História O nerd da minha vida - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carrossel
Personagens Adriano Ramos, Alícia Gusman, Bibi Smith, Carmen Carrilho, Cirilo Rivera, Daniel Zapata, Davi Rabinovich, Jaime Palillo, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Laura Gianolli, Marcelina Guerra, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Mário Ayala, Paulo Guerra, Valéria Ferreira
Tags Carmem Carrilho, Carrossel, Cirilo Rivera, Ciriquina, Daléria, Davi Rabinovich, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Nerd, Paulo Guerra, Romance, Valéria Ferreira
Exibições 51
Palavras 1.653
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Leiam as notas finais e espero que gostem!

Capítulo 22 - Capítulo 22


Anteriormente em O nerd da minha vida...

O que está havendo comigo? Por que só penso em Cirilo? Isso me deixa triste e confusa, com vontade de chorar. 

—Melhor não. 

—E amanhã? 

—Amanhã você tem treino. 

—De tarde, na mesma hora que você. Podemos ir a algum lugar depois? 

—Eu vou pensar, tá? Vou pensar. —Solto-me dos braços de Jorge e escapo rapidamente dele, virando para a minha porta. —Até amanhã. 

—Até… —Escuto Jorge suspirar, mas não olho para ele. 

Entro e bato a porta com força, trancando. Encosto-me contra ela e escuto o carro de Jorge dar partida. Ai, droga. Amanhã eu tenho treino e marquei de ir visitar Leah! O que estou pensando? Não sei como vou sair dessa! 

 

Cirilo fecha o livro de estudos e ajeita os óculos no rosto antes de olhar para mim. A luz que entra pela janela da sala de sua casa é alaranjada, do pôr do sol, e faz os olhos dele adquirirem um brilho sem igual, castanho. Confesso que suas camisetas nerds não me irritam mais, e esta que ele veste, com um símbolo que parece um guarda-chuva visto de cima, branco e vermelho, eu conheço. 

Ele respira fundo, tomando fôlego, e sentencia: 

—Chega por hoje. 

—Mas já? —Faço biquinho. —Agora que estou acertando todos os cálculos? 

Na minha frente, estão folhas e mais folhas de exercícios de todas as matérias, feitos aleatoriamente naquele plano maluco dele e que parece dar certo. Acertei todos e senti um grande orgulho de mim mesma, mas estava esperando que ele me desafiasse ainda mais. Cirilo é assim: quando você acha que ele já mostrou tudo para você, de repente ele te surpreende com algo a mais. 

—Por isso mesmo. —Ele ri, como se eu tivesse feito uma observação nada inteligente, e todas as mariposas existentes em mim batem asas ao mero aparecer de seu sorriso. —Significa que você já está apta para as provas. 

—Sério? —Abro bem a boca e os olhos em surpresa. —Grau superlativo absoluto de sério? 

—Aham. Você não precisa mais de mim aqui. 

—Claro que eu preciso de você —digo. Cirilo entreabre os lábios, fitando-me com intensidade, e percebo o que eu acabei de fazer, ops! Minhas bochechas ficam vermelhas. —Para as revisões —conserto logo. —Vamos fazer revisão antes da prova, não vamos?

—Ah… É, sim, claro. —Cirilo balança a cabeça e desvia o olhar de mim, concentrando-se em juntar os livros em um canto da mesa. —Vou preparar um material para a revisão que vai te deixar ainda mais afinada para as provas. Sem erro. 

—Nem acredito que as provas estão chegando, fico nervosa. —Coloco a mão direita na barriga exposta. Estou com o uniforme de líder de torcida, pois deveria estar no treino. 

Não sei o que me deixa mais nervosa neste instante: a proximidade das provas, a proximidade da votação para rainha do Baile de Primavera, estar apaixonada por um nerd como Cirilo Rivera ou ter dito para minha treinadora que eu tinha contundido um músculo para faltar no treino de hoje e estar aqui. Aliás, menti para Jorge e Valéria sobre isso também. Eu só posso estar ficando bem maluca! 

—Estou confiante. Você vai se sair muito bem.

—Quando podemos estudar? Sexta? 

—Você não disse que não queria estudar na sexta? 

—Isso foi antes. 

—Sexta não posso, já marquei de estudar com outra pessoa. Quinta é melhor —Cirilo responde. 

Meu coração para de bater e sinto como se fosse desmaiar. Acabo agindo como uma maluca, segurando no braço de Cirilo e chacoalhando-o. 

—Outra pessoa? Quem? Luiza Oliveira? 

—Quê? —Cirilo olha para mim por cima dos óculos, o olhar quente me fulminando, como se eu tivesse tocado em algum assunto proibido. 

—Princesa Maria Joaquina! —Leah invade a sala de estar, usando uma coroa de plástico na cabeça. Ela está de calças jeans e moletom cor-de-rosa com o rosto da Minnie estampado, o que combina muito com ela. Solto o braço de Cirilo na mesma hora, assustada. —Você pode me ajudar a ser uma princesa? Não está dando certo. 

—Vou preparar um lanche enquanto as princesas se divertem. —Cirilo fica em pé. —Com licença, Vossa Alteza. 

—Dispensado, criado! —Leah mostra a língua para ele e se aproxima de mim, sentando-se em uma cadeira ao meu lado. 

Observo Cirilo entrar na cozinha e mordo a parte de dentro da minha boca. Droga, ele fugiu da pergunta, isso só pode significar que tem algo rolando mesmo entre ele e Luiza Oliveira. Leah segura no meu braço, um toque bem leve e sem força. 

—Ufa, ainda bem que ele saiu; não quero que ele nos escute. 

—O que foi? —viro para ela, estranhando. 

—Tenho um segredo para te contar. —Leah olha por cima do ombro para ter certeza de que Cirilo não está escutando e junta as mãos ao redor da boca, exigindo que eu me aproxime para ouvir o que ela tem para sussurrar: —Você pode me ensinar a beijar? 

—Beijar? —quase grito em um susto. 

—Shhh! —Ela abana a mão e seu rosto inteiro pega fogo. —Fala baixo, Maria Joaquina! 

—Desculpe. —Dou risada, mas meu nervosismo não passou. É como ter a conversa sobre sexo no lugar dos pais, quer dizer, não cabe a mim ensinar como Leah deve se comportar, e se eu falar alguma besteira? —Por que você não pergunta isso para seu irmão? 

—Cirilo não pode me ajudar, ele não entende nada de relacionamentos. —Leah cruza os braços aborrecida, mas continua sussurrando, daquele jeito que mistura a inocência com a arrogância típica de uma menina de doze anos que acha que sabe tudo. —Você pode me ajudar? 

—Bem, depende… Você já tem um príncipe em especial? 

—Tem esse menino na minha classe… Ele disse que gosta de mim. —A face de Leah fica vermelha.

—E você acha que é verdade o que ele diz? —pergunto como se ela fosse minha irmã. Cirilo me mataria se eu não checasse muito bem quem é esse menino, então faço meu papel. 

—Acho que sim! Ele sempre reparte o lanche dele comigo e, em vez de ir jogar futebol com os amigos, fica comigo dentro da sala… Eu não posso sair, você sabe. —Leah coloca as duas mãos no rosto. —Fico vermelha só de pensar nele, então eu acho que ele é um bom príncipe. 

—Oh! —exclamo e coloco as mãos na barriga dela, para fazer cócegas. —Então alguém está apaixonada! 

Leah dá risada, mas eu não forço as cócegas com medo de que seja esforço demais para ela. Assim que eu a solto, ela fica em pé e me estende a mão. 

—Vamos para o meu quarto? Aí você pode me ensinar como é ser uma princesa de verdade! 

—E se eu não for uma princesa de verdade? —pergunto, ficando em pé e segurando a mão dela. Pego a coroa de cima da mesa, que ela largou ali fazendo bagunça. 

—Cirilo disse que você era uma princesa e estava em apuros. Ainda está em apuros ou um príncipe já te resgatou? —Leah brinca e me puxa na direção do seu quarto de menina. 

—Te direi uma coisa. —Suspiro. Leah entra no quarto e eu coloco a coroa de plástico na minha cabeça. —Tem um príncipe que gosta de mim, mas uma princesa má quer roubá-lo e ficar com a coroa de rainha! 

—Oh! Não acredito! —ela faz uma cara de surpresa e fecha a porta. —Por que a princesa má quer o príncipe e a coroa? 

—A coroa é um símbolo de status, ser rainha é muito importante —explico, tirando a coroa de plástico da minha cabeça e colocando-a na dela. —Mais importante que ser uma princesa. 

—Hummm. —Leah segura na coroa e ajeita-a na cabeça. —Ela gosta muito do príncipe? 

—Ele já gostou muito dela, mas agora ele gosta de mim —conto. 

—Ohhhh! —ela exclama, ponderando minha história. Coloca a mão no queixo, pensando. 

—Mas isso não é tudo! Tem mais uma coisa, para complicar —completo. 

—Oh! Entendi! —Leah abre um sorriso, concluindo antes que eu possa mesmo dizer: —Você está gostando de outro príncipe! 

—Acontece que ele não é príncipe. —Balanço a cabeça em negação, para dar ênfase. Só se fosse o “príncipe dos nerds”, penso. 

—Então já sei do que você precisa! —Leah se anima e anda rápido até sua escrivaninha. Senta-se, abrindo uma gaveta, de onde tira uma pulseira. —Eu tinha feito uma pulseira para você, mas não sabia o que colocar, por isso não te dei. Agora eu sei. 

—Você fez uma pulseira pra mim? —Meu queixo cai alguns centímetros e eu me sinto extremamente feliz. Aproximo-me da escrivaninha branca e pequena, sentando-me na cama com edredom cor-de-rosa. 

—Aham. —Leah abre uma maleta e escolhe as letras. 

Noto em seu braço mais pulseiras, cada uma com um dizer diferente da outra. Eu espero pacientemente que ela se decida escolhendo as letras, cantarolando. Fico com um sorriso no rosto até que ela me estende a pulseira: 

—Uma coroa! 

—Uma coroa? —Não entendo nada e olho para os quadradinhos de letras coloridas com os quais ela escreveu Crown. 

—Isso resolveria seus problemas! 

—Como seria possível? —indago. 

—Você não precisaria da coroa de rainha, o príncipe ficaria com a outra princesa e você poderia dar essa coroa para o garoto que não é príncipe! 

Fico sem reação. Entendo o que ela quis dizer, mas, na minha cabeça, as palavras infantis e cheias de brincadeira de Leah tomam outra proporção. Seria tudo isso um aviso de que eu não preciso vencer a votação e ser rainha do baile? De que eu não tenho que me importar com o que Valéria, Margarida ou Carmem pensem? E de que a verdadeira coroa não está em cima das nossas cabeças, mas no que há dentro de nossos corações? 

Foi isso o que pensei. 

—Gostou? —ela me pergunta sorridente e esperando um elogio. 

—Adorei, princesa! —Eu a abraço forte. Leah me abraça também, sem ter qualquer ideia do quanto essa pulseira realmente significou para mim.

 


Notas Finais


Maria Joaquina ainda com ciúmes do Cirilo! Mas,que fofa essa Leah! Essa pulseira significa muito para a Maria Joaquina! O que será que vai acontecer agora? Até o próximo capítulo, beijo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...