História O paraíso não é para todos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Ferid Bathory, Guren Ichinose, Krul Tepes, Mikaela Hyakuya, Mitsuba Sangu, Shihou Kimizuki, Shinoa Hiiragi, Shinya Hiiragi, Yoichi Saotome, Yuuichirou Hyakuya
Tags Mikayuu, Yuumika
Visualizações 38
Palavras 706
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura ¯\_(ツ)_/¯

Capítulo 1 - Prólogo


"Prólogo"

 

Decidiu permanecer em seu expediente um pouquinho mais, agindo de maneira absurdamente infantil, entretanto já tinha tornado um mau hábito – do qual Mikaela vivia dizendo para não chegar tão tarde, já morava longe do emprego, para que demorar ainda mais? As ruas eram perigosas, principalmente durante à noite, mas parecia impossível colocar algum juízo na cabeça de Yuuichirou! –, lembrava-se sempre, com um toque de nostalgia e puro costume das palavras do loiro, a maneira que ele dizia tudo de maneira tão emotiva, com um jeito de palestrante, cheio de preocupações consigo, desejando que o moreno apenas voltasse bem para casa.

Às vezes, achava graça de tamanha preocupação, ele não era mais nenhuma criança, sabia se cuidar e também sabia perfeitamente que era perigoso nas ruas. Porém, sempre chegava tarde em casa, algumas vezes, a ponto de deixar o namorado à beira de um ataque, Mika lhe dizia algo como: “Eu juro! Se você tivesse chegado um pouquinho mais tarde meu coração iria sair pela boca!”, e tornava a pedir para que ele não fizesse isso novamente, em nenhum circunstância.

Por que Yuuichirou não podia simplesmente ouvir o namorado? Nem que seja uma única vez? Era infantil demais, parecia achar graça demais das preocupações do outro, quase maldoso. Evidentemente, era o contrário, sempre pedia desculpas – praticamente implorava –, tinha consciência de estar errado. Não gostaria de repetir isso, porém, parecia impossível, então tornou-se hábito.

Desta vez não estava atrasado por culpa de terceiros, tinha ficado até mais tarde trabalhando por vontade própria. Dizia ser infantil de sua parte, e era. Todavia, não gostaria de ir para casa, não gostaria de encarar os olhos azuis tão belos de seu namorado, ainda sentindo um bolo na garganta, tiveram uma briga logo de manhã, saíram de casa brigados sem nem um mísero “tchau”. E isso era de longe a pior das sensações para Yuu, queria pedir desculpas ao namorado, dizer que sim, estava errado e que não gostaria de brigar com ele, nunca mais. Amava Mikaela, desde que se entendia por gente, estavam juntos sempre, inseparáveis, Mika era seu porto seguro, tudo que ele possuía de mais precioso em sua vida.

E quando brigava com o mesmo, por algo banal na maior parte dos casos, sentia-se a pessoa mais estúpida do mundo. De certa forma, dizia e repetia isso para Mika, ele compreendia tudo, os dois tinham uma linha de raciocínio parecida nesses casos.

Dois bobos apaixonados demais. Embriagados por um amor adolescente, sem data de validade, imensurável, e que crescia a cada novo dia.

 

Despediu-se de seu chefe, tão simpático, vivia dando conselhos amorosos, era de certa forma engraçado, dizia e dizia várias coisas a Yuuichirou – e Yuu nunca usaria aqueles conselhos com Mika, porém, ouvia cada um deles, pensando sobre, tão concentrado naquelas palavras. Seguiu seu caminho, já havia andado de lá para cá milhares de vezes, poderia fazer aquele trajeto de olhos fechados!

Bastava andar até o final da rua, atravessar e ir para o ponto de ônibus. Normalmente saía em horário de bastante movimento, quando todos estavam indo embora, até conhecia algumas pessoas de tantos encontros e desencontros! Era uma vida bem pacata, estudos e trabalho, o tempo que ficava com seus amigos, sua família e junto a Mika, não poderia existir uma vida melhor em sua perspectiva.

Parou ao lado do semáforo, esperando este ‘abrir’ para atravessar, andava bastante pensativo desde cedo, a briga que tiveram mais cedo ainda repetia em seus pensamentos, pensava em uma maneira de se redimir com o namorado, desculpar-se por ser alguém tão estúpido às vezes.

Poderia atravessar, segurou sua mochila, e foi em passos apressados. Depois de tanto pensar no trajeto e nos minutinhos extras no trabalho, decidiu que queria logo ver Mikaela! Precisava do conforto que só o abraço de seu namorado proporcionava, queria repetir diversas vezes o seu amor ao mesmo.

 

Contudo parou abruptamente, não por escolha própria, de repente tudo escureceu a sua frente. Por que não conseguia ver absolutamente nada? Ouvia vozes, bem distantes, até tudo ficar silencioso.

Não sentia nada.

Parecia que algo sério tinha acontecido, ele só não sabia o que, fôra tudo tão rápido, sequer poderia pensar.

Seu coração deveria bater acelerado. E tudo que conseguia pensar era em Mikaela.


Notas Finais


Adivinha quem assistiu Owari no Seraph e ficou na necessidade de escrever uma fanfic? Eu mexma com x.
Eu pretendia escrever uma oneshot, bem simples, de certa forma seguindo o mangá/anime (é eu li alguns capítulos), mas por que não uma fanfic curtinha e bad?
É, a fic vai ser curta, no mínimo terá cinco capítulos, e provavelmente, no máximo dez. Espero fazer valer a pena!
E também espero que tenham gostado desse pequeno prólogo < 3

E como sempre estou aceitando críticas, opiniões, elogios, tudinho. Menos, é claro, ofensas e coisas do tipo, porque é como vocês sabem: entristece bastante e desanima.
De toda forma, sejam sinceros.

Beijos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...