História O Outro Lado - Capítulo 19


Escrita por: ~ e ~AnnaEsttevao

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Aventura, Colegial, Comedia, Escolar, Ficção, Mistério, Novela, Originais, Romance, Saga
Exibições 11
Palavras 2.362
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OI GENT. TUDO BEm? boa leitura sz

Capítulo 19 - Lástimas. Que dia horrível


Depois de um curto e divertido percurso da academia até a minha casa, finalmente cheguei em minha humilde residência.

[Jade]:- Tchau! Até amanhã! - Ela falou colocando a cabeça para fora da janela, enquanto eu procurava as chaves da porta da frente em minha bolsa. 

[Melissa]:- Tchau! - Finalmente achei as chaves. Por um fração de segundo pensei que havia as perdido. Caso isso tivesse acontecido, minha querida vó iria fazer o meu fígado para o jantar. - Vó, cheguei! - Foi o que berrei ao entrar em casa. Ela apareceu de algum lugar de dentro de casa. Ela parecia estar um pouco cansada.

[Suzumi]:- Que bom que você já chegou. Por que o atraso? Como foi o vôlei hoje? - O tom de voz da minha vó era completamente dócil e preocupado. Creio que o meu atraso era o motivo de sua preocupação.

[Melissa]:- Ah, vó. Não se preocupe, está tudo bem. - Comecei a falar para tranquilizar ela - O pai da Jade teve mais trabalho do que esperava. Ele é dono de uma empresa, isso já era de se esperar. - Expliquei e ela assentiu, compreendendo - E sobre hoje no vôlei, foi muito legal! Foi um jogo de equipe contra equipe. Jade e eu ficamos em times adversários, mas não jogamos como se estivéssemos competindo. Nós ficamos rindo igual a duas retardadas de erros bobos que cometíamos durante o jogo, e acabou que no final deu empate. - Ela sorriu.

[Suzumi]:- Bem, você deve estar exausta! Vá para seu quarto, tome um banho, faça seus deveres de casa e depois desça para comermos!. - Fiz que sim com a cabeça e fui para meu quarto.

Depois de um banho quente, coloquei a primeira roupa que vi, que por sinal era um pijama em que o short não combinava com a blusa, e peguei meus materiais pra fazer minhas lições de casa, da maneira que minha vó me instruiu a fazer. Não estava difícil, mas percebi que tenho que prestar mais atenção nas aulas e conversar menos durante elas com Thomas. Ah, depois eu dou um jeito. Arrumei um pouco o meu quarto e depois arrumei minha mochila; amanhã terá Química, mas meu jaleco e todos os materiais necessários estão no meu armário. Com tudo pronto, desci as escadas, esperando ver alguma coisa mirabolante que minha vó tinha cozinhado, mas não. Na mesa, estava apenas uma simples pizza de frango com cream cheese, de uma pizzaria muito boa e com um preço também muito bom aqui em Home Sweet Home. Comecei a rir.

[Melissa]:- Ué vó, achei que você ia cozinhar alguma coisa.- Me sentei em uma das cadeiras, e ela se sentou na que estava de frente para mim, me olhando.

[Suzumi]:- Eu sei que cozinho muito bem, mas preferi pedir alguma coisa mesmo. Sua velha está cansada hoje.- Ambas abrimos um sorriso.- Então, resolvi pedir pizza mesmo. Sei que você gosta dessa.

[Melissa]:- Com certeza! Posso atacar?- Peguei a faca, pronta para pegar um pedaço.

[Suzumi]:- Pode, meu amor!- Peguei um pedaço e ela pegou um logo depois de mim. Comemos conversando sobre o dia de cada uma. Sério, eu estava com tanta fome que comi uns três pedaços de pizza, estava muito bom! Depois, ajudei minha avó a arrumar a cozinha. Ficamos vendo algumas coisas na TV, e finalmente deu a hora de eu dormir, além de que eu estava muito cansada. 

[Melissa]:- Vovó, já vou dormir.- Me levantei, dando um beijo em sua bochecha.

[Suzumi]:- Ok, vou ficar por aqui mesmo.- Ela abriu um sorriso, e eu o devolvi. Depois, subi para meu quarto e entrei nele. A janela estava aberta, mas a luz desligada, de modo que a luz da lua conseguisse se refletir dentro do meu quarto, o iluminando. Abri um sorriso. Meu quarto estava muito bonito. Fui ao meu banheiro e escovei meus dentes, logo me deitando em minha cama. Pensei em minha vida, desde as memórias que eu consigo lembrar, me virando de lado na cama. Adormeci bem quando pensei ter lembrado de um garoto.

Meu Deus, eu realmente devia ter fechado a janela. Agora que amanheceu, o sol da manhã estava bem na minha cara. Exatamente quando eu comecei a me incomodar com isso, o despertador tocou. Acordei sem devaneios, já que eu estava em um sono mais leve desde o primeiro raio de sol; por isso, me arrastei até o banheiro para tomar um banho. Depois de toma-lo, arrumei meu cabelo em um coque bem preso, fazendo uma maquiagem rápida. Escovei meus dentes e escolhi uma roupa simples. Afinal, vai que na aula de química acontece alguma coisa? Peguei minha mochila e a coloquei nas minhas costas, sai do meu quarto e desci as escadas. Olhei para um relógio, e percebi que estava adiantada. Decidi de última hora que iria comer alguma coisa por lá mesmo, aproveitando que eu tinha um pouco de dinheiro perdido no meu bolso da calça e que eu queria ter tempo para conversar mais com Thomas. Por isso, sai de casa e dei as duas batidinhas na porta, vocês já sabem porque. Assim que eu pisei no pequeno gramado de minha casa, algumas borboletas apareceram. Abri um sorriso e comecei a cantarolar Butterfly, do BTS, pois elas me lembraram essa música. Não sei se estou doida, mas enquanto eu andava calmamente até a escola, percebi que as borboletas não saíram de perto de mim. Todas elas tinham asas roxo com preto, com alguns pontos azuis, como se fosse o universo, pelo o que percebi. Fiquei maravilhada com tanta beleza; primeiro, a lua em meu quarto. Agora, elas, que apenas pararam de me rodear quando pisei no quarteirão do colégio. Antes de acompanhar suas ''colegas'', uma delas parou bem na ponta do meu nariz, saindo só porque abri um sorriso.

[Melissa]:- Tchau, bonitinha.- Sussurrei. Esperava que ninguém estivesse me olhando conversar com borboletas. Andei até a lanchonete, comprando um café e um salgado. Encontrei Thomas na entrada do colégio, encostado em uma parede, pensativo. Cheguei perto dele.- Bom dia!- Sem que eu percebesse, soltei um bocejo e esfreguei meus olhos muito estranhamente, já que ambas as minhas mãos estavam ocupadas. Ele olhou para mim bem neste momento.

[Thomas]:- Bom dia, Mel. Com sono?- Concordei levemente com a cabeça, tomando um pouco do café.

[Melissa]:- Não dormi muito bem. Não fechei a janela, dai o sol foi na minha cara. Mas sei lá, desde o momento que eu comecei a me revirar na cama, foi como se eu quisesse fazer alguma coisa que eu não sabia que era.- Ele arqueou uma sobrancelha, confuso. Pensei um pouco.- Desculpe, sou horrível com explicações. Mas não tenho outra expressão para usar.- Comi o último pedaço do meu salgado e acabei meu café logo depois. Ele apenas olhava para mim, como se estivesse em transe. Bati palmas em frente ao seus olhos.- Parece que você também não dormiu bem hoje, hein?- Joguei o copo que eu estava usando no lixo, dando tempo para que ele voltasse a si. Ele deu de ombros para mostrar que estava vivo.

[Thomas]:- Talvez. Bem...- Ele abriu um sorriso brincalhão.- Quem sabe essa sua dificuldade para dormir não seja por causa da culpa por não ter me respondido no ''zap zap''?(N/A: desculpa, tive que usar essa expressão).- Gargalhei, e ele também riu um pouco comigo.

[Melissa]:- Como assim? Nem peguei no meu celular muito ontem. O que você disse?- Ia pegar meu celular em meu bolso, para ver a mensagem dele. Ia, porque ele me impediu, segurando meu pulso. Olhei para ele, confusa.

[Thomas]:- Apenas dei boa noite, não precisa ver. Eu estava brincando sobre a ''culpa''.- Ele me soltou devagar, me olhando. Decidi não pegar o celular.

[Melissa]:- Se você diz...- O primeiro sinal tocou.- Bem, meu armário é um pouco longe do laboratório. Vou indo, Thomas.- Abri um sorriso.

[Thomas]:- Tchau, Mel.- Ele acenou timidamente, coçando a cabeça logo depois com um pequeno sorriso. Olhei para trás quando estava virando para outro corredor. Ele continuava a me olhar, e apenas parou quando alguém entrou em sua frente, impossibilitando-o de me ver.

Dei uma pequena caminhada até meu armário, abrindo-o quando cheguei perto dele. Minha senha é 04/01/14, que por coincidência é o dia do meu nascimento. (N/A: na história, estamos no ano de 2030, só relembrando) Super estranho, mas é super legal e fácil de lembrar. Gosto assim. Peguei o meu jaleco, minha bolsa de lápis, meu CL(caderno de laboratório) e meu óculos. As luvas já são distribuídas no laboratório, caso necessário. Já fui colocando meu jaleco e meus óculos, para que eu não precisasse de carregar tantas coisas. Com isso, fui em direção ao laboratório, sendo uma das primeiras pessoas a chegar nele; dentre elas, estava o Rafael e o Josh, meio-irmão de Jade. Acenei com minha cabeça para ambos e fui diretamente para a última bancada. Me sentei em um dos banquinhos e comecei a folhear o CL, afim de me acostumar com a matéria e o material, ficando tão entretida que nem cheguei a perceber quando a sala começou a encher. Apenas fui prestar mais atenção quando a gritaria começou; Jade chegou logo depois, acompanhada de Tom. Na porta, eles se separaram; ela veio em minha direção e não prestei atenção para onde ele foi. Quando tive certeza de que ela estivesse perto o suficiente para me ouvir caso eu falasse um pouco mais alto por causa da gritaria na sala, disse:

[Melissa]:- Podemos ser uma dupla?- Ela abriu um sorriso brincalhão, respondendo também em uma altura mais elevada:

[Jade]:- Tipo os carinhas de Breaking Bad? Claro!- Trocamos um high-five, coisa que estava virando mania entre nós, e ela se sentou no banco ao meu lado. Dai, começamos a falar sobre coisas meio retardadas, tipo... A seleção brasileira de futebol e a mexicana. Comentei sobre o ''eu não gostar de futebol'', coisa que ela já sabia que eu tinha dito no primeiro dia de aula pela boca dos meninos. Não faço a mínima ideia de como chegamos nesse assunto exemplar. Quando ninguém esperava, um furacão entrou na sala:

[Professora]:- Que baderna é essa que está acontecendo aqui?!- Todos se sentaram em nem meio segundo com suas duplas, e eu comecei a rir mentalmente: quando se trata em sentar logo antes que a professora veja, os alunos são experts nisso. Viram o Flash, aquele super-herói rápido que foi criado lá longe da minha data.- E vale ressaltar que eu irei escolher as duplas!- Ouvi vários ''Ahh...'' pela turma. ''Bem, tá bele...'' Não consegui concluir meu pensamento.- Pelo resto do ano!- Ela parecia bem decidida. Consegui ouvir vários alunos a xingando baixinho, mas eu apenas dei de ombros. Desde que seja alguém legal, tá bom também. Como se a situação não pudesse piorar, alguma babaca soltou:

[Babaca]:- Igual fazem no Jardim da Infância?- A professora olhou para ele:

[Professora]:- Exatamente! Igual fazem no Jardim de Infância, devido a sua falta maturidade.- Ela rebateu. A maioria da sala disse ''UUUUUH, trouxa!'' Meu Deus, estou rodeada por crianças de cinco anos de idade. Ela continuou, como se nada tivesse acontecido.-Para começar, quero que Jade e Halsey sentem-se juntas na bancada do meio.- Olhei para Jade, rindo um pouco. Sua expressão era de dar dó, mas quando ela soltou um urro de raiva, quase morri de rir. Ela definitivamente não estava satisfeita com a escolha da Sra. Beth, já que foi para a bancada de Halsey em passos duros. Já ela, estava com uma cara de nojo.

[Halsey]:- Ir com ela? Mas nem se ela fosse a única pessoa do mundo! 

[Jade]:- Oh anta! Se eu fosse a única pessoa do mundo eu não iria nem com você e nem com ninguém! Seria apenas a minha pessoa aqui! Bora usar o cérebro para falar, pelo o amor de Deus.- A professora olhou feio para elas enquanto Jade sentava em seu banquinho.

[Professora]:- Ei, vocês duas! Educação é bom, de graça, deve ser usada e eu gosto!- Halsey começou a reclamar no ouvido de Jade sobre coisas fúteis, e ela olhou para mim como se estivesse pedindo minha ajuda. Ri um pouco.- Agora, deixe-me ver...- A professora analisou a turma.- Melissa e Tom aí atrás mesmo!- Esbugalhei meus olhos, mas não mudei muito minha expressão, em choque. Me lembrei por um momento da reação do Suga ao ganhar o prêmio de melhor álbum do ano junto com os outros garotos(BTS). Tirei este momento feliz de minha mente e me foquei no triste momento que eu estava tendo. Eu estava xingando baixinho todos os palavrões em outras línguas que eu conhecia, e percebi que, agora, era Jade que estava rindo de mim. Tom passou por ela com um sorrisinho no rosto, e os dois bateram as mãos. Dei uma olhadinha em onde Tom estava sentado; se não fosse por Beth, ele teria que ir com o ''Igor do Cecê''. A mudança foi boa para ele, péssima para mim. 

[Tom]:- Olá Dama Melissa, tudo bem?- Ele se sentou ao meu lado, enquanto eu continuava a tentar lembrar algum palavrão em coreano, talvez. 

[Melissa]:- 젠장 (jen-jang)- Ele me olhou, totalmente confuso.- Eu disse merda. Quer que eu repita? 젠장.- A professora estava falando as outras duplas, mas eu não estava prestando atenção. Ele abriu um sorriso.

[Tom]:- Ok, senhorita coreana...- Ué, como ele identificou a língua?- Não vou te encher, prometo.- Seu tom era totalmente irônico.

[Melissa]:- Que bom. Mas caso você não cale a boca, eu mesmo coloco fita nela pra você calar.- Ele riu, voltando a olhar para frente. Como se o dia não estivesse ruim o suficiente, a professora deu a seguinte notícia bem quando eu fui prestar atenção nela:

[Professora]:- Só para avisar, as duplas valerão para todas as vezes que vocês forem em laboratórios, para todas as matérias.- Todas as matérias. Ah, que ótimo. Me joguei na mesa, com meu braço embaixo de meu rosto, e minha mão livre segurando meu colar. Murmurei algo que nem eu entendi. Acho que eram minhas lástimas. Só ouvi Tom dando uma risada irritante, falando logo depois:

[Tom]:- Calma, projeto de TPM. Eu não vou explodir o mundo nem nada do tipo.- Suspirei. Tom e suas piadinhas enigmáticas.


Notas Finais


TCHAU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...