História O Namorado Do Meu Irmão (Crossover) - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~vick1997

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters, Teen Wolf
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Allison Argent, Chris Argent, Clary Fairchild (Clary Fray), Derek Hale, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jackson Whittemore, Lydia Martin, Magnus Bane, Personagens Originais, Peter Hale, Scott McCall, Sheriff John Stilinski, Simon Lewis, Stiles Stilinski
Tags Clott, Dalec, Jeter, Malec, Sciles, Sterek, Stydia
Exibições 71
Palavras 2.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoas.

Novo capítulo. Espero que gostem. Não esqueça de favoritar a fic e de comentar.

Beijos

Capítulo 8 - Speed Of Sound


Fanfic / Fanfiction O Namorado Do Meu Irmão (Crossover) - Capítulo 8 - Speed Of Sound

Peter confirmou mexendo a cabeça positivamente. Stiles abriu um sorriso e encarou John que estava visivelmente emocionado. Stiles suspirou e encarou Peter e John. Ele foi aproximar e acabou batendo o joelho no Jeep estacionado ali. Stiles deu dois pulos e fez cara de dor.

— Você machucou Stiles? Indagou Peter preocupado.

— Meu joelho. Disse Stiles com cara de dor. — Vai melhorar.

— Cadê o Scott? Indagou John. — Pensei que estavam juntos.

— Ele terminou comigo pai. Disse Stiles que encarou Peter e John. — Ele estava estranho e disse que não sentia a mesma coisa que sentia por mim. Ele foi para a casa dele. Foi até melhor porque eu gostava dele e quando ele terminou senti certo alivio. E agora fiquei mais aliviado ainda. Já pensou eu namorando meu primo?

— Não teria problema. Disse Peter. — Rafael, meu falecido irmão era adotado. Ele foi um lobo quer perdeu toda a alcateia dele e sua família num grande incêndio. O meu sobrinho mais velho é filha de uma mulher e Scott é filho de outra. Ambas venderam os filhos por dinheiro.

— Que horror. Disse John. — E o que eles pensam sobre isso?

— Meu sobrinho mais velho é mais cabeça no chão. Disse Peter alisado à cintura de John. — Mas Scott sonhava em encontrar com a mãe. Isso nunca vai acontecer. Somente Rafael sabia onde a mãe do Scott morava e com a morte dele não se sabe nada.

— Stiles... Você não vai dar um abraço no seu pai? Indagou John.

Peter e Stiles se olharam e abriram um leve sorriso.

— É lógico que vou dar. Disse Stiles.

Stiles aproximou um pouco manco de Peter. Eles se olharam e abraçaram ao mesmo tempo. Peter sentiu o cheiro de Stiles e sorriu e encarou John emocionado. Peter sentiu as lágrimas escorrer por seu rosto em seguida deu um beijo na testa de Stiles.

— Eu soube que você era meu filho. Disse Peter emocionado encarando Stiles. — E eu sabia. Você é a cara do meu pai Stiles. Você é um menino muito bonito, é meu filho com o grande amor da minha vida. Quando John me confirmou a veracidade da minha desconfiança eu simplesmente sorri e já te amei naquele momento com toda minha força.

— Sempre soube que Claudia não era nada minha. Disse Stiles que suspirou e manteve-se no abraço. — Poder sentir seu amor, ver sua alma e sentir esse abraço percebi que realmente somos pai e filho. Isso vai ser complicado de explicar para as pessoas. Mas não ligo, tenho dois pais que amo com todas as minhas forças.

John aproximou de Peter e Stiles e os abraçou bem aperto. John beijou a testa de Stiles e em seguida deu um selinho em Peter. Os três saíram do abraço com uma leveza em suas expressões.

— Ah Stiles. Disse John. — Estava me esquecendo. John coloca a chave do Jeep na mão de Stiles. — Você tirou a carteira, vai precisar de um carro. O Jeep do seu avô é todo seu meu filho.

Stiles sorriu bastante feliz e abraçou seu pai. Alec estava sentado no sofá fazendo carinho em Max que estava deitado no seu colo. Scott observava a cena com um leve sorriso no rosto. Maryse e Robert estavam sentados encarando os filhos juntos novamente. Clary estava afastada observando todos na sala, ela suspirou e mexeu no livro de magia que conseguiu pegar junto com Alex quando eles fugiram.

— Achei! Disse Clary sorrindo.

— O que você achou? Indagou Scott.

— Um feitiço para descobrir onde o Humenigo vive. Disse Clary sorrindo e encarando Alec. — Vamos fazer agora.

Alec pegou o livro da mão de Clary e encarou a página onde ela disse. Alec encarou os pais, a ruiva, Scott e seu irmãozinho e logo levantou deixando Max deitado no sofá.

 

AQUELES QUE BRILHAM TÊM O PODER DE SALVAR. DE VIDAS SALVAS A VIDAS INTERROMPIDAS. AQUELES QUE BRILHAM VÃO NOS MOSTRAR O CAMINHO DO SER QUE PROCURAMOS. EXPECTRUM, TOTALIUS, MAGNOS, EXPECTRUM.

 

Alec suspirou e fechou os olhos. Em seguida ele abriu o olho e percebeu que Clary, Max, Maryse e Robert encaravam Scott. Scott tinha um brilho azul em sua volta. Alec encarou Scott e aproximou do namorado.

— Onde você esteve Scott? Indagou Alec.

— Na casa do Stiles. Disse Scott.

— Stiles? Indagou Alec e Clary juntos.

O brilho ficou forte ao escutar o nome Stiles. Clary e Alec se olharam.

— Não temos tempo a perder. Disse Alec.

— Os corpos estão conosco. Disse Maryse que suspirou. — Mantivemos todos em um IML particular. Nunca fizemos o enterro porque Max sempre teve essa visão e como vocês fugiram a dificuldade foi de encontrar vocês.

— Eu posso falar com o Stiles amanhã no colégio. Disse Scott. — Assim posso apresentar ele a vocês. Quanto tempo vocês precisam?

— 48 horas. Disse Robert.

— Acha que consegue convencer Stiles amanhã? Indagou Clary.

— Sim. Disse Scott. — É que ele e eu tivemos uma ligação que terminou.

— Ligação? Indagou Max.

— Namoro. Disse Clary.

— Eu te levo para a escola amanhã Scott. Disse Alec.

— Não é hora de ciúmes filho. Disse Maryse.

— Não é ciúmes mãe. Disse Alec fechando a cara. — Eu não confio nesse tal de Stiles.

— Eu vou com você se precisar. Disse Clary sorrindo.

— Vocês só estão esquecendo uma coisa. Disse Scott que sorriu. — Stiles não tem o Jeep azul da visão do Max. E sinceramente o pai dele é o xerife da cidade. O xerife é um cara bastante humilde e não teria grana para comprar um Jeep azul para o filho.

— Então pode ser outra pessoa. Disse Robert.

— O Jackson estava também na casa do Stiles. Disse Scott.

— Mas o brilho foi forte no nome do Stiles. Disse Maryse. — Só vamos saber amanhã.

Derek foi chegando no prédio com um enorme sorriso. O celular dele começou a tocar. Derek pegou o aparelhou e viu o nome de Stiles no visor. O moreno sorriu e logo atendeu o telefone.

 

DEREK: Já está com saudades de escutar a minha voz?

STILES: Sim... Mas também te liguei para falar que você estava certo.

DEREK: Em que?

STILES: Meu pai engravidou de mim. Só que o grande amor da vida dele era um lobisomem. Eu tenho dois pais... Um humano e um lobisomem. Acabei de conhecer meu pai lobisomem. Ele vai dormir aqui em casa hoje.

DEREK: E como está sentindo quanto a isso? E quanto você ser um Humenigo?

STILES: Eu fiquei feliz. Esse meu novo pai tem uma alma muito pura, tem um coração bom e ele me deu mais carinho do que minha suposta mãe tinha me dado em toda a vida dela.

DEREK: Sua voz está boa, feliz. É melhor escutar sua voz assim do que aquela sua voz de choro meu lindo. Quando você ligou mais cedo meu coração ficou bastante apertado com medo de ter acontecido algo grave com você.

STILES: Tinha acontecido, mas quando vi você tudo mudou. Ei eu estou indo dormi e só liguei para contar a novidade. Ah... Meu pai humano me deu o antigo carro do meu avô. Agora sou uma pessoa motorizada.

DEREK: Então você me busca amanhã no meu bar para poder almoçar com você?

STILES: Busco sim. Qual o endereço?

DEREK: Alameda Orquídeas, 469.

STILES: Seu bar fica perto do trabalho do meu pai. Sei onde é. Te busco as onze e quarenta?

DEREK: Perfeito meu lindo.

STILES: Sabe pode ser loucura, mas consegui enxergar a sua alma Derek. Sua alma é linda, pura e humana. Você tem essa cara meio de manda chuva da máfia, mas por dentro é um ser humano maravilhoso e pude ver o porquê. Quando precisei você estava lá por mim.

DEREK: Sempre que você precisar vou estar lá para você Stiles. Bom hoje acordei solteiro e vou dormi namorando esse garoto incrível que é você. Estou ansioso pelo nosso almoço amanhã.

STILES: Eu também... Boa noite Derek. Durma bem e sonhe com os anjos.

DEREK: Você também lindo. Beijos. Te adoro.

STILES: Também te adoro.

 

Stiles e Derek desligaram os telefones. Derek entrou no prédio e foi subindo para seu andar. Derek foi abrindo a porta quando Scott saiu de dentro da casa de Alec e Clary. Derek encarou o irmão mais novo.

— Tio Peter disse que você dormiria na casa do seu namorado. Disse Derek encarando Scott.

— Eu ia. Só que terminamos porque namorar com aquela pessoa de hoje cedo foi um erro cometido por ambas as partes. Disse Scott que sorriu. — Quando estava voltando para a casa encontrei Alec e Clary e voltamos conversando. Alec é super legal e bem bonito.

— Você está afim dele? Indagou Derek.

— Sim... Disse Scott sorrindo. — Você se importa se eu ficar com ele?

— Não Scott. Disse Derek. — Eu quero ver a sua felicidade meu irmão. Alec é muito gente boa e espero que vocês sejam felizes juntos. Eu topo. Até shippo vocês como os jovens de hoje dizem.

— Obrigado Der.

Scott e Derek se abraçaram de lado e entraram no apartamento. Stiles saiu do quarto desligando o celular e encarou John e Peter saindo de um beijo apaixonado.  Stiles sorriu e aproximou da cozinha.

— Querem jantar o que? Indagou Stiles.

— O que você quer jantar meu filho? Indagou Peter.

— Meu pai faz uma deliciosa macarronada. Disse Stiles. — Ele falou que aprendeu a fazer a macarronada nos acampamentos que fazia com a minha mãe.

— No caso só para deixar claro. Disse John. — Quando falava mãe, eu queria dizer que era com o Peter.

— Ok. Disse Stiles que sentou encarando os dois. — Será que o pai Peter poderia me explicar direito o que sou? Humenigo.

— Como você soube dessa palavra? Indagou Peter.

— Uma pessoa bem especial me contou. E não foi seu sobrinho Scott. Disse Stiles. — Eu vi a filha da professora Natalie morrer na minha frente. Todos deram ela como morta e fazia uns 10 minutos que estavam espertando o rabecão do IML vir buscar o corpo. Eu só sei que senti que não era a hora dela. Corri até ela. Limpei uma lágrima que escorria pelo meu rosto e segurei no lábio dela. Do nada ela acordou e me encarou assustada.

— Humenigo, Stiles, são seres únicos e raros. É a junção do sangue de um alpha poderoso com o sangue de um humano vindo do amor verdadeiro. Disse Peter. — Seu pai e eu nos amamos muito. Infelizmente seus avôs não concordavam com o romance e nos separaram. Mas um dia antes do casamento do seu pai com a Claudia tentaram me matar com Wolfsbane. Seu pai me salvou e lá tivemos uma noite de amor. Só que esse John malandrinho conheceu uma feiticeira e fez um pedido. Um filho de seu amor verdadeiro com ele. E depois você nasceu.

— Tudo que o Peter disse é verdade Stiles. Disse John sorrindo. — E o mais importante é que Peter voltou e vai ficar conosco.

— É sério? Indagou Stiles bastante alegre. — Você vai ficar em Beacon Hills comigo e com meu pai?

— Sim. Disse Peter sorrindo.

— Depois dessa esquece jantar. Disse Stiles sorrindo. — Eu vou dormi. Amanhã vou com o meu Jeep para a escola e depois tenho um almoço bem especial. Pai vai vir amanhã à tarde? Queria poder mostrar para você todas as minhas conquistas.

— Sim meu filho. Disse Peter emocionado.

Stiles aproxima de Peter e beija a bochecha dele. Em seguida vai para John e beija a bochecha dele. Stiles vai em direção ao quarto e deita na cama com um enorme sorriso. A madrugada passa num piscar de olhos e sol surge pela manhã em Beacon Hills. Alec saiu do quarto mexendo no celular e sentando-se a mesa com Clary e Maryse.

— Scott me mandou uma mensagem. Disse Alec. — Ele enviou o endereço da escola e disse não ter visto Jeep nenhum. Clary você vem buscar Scott comigo daqui a pouco e vamos atrás desse Stiles.

— Quem é Stiles que te deixou bastante irritado Alec? Indagou Maryse.

— Digamos que seu filho estava ficando com um homem bem gostoso e durante o beijo apaixonado esse homem chamou Alec de Stiles. Disse Clary que sorriu. — E digamos que esse homem é o cunhado do Alec. Já que Derek é irmão do Scott.

— Você está namorando dois irmãos ao mesmo tempo meu filho? Indagou Maryse desesperada.

— Não mãe. Disse Alec. — Derek e eu terminamos ontem de manhã. Nunca tivemos nada era só sexo mesmo. E Scott chegou a noite com um jeito tão doce e libertador.

— Libertador? Indagou Maryse.

Max saiu do quarto e aproximou da mesa.

— Libertador. Disse Max. — Com o beijo do Scott, Alec conseguiu se livrar das amarras de Magnus.

Clary, Maryse e Alec encaram assustados Max.

— Como assim filho?

— Digamos que foi um beijo de amor verdadeiro. Disse Max. — Como na história da Cinderela. Alec estava preso no passado com o Magnus mesmo ele tendo matado todos nossos amigos e familiares. Só que quando ele e Scott se beijaram ontem teve a quebra da conexão que tinha entre Magnus e Alec.

— E o que isso significa Max? Indagou Clary assustada.

— Que Scott é o príncipe encantado e Alec é a Cinderela. Disse Max. — O beijo fez com que quebrasse o feitiço que Magnus tinha sobre Alec. Um beijo de amor verdadeiro.

Max começou a comer. Alec suspirou emocionado. Clary e Maryse sorriram para Alec. Scott estava no seu armário olhando para os lados a procura de Stiles. Jackson passou super preocupado como se procurasse alguém. Scott fechou o armário e aproximou de Jackson.

— Jackson! Disse Scott. — Você viu o Stiles?

— Não Scott. Disse Jackson preocupado. — Eu não vi seu namorado. Aliás ele me mandou uma mensagem dizendo que iria se atrasar um pouco hoje. Viu a Lydia Martin?

— A filha da professora Natalie? Retrucou Scott.

— Essa mesmo. Disse Jackson. — Se você a vir por favor pede para ela me procurar o mais rápido possível.

Lydia entra pela porta principal com a mãe. Scott cutuca Jackson e eles olham para a porta. Lydia vem andando com um enorme sorriso no rosto. Natalie anda ao seu lado com o mesmo sorriso. Natalie aproxima de Jackson e Scott.

— Você é o melhor amigo do filho do xerife né Jackson? Indagou Natalie.

— Sim. Disse Jackson um pouco assustado. — Porque?

— Quando ele chegar peça para me procurar. Disse Natalie sorrindo e afastando.

Lydia abre o armário e vai guardando as coisas. Jackson aproxima de Lydia e Scott acaba indo junto.

— Eu escutei todo o barulho do acidente Lydia. Disse Jackson aflito. — Eu fiquei com muito medo de acontecer algo ruim com você.

— E aconteceu. Disse Lydia que fechou o armário. — Morri. Fiquei morta durante dez minutos. Eu fui salva pelo Stiles. Senti a lágrima dele perfurar meu corpo e salvar minha alma. Jackson eu devo a minha vida ao Stiles e ao homem que estava com ele.

— Que homem? Indagou Scott.

— Alto... Moreno... Gostoso... Disse Lydia que sorriu. — Pena que estavam de mãos dadas então deu para ver que ele é da turma de vocês. Preciso ir. Quero aproveitar minha vida a cada segundo.

Lydia vai saindo e Jackson vai atrás. Scott respira fundo. O sinal bate e todos vão para a sala de aula. Stiles estaciona o Jeep na entrada do colégio. Ele desce do Jeep e pega o caderno e corre para aula. Derek estava no bar limpando o balcão quando Peter entra junto com John.

— Oi tio Peter. Disse Derek que sorri e encara o xerife. — Xerife? O que devo a honra?

— Ele é o meu amor do passado, presente e futuro Derek. Disse Peter sorrindo. — Esse é John Stilinski.

— John Stilinski? Indagou Derek que logo indagou novamente. — Você é parente do Stiles Stilinski?

Peter abriu um enorme sorriso.

— Stiles é meu filho com John, Derek.

Derek arregalou os olhos bastante assustado.

— Quer dizer que eu estou namorando o meu primo? Indagou Derek.

Peter e John encaram Derek assustado.

— Como é que é? Indagou Peter e John ao mesmo tempo. — Conte-nos essa história agora.

 

BRASIL/ MINAS GERAIS/ INHOTIM

Allison estava terminando de fazer as malas. Magnus entra no quarto puxando uma mala e joga a mala na cama.

— Não entendi até agora porque mandou fazer as malas. Disse Allison.

— Porque temos que voltar para os Estados Unidos agora. Disse Magnus que encarou Allison com um sorriso maligno.— Tenho que ter meu Alec de volta. Custe e o que custar. E se tiver que matar toda a cidade eu mato só para ter ele.


Notas Finais


OMG!¹ OMG!² OMG!³

O que vai ser de Derek agora?
O que vai ser de Alec agora?

E aí? O que acharam do capítulo?

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...