História O noivo da minha irmã (Yoonmin) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Irmã Do Jimin, Jimin, Jiminieyes, Min Yoongi, Park Jimin, Suga, Sugamin, Yoongi, Yoonmin
Exibições 233
Palavras 3.258
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


A foto do cap eh o Yoongi, mas o POV ainda eh do Jimin sz

Capítulo 9 - Sentimentos part.2


Fanfic / Fanfiction O noivo da minha irmã (Yoonmin) - Capítulo 9 - Sentimentos part.2

— Jimin… — Olhei Yoongi parado perto do sofá, cruzando os braços. Não parecia gostar do que via, eu sai de cima de Hoseok, me ajeitando no sofá. — Preciso falar com você.

Senti meu cuspe rasgar minha garganta, mesmo que fosse algo bom — ou não, eu ainda fico nervoso com essas palavras. Yoongi me puxou do sofá, mas o outro segurou o meu braço. Hoseok parecia implorar por um olhar, que eu não fosse falar com Yoongi.

— Bem… — Recebi olhares fuziladores dos dois, eu estava completamente perdido.

— Ele não é obrigado a ir, certo? — Hoseok se levantou de supetão, me puxando contra seu peitoral. Yoongi riu sem humor, parecia que a qualquer momento pularia no pescoço de Jung.

— Claro que ele é obrigado a ir! Eu tenho que falar com ele! — O pálido me puxou contra seu peitoral, me segurando como se eu fosse algo de muito valor, algo só dele.

— Ele não quer falar com você! — Hoseok me puxou novamente, já estava ficando tonto.

— Ele não disse porra nenhuma! — O outro retrucou, apontando o indicador no rosto do mais alto. Me puxou novamente.

Hoseok bufou raivoso, não entendia porque ele estava fazendo isso.

— Não aponta essa merda para mim! — Retrucou raivoso, batendo no dedo de Yoongi. Olhei para o moreno, fiquei receoso daquele momento.

— Jimin, por favor, eu preciso esclarecer algumas coisas… — Choramingou, eu revirei os olhos, discretamente.

— N-não… — Coloquei as minhas mãos em seu peitoral, empurrando-o. Seu rosto tomou uma expressão decepcionada e triste, quando eu corri para abraçar Hoseok.

Eu estava louco, sim. Eu corri até Hoseok, deixando bem claro que não queria conversar com Yoongi. Eu nunca o vi tão triste daquele jeito.

Eu senti uma dor incontrolável dentro do meu peito, apertei o pano da camisa de Hoseok. Seus braços se envolveram em minha nuca, me protegendo. Eu fiquei estático.

— Você vai preferir ficar com o Hoseok, do que conversar comigo?! —Yoongi aumentou o tom de voz, me fazendo se encolher nos braços do mais alto.

— É uma decisão de- — O pálido lhe interrompeu.

— EU NÃO QUERO SABER, CALA A SUA BOCA, HOSEOK! — Me encolhi novamente, o corpo de Hoseok estava quente, por conta do momento de raiva.

— CARA, VOCÊ SÓ ACHA QUE AS COISAS SE RESOLVEM ASSIM? — O mais alto retrucou. — Gritando, xingando, entre outros? — Sorriu anasalado.

Yoongi se calou.

— Presta atenção, não precisa ficar irritado, apenas admita que é fraco e não atura a realidade. Se alterando desse jeito vai ser pior para você, pense bem antes de gritar com uma pessoa. — Arregalei os meus olhos com a palavra do menino Jung.

Se eu conheço bem Yoongi, ele sempre fica estressado e começa a xingar para não encarar a realidade, ou não demonstrar fraqueza. Pior jeito de Yoongi, eu sei que ele sofre com essas suas escolhas, mas adianta falar algo? Não, o mesmo teimoso de sempre.

Pelo incrível que pareça, Yoongi calou-se, deixando um clima tenso pelo bloco.

— Agora se ca- — Pisei em seu pé, para que não falasse nada que machucasse mais ainda Suga Hyung. — Ai!

Yoongi se sentou no sofá, ainda pasmo com tudo aquilo. Olhou diversas vezes para mim nos braços de Hoseok, seus olhos estavam começando a marejar. Mas ele ergueu a cabeça e desfez aquela cara de choro.

— Você sabe que eu posso contar para todos que você me beijou, não é? — Riu sem humor.

— Ameaçar não irá adiantar em nada. — Sussurrei, abraçando Hoseok.

— Park Jimin, você está bri- — Olhou para o teto, quando de repente foi cortado pelo mais alto que me abraçava forte.

— Chega, se manda daqui! — Andou depressa até Yoongi, o puxando pelo braço. O pálido ficou pasmo ao ver a reação de Hoseok, tapei a minha boca com uma das mãos, impedindo de verem a minha reação de surpresa.

Hoseok levou Yoongi pelo braço até o começo das escadas, o mais velho se soltou, se ajeitando. Yoongi hesitou antes de subir aquelas escadas, abri a boca diversas vezes, mas não falava nada.

Quando se deu conta de que não conseguia falar mais nada, subiu as escadas. Hoseok suspirou aliviado, me abraçando novamente.

— Por que fez isso? Você é maluco! — Falei entre dentes, Yoongi ainda podia estar ali por perto.

— Porque eu estou cansado de ver esse garoto só te fazendo sofrer, Jimin! — Apertou minhas bochechas. — Você também não colabora em nada! — Fez um bico, eu sorri.

— Desculpa, eu prometo que vou seguir a minha vida. Sem Yoongi!

— Assim que se fala! Que orgulho do meu menino! — Beijou minha testa, senti minhas bochechas corarem.

Ao Hoseok me abraçar de novo, olhei para as escadas, sentindo uma pontada de dor em meu peito. Como eu pude fazer aquilo com Yoongi? Eu falei para Hoseok que continuaria a minha vida sem ele, mas sinceramente, eu não consigo.

Imaginar que Yoongi pode estar derramando lágrimas por minha causa, me desperta uma preocupação, uma angústia, uma culpa; algo que é impossível de passar. Agora irá ser bem pior morar na mesma casa de Yoongi, vê-lo todos os dias, ele sempre vai me olhar com raiva ou angústia, ou qualquer outra coisa de ruim.

Eu acabei de conseguir perder o amor da minha vida para sempre.

Segurei um choro, Hoseok não via o meu rosto — o que era bom, ele não via a minha expressão de tristeza. Tristeza por ter agido daquela forma com alguém que só me faz sofrer, me sinto tão trouxa. Não consigo ao menos esquecê-lo, ou mandá-lo para só Deus sabe aonde.

Eu estou perdido novamente. O quê diabos eu fiz?

— Ei, pequeno! — Hoseok tirou-me dos meus devaneios. — Vamos sair um pouco? Esquecer dessa situação. — Sorriu confortante.

— Huh, claro. — Lhe mostrei o melhor sorriso, deixando meus olhos se fecharem por completo.

Peguei o meu celular, saindo de mãos dadas com Hoseok. A tarde em Busan sempre fora quente, mas hoje estava fria, sem cor, sem vida. Havia poucas pessoas na rua, provavelmente a maioria está no trabalho.

Meu corpo estremeceu ao ter contato com o vento gelado, Hoseok me puxou novamente para dentro de casa.

— Acho melhor você pegar um casaco. — Assenti com a cabeça, subindo as escadas. — Vou te esperar aqui! — Deu um grito, assenti novamente, sorrindo.

Subi as escadas, a casa estava um completo silêncio. Ao abrir a porta de meu quarto, escutei um baque, não que tivesse sido um baque, parecia mais o barulho de algo de vidro se chocando contra o chão. Meu corpo se estremeceu novamente.

Resolvi deixar isso de lado, pois o barulho estava vindo do quarto do Yoongi. Não era uma boa ideia vê-lo justo agora. Peguei rapidamente um moletom, desci as escadas vendo Hoseok, ele estava concentrado no celular.

— Vamos, Hobi. — Sussurrei em seu ouvido, lhe dando um breve susto.

— Aigoo, Jimin! — Sorriu. — Faz tanto tempo que não me chamam assim.

— Eu nunca te chamei, é a primeira vez. — Retribui o sorriso.

— Certo, vista esse moletom e vamos! — Obedeci o mais velho, depois ele entrelaçou os seus dedos aos meus, me puxando para fora de casa.

Andamos com as mãos juntas, o alaranjado me levou até uma praça — muito bonita por sinal; havia algumas árvores cerejeiras, um lago pequeno, algumas crianças correndo pra lá e pra cá e algumas pétalas no chão, embaixo das árvores.

Avistei de longe um rapaz um pouco alto, cabelos castanhos escuros, ele sorria falando com um menininho, parecia pairar cinco ou sete anos. Aquele rapaz me parecia familiar, mas não lembro da onde.

Puxei Hoseok até aquele garoto, o mesmo ficou confuso, mas me seguiu sem dirigir alguma palavra para mim. Tentei disfarçar o meu olhar para o garoto alto, quando ele cruzou nossas olhares pude ver que era Taehyung — aquele amável garoto que estava com o cachorro da minha tia, e madrasta de Jungkook.

— Oi, Taehyung? — Acenei, ele sorriu.

— Jimin, que bom te encontrar aqui! — Disse com uma ar de felicidade, Hoseok apenas escutava, sorrindo como de costume. Taehyung olhou para Hoseok. — Ah, prazer!

— Hoseok. — Ambos sorriram um para o outro, sorrindo radiante.

— Bem, o quê faz aqui, Tae? — Olhei-o, depois olhei para o menininho que estava quieto ao seu lado.

— Eu estava com meu sobrinho passeando por aqui. E vocês? — Colocou o pequeno em sua frente, o menino parecia muito tímido.

— Bem, aconteceu umas coisas nada boas na casa de Jimin. Então eu resolvi trazê-lo até aqui. — Hoseok respondeu por mim, o de madeixas castanhas assentiu.

— Tio Tae, mamãe disse que não pode falar com estranhos… — O garoto se manifestou, olhando amedrontado para mim e Jung. Eu me agachei até ele.

— Não somos estranhos, somos amigos do seu tio. Como é seu nome, pequeno? — Sorri tentando confortar o menor.

— Bonhwa. E o seu? — O pequeno se intimidou, sorrindo para mim.

— Jimin! — Sorri, ele assentiu com a cabeça, depois olhou para Hoseok. — O dele é Hoseok!

— Sim, você quer brincar, Bonhwa? — Hoseok se agachou ao meu lado.

— Se o tio Tae deixar… — Abraçou a perna do menino de madeixas castanhas.

— Claro que eu deixo. — Sorriu, Hoseok segurou a pequena mão de Bonhwa e foi brincar com ele, não tão longe da vista de Taehyung.

Taehyung suspirou, sentando-se em um banco, segui-o. Taehyung não parecia tão bem, mas ainda ria vendo o sobrinho com o Jung.

— E o seu primo? — Indagou, deixou de olhar para o sobrinho.

— Está lá, fazendo as coisas dele. — Ri, Taehyung fez o mesmo. — Tem contato com ele?

— Eu tenho falado com Jungkook, ele é uma pessoa de ouro. — Suas bochechas ganharam uma coloração forte rosada, eu ri.

Ficamos conversando, Hoseok parecia não se cansar de brincar com aquele menino. Taehyung ia até os dois algumas vezes, para checar se Bonhwa não estava cansado, mas como ele disse; Crianças raramente se cansam de brincar.

— Já namorou, Jimin? — Taehyung de repente me perguntou isso, eu fiquei calado por um momento.

Eu não sabia se ao certo o que eu tinha com Yoongi no passado foi um namoro, ele nunca comentou sobre isso.

— Não sei ao certo, mas já tive uma relação com um rapaz. — Bufei.

— Só ficou com um? — Arregalou os olhos.

— Sim… — Respondi simplista. — Se não fosse por uma coisa, nós estaríamos juntos até hoje. — Senti uma pontada de dor em meu peito.

— Quem é esse rapaz? Se não se importar de falar… — Sorriu fechado.

Por um momento achei melhor desabafar com alguém diferente, sobre toda essa história comigo e com Yoongi. Suspirei.

— Yoongi, Min Yoongi. — Sorri fraco.

— Espera, Min Yoongi? Pediatra? — Me olhou surpreso. Assenti com a cabeça. — Nossa, eu o conheço. Não tão bem, mas já vi ele por aí.

— Entendi… — Cocei a nuca, Taehyung suspirou.

— Por que vocês não estão mais juntos? — O mais alto conseguiu chegar ao meu ponto fraco. Respirei fundo.

— Taehyung, posso te contar um negócio? — Ele assentiu. — Certo, eu e o Yoongi temos uma história muito longa. Somos amigos desde pequenos, vivemos juntos, crescemos juntos. — Taehyung se ajeitou no banco para escutar tudo muito bem.

— Ahn, prossiga…

— Nos amavamos muito, era uma coisa tão linda, tão real. Mas, teve uma proposta para mim ir no Japão, fazer faculdade de dança. Eu fui, sem mais e nem menos, antes de eu ir nós prometemos um para o outro que ele nunca me trocaria enquanto eu não voltasse e eu o mesmo com ele. — Meu olhos marejam. — Só que antes de eu vir para o Japão, recebi uma ligação da minha irmã… Então, ela me deu a péssima notícia que iria se casar com o cara que eu amo. — Taehyung arregalou os olhos. — E não foi só isso, ela também está grávida do Yoongi! Eu ainda não consegui cair na real que ele fez isso comigo, entende?

— Aigoo, Jimin. Eu nem sei como reagir… — Bagunçou os seus fios alinhados.

— Taehyung, o que você faria se uma pessoa que falava que você era o amor da vida dela, de repente te traiu com a sua própria irmã? — Segurei as lágrimas, minha voz já estava alterando.

— Primeira coisa! — Ergueu o primeiro dígito. — Você já falou com ele sobre isso? — Neguei com a cabeça. — Certo, segunda coisa! — Ergueu o segundo dígito. — Você acha mesmo que ele te traiu com sua irmã? Porque se ele te amava mesmo, talvez ele jamais faria isso. — Me calei. — Terceira coisa! — Ergueu o terceiro dígito. — Qual é a opção sexual do Yoongi?

— Você acha que eu sei? Depois de tudo isso… — Revirei os olhos.

— Raramente, um homem que gosta de homens acaba transando com uma mulher. Só se estiver drogado, ou sei lá. — Ergueu os ombros, rodando os olhos pelo lugar. — Pelo menos eu acho isso…

— Você acha que Yoongi bebeu por isso ficou com minha irmã? — Arqueei ambas as sobrancelhas, ele assentiu. — Você é maluco?

— Jimin, pelo pouco que eu escutei, vocês tem uma “história de amor”. — Falou dando ênfase as últimas palavras. — Você já tentou se reconciliar com ele? Tenta falar com ele sobre isso…

— Ele tentou esclarecer umas coisas para mim hoje, mas Hoseok impediu isso… — Taehyung deu um tapa na própria testa.

— Sério, dá uma chance pra ele… — Suspirou após falar isso.

— Acho que vai ser um pouco difícil, porque ele está muito bravo comigo. — Sorri fechado.

— Por que, Jimin?! Aigoo, te conheço a pouco tempo, mas já vi que só faz burrice! — Bagunçou os meus cabelos. — Fala com ele, por favor!

— Está bem, está bem! — Arregalei os olhos. — Vou falar com ele… — Não, eu não vou falar com o Yoongi. Me perdoe Taehyung.

— Ah, e jamais toque nesse assunto com a sua irmã. Ela não pode saber que você ama o marido dela. — Riu.

— Eu não sou tão burro assim! — Lhe dei um leve tapa no braço.

— Certo… — Riu novamente, revirei os olhos. Acabei rindo junto a ele.

Ficamos conversando, já era mais de quatro da tarde, resolvemos ir embora. No caminho fiquei pensando sobre a conversa que tive com Taehyung, ele podia realmente estar certo, mas eu não vou falar com ele, não agora. Quero um tempo, se eu juntar tudo em apenas um dia, meus sentimentos irão explodir.

Queria que Yoongi soubesse o que ele faz comigo.

Chegamos em minha casa, Hoseok se sentou no sofá cansado. Pois ficou brincando por horas com uma criança. Eu sentei ao seu lado, rindo.

— Me lembra de nunca mais convidar uma criança para brincar. — Falou em um tom cansado, soltou um riso anasalado.

— Está bem. — Ri. — Quer algo para comer? — Me levantei do sofá, indo até a cozinha.

— Pode ser, estou vendo que vou ficar mais um tempo aqui com você! — Sorriu, me seguindo.

Assenti, depois fiz lanches para nós dois. Hoseok estava quase dormindo na mesa, ri, dando-o um prato com um sanduíche leve.

— Você pode dormir na minha cama se quiser! — Segurei as suas mãos, ele sorriu negando com a cabeça.

— Muito obrigado, Jimin, mas eu deixo para descansar em casa. — Acariciou as costas das minhas mãos com o polegar, eu não parava de sorrir por um segundo.

Comecei a comer o meu sanduíche, Hoseok fez o mesmo. Quando o silêncio tomou o bloco, escutamos um baque vindo de perto da escada. Olhamos para ambos, ficando confusos e preocupados.

— Devemos ver o quê é? — Perguntei, arqueando ambas sobrancelhas.

— O que você acha que pode ter sido? — Falou, amedrontado.

— Eu pensei que a casa estivesse sem ninguém, mas pelo visto não. — Bufei. — Vamos ver o quê é! — Me levantei de supetão, Hoseok me olhou com certo receio. Ele ficou parado. — Não vem comigo? — Ele negou com a cabeça, soltei um riso anasalado.

— Aish, estou com receio. — Se levantou, ficando ao meu lado. Eu o empurrei para sair da cozinha, ele já podia ter a vista completa da escada. Hoseok ficou estático e pasmo, ao ver a escada.

Senti meu coração palpitar mais rápido, Jung não falava nada, apenas ficou por minutos olhando para ali com os olhos arregalados. Eu não sabia como reagir.

— Hoseok? — Ele me olhou, ainda espantado. Dei alguns passos tendo vista da escada, olhei para uma pessoa caída no fim da escada.

A pessoa estava de costas, mas eu já reconheci apenas pela tonalidade do cabelo. Sim, era Yoongi, ali jogado no fim das escadas. Parecia desacordado, corri até ele.

Ao virá-lo vi seu nariz com pouco sangue, seu coração ainda batia e seu peito subia e descia puxando o oxigênio. Eu estava tão desesperado, que deixei lágrimas se formarem no canto de meus olhos.

— Yoongi?! Fala comigo! — Dei leves tapas em seu rosto, não recebi reação alguma.

— Calma, Jimin! Eu vou ligar para a ambulância. — Hoseok, pegou o celular, andava de um lado para o outro.

Fiquei olhando o rosto de Yoongi. Senti um grande medo de perdê-lo. Como foi que ele caiu da escada? Eu não tenho o mínimo de ideia do que ele pode ter feito, enquanto estive fora. Eu não devia ter o recusado, agora ele está aqui desmaiado.

Acariciei os seus fios negros desalinhados, não me sentia tão desesperado, pois o fato de ele estar respirando já era bom. Mas eu sinto uma dor no fundo do meu peito, porque ele pode ter feito qualquer coisa por minha causa.

Revisei o seu corpo, não continha marca alguma, o que deixou um alívio em meu coração. Mas estava receoso pelo fato dele ter rolado da escada. Ah, Yoongi, você não tem ideia de como eu te amo e estou sofrendo com isso.

— A ambulância já está chegando, ele vai ficar bem, obviamente. — Hoseok se agachou perto de mim.

— Ele pode ter feito qualquer coisa, por minha causa… Eu não devia ter o recusado… — Coloquei as mãos na frente de meus olhos, segurando um breve choro.

— Jimin, não seja dramático! Ele só está desmaiado! — Hoseok franziu o cenho.

— Eu sei, mas eu amo ele. Estou com medo de perdê-lo.

— Não vai perder, pode acreditar. Não vai… — Suspirou. Não demorou muito escutei batidas fortes na porta, depois os rapazes do socorro entraram, colocando Yoongi em uma maca.

Fiquei observando tudo, estava com receio de avisar meus pais sobre isso. Deixei tudo quieto. Abracei Hoseok.

— Você irá com ele? — Um rapaz jovem me perguntou, se referindo à acompanhar Yoongi até o hospital.

— Vai com ele, Jimin. Depois eu aviso os seus pais. — Hoseok sorriu fraco, bufei. Acompanhei o rapaz, entrando no automóvel.

Yoongi ainda estava desacordado, e com um suporte imobilizador no pescoço. Suspirei, e senti o automóvel começar a seguir caminho para o hospital.


Notas Finais


Me perdoem qualquer erro ou se não está bom :( Agora o cap 10 talvez demore, e será POV do Yoongi sz

Beijinhos, obrigado por tudo sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...