História O passado obscuro - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Ação, Aventura, Magia, Revelaçoes, Romance
Visualizações 19
Palavras 1.843
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente linda, mais um cap, vou tentar postar toda semana.
Até lá em baixo <3

Capítulo 8 - Amizade retomada


Fanfic / Fanfiction O passado obscuro - Capítulo 8 - Amizade retomada

POV MARY HOLLING

Eu acordei na Ala Hospitalar, mas não como uma pessoa normal acorda, eu me impulsionei para frente com muita força, ficando sentada na cama e extremamente ofegante, não conseguia me lembrar do que havia acontecido. Levantei com tanta força que mal pude reparar na pessoa que estava ao meu lado, eu rapidamente levei a mão a cabeça, estava com uma dor de cabeça terrível.

- Graças a Deus! Você acordou

Fiquei confusa, devagar olhei para o lado, ainda com a mão na testa por causa da dor e com o olhar semi-cerrado eu disse:

- Se..Sebastian?
 

Ele esboçou um sorriso e concordou com a cabeça, aquele sorriso maravilhoso, eu não devia ter ficado brava com Sebastian família não tem nada a ver com quem você é.

-Você que me... que me trouxe?
 

- Bom.. Sim, na verdade eu estava prestando atenção em você a aula toda, queria lhe perguntar por quê está brava comigo?. Ele disse se levantando da cadeira e me ajudando a virar para ele, para me sentar melhor.

- Eu não estou brava, ultimamente estou com a mente atormentada, entende?
 

- Sim.. Mary, quem era aquela mulher?

- Não acreditaria em mim se eu falasse. Eu disse baixo, como se isso fosse só para mim

- Eu nunca vou deixar de acreditar em você. Ele disse segurando a minha mão. - Mas, se não quiser que eu saiba não tem importância.

- Não é isso, é que.. eu não sei quem é

- Estranho... Você tem medo de uma pessoa quem nem conhece?

- Eu sinto que não é a pessoa, mas sim o que aconteceu com ela ou acontecerá

Ele franziu a testa.

- Eu sei, sou maluca

- A '' maluca '' mais legal que já conheci

Eu sorri, a dor de cabeça havia passado e parecia que ficamos ali por minutos, horas, dias, anos... Se olhando sorrindo.

- Ah querida, você acordou. Disse a Madame Pomfrey que vinha em minha direção. - Não se preocupe, acho que você só ficou um pouco assustada com o Bicho-Papão, mas está liberada para seguir normalmente para as aulas.

- Está bem. Eu disse, medo do bicho-papão? É claro que não, ou medo daquela mulher?  Algo está errado, esses sonhos doidos, alucinações. Eu preciso descobrir o que está havendo comigo.

- Querido, você ajuda ela? Pediu Madame Pomfrey para Sebastian

- Claro, Madame Pomfrey.

Sebastian me ajudou a levantar, não precisava daquilo, só do jeito que eu acordei já tinha despertado e retomado minhas forças. Fomos andando pelo corredor. Ele carregava duas mochilas, pera! duas mochilas?
 

- Não percebi! Não precisa fazer tudo isso Sebastian! Eu desmaiei não perdi as pernas e nem os braços.

- Fazer o quê?
 Eu já tinha passado em volta dele, levantando rapidamente o braço dele e pegando minha mochila de volta.

- Ah! Mary mas você acabou de ter um desmaio!

- Eu apenas fiquei com medo daquele bicho! Não morri, morri? Eu disse mentindo.

- Bem...

- Ainda demora para responder? É meu espírito falando com você aqui, só para avisar.

Ele riu, eu ri de volta. Vou tentar não pensar nesta mulher, ou em nada desses sonhos, e daquela xícara idiota! Não tem nada no meu futuro? Logo logo vai ter uma mão na cara daquela professora. Calma Mary, tudo vai dar certo.

XXX

Não demorou nada para minha matéria favorita ser Defesa Contra As Artes Das Trevas, na verdade creio que a matéria favorita de todos seja Defesa Contra As Artes Das Trevas. Somente Draco Malfoy e seu bando de alunos da Sonserina falavam mal de Lupin.

Depois dos bichos- papões, aprendemos sobre Barretes vermelhos, criaturinhas que lembravam duendes e rondavam lugares onde teve derramamento de sangue, depois Kappas, seres aquáticos que lembravam macacos com escamas. E mais do que nunca eu andava muito com Sebastian, todos os dias nos falávamos, estudávamos juntos, fazíamos de tudo, somente em algumas aulas e nos cafés, almoços e jantares e salas comunais que não dava para se falar, mas tirando tudo isso, ficávamos juntos muito tempo.

 Eu já tinha raiva daquela Professora de Adivinhações, toda às vezes que olhava para mim ou para Harry, seus olhos ficam repletos de água. Maravilha, para essa velha sou digna de pena.
 Ninguém gostava da aula de Trato Das Criaturas Mágicas, depois da primeira aula, Hagrid parecia ter perdido a confiança em si mesmo, nós passávamos aulas e aulas, aprendendo a cuidar de vermes, espécies de bichos que para estudá-la você apenas sente sono.

- Como se fossemos cuidar de algum deles. Sussurou Sebastian no meu ouvido. Eu nem estava prestando atenção em nada, balancei a cabeça despertando e esfregando os olhos. 

- É...- Eu disse, nem ao menos tinha ouvido o que ele falara 

Eu havia desistido da ideia de fazer parte do time, agora eu tinha outras prioridades, descobrir quem era aquela mulher de meus sonhos. Geralmente, nas noites eu sonhava com ela, mas eram sonhos estranhos, a mulher apenas ficava parada sorrindo, e quando eu acordava me sentia pior, porque de algum modo aquela pessoa desconhecida me trazia paz e conforto. E os pesadelos, na maioria, com ela, apenas gritando, chorando muito.
Quando eu tinha tempo, como no almoço, eu desenhava-a no em meu caderno de desenhos, que agora tinha desenhos de cada pessoa que eu conhecia, minha imaginação quando eu desenho começa a ir muito longe fazendo eu desenhar coisas sem sentido, como por exemplo, desenhei Sebastian correndo, Dylan dormindo, Harry jogando Quadribol, Hermione estudando é claro, Rony enfrentando uma terrível aranha.

Estava uma algazarra total na Sala Comunal da Grifinória, Harry havia acabado de chegar do treino

- Que foi que aconteceu? Ele perguntou para eu, Ron e Mione. Nós estávamos sentados nas poltronas ao lado da lareira terminando uns mapas estelares para a aula de Astronomia

- Primeiro fim de semana em Hogsmeade. Fim de Outubro, Dia das Bruxas- Respondeu Rony

- Vai ser realmente maravilhoso. Eu comentei

- Ótimo, preciso visitar a Zonko's. Meus chumbinhos fedorentos estão quase no fim.

Harry se jogou em uma cadeira. Hermione disse:

- Harry, tenho certeza que você vai poder ir na próxima visita. 

- Vão pegar Black logo! Ele foi avistado uma vez, não é?. Eu disse 

- Black não é louco de tentar alguma coisa em Hogsmeade. Pergunte a McGonagall se você pode ir, Harry. A próxima vez talvez demore um tempão para acontecer...

- Harry! Você tem que ficar na escola. Disse Hermione, eu concordava com ela.

- Ele não pode ser o único aluno do terceiro ano que vai ficar. Pergunte a McGonagall, anda, Harry - Rony disse.

- É, acho que vou perguntar

Hermione abriu a boca para protestar mas não disse nada e nem eu, não queria encher o saco e me concentrava naquela droga de mapa sem fim!
 Bichento pulou no colo de Hermione com uma aranha morta pendurada na boca. 

- Ele tem que comer isso na frente da gente? Perguntou Rony irritado.

- Bichento inteligente, você apanhou a aranha sozinho? Perguntou Hermione

Eu não me importava com Bichento, afinal eu também tinha meu gato, que dormia no canto da sala.

- Vê se ao menos segura ele ai. O Perebas está dormindo na minha mochila.- Disse Rony - Pode copiar o meu, se quiser.- Rony disse para Harry, lhe entregando o trabalho de Astronomia.

Bichento ficava a mirar Rony  com seus olhos amarelos, sem piscar, agitando a ponta do rabo. Então, sem avisar, atacou.

- AI. Berrou Rony, agarrando a mochila na hora em que Bichento enterrava nela as garras  das quatro patas e começava a sacudi-la fortemente- DÊ O FORA DAI SEU GATO BURRO

- Meu Deus. Ahhhh! Eu sai do caminho de Rony que estava girando a mochila, Bichento continuou agarrado, e Perebas saiu voando pela abertura, veio direto em minha direção

- AI MEU JESUS!. Eu abaixei e o rato disparou em direção a uma velha cômoda. Bichento parou na frente derrapando, se abaixou o máximo que pôde nas pernas arqueadas, e começou a fazer furiosas investidas com a pata dianteira no vão da cômoda.

- SEGURE ESSE GATO!.- Berrou Rony

Hermione e ele correram para a cômoda, a sala toda da Grifinória prestava atenção. Mionee agarrou Bichento pelo meio e o carregou para longe; Rony se atirou no chão de barriga para baixo e puxou pereba pelo rabo.

- Olhe só para ele! Só está pele e osso! Segura esse gato longe dele.- Gritava Rony furioso para Hermione

- Bichento não entende que isso é errado!.- Defendeu Hermione com voz trêmula. - Todos os gatos caçam ratos, Rony!

- Tem coisa esquisita com esse animal! Ele ouviu eu dizendo que Perebas estava na mochila, esse gato está perseguindo Perebas .

'' e eu achando que eu que era a maluca '' - Pensei

- Deixe de bobagens. Ele é um gato, ele sabe farejar!

- Perebas chegou aqui primeiro e está doente!. Rony disse e saiu furioso para os dormitórios

 '' Esses meus amigos precisam acalmar o coração ''

XXX

POV SEBASTIAN RYTE

 Já era muito tarde, quase todos já tinham subido para os dormitórios, o tanto de alunos que haviam restado na Sala Comunal da Sonserina, era tão pouco que dava para se contar nos dedos.
 Eu corria para terminar o mapa da aula de Astronomia. Finalmente eu havia acabado e estava recolhendo minhas coisas, Elizabeth se sentou do meu lado.
 Da mesma maneira que eu havia ficado próximo de Mary, eu havia ficad de Elizabeth.

- Oi Sebs

- Ãh? Ah oi Elizabeth, me perdoe mas não estou com tempo para conversar agora, já estou subindo para me deitar.

Ela passou a mão no meu rosto. Eu entrei em choque. '' Que bosta é essa ''

- Eu não quero seu tempo... Só quero uma coisa. - Ela dizia encarando minha boca. Eu peguei a mão dela e a tirei do meu rosto.

- Elizabeth, é sério, desculpe estou com pressa.

- Mas sabe é uma coisa que quero te falar a muito tempo.- Ela havia ficado muito perto de mim, estava me sentindo extremamente incomodado com aquilo, então levantei, mas ela agarrou meu braço e disse:
 

- Eu estou louca por você, Ryte.

Me puxou pela camisa e me beijou, e então algo me deu que eu quis muito beijá-la e retribui o beijo ferozmente, passando a mão por sua cintura e ela envolvendo com seus braços o meu pescoço. 

POV ELIZABETH CLAIRE- minutos atrás

Eu falava com minha melhor amiga, Vanessa Pinspicry

- Vane, já lhe disse, eu odeio essa tal de Holling! Você sabe muito bem o que a avó dela fez com meus pais! Eu vou querer vingança, vou fazer de tudo para acabar com os amigos dela e com tudo envolvendo ela;

- Lize, toma cuidado, isso pode dar muito errado, quer se meter logo com o Ryte?

- Você é burra, não sabe de nada, apenas observe.- Gargalhei um pouco baixo e me dirigi a Sebastian.

No caminho pensei: '' Esse otário vai cair direitinho na minha mão, tchau, tchau, Mary '' 

 

 

 

 



 

 
 

 


Notas Finais


Oi gente, vão querer me matar? Não sei
Mas espero que tenham gostado
Até a próximaaaa!
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...