História O Outro Lado dos Youtubers - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 140
Palavras 2.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Saga, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas!
Tiveram muitos pedidos nos comentários, então resolvi fazer entre Christian e Cocielo, que foi o pedido de algumas pessoas.
Espero que gostem.

Capítulo 5 - Quer Dar Uma Pegada? (Christian e Cocielo)


Fanfic / Fanfiction O Outro Lado dos Youtubers - Capítulo 5 - Quer Dar Uma Pegada? (Christian e Cocielo)

Christian & Cocielo

Quer Dar Uma Pegada?

Depois de mais um dia de gravações do novo filme de Youtubers, Christian, Cocielo e Igão pegam a estrada a procura de algum hotel para descansar. As gravações do dia tinham sido intensas e haviam ocorrido no meio da floresta amazônica, e até tinham algumas casas na região e na beira da mata, mas o trio achou melhor procurar um lugar um pouco mais afastado para passarem a noite, com menos moscas e menos barulhos de insetos.

- O GPS está dizendo para virar a esquerda na próxima abertura. – Diz Igão com o objeto nas mãos e sentado ao lado de Cocielo, que dirigia.

Christian estava no banco de trás, mas precisamente atrás do motorista.

- Se eu soubesse que era tão longe assim eu preferia dormir no meio do mato mesmo. – Ele diz.

- Eu não dormiria lá nem fudendo. – Diz Cocielo ao volante.

Continua dirigindo com velocidade mediana e moderadamente atento a estrada que estava escura e deserta. Logo, quando chegou a um trecho onde uma rua lateral se abria, Igão repetiu que eles deveriam virar naquela rua, e assim fizeram. Guiados pelo GPS, avançaram por mais dez minutos até Cocielo avistar um letreiro bastante iluminado do outro lado da rua.

- Chegamos. – Cocielo avisa já descendo do carro. É seguido logo depois por Igão e Christian.

Atravessaram a rua e entraram no hotel. Já na recepção, a mulher atrás do balcão disse que só havia dois quartos desocupados, um de solteiro e outro de casal. Esperto, Igão logo pegou a chave do quarto de solteiro e foi para ele, provocando Cocielo, que o xingou algumas vezes em tom de brincadeira.

Sem poder escolher, ele e Christian ficaram com o quarto de casal, pegaram a chave com a recepcionista e seguiram pelo corredor que ela indicou. Após virar em dois corredores finalmente encontram o quarto em que iriam ficar.

Era um quarto simples e modesto, havia uma cama de casal no centro do cômodo, a direita dela havia um criado mudo com um abajur ligado em cima, e a esquerda da cama havia uma poltrona de couro, e ao lado dela, uma janela fechada. Um grande tapete vermelho cobria o chão e do outro lado do quarto havia uma porta que levava para um pequeno banheiro.

Cocielo se senta na beira da cama e Christian se senta na beira contrária.

- Você não vai tomar banho?

- Não, estou morto de preguiça, amanhã cedo eu tomo. – Diz Cocielo e se deita na cama, colocando as mãos por baixo da cabeça. – Pode ir você.

- Beleza.

Christian se levanta e de costas para o outro começa a tirar a fivela do cinto, depois que o retira, joga-o sobre a cama e desce o zíper da calça, tirando-a logo depois. Tira a camisa e também o tênis e em seguida as meias. Por fim, fica apenas de cueca box branca.

Observando o amigo daquele jeito, Cocielo teve desejos, pensamentos e vontades estranhas. Como por exemplo a vontade de tocar e apalpar Christian, e a curiosidade de saber como ele era gemendo. Apesar de magro, Christian tinha lá seus músculos, e todo seu corpo era bem definido e suculento. Observou a cena enquanto pôde e desviou o olhar assim que Christian se virou para olhá-lo.

- Será que tem alguma toalha por aqui?

- Acho que no banheiro deve ter. – Responde e passa o olhar rapidamente pela cueca do amigo, notando um leve volume.

- Verdade, lá deve ter.

Christian vira-se e vai para o banheiro. Enquanto ele caminha, Cocielo observa as costas, a bunda e as pernas do amigo, mordendo o lábio e pensando no que poderia fazer com ele.

Depois que ele entrou no banheiro e fechou à porta, Cocielo desviou o olhar para um ponto qualquer e suspirou fundo. Estava bastante quente, então tirou a camisa e o tênis e colocou ambos no criado ao lado da cama. Estava cansado e por isso acabou cochilando. Quando acordou, sentiu e ouviu algo se mexer ao seu lado esquerdo. Ao olhar, viu Christian sentado do outro lado da cama.

Ele estava de costas para Cocielo, e enxugava as costas e o peito que ainda estavam molhados. Após fazer isso, ele se levanta, revelando seus glúteos. Depois seca as pernas e veste novamente as roupas que usava antes. Coloca a toalha sobre a poltrona ao seu lado e se vira para Cocielo.

- Uê, pensei que você já tinha dormido. – Ele diz fitando o amigo e depois desce o olhar para algo mais abaixo. Depois desvia o olhar.

Cocielo levanta a cabeça e olha para o próprio corpo, tentando descobrir o que Christian estava olhando. Notou que estava excitado, e que havia um grande volume em sua calça. Para disfarçar, colocou a mão por cima do local.

Christian caminha até a porta e aperta o interruptor na parede ao lado da mesma, fazendo as luzes do quarto se apagarem. A única iluminação agora vinha do abajur no criado mudo ao lado de Cocielo, mas ele iluminava apenas alguns metros ao redor.

- Boa noite.

Christian diz e vai para seu lado da cama.

- Boa noite. – Cocielo diz.

Após chegar, Christian deita-se devagar em seu lado da cama e passa alguns segundos se revirando, procurando uma posição confortável para dormir. Assim que encontra, para de se mexer.

Apesar de estar relativamente confortável, após dez minutos na cama, Christian continuava acordado, não conseguia dormir e ouvia a respiração do amigo atrás de si. Foi então que sentiu alguma coisa cutucá-lo pouco abaixo da cintura.

- Mano, para de cutucar.

- Eu não cutuquei você. – Ouve Cocielo dizer.

- O que foi então? – Christian se remexe na cama, mas continua sentindo algo cutucá-lo.

- É meu pau.

- Mano, para de brincadeira. – Ele ri.

- Eu não estou brincando. – Diz Cocielo. – É meu pau que está cutucando você.

Christian vira o corpo para o outro lado e por conta da escuridão, vê apenas de relance um grande volume na calça de Cocielo, que está com o corpo virado para ele.

- É tão grande assim?

- É, não quer dar uma pegada? – Cocielo sugere.

Ele pergunta e leva uma das mãos a seu membro, segurando-o e em seguida o balançando levemente, formando um contorno na calça bem fiel a forma real de seu membro.

- Dispenso. – Christian responde e olha para o teto escuro.

- É só uma pegada, não é nada de mais. – Disse tentando convencê-lo.

Christian virou a cabeça para ele e o olhou novamente. O abajur iluminava seu rosto parcialmente e pôde perceber que Cocielo tinha no rosto uma mistura de curiosidade e safadeza, e parecia estar se divertindo com essa situação.

Christian estava indeciso.

- Pode pegar. – Cocielo o encoraja.

Christian foi deslizando lentamente à direita pela cama e quando a encostou no membro de Cocielo, foi subindo-a devagar apalpando e apertando levemente o membro que a cada instante ficava mais duro.

- É grosso também.

Assim que chega a cabeça, Christian para de subir a mão e começa a acariciar o membro do amigo. Cocielo soltava pequenos gemidos e levou sua mão até o volume na calça de Christian que começou a crescer com o toque e passou a apalpá-lo também.

Cocielo sentia como se seu membro fosse explodir para fora da casa, fazia tanta pressão que estava começando a doer, então ele desceu o zíper e abaixou a calça até os joelhos.

Como dizia aquele ditado, e era verdade, os magrinhos sempre surpreendem. Assim que ele desceu a calça foi como se seu membro salta-se para fora. Surpreso, Christian franziu a testa e sorriu levemente.

O membro de Cocielo era grande e grosso, tinha uma cabeça rosa e algumas veias por toda sua extensão, e pendia levemente para a esquerda

- Você quer chupar? – Cocielo sussurra.

- Quero. – Responde Christian olhando faminto para o membro do amigo.

Ele se sentou na cama e foi até Cocielo. Ajoelhou-se no meio das pernas abertas do amigo e abaixou a cabeça. Segurou o membro com uma das mãos e depois o tocou levemente com sua língua.

Ficou fazendo movimentos rápidos com a língua, depois tocou-o com seu lábios e começou a chupar o amigo. O membro de Cocielo era realmente grande e grosso, e Christian não conseguiu chupar muito. Então o tirou da boca e começou a lamber a cabeça e toda sua extensão até as bolas, dando pequenas mordidinhas de vez em quando.

Cocielo gemia baixo e quando Christian o tocava em uma área mais sensível ou o mordia, ele gemia mais alto e inclinava o corpo para frente.

Depois de lambê-lo e acariciá-lo por vários minutos, deixando o membro todo úmido, Cocielo se sentou e puxou Christian para um beijo. Agarrou seus cabelos e puxou seu rosto de encontro a seus lábios.

Foi um beijo intenso e prazeroso. Beijaram-se de forma voraz e sem medo, varias vezes inclinando seus rostos para os lados. Foi um beijo tão intenso que em certo momento Cocielo acabou mordendo com força os lábios de Christian, que sentiu um leve desconforto, mas nada que atrapalhasse.

Após alguns minutos trocando beijos e caricias, Cocielo empurrou Christian para trás, fazendo-o se deitar na cama. Então começou a tirar rapidamente o cinto que o amigo usava e depois que conseguiu, tirou também a calça, jogando-a pelos ares.

Levantou as pernas de Christian e posicionou seu membro na entrada do amigo. Christian era muito apertado, e no primeiro momento Cocielo conseguiu penetrar apenas a cabeça e alguns poucos centímetros.

O rosto de Christian era uma mistura de dor e prazer e ele se masturbava enquanto Cocielo tentava penetrá-lo. Segurou as pernas de Christian e as levantou mais, dando-lhe uma visão melhor da região. Então começou a entrar de forma lenta e devagar, fazendo Christian gemer e morder os lábios.

Quando já havia entrado a metade, Cocielo empurrou com força todo o resto, fazendo Christian gritar alto e tremer o corpo. Sua virilha já tocava a entrada de Christian, então ele inclinou o corpo para frente, deitando seu corpo sobre o do amigo e o beijou.

Foi um beijo rápido e cheio de chupões. Assim que acabou, Cocielo começou a movimentar seu membro lentamente para fora e dentro de Christian, que se contorcia em baixo dele e gemia.

A cada estocada que dava, Cocielo ia mais rápido e com mais força na estocada seguinte, e após alguns minutos ele já conseguia entrar e sair de Christian sem muitas dificuldades. Já Christian começou a xingar e a arranhar suas costas, fazendo-o sentir ainda mais prazer.

Enquanto estocava, Cocielo olhava de um jeito safado e provocante para Christian, que o puxou para si e começou a beijá-lo ferozmente. O beijo e as estocadas continuaram por um bom tempo até Cocielo diminuir a velocidade e descansar a cabeça no ombro de Christian e depois começar a morder e chupar seu pescoço.

Então Cocielo tirou seu membro de dentro de Christian e se jogou para trás. Seu peito arfou por alguns segundos e Christian se levantou na cama. Caminhou até ele e se posicionou na altura de sua cintura. Cocielo sorriu safadamente para ele e Christian começou a se abaixar lentamente. Já agachado, segurou o membro ainda ereto de Cocielo e começou a sentar lentamente, soltando gemidos e fazendo algumas caretas.

Quando sentou completamente, Cocielo começou a acariciar suas coxas e eles trocaram rápidos beijos. Então Cocielo passou os braços pelas costas de Christian e o puxou para si, colando seus corpos. Começou a estocá-lo novamente, Christian gritou e gemeu mais alto do que havia feito antes, e ele também.

Christian gemia alto, choramingando e chupava devagar e de forma preguiçosa o pescoço de Cocielo enquanto ele continuava estocando nele com toda a força que conseguia e continuava a segurá-lo junto a si.

Seus corpos já estavam suados e seus peitos pareciam arfar em sincronia. O cabelo de Christian estava colado em seu rosto e já sem muitas forças, Cocielo tirou suas mãos das costas do amigo, fazendo ele se levantar novamente.

Christian apoiou as mãos no abdômen de Cocielo e começou a fazer movimentos com a cintura para frente e para trás. Cocielo mordeu os lábios e começou a gemer. Em seguida começou a masturbar Christian.

Christian continuou a cavalgar por mais alguns instantes, gemendo e olhando de forma provocante para Cocielo, que estava com a boca semi-aberta e continuava a masturbá-lo, segurando seu membro com força e fazendo movimentos rápidos.

Cocielo gozou primeiro, sujando o interior de Christian, que continuou com o membro do amigo dentro dele enquanto era masturbado. Ele apertou com força o peito de Cocielo e gozou instantes depois, sujando a barriga e a mão do amigo.

Christian tirou o membro de Cocielo de dentro de si e se jogou pesadamente para o lado. Os corpos de ambos queimavam e ardiam de suor e prazer, e Christian se sentia destruído.

O peito de Cocielo arfava e ele respirava pesadamente enquanto enxugava o suor do rosto e lambia a mão suja pelo esperma de Christian. Sentia-se fraco e com as pernas bambas.

Continuaram a ouvir apenas a própria respiração e a do outro. Estavam cansados demais para se moverem ou conversarem algo. E minutos depois pegaram no sono.


Notas Finais


Se gostaram não se esqueçam de deixar o like e se insceverem no canal, ?? QUE, buguei
Não se esqueçam de favoritar a fic.

Quais youtubers querem agora? (Lembrando que só faço com Youtubers homens, e no momento só com 2 por vez, talvez mais para frente faço com 3 ou até 4)

Até :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...