Eu e a Vick criamos com todo o carinho esse capítulo para vocês. Não esqueçam de favoritar a fic e comentar.


Beijos

Capítulo 2 - All About You


Fanfic / Fanfiction O Namorado Do Meu Irmão (Crossover) - Capítulo 2 - All About You

Jackson saiu correndo para dentro da escola. Ele correu até a enfermaria e chamou a enfermeira. Assim que ela pegou a maleta e foi saindo, ele pegou a mão dela e saiu correndo pelo corredor em direção a saída para o campo. Stiles estava sendo abanado por várias pessoas ao seu redor.

John está na delegacia terminando de preencher uma papelada quando seu telefone toca.

 

JOHN: Xerife Stilinski.

DIRETORA: Oi John. Aqui é Susan, diretora da escola do seu filho, Stiles.

JOHN: Sim... Como vai Susan?

DIRETORA: Bom... Eu vou bem obrigada por perguntar. Entrei em contato para avisar que seu filho passou mal e acabou desmaiando. Estão levando ele para enfermaria e seria de grande ajuda se o senhor pudesse aparecer na escola agora.

JOHN: Ok eu estou indo. Obrigado por me avisar.

 

John desligou o telefone celular e saiu rapidamente. Jackson chegou no campo trazendo a enfermeira. A enfermeira pegou um algodão com álcool e passou sobre a narina de Stiles que foi recobrando a consciência.

— Você está bem? Perguntou a enfermeira.

— Stiles? Indagou o professor.

Stiles olhou atordoado para o professor e para a enfermeira. Jackson surgiu na frente do melhor amigo.

— Eu estou bem. Disse Stiles. — Senti um mal estar e não lembro de mais nada.

— Precisa que venha na enfermaria comigo. Disse a enfermeira.

— Não precisa. Disse o professor. — Seu pai está chegando Stiles. Ele vai levar você para casa.

John estaciona a viatura da policia no estacionamento do colégio. Ele sai correndo. Stiles agora está sentado na arquibancada ao lado de seu melhor amigo, Jackson. John correu até o filho e o abraçou. Stiles levantou e abraçou o pai.

— Você está bem meu filho? Indagou John.

— Agora sim pai. Disse Stiles. — Podemos ir?

— Vamos. Disse John. — Tchau Jackson.

— Tchau John... Tchau Stiles. Disse Jackson. — Mais tarde eu vou visitar você.

— Ok Jack. Disse Stiles que acenou.

John e Stiles andaram pelo campo e chegaram no estacionamento da escola. Eles entraram na viatura. John ligou ela e saiu dirigindo ela. Stiles estava em silencio e só observava a janela.

Derek terminava de assinar os papeis no hospital. Scott chegou no corredor chorando. Ele tinha acabado de ver o pai no IML do hospital. Scott aproximou de Derek e o abraçou pela cintura. O mais novo inundava a camisa do irmão mais velho com suas lágrimas.

— Calma Scott. Disse Derek alisando o cabelo dele. — Nós vamos ficar bem meu irmão. Não vou deixar nada de ruim acontecer com você. Você sabe que pode contar comigo sempre né?

— Sei sim Derek. Disse Scott limpando suas lágrimas. — Eu vou para casa.

— Eu vou com você maninho. Disse Derek.

— Não precisa. Disse Scott. — Quero ir andando para espairecer um pouco. E outra você precisa ir ao supermercado. Acabou os cereais. Não temos copos descartáveis e nem pratos descartáveis para depois do enterro.

— É verdade. Disse Derek. — Vou passar no supermercado antes de ir para casa. Scott, meu irmão, você sabe que eu te amo e só quero seu bem. Infelizmente essa foi à hora do nosso pai.

— Eu sei Derek. Disse Scott. — Eu também te amo. Você é meu irmão mais velho. Agora é você que vai tomar conta de mim. É que o papai era a pessoa mais próxima que podia ter o paradeiro da minha mãe. Somos filhos do mesmo pai. Sua mãe morreu e a minha desapareceu. Eu tinha esperança de um dia encontrar ela.

— Eu sei. Só que estou do seu lado e vou dar a mesma educação que meu pai me deu a você.

— Ok Der... Preciso ir. Quero andar devagar.

— Vai lá.

Scott foi saindo cabisbaixo. Derek suspirou pesadamente. O moreno de olhos esverdeados seguiu até o elevador. Scott descia pela escada chorando. Derek entrou no elevador e começou a chorar. Ele apertou o botão do estacionamento. Scott chegou no térreo chorando muito e saiu pela porta.

Scott olhou para o céu azul. Ele chorou e saiu andando pela calçada. Derek chegou no estacionamento e entrou no carro. Ele ligou o automóvel e foi saindo do estacionamento do hospital.

Jackson estava sentado na arquibancada meio revoltado. Lydia, uma garota ruiva que sempre se manteve discreta por sua inteligência, aproximou do garoto e colocou a mão no ombro dele. Jackson virou e viu aquela garota que sempre foi sua vizinha.

— Porque está triste Jackson? Indagou Lydia.

— Eu estou preocupado com o Stiles. Disse Jackson. — Só isso.

— Tadinho. Disse Lydia. — Fiquei preocupada com ele.

— Eu também. Disse Jackson. — O pior de tudo que foi por culpa do Scott. Ele sempre gostou dele. E eles beijaram pela primeira vez e depois que contei da morte do pai do garoto ele desmaiou.

— Pelo visto você gosta muito desse Stiles, né Jackson? Indagou Lydia quase afirmando.

— É tão obvio assim? Retrucou Jackson.

— Talvez. Disse Lydia sorrindo fazendo Jackson sorri. — Se ele não notou o seu amor é porque não consegue ver o quão incrível você pode ser.

— Valeu Lydia. Disse Jackson. — Você até que é legal.

— Obrigada. Disse Lydia um pouco confusa. — Eu acho.

Jackson sorriu e abraçou Lydia.

Clary estava na cozinha terminando de preparar alguns cookies. Alec saiu do banheiro com a toalha enrolada na cintura e com os cabelos molhados. Ele sentou na cadeira da bancada da cozinha e encarou Clary.

— Para que tantos cookies? Indagou Alec.

— Para nossos vizinhos que acabaram de perder o pai. Disse Clary.

— O Derek não gosta de cookie. Disse Alec. — Alias ele gosta de muita pouca coisa. Eu acho que ele só gosta do irmão e da família dele.

— Como era o sexo com ele? Indagou Clary curiosa.

— Ele é lindo Clary. Disse Alec. — Gostoso e sexo com ele é selvagem. Só que ele nunca fez carinho e nunca gostou. Também só transamos umas cinco vezes. E meu coração diz que o Derek é só um amigo. Como o Jace era. Como o Simon era.

— Você conseguiu rastrear o Magnus? Indagou Clary.

— Sim... Suspirou Alec antes de continuar. — Ele está no Brasil. Em Belo Horizonte. Tentei ler a mente dele e parece que ele está tentando comprar uma flor rara que tem em um museu chamado Inhotim.

— Já ouvi falar nesse museu. Disse Clary. — Meu professor na universidade comentou uma vez.

— Espero que ele fique naquela cidade e esqueça de nos caçar e mesmo se caçar o Derek está ao nosso lado.

Nesse momento um barulho vindo do lado de fora do apartamento surgiu. Clary aproximou e olhou pelo olho mágico. Clary sorriu e abriu a porta. Scott estava encostado na porta de seu apartamento.

— Oi. Você é o Scott?

— Sim... Você é a vizinha nova né? Mudou a menos de um mês.

— Sim. Prazer Clary.

— Scott. Disse o moreno tentando sorri, só que triste. — Desculpa.

— Não. Disse Clary. — Tudo bem. Encontrei com seu irmão mais velho quando estava saindo para te buscar. Sinto muito Scott. Fiz cookies. Vou pedir pro meu irmão trazer para você. Clary colocou a cabeça dentro do apartamento. — Alec traga os cookies que fiz para o irmão do Derek.

Scott tentou ser educado e queria recusar. Clary encarou o mais novo e sorriu. Alec surgiu na porta com a toalha enrolada na cintura e seus cabelos molhados carregando um prato cheio de cookies. Scott encarou Alec e sentiu um arrepio pelo seu corpo por completo.

— Que lábios. Disse Scott encarando Alec. — Uau... Desculpa.

— Prazer Scott. Disse Alec. — Meu nome é Alec.

— Oi... Disse Scott. — Preciso entrar na minha casa. Licença e obrigado pelos cookies.

Scott abriu a porta e entrou. Clary sorriu encarou Alec. Eles entraram. Alec sentou no sofá. Clary pulou ao lado dele.

— O mais novo é bem gatinho. Disse Clary. — Bem que ele ficou de olho em você Alec.

— Ele é muito novinho. Disse Alec sorrindo.

Alec sorriu. Clary aproximou do amigo e bagunçou o cabelo dele. Ela o abraçou por trás e suspirou. Alec acariciou os braços da amiga. Antigamente, Clary e Alec não se davam bem, mas depois que todos que eles amavam morreram eles uniram e tornaram grandes amigos e para todos eram como se fossem irmãos.

Derek estava parado no sinal. Ele encarou o supermercado próximo. O sinal ficou verde e Derek acelerou o carro e entrou no estacionamento do supermercado. John dirigia o carro e ao perceber a tristeza de seu filho parou rapidamente a viatura.

— Porque você passou mal Stiles? Indagou John.

— Pai eu tenho que te contar uma coisa. Disse Stiles. — Tenho medo da sua reação.

— Que foi meu filho? Indagou John preocupado.

— Eu nunca gostei de garotas. Disse Stiles. — Eu nunca senti atraído por elas. E sempre gostei de um menino. E hoje esse menino declarou pra mim pai. Eu fiquei feliz e nos beijamos. Só que eu vi ele saindo abraçado com um cara que parecia ser do terceiro ano. Quando cheguei ao campo o Jackson falou que esse garoto que eu gosto tinha acabado de descobrir que o pai morreu e quem saiu abraçado com ele foi o irmão dele. Eu fiquei mal porque pensei que ele brincava com meus sentimentos só que na verdade não era brincadeira e acabei desmaiando pensando que eu sou a pior pessoa na face da terra.

John alisou o rosto de Stiles. O garoto encarou o pai. Ele esperava uma reação contraria do pai. John aproximou da testa do filho e deu um beijo. Stiles encarou o pai confuso.

— Meu filho. Disse John. — Fico feliz que você tenha falado a verdade comigo. Quando era da sua idade eu apaixonei por um garoto, nunca mais o vi. Chegamos até namorar e quando contei a minha mãe ela meio que apoiou só que meu pai achava que era uma coisa absurda dois homens se amarem. Ele proibiu e me mandou para o acampamento militar e lá acabei conhecendo sua mãe e me apaixonando por ela. Dois anos e nove meses depois você nasceu para a alegria da Claudia e a minha. Queria eu ter a sua coragem de se abrir assim. Quem contou para meu pai foi minha mãe. Você tem que ser feliz Stiles, com quem seu coração bater mais forte e você tem que saber que estou ao seu lado sempre.

Stiles começou a chorar e abraçou o pai.

— Obrigado pai. Disse Stiles enquanto John limpava as lagrimas do filho. — Eu não sabia do seu passado e fico feliz que tenhamos muitas coisas em comum. Obrigado por me apoiar em tudo pai. Te amo.

— Eu também te amo meu filho. Disse John abrindo um sorriso. — Obrigado você. Escuta antes de deixar você em casa, você pode descer no supermercado e comprar umas coisas que acabaram? Eu to com a lista aqui e o dinheiro. Eu te espero na viatura.

— Ok pai. Disse Stiles abrindo um sorriso. — Para no estacionamento do supermercado então.

John ligou o carro e acelerou para o estacionamento do mercado. John tirou o dinheiro e a lista e entregou para Stiles. O polaco saiu do carro e andou direto para entrada do supermercado e pegou o carrinho. Ele foi entrando no supermercado.

Derek estava com o carrinho na sessão de produtos descartáveis. Ele pegou alguns pacotes de pratos e copos. Stiles chega à gôndola de cereais e vai pegando as caixas da lista. Derek pega o carrinho e vai em direção a parte dos congelados. Ele pega algumas caixas de congelados e coloca no carrinho. Stiles chega à parte de bebidas. Ele pega umas garrafas de refrigerante. Stiles olha a lista e procura o suco de caju que está na lista. Derek chega à parte de bebidas e pega uns refrigerante. Ele olha de lado e vê um garoto que chama bastante sua atenção por sua beleza.

— Nossa que lindo. Disse Derek colocando os refrigerantes no carrinho.

Derek vê que o garoto pisou na poça de suco e ia escorregar. Stiles pisou na poça e começou a escorregar. Derek correu e pegou Stiles no colo antes dele cair no chão com tudo. Stiles estava assustado e ofegante. Derek estava assustado encarando Stiles. Os olhares de Derek e Stiles se encontraram.

— Você está bem garoto? Indagou Derek.


Notas Finais


OMG!³ OMG!² OMG!¹

E aí? O que acharam desse capítulo?

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...