História O nerd da minha vida - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carrossel
Personagens Adriano Ramos, Alícia Gusman, Bibi Smith, Carmen Carrilho, Cirilo Rivera, Daniel Zapata, Davi Rabinovich, Jaime Palillo, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Laura Gianolli, Marcelina Guerra, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Mário Ayala, Paulo Guerra, Valéria Ferreira
Tags Carmem Carrilho, Carrossel, Cirilo Rivera, Ciriquina, Daléria, Davi Rabinovich, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Nerd, Paulo Guerra, Romance, Valéria Ferreira
Exibições 56
Palavras 951
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Leiam as notas finais e espero que gostem!

Capítulo 28 - Capítulo 28


Anteriormente em O nerd da minha vida...

—Oi. —Ele não me lança um sorriso, parece assustado ao me ver, os olhos escuros abertos e as sobrancelhas erguidas. 

—O que Luiza Oliveira queria? Estudar com você hoje à tarde? —acabo interrogando-o, em vez de cumprimentá-lo de maneira decente. 

Não consigo evitar; preciso saber se eles estão mesmo saindo ou qualquer coisa do tipo. Acabaria comigo saber que Cirilo convidou Luiza Oliveira para o Baile de Primavera. 

—Que eu saiba, isso não é da sua conta. —Cirilo coloca o livro de biologia dentro do armário com brusquidão, impaciente. 

—Claro que é da minha conta. Até onde me consta, você é meu professor e ela está tentando roubá-lo de mim. —Espero que ele perceba a conotação que usei nessa frase. 

—Tá com ciúme? —Cirilo vira para mim, apoiando o braço na porta do armário, testando minha reação. 

—Talvez eu esteja —admito, comprimindo os ombros. 

Uau! Foi até mais fácil do que pensei que seria, mas meu rosto inteiro pega fogo e meu coração pula uma batida. Cirilo bate a porta do armário e suspira. Será que ele realmente escutou o que eu disse? 

—E por que razão você sentiria ciúme? —interroga. —Achei que você era a garota popular e eu, o garoto nerd. 

—Nós somos —provoco só para ver a sobrancelha da discórdia se erguer e ele colocar a língua no canino. —Mas a garota popular está apaixonada pelo garoto nerd.

 

Sua expressão desafiadora se derrete, transformando-se em uma careta de surpresa. Não sei dizer se a minha declaração surtiu um efeito bom ou ruim. 

—Sério? 

—Grau superlativo absoluto de sério. 

—O que seu namorado brutamontes acha disso? 

—Ex-namorado. Terminamos bem agora. 

—Ufa. —Cirilo segura meu rosto com as duas mãos. Um sorriso fofo se forma em sua face. Todo o peso do meu coração se vai e a ansiedade me dá uma trégua. Acabo sorrindo também. —Bom saber que não vou morrer se eu fizer isso. 

—Isso o quê? 

Ele se inclina e seus lábios quentes encostam nos meus. O mundo inteiro desaparece enquanto ele finalmente me beija. Sua boca é suave e seu hálito, fresco. Não poderia haver um beijo mais perfeito. Incrível. 

Perdi as contas de quantas histórias de princesa terminam com o beijo em um aspecto mágico, mas, em se tratando de nós dois, espero que esse beijo mágico seja apenas o começo de uma linda história. Há muito desejo encontrar um príncipe encantado e percebo, então, que valeu a pena esperar por ele. 

O sinal do início de aula ressoa e Cirilo se descola de mim, mantendo as mãos em meu rosto e a proximidade de nossos corpos. 

—Quer dizer que você vai estudar comigo hoje? —pergunto. 

—Claro que não. Prometi estudar com a minha irmã. 

—Sua irmã? Achei que era com Luiza Oliveira! —Ufa, ainda bem que não é com outra cheerleader aguada. —Tem uns dias que reparo que ela está cercando você. Fiquei sabendo que ela te chamou para sair. 

—Isso é verdade, mas não aceitei o convite. —Cirilo se afasta, mas segura minhas mãos, beijando-as. Entrelaçamos os dedos antes de começar a andar pelo corredor. 

—Por um instante, achei que você fosse convidá-la para o Baile de Primavera —brinco. 

—Vamos fazer um acordo? Se desta vez você não recusar, posso pensar sobre te convidar pela segunda vez para o baile —Cirilo propõe com um sorriso, e eu já me derreto inteira. 

—Combinado —aceito. 

Assistimos às aulas juntos e um buchicho se forma no corredor toda vez que passamos para trocar os livros. A votação está rolando no pátio principal e vou até lá para deixar o meu voto para Margarida. 

Valéria fica uma fera quando descobre meu voto. 

Na saída, ao fim do período letivo, despeço-me de Cirilo e vou para o carro de Valéria, que está me esperando para me dar uma carona até em casa. Quando chego ao estacionamento, sou surpreendida pela visão de Davi e Valéria conversando. (Só conversando.) Fico um pouco distante, fingindo interesse em qualquer outra coisa, até que eles se afastam. Valéria se aproxima de mim. 

—O que ele queria? —pergunto, sem aguentar a curiosidade. 

—Oh, nada… Só me convidar para o baile! —Valéria acaba sorrindo largamente. 

—Como assim? Quer dizer que ele não pediu desculpas? 

—Ele pediu desculpas. —Valéria agarra os meus ombros. —Temos que comprar um vestido perfeito, Maria Joaquina! 

—Você sabe que ainda estou sem dinheiro, não sabe? —eu a lembro de um pequeno detalhe. 

—Seus pais não te devolveram a mesada? 

—Tenho que pagar as aulas de Cirilo. 

—Credo, ele vai cobrar de você? —Valéria revira os olhos e gira o corpo em direção ao carro. —Que tipo de garoto ele é?

—Eu não deixaria que ele mudasse de ideia só porque me beijou no corredor. 

—Oh. Meu. Deus! —Valéria se interrompe antes de abrir a porta do carro e olha para mim com os olhos castanhos bem abertos. —Diga que ele te convidou para o Baile de Primavera!

—Convidou desde que eu aceitasse. 

—Ai, isso é ótimo! Nós duas temos companhia para o baile mesmo depois do desastre das eleições, nem acredito! Nem acredito! —Valéria me abraça forte. 

—Só tem um problema. —Hesito. 

—Qual? —Valéria chacoalha os cabelos escuros em incompreensão, franzindo o cenho com uma expressão de estranhamento. 

—Não sei se meus pais me deixarão ir. 

—Como não? 

—Ainda não passei de ano, lembra? —Contorno o carro. 

—Essa não! Vamos para a minha casa, faremos um intensivão de estudos neste final de semana! —Valéria abre a porta do carro decidida e entra. 

—Você vai mesmo me ajudar? —Sento-me ao lado dela e bato a porta, colocando a minha bolsa nas pernas. 

—É pra isso que melhores amigas servem! —Valéria decreta, dando partida no carro.

 


Notas Finais


GENTEEEEE, FINALMENTE CIRIQUINA!!!!! QUE COISA LINDA!!! O beijo que ele deu nela, eles não se soltarem, as mãos dadas, tudo! Foi tudo lindo demais! Eu estava esperando muito por isso assim como vocês! Muito fofos mesmo, mas o que será que vai acontecer agora? OBS: Esse capítulo foi curto, pois foi mais para mostrar o que aconteceu depois da declaração da Maria Joaquina. Até o próximo capítulo, beijo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...