História O ódio nasce para proteger o amor - Capítulo 14


Escrita por: ~, ~DiullyOlivia e ~Bugglady

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Fanfic De Miraculous
Visualizações 85
Palavras 3.208
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
É gente, mesmo nas férias tenho aquele bloqueio de expiração kkk. Mas então galera peço a vcs q lêem as notas finais pq tem aviso, mas não vou preocupar vcs antes de iniciar, vou deixar pro final mesmo 😂😂😂
Ah lembrando nosso akumatizado de hj não foi feito por mim e sim pela a nossa querida amiga ~Blossom Yuuki!!! Menina vc anda sumida, aparece aí.
Mas entao... só desejo a vcs uma coisa...
Vcs: Boa Leitura *ar de entediados*
Não kkk. Quer dizer quase isso...
Aproveitem ao máximo esse capítulo!!!!!!

Capítulo 14 - Vanipi - partes dois


Fanfic / Fanfiction O ódio nasce para proteger o amor - Capítulo 14 - Vanipi - partes dois

Depois daquelas palavras, Vanipi começa a andar em direção a tenda do prefeito Bourgeios, a fim de se vingar. Já ao entrar na tenda, ele escuta as pessoas conversando, ou melhor, brigando:

- Vamos logo ao que interessa, essa garota e aquele seu funcionário inútil não podem atrapalhar nosso plano contra o Cat noir! – exclama um homem impaciente, fazendo com que Vanipi ficasse com mais raiva diante aquele comentário a respeito dele.

- O funcionário útil veu aqui dizer que a partir de agora vocês serão meus servos! – grita o akumatizado cheio de ódio, fazendo todos os olhares voltarem para ele, incluísse Lila que ainda estava no local.

- Não pode ser! Mais uma akumatizado! – grita um outro homem, fazendo todos saírem correndo da tenda com medo.

- Ninguém vai sair daqui! – grita o vilão colocando a mão sobre seu peito, para ser mais especifica, sobre o mapa que foi substituído pela a letra “V”.

Ao tirar sua mão do peito, ele percebe que o “V” havia penetrado sobre a superfície da mesma. Um homem que corria para fora da tenda é atingido pela a mão do akumatizado, que a partir daquele momento o “V” permanece sobre a pele de seu braço, indicando que aquele homem era a mais nova marionete de Vanipi.

- Pegue o Sr. Bourgeios! – ordena ele e o homem o obedece.

Lila com um movimento rápido passa por muitas pessoas que corriam para fora da tenda e agarra a mão do prefeito. Juntos os dois saem da tenda antes que a marionete do vilão o pegassem. Lila ainda segurando a mão de Andre corre para a tenda de Marinette a mais próxima que conhecia. Ao chegar próximo a morena vê que Ayla esta na entrada e pede a ela para que o leve para longe dali.

- Mas a Mari esta tomando banho ai. – cochicha a amiga no ouvido da outra.

- Afff, serio mesmo que tinha que ser agora? – se pergunta Lila batendo a mão na sua testa. – Ayla leve ele para um lugar seguro, eu fico aqui na porta vigiando.

- Ok. – Ayla diz e começa a sair correndo com Andre logo atrás.

- Marinette, eu preciso entrar ai agora! – exclama Lila impaciente.

- Ta ocupado. – diz a mestiça ainda dentro da tenda, fazendo a amiga perder a paciência do lado de fora.

- Grrr... Marinette é urgente!

- Espera mulher, já to saindo!

- Marinette! É um akumatizado!

- O que?! – exclama Marinette saindo rapidamente da tenda já vestida com seus cabelos soltos e molhados.

- Grrr... Não me diga que você!... Deixa pra la! – diz Lila que entra na tenda e logo escorrega por causa do chão molhado, Marinette por sua vez coloca a cabeça pra dentro da tenda e ri com a situação da amiga.

- É, vejo que você vai precisar de um banho assim como eu. – brinca a garota de olhos azuis que logo sai de la antes que amiga lhe desse uma boa bofetada.

- Nossa Lila você realmente precisa de um banho. – brinca Siuck rindo, saindo da bolsinha de sua portadora que com raiva joga lama nela. – Serio mesmo que precisava fazer isso comigo?!

- Agora não é so eu que preciso de um banho. – diz Lila rindo e se levantando do chão. – Siuck, mostra-me seu poder!

A morena se transforma e sai da tenda, por sorte com a sua transformação estava em perfeita ordem, neste caso, sem nenhuma sujeira pelo o corpo. Marinette estava na entrada amarrando seu cabelo. Volpina assobia, ativando assim a transformação de sua flauta em prancha e sobe sobre a mesma, enquanto sua amiga corria atrás perguntando o que havia acontecido. Volpina pedi para que a garota de cabelos negros voltasse pra trás, mas ela nega, assim como a morena já previa, já que Marinette não era daqueles que fugiam da luta.

- Por que fujam de mim?! Ficam pra festa de marionetes que terá hoje Muhuhahahaha! – grita Vanipi, enquanto Volpina se aproxima com sua prancha voadora, e Marinette se esconde de trás de uma arvore. – Volpina! Que bom que chegou pra me entregar seu miraculous!

- Por que os akumatizados tem essa mesma frase de destaque: “Entregue seu miraculous!” – diz Volpina o remedando, enquanto muitas pessoas corriam e escondiam.

- Mas agora você não lutara comigo, mas sim contra meus súditos! Agora! – grita o vilão, e os homens comandados por ele correm em direção a Volpina que sobrevoa, mas um deles a derruba.

- Ai! – reclama a raposa no chão, enquanto Vanipi ria.

- Pegue-a! – ordena ele, dois homens pegam Volpina do chão, prendendo em seus braços, Vanipi aproxima pega e começar a apertar a bochecha da morena. - Nesse mundo você tem que aprender uma coisa Volpina! Os que estão os que estão la em cima “os poderosos” sempre vão pisar sobre os que estão la embaixo! – ele solta a bochecha da garota e da de ombros.

- Por isto que estou aqui! Eu defendo quem não podem se defender! – exclama a morena erguendo a cabeça.

- Então por que não me ajudou quando mais precisei?! – pergunta o akumatizado cheio de ódio. - Mas isso é magoas passadas, agora vou construir o mundo onde todos são iguais!

- É claro que isso não vai da certo se você ainda estiver no controle de Hawk Moth! Há muitas formas de fazer com que o mundo seja melhor, mas nem um delas inclui que você deve destruí-lo! – grita Volpina com raiva tentando se liberta dos dois homens.

- Sim vai dar certo. Por que eu controlarei todos desse mundo! Todos vão ter que me obedecer seja por medo ou não! Porque o ser humano no fundo é uma criatura indefesa foi por isso que eles criaram as maquinas pra ter o controle de tudo! Mas dessa vez quem esta no controle so eu! – exclama Vanipi que toca sua mão em seu peito e o “V” já havia penetrado em sua pele.

Ele começa a se aproximar da raposa com sua mão estendida pra tocá-la, mas Marinette pega um galho que estava perto da arvore e joga em Vanipi. Sua mira era incrivelmente boa com seu ioiô, mas com galhos ela era horrível. O galho não o atingi, mas chama a atenção do akumatizado que se vira, dando tempo de Volpina bater o pé em cima de uns homens que a segurava. Ele a solta e ela da uma cotovelada. Já com o outro que insistia em segurá-la, a raposa da uma rasteira e o homem cai no chão assim como seu companheiro. Marinette segurava fortemente seu galho, pronta para atingir seu alvo, mas não é preciso já que Volpina a pega com sua prancha voadora. Juntas elas voam pra um local ainda perto do akumatizado. A morena assobia e sua prancha transforma em flauta novamente. Ela sopra a mesma que forma uma bolha em sua ponta, erguer sua flauta pra cima e diz:

- Teletransportar!

A bolha sai da ponta da flauta e começa a voar livremente. Volpina a pega e ve que o local onde seu poder a levaria seria era para o alto de uma arvore.

- Olha aquela arvore parece com a que a bolha mostra. – fala Marinette apontando para uma arvore.

- Então Volpina você não vem me enfrentar?! – pergunta Vanipi vindo em sua direção lentamente.

- Você já tem um plano? – pergunta a garota de cabelos negros.

- Não. – a raposa começa a correr em direção ao akumatizado, depois de colocar sua bolha em sua cintura. (Não me pergunte como rsrs)

Volpina ao aproximar de seu alvo da uma voadora que não o acerta, mas que a fazer cair. Vanipi vai ate a raposa e para acertá-la com seu poder, ele soca, mas a morena rola pro outro lado ainda no chão. Ela se levanta rapidamente e vê que ela esta perto da arvore que sua bolha indicava. Com um movimento rápido antes que Vanipi a atingisse, Volpina pega de sua cintura e joga no chão a bolha que ao estourar a teletransportar para o alto da arvore. Vanipi não atingi e sem entender a procura. Quando a encontra no alto da árvore a morena da tchauzinho pra ele, so que nesta hora o galho onde ela estava sede e ela cai sobre o homem. Volpina cora por esta em cima dele, mas vendo o momento ótimo, ela pega sobre o peito do homem o tecido do “V”, rasgando assim ao tirar de la. O akuma sai ao ser rasgado e a garota raposa o captura e o purifica. O mal sucumbi do corpo de Leonardo, o antigo akumatizado.

- O que aconteceu? – pergunta ele olhando para Volpina que estende a mão para ajudá-lo a levantar.

- Você foi akumatizado, mas agora esta tudo bem. – diz a morena, nesta hora Marinette aproxima.

- Você esta ficando melhor a cada dia, mas mesmo assim ainda não consegui me alcançar. – ela sussurra e as duas riem juntas.

Volpina escuta um “BIP” vindo de seu miraculous e sai correndo para dentro da tenda de Marinette, olhando atentamente para os lados, para vê se ninguém havia visto entrar. A raposa desliga sua transformação, sai da tenda sem perceber que ainda estava suja e aproxima de Marinette que ri de sua situação, fazendo a mesma se lembrar do acontecido. Ela envergonhada sai correndo para a tenda de sua amiga que vigia a entrada pra que ninguém entrasse. Depois de um banho nada melhor do que um bom almoço, por isso mesmo as meninas juntas seguem para a “cozinha do acampamento” onde as mães das garotas já esperavam, Ayla também estava la com Andre que faz o pronunciamento, agradecendo a Volpina que poderia ser qualquer uma a sua volta. Depois disso, ele explica a todos o que ainda não havia sido decidido a respeito de Cat noir, Marinette não sabia daquilo, por isso implora pra que Lila desse um jeito pra impedi-los de fazer qualquer coisa que fosse contra seu parceiro.

- Eu já sei o que fazer! – exclama a morena que corre para o lado de fora e se transforma de trás de uma arvore ali perto.

Depois de transformada, Volpina entra na tenda bem no momento em que uma mulher pergunta:

- E a Volpina sabe de tudo isso?

- Agora sim estou a “pá” da situação, mas sei disso não foi porque o prefeito me contou! E se querem minha opinião... Vocês nunca venceriam o Cat noir, principalmente do jeito que ele esta! – exclama a raposa se aproximando do prefeito.

- O que acha que devamos fazer? Ficar aqui parados?!

- É o melhor que vocês não façam nada. – diz a morena encarando o homem.

- Não podemos ficar aqui parados enquanto ele destrói a nossa cidade! – retruca ele.

- Destruir mais o que?! Não sobrou nada de Paris e sem a Ladybug eu não posso trazê-la de volta! Então faça o que estou mandando! – diz ela dando de ombros pra Andre.

- Se você não tem poder pra restaurar o dano causado por ele, então por que esta aqui?!

Ao ouvir aquelas palavras, a morena ate perde seu equilíbrio sentimental, eram poucas palavras que a tocavam tanto assim... Por que mesmo estou aqui?! Se perguntava, já que nem mesmo tinha poder suficiente pra derrotar Cat noir. Mas por que derrotá-los?! O que ela mais queria era ajudá-lo, mas as aquelas pessoas faziam com que ela pensasse em destruir em vez de ajudá-lo, talvez esse fosse o seu erro desde inicio.

- Estou aqui por que fui escolhida assim como a Ladybug para os protegê-los e é o que estou fazendo! Vocês de jeito nenhum podem dizer que estou fazendo ao contrario! – diz enfim Volpina sentindo que uma lagrima descendo de seus olhos castanhos.

- Ela tem razão! Ninguém sabe, mas foi ela que me salvou de uns dos prédios consumidos em chama por uns dos akumatizados! – grita Marinette se levantando do chão, fazendo todos voltarem o olhar pra ela.

- E esse akumatizado acredito que fui eu! Mas a Volpina me libertou do akuma! Por isso mesmo hoje estou aqui! – exclama Ricardo também se levantando já que um dia também havia sido Men Fire, uns dos mais difíceis akumatizados.

- A Volpina salvou a minha filha! Se não fosse por ela, eu nem sei o que seria dela! – exclama Sheila, a mãe de Lila, mesmo aquele depoimento não foi verdadeiramente uma dos relatos de aventura em que a nossa heroína ajudasse aos outros.

- Ela agora a pouco nos salvou de Vanipi! – gritou um outro, fazendo Volpina se orgulhar de si mesma por tudo que tão pouco pra que ela havia feito.

- Isso é so dos poucos relatos que ela fez por todos, incluindo você mesmo prefeito. Não é mesmo que hoje mesmo foi salvo pela a Volpina por uns dos akumatizados de Hawk Moth que queria vê-lo morto! – exclama Marinette defendendo mais uma vez sua amiga e Andre somente abaixa a cabeça.

- Queridos cidadãos! – começa a falar Volpina olhando pra cada um de todos que estavam ali presente. – Cat noir pode ser um perigo agora, mas ele antes de ser akumatizado, ele era um super herói, alias ele continua sendo já que assim como eu um dia já os protegeu do mal que os rodavam! Nada mais justo, vocês também fazer o mesmo, deixando de lado essa ideia absurda de atacá-lo!

Muitas pessoas começaram a falar ao mesmo tempo e algumas olham pra heroína que estava a sua frente. Todos sabiam no fundo que assim como Cat noir, estavam imunes aqueles sentimentos negativos que em qualquer hora que fosse, os transformassem em marionetes de Hawk Moth, assim como Vanipi, agora por pouco havia feito com muitas pessoas. Volpina olhava pra cada um que a respondiam com um sorriso sincero ou aceno de cabeça positivo. Sabia no fundo que aquelas pessoas estavam dizendo que sim pra ela, por isso so faltava ouvi da boca de alguém que cumpriria com a palavra.

- Então?! Posso ter sua palavra Sr. Prefeito?! – pergunta a heroína com a mão estendida e o mesmo retribui com o aperto sem mesmo dizer nenhuma palavra, mas ela sabia que ele não poderia fazer nada sem o apoio das pessoas ali presentes.

Volpina agradece, se despedi de todos, vai ate um lugar próximo, e encerra com sua transformação. Siuck se esconde como sempre em sua bolsinha e a mesma vai almoçar agora em paz. Ao sentar no chão, ao redor de sua família e de suas amigas, Ayla pergunta:

- Menina, onde você estava vey?! Você não sabe o que perdeu?!

- O que?! – fez de desentendida.

- A Volpina esteve aqui bem na hora em que você saiu. – diz Ayla e Marinette sem querer solta um sorrisinho. – O que foi que eu disse?

- Nada Ayla, nada. – fala Marinette.

Depois disso, a tarde passou rapidamente com conversas paralelas das amigas e foi naquela tarde que Lila realmente conheceu o valor de uma amizade no conforto da conversa delas três. Ate que enfim chega à noite, sem nenhum akuma pelo o visto, as garotas se reúnem em volta da fogueira. Ayla entediada sugere que elas jogassem: Verdade ou desafio, as meninas aceitam, mas sua mãe a pedi pra cuidar de seus irmãos, ela sem querer a obedece e se despedi delas. Passaram-se alguns minutos, as garotas estavam se sono ate que Marinette tem uma ideia:

- Lila, você consegue fazer com que as pessoas sonham o que você quiser não é mesmo?

- Você quer dizer... – Lila olha para os lados e não vê ninguém próximo. – A Volpina consegue.

- Isso, mas então você por acaso pode me fazer sonhar com a Tikiki?

- Tem certeza?

- Tenho. Gostaria muito de sonhá-la com ela. – confirma a garota de cabelos negros e assim é feito.

Lila se transforma e começa a tocar sua falta num ritmo diferente do que o de costume. Marinette se relaxa sobre o chão e as notas que saem da falta tocam sua cabeça, fazendo cai em um sono profundo. La estava ela no sonho, correndo no campo repleto de flores, mas para sua infelicidade, Tikiki não estava nele. Ela olha pra um lado e para outro, mas não a encontra em lugar nenhum. Seus olhos começam a lagrimejar, será possível que nem nos sonhos, mesmo que não fossem reais, ela não podia simplesmente conversar com sua kwami, no fundo o que ela mais queria era seus bons conselhos.

- Marinette?! – a garota de olhos azuis escuta, levanta sua cabeça e com um salto, agarra a pequena. – Eu consegui Mari!

- Ah Tikiki é tão bom te vê, mesmo que isso seja um sonho.

- Não Mari, isso não é somente um sonho. – diz a kwami desfazendo do abraço que sua escolhida havia lhe dado apertando contra sua bochecha sem a machucá-la.

- Do que você esta falando Tikiki?

- Posso estar inconsciente, mas minha mente ainda continua ativa, e eu mesmo desacordada, sei o que passa do lado de fora através de sua mente.

- Através da minha mente?!

- Sim Mari, estamos conectadas uma a outra, por isso posso saber o que esta acontecendo através de sua mente, enfim de seus sentimentos que me alertaram que você precisava de ajuda e so bastou você se concentrar em mim para poder invadi sua mente por completo. Fazemos isso para me comunicar telepaticamente com os outros kwami, mas com os portadores, eu nunca havia feito.

- Uau! – exclama a mestiça de boca aberta, pois não sabia nem do terço dos poderes que possuía em mãos, que não poucos. – Mas ainda estou sonhando ou não?

- Esta sim. Mas vamos logo ao que interessa, você precisa conversar com o Cat noir.

- Mas como, se não posso me transformar?! – pergunta ela.

- Marinette, você é a Ladybug com ou sem a roupa!

- Você já me disse isso. – diz a mestiça revirando os olhos.

- E por isso torno a repeti! Alem do mais, existe mais de uma forma de comunicar com as pessoas. Me diga! Quando você esta triste, você transmiti em seu olhar, sua tristeza, isso é uma forma de comunicar.

- Mas...

- Marinette! Eu estou aqui conversando com você, esse é outro exemplo! – diz Tikiki a encarando e depois ela abraça sua bochecha. – Sei que você vai consegui encontrar um jeito... Eu sinto muita sua falta Mari.

- Eu também Tikiki...

- Mas essa saudade uma da outra pode se matada daqui umas algumas horas. – Tikiki sussurra, mas Marinette não chega ouvi, porque é acordada por nada, um barulho de vento forte que bate em seu rosto, balançado seus cabelos negros.

- Ah?! O que aconteceu?!

- Calma Mari, você sonhou com a Tikiki. – diz Volpina sentada ao seu lado.

- Você ouviu o que ela disse?

- Não, apenas vi.

Então Marinette explica toda a sua conversa com sua kwami para Lila, agora se sentia mais leve, mas ainda sim não compreendia as palavras de Tikiki.

- Não sei o que ela quis dizer com isso, mas quem sabe se você dormi de novo, ela não conversa com você através do sono? – sugere a raposa.

- Através do sono?! É isso! Eu posso conversar com o Cat através do sono! Mas agora eu preciso de sua ajuda...


Notas Finais


Será que essa ideia dará certo???

Mas Gente olham o tamanho desse capítulo, no sério foi o maior q já fiz rsrs.👆👆👆
Então o aviso é esse...
A partir de amanhã vou viajar por isso vou ficar sem postar talvez por uma ou duas semanas. Mas calmam quando voltar vou recupessar vcs. Bjs.. E até o mais breve possível meus amores😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...