História O Nerd da Escola - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Clichê Amorzinho, Sasusaku
Visualizações 171
Palavras 2.540
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Sete


Fanfic / Fanfiction O Nerd da Escola - Capítulo 7 - Sete

Quando Sakura chegou ao destino que seria o encontro, ela logo percebeu que não seriam realmente só eles dois, pois havia uma mesa com muitos lugares e vários amigos de Sasori estavam ali, não só eles como suas namoradas também, ou seja, suas amigas também estavam presentes.

Ela procurou sentar ao lado de Ino, esperou que Sasori a procurasse sentasse ao seu lado, mas não o fez, ele preferiu ficar com seus amigos, bem distante de Sakura.

 

— Então Sakura minha amiga, você acha que está tão arrumada para um encontro com amigos? — Ino perguntou encarando a amiga, Hinata que estava à frente ao lado do namorando debruçou-se na mesa para escuta sua resposta também.

 

— A é que eu achei que... — Sakura se calou no mesmo momento, ela não ia dizer a suas amigas que achava que seu namorado iria levá-la para um encontro a dois, e na realidade a levou para ali, o orgulho que tinha de si própria, e de seu namoro falou mais alto. — Achei que seria bom, eu vim realmente arrumada, afinal, eu sou a namorada do Sasori, o capitão do time, não? — Falou animada. As meninas assentiram.

 

Sakura passou a maior parte da noite ali, sentada no meio de dois casais que se beijavam a todo mundo, um love só. Nunca iria admitir mais tinha inveja do romance das amigas. Ela olhava de vez enquanto para Sasori, que se preocupava mais com quantos copos de Martini que iria tomar do que com ela que estava ali.

 

— Meninas, eu acho que eu já vou. — Sakura levantou-se respirando profundamente. — Eu não me sinto bem.

 

Nenhuma das amigas disse nada, Sakura não parecia feliz e nenhuma queria pergunta o que estava acontecendo, sabia que ela iria mentir, e nunca dizer o que realmente estava acontecendo consigo mesma.

 

Ela saiu do estabelecimento sem nem ao menos falar com Sasori, pois quando pensou em avisá-lo, ele estava em uma disputa serrada para saber quem bebia mais rápido. Ao sair, ela caminhou pela calçada lentamente,
abraços os braços sentindo frio, e continuou a andar sem dá importância a qualquer coisa. Como por exemplo, onde ela estava.

 

Bem perto dali, Sasuke acabava de comprar mais um de seus livros prediletos, e a última revista do seu mangá preferido já lançado, cheio de orgulho, ele pagou e caminhou em direção à porta, ao sair ele dá de cara com certa pessoa que toma um susto quase gritando. Ele sorri. E ela quase enfarta.

 

— QUER ME MATAR? — Berrou ela. Sasuke a olhou surpreso, mas logo sorriu voltando a caminhar. — Vai me ignorar? — Gritou de novo.

 

Ela perguntou incrédula, mesmo Sasuke não sendo um ninguém para ela, não iria admitir que ele a ignorasse como estiva fazendo. Já Sasuke preferia ficar e conversar com sua amada. Mas uma das dicas de Yuno, tinha sido: “Se você encontrar ela fora do colégio, a ignore”. Então era isso que ele estava fazendo.

 

— Ei — Sasuke parou de caminhar, mesmo querendo seguir a regra da amiga, ele não poderia simplesmente olhar para frente e ir embora ignorando a mulher que ele amava, ainda mais linda do que jeito que estava. — O que faz aqui?

 

— Oi? — Ele se virou para ela ajeitando sua bolsa nos ombros — O que você faz uma hora dessas na rua? — Ela bateu o pé.

 

—Perguntei primeiro. — Sasuke riu.

 

— Eu estava na... Livraria — Ele corou desviando o olhar. — E você?

 

O orgulho de Sakura novamente a impediu de dizer a verdade ela encarou Sasuke com uma expressão de superioridade, mas ela sabia o quão longe ela estava disso. Suspirou quase derrotada.

 

— Estava dando uma volta, me sentir sozinha.

— Uma mulher como você não devia andar uma hora dessa sozinha é perig...

 

— Como assim uma mulher como eu? — Sakura bufou. — Tá querendo dizer o que? — Foi à vez dele bufa, mas sorriu em seguida.


— Quero dizer uma mulher bonita, como você e, cheias de coisas para roubar, não devias andar só... Compreendeu?

 

Sakura cruzou os braços e virou o rosto, Sasuke ficou por alguns segundos a olhando e depois virou as costas para ir embora, mesmo preocupado, ele iria seguir o conselho da amiga, já que os seus próprios não davam certo. Já Sakura queria mais da atenção dele, assim como era nas aulas, ela já tinha passado a noite inteira sem atenção, e ser rejeitada até pelo nerd da escola era bem difícil.

 

— Ei — Gritou por ele, Sasuke somente parou. — Preciso que me leve em casa.

 

Sasuke sorriu “Yuno Tinha Razão”. Ele se virou para ela e arqueou uma sobrancelha.

 

— Não é assim que se pedi um favor.

 

— Favor? Será um favor para você, me leva para casa. Você era quem devia pedir favor para levar-me para casa.


Sasuke a olhou incrédulo, e se perguntou por qual motivo tinha se apaixonado por ela. Sakura era orgulhosa demais para qualquer coisa que ia dizer, e ele odiava aquilo. Porém, conseguia ser mais orgulho que ela.

 

— Não estou afim — Ele riu de canto. — Só se você pedir: por favor.

 

— Nem morta.

 

— Adeus.


— Não! — Ela começou a correr atrás dele. — Espera. Eu não sei onde mais ou menos eu estou, será que você só pode me levar? É rápido. — Falava enquanto corria. Seu salto já machucava o pé, mas descer do salto? Nem sonhado.
 

— Peça: Por favor. — Falou em meios aos risos, Sasuke não precisava mudar somente si próprio, mas também ela.

 

— Ok — Ela parou tirando os saltos — Por favor. Dar-me uma carona até em casa?

 

Continuava a correr, foi então que Sasuke parou sorrindo e ao se virar, seus corpos colidiram, Sakura tombou para trás e só não caiu por que Sasuke a segurou rápido. Os corpos colaram e o rosto também. Sasuke corou tanto que parecia um tomate, a mulher da sua vida estava em seus braços, seus lábios estavam próximos. Ela estava tão próxima, os olhos dela brilhavam junto à claridade da lua, ela estava linda.

 

Seu rosto de anjo era a coisa mais perfeita do mundo para Sasuke, aquela aproximação repentina, só serviu para Sasuke se lembrar dos motivos que tinha para amar aquela mulher. Já Sakura, se viu perdida dentro da imensidão negra dos olhos de Sasuke, no momento, ela pode perceber que ele não usava os óculos e, ficou admirada, com aquele olhar puro, inocente, sexy, encantador, e cheio de... Amor?

 

Ela estava tão próxima a ele que podia sentir a respiração do mesmo, desceu seu olhar dos olhos para os lábios meios rosados carnudos e convidativos, mordeu os seus querendo muito saber o sabor daquela boca. Ela tocava nos braços dele, e no momento, pode perceber que Sasuke não era tão magro, pelo rosto que foi admirado, ele não era nem um pouco sem graça, ou feio, ou qualquer palavra que ela já tenha dito.

 

Ele era lindo, mais lindo de qualquer outro homem que ela já tinha visto. Mas, falar isso era o problema, as palavras sumiram de sua cabeça no mesmo instante. Ambos estavam próximos, encaravam seus lábios com desejo.

 “O que eu faço?”.


Pensaram ambos, sem deixarem de olhar um para o outro.

 

.

.

 

    Sakura ainda encarava Sasuke sem saber o que dizer. Talvez nem se ele tivesse de óculos, não a impediriam de vislumbrar, e ter o belíssimo deleite de observar mais de perto os olhos negros do Sasuke naquele momento único. Nunca pensou que veria uma beleza como ao do homem a sua frente, ele era deslumbrante, seus cabelos caiam sobre o rosto do menino cobrindo o mínimo de sua pele levemente iluminada pela luz da lua naquele momento.

 

Seus lábios entreabertos faziam-na arrepiar-se quando ele expirava profundamente, seu hálito quente, fazia arrepia-se quando tocava em sua pele, os braços em volto de sua cintura, braços fortes, mais fortes do que aparentavam ser dentro daquele sobretudo enorme que vestia. Ela corou envergonhada, não pôr está tão perto daquele menino, e sim porque a beleza nunca vista daquele ser, se revelava naquele momento incrível. Ela umedeceu os lábios, arfando quando ele desviou o olhar do dela para encarar seus lábios.

 

Sasuke nunca em sua vida teve tão perto da mulher que amava como estava naquele minuto, os olhos verdes da garota refletiam o brilho da lua que estava no céu. Sasuke teve vontade de puxa-la mais para perto e ataca-la com seus lábios.

 

Mas não podia, o que pode fazer naquele momento, foi confirma de perto, o que sabia de longe, os traços perfeitos do rosto dela estavam mais atentos, e mais lindos naquela noite, para ser mais exato, Sakura estava mais maravilhosa do que ele se lembrava de que era, naquela noite, naquele momento, em seus braços.

 

Em seus braços.

 

Há dois minutos, Sakura em seus braços, era uma piada das grandes, agora, era um controle a ser tomado. Sua vontade de agarra-la e encostá-la naquela parede atrás da mesma foi alta, foi grande, fora enorme, mas ele não poderia mesmo.

 

Primeiro: porque respeitava aquela patricinha que o deixava irritado? Ela tinha um namorado babaca, e tinha certeza que tenta beijá-la naquele momento estragaria quaisquer chances dele, e o respeito que sentia por ela, e a honra por ter um pinto entre as pernas. Jamais agarraria uma mulher sabendo a quão compromissada ela era.

 

Segundo: Ele mesmo não parecendo, era um cara romântico demais da conta, ele sonhava em beijá-la como se sua vida dependesse daquela. Mas não queria que o primeiro beijo dos dois, fosse em uma rua deserta, em uma madrugada fria, com somente ele desejando aquele ato.

 

Não a beijaria, sem antes dizer o que pensava dela, sem antes recitar um de seus milhares de versos e poemas que escrevia para ela em casa, sem antes olhá-la nos olhos, e dizer o quando gostava do sorriso dela, em como ela parecia um anjo que cairá na terra sem Deus ter controle, sem antes dizer o quanto ele a amava, sem a rosada saber. E naquele momento, Sasuke não estava pronto para dizer tudo aquilo.

 

Ele ainda não estava pronto para dizer que a amava, não tinha coragem, para dizer o que queria dizer, por isso, ele não poderia falar aquilo, não naquele momento. Mas naquele instante mesmo, ele prometeu a si mesmo, que ele se declararia para aquela mulher, nem que para isso ele parasse o mundo.

 

Naquele instante mesmo ele percebeu, e concluiu pela milésima vez, Sakura poderia ser a mulher mais mesquinha, mais antipática, mais patricinha, mais tudo de ruim que alguém concluiria, mas ela era dele. Somente dele, e não era Sasori quem o deixaria desistir dela.

 

Assim ele repetia em sua mente.

 

Ele encarou os olhos dela pela última vez, e depois, soltou um pouco seu braço da cintura fina, fechou os olhos, sentindo aquilo doer mais em si, soltá-la, assim, sem fazer nada, era difícil demais.

 

Ele mordeu os lábios, e ainda de olhos fechados, ele a soltou, bem lentamente, ouviu um suspiro dela, mas talvez fosse o seu. Ele inspirou o ar da rua, e virou-se de lado, botando as duas mãos no bolso, para poder se controlar melhor.

 

— Desculpe. — Fora o que soltou em seguida, ele olhou para frente, vendo algumas mulheres bêbadas indo em direção oposta a eles, cantando uma música que só elas sabiam.

 

— Hm — Ele a olhou de conto de olho, ela revirou os olhos e depois mordeu os lábios, ele apertou os punhos dentro dos bolsos. — Isso não irá se repetir — Completou, ela.

 

Sasuke foi quem mordeu os lábios dessa vez, reprimindo o gemido de insatisfação, claro iria se repetir e, da próxima vez ele a beijaria, a encheria de beijos, não simples beijos, mas beijos cheios de amor, cheios de carinhos, ternura, paixão, carregado de desejo, o carinho que ela merecia.

 

Ele inspirou o ar novamente e virou-se de frente para ela, a viu mordeu os lábios, ele mordeu os dele também, não queria falar mais nenhuma besteira na frente dela, e vê-la mesmo que fosse por segundos, o fazia torna-se um bobo. Ele a olhou dos pés à cabeça, ela estava descalça, seu vestido estava desalinhado em seu corpo, ele sorriu com aquilo, aproximou-se dela lentamente e não a viu mover um dedo para se afastar, parou a centímetros dela, e gentilmente abaixou-se, pegando seu salto que estava largado ali no chão.

 

Só então Sakura percebeu que estava descalça, havia se esquecido do mundo naquele momento em que seu corpo colidiu com o do moreno, ela havia se desestabilizado, tinha perdido a noção do tempo, da razão de tudo a sua volta, até de si própria. Ele a tinha tocado, e o que ela esperada sentir repulsa, ela sentiu algo que nunca havia sentindo antes; uma sensação de segurança percorreu por seu corpo pequeno naquele momento, seu sangue pareceu se descontrolar enquanto caminhava pelas veias. Ela se sentiu imponente e completamente entregue ao seu toque.

 

Quando ele encarou seus lábios, mais de uma vez, ela quase implorou para que os dele encostassem-se aos seus, mas claro que ele não podia fazer aquilo, e logico que ela nunca admitia aquilo para si mesma, e muito mesmo em voz alta, logo dissipou aqueles pensamentos.

 

Ele pegou a bolsa que ela tinha nas mãos, e virou ás costas começando a caminhar, Sakura ficou parada sem saber o que fazer, ele estava se afastando, e por alguma razão, ela não queria que ele se afastasse, afasta? Porque ele estava fazendo aquilo? Ela deu um passo com a mão estendida, e só então o viu vira-se em sua direção, ele levantou uma sobrancelha, e ela voltou sua mão encostando-se a seu peito, indecisa do que fazer, do falar, para o que olhar.

 

— Você quer uma carona para casa? — Ele pronunciou Sakura levantou um pouco o rosto, ainda com o olhar no dele, sem ter forças para desviar. — Meu carro está do outro lado da rua, se você quer mesmo ir, tem que vir agora.

 

Seu tom de voz era rouco, autoritário, Sakura estreitou os olhos, mas não quis falar nada, deu um passo, deu outro, e mais outro, chegando perto do Uchiha, o olhar firme dele não saia dela, e ela se estremecia toda com aquele ato.

 

Logo estavam lado a lado, e ele andou um pouco para atravessar a rua. Quando finalmente o fizeram Sasuke destravou o carro, abriu a porta atrás da do passageiro, colocando a bolsa da menina e os saltos que ela usava, em seguida a fechou e fora em direção a porta do passageiro, abriu para a garota entrar, e a encarou.

 

Sakura a olhava de boca aberta, e não sabia por que. Ele estreitou os olhos sem saber o que dizer, ou o que falar, vendo aquelas atitudes da menina, não sabia como agir, ficou em silêncio esperando sua boa vontade. Sakura estava demasiada confusa com tudo o que acontecia, porque Sasuke, mesmo depois de ela o tratar mal, estava sendo tão gentil com ela?

 

Voltou a olhá-lo novamente e o viu encarando-a por completo, manuseou a cabeça mandando-a entrar, logo ela lembrou que ele fez o mesmo com Yuno naquele mesmo dia, ela fechou a cara de repente e pisou duro até o carro e entrou sentando-se ainda com raiva. Sasuke fechou a porta estranhando a atitude da mulher, mas não falou nada, entrou no carro e deu partida logo depois, sem dizer uma palavra eles seguiram seu destino.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...