História O Nerd da Escola - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Clichê Amorzinho, Sasusaku
Visualizações 150
Palavras 2.133
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Oito


Fanfic / Fanfiction O Nerd da Escola - Capítulo 8 - Oito

O relacionamento que Naruto tinha com sua namorada Hinata, era o que ele mais pretendia levar a sério. Ele sempre foi um garoto mulherengo, sempre andou pegando todas ás que queria, não só da escola como as meninas da rua onde morava, e até das outras escolas quando eles jogavam fora.

 

Mas, quando conheceu a Hyuga no seu primeiro dia de aula, ele simplesmente se apaixonou. Claro que foi zoado quase o ano inteiro quando seus amigos descobriam, e quando ele teve finalmente a coragem de confirma isso em voz alta. Mas o problema depois de admitir era dizer a garota, Hinata era um anjo ao qual ele tinha sonhado sua vida inteira, e mesmo tão novo com apenas quinze anos de idade, ele se colou em um caminho sem volta.

 

Declarando-se na frente de todos, as pessoas esperavam um pedido de namoro que fosse o mais bonito da história da escola, mas todos se surpreenderam com o pedido repentino de casamento do loiro.

 

Todos se calaram quando ouviram a proposta. Tamanha fora a surpresa de Hinata que precisou de minutos para assimilar o que tinha sido proposto a ela, quando o Uzumaki achou que ela diria não, ela o surpreendeu, dizendo que amava ele, e o beijou, aceitando alegremente sua oferta de casamento.

 

Eles já faziam três anos de noivado, e nunca haviam brigado, era um casal que para tomar uma decisão eles precisavam um do outro, eles levaram aquele noivado a sério, e se casariam assim que terminassem a faculdade, assim eles sonhavam.

 

— O que achou da noite? — Ele perguntou assim que saíram do bar em que estavam de mãos dadas, e com um sorriso no rosto.

 

— Achei ótimo, gostei de vir com você, apesar deu não gosta muito dos seus amigos — Ela confirmou algo que o loiro já sabia, ele sorriu de canto — Só achei estranho Sakura ir embora.

 

— Hm — Naruto mordeu os lábios, e depois parou de andar olhando a noiva o olha confusa. — Eu nunca escondi nada de você né? Desculpa-me por não contar sobre a ligação.

 

— Ele estava com outra não é? — Naruto confirmou e virou o rosto. — Eu sabia. Sasori sempre traiu a Sakura, mas mesmo eu e Ino a alertando do vadio que a traia sem motivo, ela não fala nada, e ainda diz para nós duas que estavam com inveja dela, por namorar aquele crápula. — Ela virou-se para a rua e depois encarou o loiro — E você não deve mentir tá ouvindo?

 

— Eu não queria mentir — Ele riu de canto começando a andar novamente — Só que... Hinata, eu tenho alguns motivos, e não queria te contar agora, por favor.

 

— Tudo bem, eu entendo. — Hinata era compreensiva sabia que o noivo precisava às vezes de tempo para pensar nas coisas que fazia, e principalmente no que iria fazer, e sabia que assim que tomasse qualquer decisão ele a procuraria para saber se estava certo, sempre foi assim.

 

Andando calados, ambos pararam quando conheceram uma cabeleira rosa atravessa a rua descalça a pensar duas vezes em entrar no carro que fora conduzido por um homem que Hinata julgou ser lindo, Naruto abriu a boca em perfeito O apertando a mão da namorada.

 

— Você também viu aquilo? — Gritou Naruto, quando o carro se afastou.

 

— Claro, é o nerd da escola. — Sorri maliciosa.

 

— Nerd? Aquele cara é o novato, amor? —Sussurrou. — E ele já chegou pegando a Sakura.

 

— Naruto. — Hinata o puxou de uma vez fazendo-o a olhar. — Aquele menino estuda com a gente desde primário caramba. Ele não é nenhum novato, e ele não está pegando a Sakura, estava dando uma carona é diferente.

 

— Que seja! Não vamos nos importar com isso, eu sei que ela é sua amiga, mas não se meta com a Sakura, e nem com Sasori, quando se tratar de relações amorosas.

 

Naruto sabia o quão vadio, Sasori poderia ser. Já tinha presenciado términos de namoros propositas por culpa de Sasori, e ele não arriscaria nem um segundo, seu noivado com Hinata.

 

Dentro de carro, Sakura estava inquieta, por algum motivo desconhecido, Sakura estava irritada dentro daquele móvel, sentada no mesmo lugar que Yuno já tinha sentado, ela suspirou mais uma vez raivosa, e abraçou os braços.

 

— Está com frio? — Sasuke perguntou quebrando o silêncio naquele momento, ele a olhou de canto de olho, e ela o olhava fazendo um biquinho raivoso.

 

Sakura não entendia, porque aquele menino era tão bonito, fofo, inteligente e gentil ao mesmo tempo, ele não poderia ser só bonito, o nerd que a ajudava na escola? Mas não, ele tinha que ser bonito, e ser gentil ao ponto de Sakura ranger os dentes. E virar-se para frente com raiva.

 

Sasuke não compreendia de jeito nenhum as reações e ações da Haruno, queria falar com ela, puxa algum tipo de assunto, mas nada passava em sua cabeça, respirou fundo apertando o volante, ele não podia ser tão covarde assim.

 

Já Sakura estava tendo uma briga interna, primeiro ela começou pelo iniciou da noite? Ela iria sair com Sasori, mas ele acabou levando-a para um bar, onde acontecia uma reunião entre amigos, ficou chateada e entediada, foi ignorada e então resolveu ir embora, encontro o nerd da escola, e fora ignorada por ele, e ao pedir ajuda do mesmo, ele se recusou, fazendo-a correr e pedir, por favor, depois os corpos estavam colados, e uma sensação tinha coberto sua mente, implorou com a vontade que não tinha, que ele a beijasse, mas ele nem aproximou os lábios, e agora estava sendo levada para casa dentro do carro dele, com o mesmo olhando-a de canto de olho, ele era bonito demais, gentil de mais, e tinha olhos lindos, e para piorar, ele tinha aberto a porta do carro para ela, e perguntado se ela estava com frio.

 

Não? Aquele menino não existia, ele não poderia existir, meninos assim estavam extintos, há? Então, Sasuke só poderia ser mulher.

 

O que? Não, logico que não, claro que não, que ideia ridícula, mulher ele não era. Tá bom, se ele não era mulher, e estava sendo tão gentil daquele jeito, olhou-o novamente, seus cabelos arrumados, sua roupa em passada, tênis de marca, pele bem macia. Não. Sasuke não poderia, quer dizer, sim ele era gay.

 

Só podia.

 

Nem beijar, ele fez menção quando estavam próximos, e ele tentou ignorá-la. Sim, ele só poderia ser gay. Isso explicaria tudo, um homem não poderia ser tão gentil a ponto de fazer o que fez. Então com os olhos arregalados e supressos pela descoberta recente ela se virou para ele.

 

— Você é gay? — Ela perguntou diretamente, fazendo Sasuke quase perde a direção, freio rapidamente fazendo ambos os corpos iram para frente, e depois volta — Cuidado!

 

— O que você perguntou? — Ele a encarou incrédulo, sem acredita que aquela pergunta tinha vindo da garota que ele amava. Só poderia ser brincadeira.

 

— Se você é gay? — Perguntou de novo, ele respirou fundo, e olhou para o outro lado, botou a cabeça para fora do carro e perguntou a Deus, porque a vida dele era tão complicada? O que ele tinha feito para a menina que ele amava achar que ele era gay? — Se não quiser falar tudo bem.

 

Sasuke voltou a olhá-la, ela encarava algum ponto lá fora, ele respirou fundo, e voltou a dirigir. Perguntou-se novamente o que ele tinha feito para ela chegar a aquela conclusão, e então cansado de pensar ele resolveu simplesmente pergunta.

 

— Porque você achar que eu sou... Gay? — Murmurou.

 

— Tá na cara! — Ela voltou-se para ele — Seus cabelos são lindos, e arrumados, você usa roupas de marca muito arrumadinhas, e você é muito gentil.

 

— Eu ser gentil, significa que seja gay?

 

— Os meninos nunca são assim. Eles nunca abririam a porta do carro, e muito pior ajudariam com o salto, você o trouxe, com certeza Sasori nunca faria isso por mim. — Explicou quase em sussurro, Sasuke a olhou brevemente.

 

Maldito Sasori.

 

— Os meninos de hoje em dia não s..

 

— Os meninos de hoje em dia, que você convive são assim Sakura. — Disse firme, fazendo a garota arregalar os olhos — Eu não sou gay.

 

Proferiu ainda mais sério, Sakura corou sem parar de olhá-lo, Sasuke pareceu ofendido, não que a fizesse se sentir culpada, mas sentiu algo pior em seu peito. Sentou-se direito do bando com a cabeça baixa, pensativa.

 

Sasuke mordeu os lábios com raiva, porque sempre ela o compararia com o Sasori? Ele não era Sasori, nem um moleque, e muito menos gay. Mas da onde ela tinha tirado aquela conclusão? Ele olhou-se rapidamente, roupas de marca, ele sempre usou, e claro que usaria as mesmas arrumadinhas e passadas, por qual motivo ele iria sair por aí desarrumado?

 

Ele inspirou novamente, porque, porque, mas só queria saber por que ela chegou à pergunta se ele era gay, um homem ser gentil agora era ser gay? A só podia está de brincadeira. Ele voltou a encará-la, iria pergunta umas coisas a ela quando percebeu a confusão que estava o rosto da menina.

 

Ela parecia triste, abalada, muito diferente da Sakura que estava agora pouco o chamando de gay, ele deu um sorriso de canto, mesmo com raiva, não deixaria a menina que ele gostava triste quando ele estivesse ao lado dela.

 

— Onde é a sua casa? — Ele perguntou quebrando o silêncio, ela pareceu acordar, e se irrita, já que o olhou brava.

 

— Como assim onde é a minha casa, Sasuke? — Ele sorriu ao vê-la com raiva, e sorriu ainda mais, ou ouvi-la pronuncia seu nome. — Todo mundo sabe onde é a minha casa, porque justamente você não sabe?

 

— Por que justamente eu... Não sou todo mundo. — Ele sorriu de canto e a viu dar-lhe uma tapa em seu ombro, seguida de outra. — Mas o que...

 

— Porque você tá falando assim comigo...? Tá parecendo os meninos de hoje em dia. — Começou a gritar e bater nele, ele sorriu. — Como assim um menino que estuda junto comigo, não sabe onde é a minha casa? Caramba, eu sou a menina mais popular daquela escola, todo mundo sabe onde é a minha casa, e é só entrar no meu bairro para vê-la, e grande vermelha bem no centro, eu não acredito que você não sabe.

 

— Chegamos — Ele freou o carro e Sakura parou de bater nele olhando em volta, estava em frente à sua casa. A rosada parou um pouco, e percebeu que no caminho, depois dele pergunta, ela começou a grita e bater nele, e em nenhum momento ela disse onde era — Não vai sair? — Sakura olhou para o lado do motorista, e Sasuke não estava mais lá, olhou para o outro lado, a porta estava aberta e ele estendia sua mão para ela. Sakura tocou em sua mão e sentiu uma eletricidade passar rapidamente por sua espinha.

 

Assim que estava fora do carro, e tentando entender o que seu corpo queria dizer, ela sentiu seu salto contra sua barriga e logo em seguida sua bolsa ser jogada quase em seu rosto, ela encarou Sasuke depois de tirar o pano de sua cara.

 

— Você ficou louco? — Sakura gritou ainda mais alto, Sasuke não sorriu, apenas começou a caminhar. — Você vai me ignorar, depois de jogar minhas coisas assim em cima de mim?

 

— Ora — Sasuke abriu a porta do seu carro e encostou-se a mesma. — Não é assim que os meninos de hoje em dia são? Eles são maldosos, e te ignoram? — Sakura arregalou os olhos enchendo-os de fúria.

 

A verdade é que Sasuke queria mostra a ela, a diferença entre os meninos que ela estava acostumada a lidar, e ele, que não fazia parte do mundo fútil que Sakura vivia.

 

— Seu ridículo, você disse que não era assim. — Gritou raivosa, e Sasuke arregalou os olhos assustados.

 

— Acho que eu sei por que eles te ignoram; você dá medo sabia — Provocou-a, Sakura pegou um de seus saltos tentando o acerta, mas errou Sasuke se abaixou a tempo. — e também é violenta.

 

— Maldito — Ela gritou tacando o outro. — Eu achei que você fosse diferente.

 

— Você achou que eu era gay. — Ele ficou sério e Sakura engoliu a seco. — Você precisa aprender a diferenciar as pessoas ao seu redor, nem todas estão prontas para seus chiliques irritantes.

 

Disse por fim, deixando a Haruno parada. Sasuke sabia que não podia falar daquela forma com ela, e nem queria, não era seu jeito, mas ela merecia, porque os meninos gentis, românticos e amigos, são considerados Gays? Um menino, não pode ser amigo, não pode ser carinhoso, e não poder tomar atitudes de homem da frente da menina que gosta sem ser dominado gay?

 

Sasuke a viu pelo retrovisor, ela murmurou algo que ele não entendeu, e depois se abaixou passando as mãos pelos cabelos, com certeza as palavras que dissera a ela ecoariam pela cabeça da rosada á noite inteira, e ele se lamentaria, por ter sido duro com a sua amada.

 


Notas Finais


Deem uma olhada em minha outra fanfics, tema de corrida, carros, Sasuke e Sakura que se odeiam, mas se amam, um romance bem amorzinho https://spiritfanfics.com/historia/ela-e-perfeita-9744859


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...