História O Nerd da Escola - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Clichê Amorzinho, Sasusaku
Visualizações 132
Palavras 2.011
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 11 - Onze


Fanfic / Fanfiction O Nerd da Escola - Capítulo 11 - Onze

Olhando Sasuke bem de perto, Sakura se sentia uma pessoa segura, não que ele dissesse algo para ela, que a levasse a pensar assim, mas algo nele não batia certo dentro dela. Sasuke tinha um timbre de voz máscula sedutora, e ela tinha percebido isso somente agora. Seu olhar era sedutor, apesar dele nem saber disso, as íris negras transmitia paz, segurança, carinho, tudo o que Sakura desconhecia.

 

O olhar dele por debaixo dos óculos era muito bonito, mas, o olhar dele com aqueles óculos também o deixava tão lindo que Sakura arfava. Ela sentiu uma fina camada de suor em sua pele, sim, ela estava nervosa diante de Sasuke, e tudo isso somente porque ele tinha segurando-a, porque ele tinha olhando-a de perto, porque ele tinha mostrado a ela, seu lado diferente do nerd da escola, e isso estava a incomodando por dentro.

 

— Não que seja da minha conta, mas você está ouvindo o que eu estou dizendo? — Sakura despertou com o som da voz dele um pouco mais grosa que o normal, ela lhe olhou confusa e depois para o caderno a sua frente. – está ouvindo? — Perguntou calmo.

 

— Nadinha. — Respondeu, Sasuke sorriu de canto, Sakura riu também.

 

Imaginou que naquele momento, ele explodiria e falaria umas coisinhas nada agradáveis para ela, mas ele simplesmente sorriu abaixando o olhar, e começando a batucar o lápis na mesa, logo ele ergueu o rosto lhe fitando.

 

— O que te incomoda? — Ele perguntou gentil, Sakura parou o riso que tinha no rosto encarando o olhar sob si. — Porque se tiver algum problema, e eu... — Ele suspirou temendo as palavras. — Eu posso ajudá-la.

 

Sakura ficou por olhar Sasuke naquele momento, sua mente estava em branco, não sabia o que dizer, ou o que fazer, as palavras dele eram tão reconfortantes quanto seu abraço do dia em que viu Sasori com outra. Lembrando-se daquele dia, ela se visualizou nos braços dele na noite anterior. Sakura abaixou a vista olhando sua conta que não sabia como fazer!

 

Já Sasuke havia deixando seu medo de lado quando perguntou se ela precisava de ajuda, temendo ela gritar com ele, porque quando ele cogitou que a ajudaria, ela quase o engoliu. Então naquele momento estava entre a vida e a morte. Mas quando falou, ela não disse nada, apenas abaixou a cabeça e começou a tentar fazer à conta que ele impôs para ela, sem sucesso, Sasuke a via fazer tudo errado, mas porque a questionaria? Ela estava toda fofa.

 

Ele suspirou, mesmo ela estando tão fofa e errando tudo, ele era um professor dedicado e queria que Sakura tirasse uma nota boa, porque assim talvez ela o recompensasse pelo menos com um abraço caloroso.

 

— Sakura — Ele a chamou e se curvou na mesa, tocou em sua mão tirando da frente do papel, Sasuke sentiu seu corpo todo tremer, a mesma sensação da noite anterior após expulsá-la de seu carro, uma sensação de... Preenchimento — Está... Errado!

 

— Errado! — Ela quase gritou e o olhou feio. — Meu Kami-Sama Sasuke, eu não aguento mais essa porcaria, eu preciso passar nessa maldita prova, mas eu não consigo fazer isso que droga. E eu não estou com a cabeça muito bem hoje — Ela encostou-se na cadeira e fechou os olhos suspirando. — Posso ir embora?

 

— Você quer conversar? — Ele perguntou sem olhá-la, mas ela lhe olhou. — Eu sei que não sou a pessoa certa, mas se você quiser falar...

 

Sakura sorriu de canto, ele voltou a sentar em sua cadeira e olhá-lo também. Ambos se encararam com expressões diferentes, ou talvez não. Sasuke a olhava cheio de amor queria acalentá-la em seus braços, balançá-la e cuidar de seu corpo, e sua alma, mas não podia. Infelizmente.

 

Já ela. O olhava cheia de admiração, que espécie de homem Sasuke era? Que tipo de homem se coloca para escutar uma mulher falar, e falar sobre sua vida pessoal, amorosa, ou até empresarial? Como Sasuke poderia existir? Ser tão gentil, bonito, inteligente, e tão humano...?

 

— Acho que você não ia querer ouvir sobre minhas bobagens, afinal, eu tenho que começar a controlar meus chiliques irritantes, não?

 

— É verdade — Ele concordou na hora deixando Sakura irritar-se lentamente. — Mas, quando alguém precisa falar, ela talvez precise de alguém para escutar.

 

— Eu tenho várias amigas, sabia? — Ele concordou com a cabeça desviando o olhar. — E você ainda fica se perguntando por que eu achei que você fosse gay não é? — Sasuke a olhou. — Sasuke, homens como você só existem em livros. — Completou sua conclusão arrumando suas coisas. — Admito que você seja uma pessoa diferente. Desculpa achar que você fosse gay, mas eu não... Consigo pensar em outra coisa. — Sakura levantou-se da mesa deixando um Uchiha confuso, mas antes de dá um passo ela voltou-se para ele. — Pode me encontrar amanhã uma hora mais cedo, eu quero passar mais tempo estudando... Eu preciso. — Sussurrou e virou as costas indo embora.

 

Sasuke vislumbrou o desfile de Sakura até a saída da biblioteca, seu coração batia a mil por hora, Sakura conseguiria fazê-lo um dia ter um ataque cardíaco, sem nem saber...

 

— Droga — Ele sussurrou para si mesmo, realmente precisava tomar coragem para dizer o que queria, antes que fosse tarde demais.

 

.

.

 

Lá fora quando Sakura saiu, ela parou um pouco encostada na parede, ela tinha que tomar uma decisão quanto a Sasuke, mas aquilo ficaria para depois, pois o que ela queria mesmo saber era como se livraria de Sasori sem ter que dormir com ele... Ela poderia sim dormir com seu namorado, isso era normal, muito normal, mas ela não tinha segurança com ele, então? Como?

 

Passou a caminhar em direção ao ginásio mesmo não querendo ver Sasori naquele momento, mas precisava ir, precisava que todos a vissem ali, e pensasse que estava tudo bem entre ela e Sasori. Passando pelos corredores, era avistou Yuno, a morena estava escorada na janela via alguma coisa lá em baixo. Parecia triste, não se importou.

 

Quando chegou ao ginásio, os gritos de Sasori com seus jogadores eram ouvidos, avistou ele correndo para pega a bola e assim que alcançou foi aplaudido de pé por todos. A Sasori, como não amar aquele ruivo gostoso todo? Ela sorriu.

 

Desceu as escadas encontrando Ino sentada ali, passava sua maquiagem e assim que terminou guardo-a. Deu um sorriso quando Gaara passou correndo e lhe jogou um beijo, Sakura sorriu de canto meio triste, tinha inveja daquilo, ela queria ser amada daquela forma também. Se aproximando, teve a visão de Ino lhe sorrindo e levantou-se para cumprimentá-la.

 

— Sakura, que bom que chegou, vamos indo, Gaara me deixou ir sem ele, apenas porque é com você. Então vamos que eu quero comprar uma coisa para ele. — Disse puxando a rosada, Hinata estava sentada do outro lado das arquibancadas ao lado de uma loira que todas conheciam como irmã do Naruto: Naruko.

 

.

.

 

Quando ambas sentaram-se à mesa do shopping, Ino inspirou o ar que corria ali e sorriu amarelo para Sakura que se mantinha tão tímida que chegava a espantar.

 

— Tá sentindo esse cheirinho no ar, Sakura? — Ino sorriu abrindo os braços. — Eu vim ao shopping sem Gaara pela primeira vez em séculos. — Ela sorriu boba e depois olhou a amiga. — Não que eu não goste de vim com ele, mas eu estou feliz. — Sakura confirmou com a cabeça, bebendo um pouco de seu suco. — Então, o que queria falar comigo, amiga? Pode bota tudo para fora.

 

— Ino — Sakura deixou o copo em cima da mesa e depois suspirou. — Eu estou meio confusa, sabia? — Ino pegou seu copo de suco e bebeu uma golada grande, primeiro porque Sakura ia mesmo desabafa para ela, e segundo, Sakura ia mesmo desabafa para ela. — Eu e o Sasori brigamos.

 

— Por quê? — Perguntou curiosa. Se Sakura estava mesmo se abrindo, ela ia querer nos mínimos detalhes.

 

— Ino, ele quer que a gente... Bom que a gente... — Gaguejou meio tímida. Como falar desse assunto em um ambiente público? — Ele...

 

— Ele quer transar com você? — Ino pareceu incrédula. — Vocês namoram a mais de dois anos Sakura, você é virgem menina? — Praticamente gritou, Sakura corou, Ino percebeu a burrada que tinha feito, se ajeitou na cadeira e bebeu mais um gole antes de falar: — Eu não estou acreditando nisso.

 

— Mas é verdade, eu nunca me sentir à vontade para... Você sabe, e ele nunca me deu segurança para esse ato. Quando iniciamos nosso namoro, ele disse que ia me esperar, só que de uns dias para cá, ele tem se comportado diferente, e hoje ele queria fazer isso na escola, e eu disse não, então ele me disse que me daria um mês para que eu decidisse transar com ele, se não a gente terminava.

 

— Falar devagar. — Ino pediu analisando cada palavra. — Sakura você não pode dormi com Sasori se ti se sentes insegura, e ele não pode fazer isso. Isso só demonstrar amiga, que Sasori não é pra você.

 

— Não começar com isso de novo. — Sakura lagrimou. — Eu amo o... — Hesitou em fala Ino arregalou os olhos. — Eu amo o Sasori. — Completou, a loira revirou os olhos. — Não quero que a gente termine, mas também não quero... Você sabe.

 

— Sakura, Sasori não ama você amiga, ele nunca amou, escuta-me, pelo amor de Deus.

 

— Me escuta você...

 

— Não. Você que tem que escutar. — Gritou um pouco mais alto, Sakura a olhou assustada, Ino nunca levantava a voz. — Ele não é homem para você Sakura, eu já o vi mil vezes traído te traindo. Avisei, mas parece que você está hipnotizada por ele.

 

— Estou apaixonada.

 

— Estar apaixonada Sakura, não quer dizer aceitar uma traição, droga. Cadê o seu amor próprio? — Ino perdeu a paciência mais logo se recompôs. — Sakura, estar apaixonada e se sentir segura apenas com o olhar que a pessoa lhe lança. Você se sentir bem quando está com ele, se senti como se tivesse nas nuvens. E o melhor, você sentir uma eletricidade atordoante quando ele te tocar, sente seu coração ferver de tanta palpitação.

 

Sakura analisou aquelas palavras proferida da amiga, nunca tinha se sentido segura ao lado de Sasori, e nas nuvens, não, nem o beijo de Sasori deixava Sakura assim, ela se sentina feliz. Sentia-se como se seu coração batesse mais rápido, mas não tinha sentindo essa eletricidade passar por seu corpo, se bem que...

 

— Não... — Sakura lembrou-se de Sasuke naquele momento, a tensão que subiu quando ele a tocou para tirá-la do carro, e raiva se apoderou em seu coração quando ele a tratou mal de propósito. Ele tinha perdido seu encanto. Ou quase.

 

— Eu... Nunca gostei do Sasori, Sakura. Ele para mim, não é e nunca foi homem para você, mas... Se você o ama, deve fazer o que ele quer, afinal, se você passou três anos com ele, deve ter o motivo, e por um lado ele tem razão.

 

— Tem razão? Razão de que?

 

— Vocês já deviam ter avançado. — Avisou e depois abaixou a cabeça mesmo odiando Sasori, ele tinha razão. — Agora, vamos às compras.

 

— Você ficaria bem sozinha? — Ino cuspiu o suco em cima da mesa, Sakura estava se recusando a comprar? — Quero ir para casa.

 

Sakura nem esperou resposta, pegou sua bolsa e deslizou da cadeira indo embora, não queria fica ali de jeito de nenhum, queria ir para casa, e tomar um banho frio, tentar dormi um pouco e pensar muito no que fazer.

 

Ino havia dito somente verdades, nunca gostou de Sasori e dizia com todas as letras e com mil provas nas mãos que Sasori a traia. Mas como sempre, Sakura acreditava somente no que via. E nem vendo, ela aceitava que aquilo fosse verdade. Suspirou cansada novamente.

 

Ela somente queria ser amada. Ter conforto nos braços de um homem, ter um sorriso gentil, alguém para conversar. Para lhe ajudar a subir na vida, e não alguém que a maltratasse todas as vezes que via. E a proposta de Sasori? Como iria se livrar daquilo? Daria um jeito pensaria em qualquer coisa, mas jamais se deitaria com alguém sem ter certeza. E se tudo que ela pensar, não desse certo, Sakura terminaria com Sasori, mesmo o amando do fundo do seu coração.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...