História O Pecado de Cabelos Loiros. - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~abafaocaso

Postado
Categorias Logan Lerman
Personagens Logan Lerman, Personagens Originais
Tags Amy Wattersson, Aventura, Clichês, Colegial, Drama, Hentai, Lemon, Logan Lerman, Loiras, Mistério, Revelaçoes, Romance, Suspense, Tragedia
Exibições 22
Palavras 2.115
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIEEEEEE

Bom gente, eu sou nova em escrever fanfic e tals.
E eu conheci uma pessoa muuuuito simpática por aqui, e decidimos criar uma fanfic
Essa pessoa disse que iria me ajudar nisso, e que não faria na conta dela porque já tem fanfics de mais!
BDFKHGHBFD o nick dela é: abafaocaso.

Então, ela me disse que era loira e que ia no dentista ontem de ontem, e ai surgiu a idéia doida.
Ela me contou que fazia um tempo que queria fazer uma fanfic de Originais, então decidimos criar essa
juntas.
Eu vou escrever e ela vai me dar as idéias e escrever também, só que menos do que eu, mas ainda sim vai ajudar até de mais.

Se puderem, deem uma passadinha lá pra ler as fics dela. Eu particularmente gostei muito.
ENTA1 SEM MAIS ENROLAR, VAMO QUE VAMO POVÃO!
Espero que gostem

OBS: Não sou escritora nem nada, apenas gosto muito de escrever. Se tiverem alguma opinião ou crítica construtiva, será sempre bem-vindo. Obrigado sempre! E OHAIO BRASEL.

Capítulo 1 - Visita ao Dentista e a Surpresa de Cada Dia.


Fanfic / Fanfiction O Pecado de Cabelos Loiros. - Capítulo 1 - Visita ao Dentista e a Surpresa de Cada Dia.

*******************

Claramente, eu odeio acordar cedo. Vou explicar o que está acontecendo.

Fui ao dentista há algumas semanas e ele marcou para vir em outro dentista para uma extração de dente. O meu siso estava incomodando pra caralho. Só não sei por que esses lugares têm costumes de fazer você acordar cedo, gente, sinceramente, têm outros horários, ninguém precisa acordar seis da matina pra arrancar um dente, convenhamos.

Então eu vesti a primeira roupa que vi na minha frente e nem penteei direito o meu cabelo. Eu deveria estar com uma cara amassada e implorando pra voltar para a cama.  Minha mãe, ao contrário, se arrumou inteira, parecia que ela iria cursar de modelo. Não sei aonde pessoas mais velhas tiram pique pra acordar cedo, até de sábado ela levanta 6h: 20min em ponto, fazendo barulhos na cozinha impedindo meu sono. Mas isso não vem ao caso agora.

Eu estava esperando o dentista me chamar para a consulta. Deveria haver em torno de quatro pessoas na sala, todos assistiam a TV com cara de sono.

Quando ouvi um barulho de carro velho sendo estacionado lá fora. Voltei o meu rosto para o vidro, para ver o que acontecia ali.

Uma garota abriu a porta. Ela tinha cabelos loiros longos, usava uma calça clara de cós alto e uma blusa vermelha, bateu a porta do carro com força em quanto à via dar passos longos até a entrada da recepção. E como o esperado, ela entrou; e eu pude reparar em seus olhos verde mel. Seus cabelos estavam levemente bagunçados, dando uma vista mais bonita ainda.

- Logan Lerman.  – Ouvi o dentista chamar. Mas queria encarar a figura que estava sentada na fileira de trás, na penúltima cadeira. E assim que ouviu meu nome, olhou para a por e em seguida para mim. Ela sorriu de lado e voltou sua atenção para o celular. – Logan Lerman. – Ouvi chamar de novo, minha mãe me deu uma cutucada com o ombro e fomos até a porta. Dei meu último olhar para ela e minha mãe fechou a porta.

Caminhamos até a sala do dentista, minha mãe se sentou do meu lado direito.

- Então mocinho, o que anda sentindo com esse dente? – Ele dirigia as palavras para mim como se eu fosse uma criança.

- Dói bastante, principalmente quando vou comer coisas geladas. – Respondi; indiferente.

- Normal; sisos sempre fazem isso. Então, vamos retirar esse incomodo? – Ele dizia já se levantando. Se ele sabia, por que perguntou então?

- Aham. – Me levantei junto a ele.

Demos 3 passos antes de chegar naquela cadeira de tortura que abaixa lentamente, eu estava claramente: com medo do que pudesse acontecer, mas segurei isso. Afinal, não é normal ver meninos de 17 anos gritando por causa de uma extração de siso. Não que eu ligasse, mas seria estranho.

A cadeira se deitou por completo, e quando vi aquela agulha se aproximando da minha gengiva, arregalei meus olhos azuis e fechei-os logo em seguida.

[.........]

Tá, agora é oficial: Eu nunca mais vou tirar nenhum dente na minha vida. Deixa-me explicar o que está acontecendo aqui:

Depois da anestesia, o dentista nem esperou direito ela fazer efeito, no mínimo uns treze por cento. E eu senti aquela retirada de dente.

Quando ele acabou de tirar, colocou algumas faixas no mesmo lugar, me deixando uma múmia. E também disse que eu deveria tomar apenas liquido. E agora, minha boca está TOTALMENTE adormecida e para o lado, até a minha língua adormeceu. Que coisa mais trágica.

E estranhamente, não consegui parar de pensar naquela garota mistério, ela era certamente muito bonita, poderia encontrar ela de novo qualquer dia. Seus olhos verde mel se encontraram com o meu, eles continham mistério e beleza. Queria poder entrar na mente daquele ser para saber o que estava pensando agora. Mas infelizmente, não estamos em um livro de Ficção Cientifica, e acho que essa ideia vai ter que esperar.

Minha mãe disse que faria uma sopa apenas com o caldo para poder comer. Eu sinceramente não gostava daqueles caldos artificiais que ela as vezes colocava, mas fazer o que; não sei cozinhar e ela é minha mãe, então vamos deixar as coisas como estão.

[...........]

Duas semanas depois do dentista eu já estava completamente recuperado, era de tarde e eu estava na escola. Hoje teria algumas apresentações sobre o que fizemos no ano letivo nos clubes da escola, aquilo duraria até umas 10horas e 20minutos da noite.

Eu não estava nem um pouco a fim de ir. Mas tinha que ajudar o pessoal do clube, assim como Sara.

Sara é uma das minhas melhores amigas, juntamente a Felipe, que não veio hoje. Eles vivem tentando arrumar uma namorada pra mim, e Sara disse que faria isso hoje, só quero ver.

Eu não achava Sara em lugar algum. Então decidi ajudar o pessoal do meu clube. Eles se protagonizaram a arrumar a quadra para as apresentações, então eu estava fazendo a mesma coisa, colocando luzes coloridas, cartazes e outras coisas clichês também.

- LOGAN! – Ouvi a voz de Sara atrás de mim.

Assim que bati o olho nela e na figura ao seu lado em cima do balcão da quadra, me surpreendi. Era ela, a menina do dentista, o pecado loiro.

Fiquei paralisado por um tempo, apenas vendo as duas olharem diretamente para mim. A menina não parecia tão impressionada como eu, e depois de alguns minutos, sorriu de lado como a outra vez e encarou o chão.

- Logan, você vai descer daí ou vai ficar parado igual um idiota olhando pra nossa cara? – Sara dizia colocando as mãos na cintura.

Eu desci de lá e andei até as duas. O meu estado era o mais deplorável possível; eu tinha o cabelo um pouco bagunçado e usava uma blusa azul clara de mangas – com a manga um pouco para cima – uma calça e um tênis branco sujo que tinha ganhado da minha mãe.

E ela? Estava bonita até de mais pro meu gosto. Ela usava uma calça jeans clara como da outra vez, só que rasgada nas pernas, um tênis de cano alto também branco e uma blusa preta caída no ombro, mostrando a alça de seu sutiã também preto.

- Logan, essa daqui é Amy Wattersson. – Ela direcionou suas mãos para ela. – Amy, esse é Longan Lerman. – Apontou as mãos para mim dessa vez.

- Prazer. – Amy colocou sua mão a frente e eu apertei.

- Quanta formalidade. – Sara revirou os olhos. – Vamos gente, quero que se conheçam! Vou dar privacidade a vocês. – Sara olhou para trás. – Megaaaaaaaaan! – Ela correu até outra garota.

- Então. – Amy puxou assunto. – Como foi o dentista? – Ela sorriu.

- Hãm... Horrível, tirei um siso e fiquei com a cara defeituosa. – Amy riu. – E sua consulta, como foi? – Dei alguns passos, indicando que queria sair dali. Ela me seguiu.

- Bom, com um pai chato e um dentista chato. Foi bem chato. – Eu ri dessa vez. – Eu sou uma ogra de manhã, e minha tia insiste em me acordar violentamente. Até ai, tudo bem, só que; Quando cheguei à sala do dentista, ele disse pra mim que não poderia fazer o tratamento, por que tem um dente que precisa fazer canal. – Nos distanciamos da quadra. – Então ele marcou um dia para o canal e outro para o clareamento. – Ela revirou os olhos.

- Por que clareamento? – Eu fiz cara de confuso.

- Por que meus dentes são levemente amarelos. – Ela sorriu pra mim.

- Mas todos os dentes são assim. – Ri e ela também.

- Mas me incomodo com isso, então... Sei lá, achei melhor clarear de uma vez. – Ela jogou sua franja que caia no rosto para trás.

Chegamos ao fundo da escola. Eu costumava ir lá para ver os meninos beberem. Não era um alcóolatra, mas gostava de experimentar às vezes. Felipe era o mais bêbado da turma, até sã parecia. Sentamos na grama – agora cortada. – E ficamos observando o sol. Ela riu.

- O que houve? – Encarei seus olhos verde mel.

- Isso é tão clichê. Dois adolescentes sentados no fundo de uma escola observando o sol. Se eu não fosse aquelas atiradas, diria que logo depois viria um beijo romântico. – Ela riu e eu também. Eu até queria que o beijo fosse verdade, mas como ela disse: Não é qualquer uma.

- Há quanto tempo conhece Sara? Por que ela nunca comentou de você especificamente pra mim.  – Perguntei; curioso.

- Não faz tanto tempo, uma semana e meia, talvez. Desde que a conheci, ela dizia que ia apresentar um amigo de olhos azuis para mim. – Ela riu de novo.

- Ela fica enchendo meu saco dizendo que não tenho uma namorada. – Revirei os olhos. – Eu gosto bastante de uma amiga que se preocupa comigo. Mas isso já é meio exagerado da parte dela, as pessoas certas aparecem no tempo certo.

- Bem filósofo. – Ela balançou a cabeça.

- Bem filósofo. – Rimos. – Então, como já está clichê, que tal as perguntas clichês? – Sorri para ela. Que me devolveu com outro sorriso lindo.

- Por que não? - A loira ajeita a postura.

- Filme?

- Romance. Comédia e terror. – Ela sorriu. – E você?

- Terror. Romance e comédia. – Rimos.

- Gosta de animes? – Ela sorriu.

- Gosto. – Sorri de volta.

- Tá legal. – Ela riu. – Eu também. Que jogo é esse? Vai outra: Festas ou casa?

- Casa. – Respondi de imediato.

- Ok, isso está me dando medo. – Ela sorriu. – Já teve uma desilusão amorosa?

- Sempre que é possível. As pessoas machucam. – Me ajeitei.

- Nem todas elas. Você mesmo disse: As pessoas certas vêm com o tempo.

Eu ia dizer outra coisa, mas ouvimos um microfone soar pela quadra.

- Alunos e visitantes, agora é a hora da apresentação dos clubes de dança, basquete e vôlei. Se acomodem e respeitem o ambiente escolar em quanto as apresentações estão sendo feitas. Obrigado

Nos levantamos e fomos correndo para a quadra.

Durante as apresentações fazíamos comentários sobre as danças e as garotas que dançavam – ou tentavam – sensuais. E por mais que aquilo agradasse um adolescente, não me sentia atraído por mais nada a não ser aqueles olhos verde mel.

E quanto foi a hora dos jogos, quase nem conversávamos, algumas palavras rápidas e ela voltava sua atenção ao jogo. E, quando algum lado que ela estava torcendo fazia uma cesta e marcava um ponto, ela gritava em comemoração, assim como grande parte dos alunos.

Uma cena clichê: Ela colocou a mão no banco. Adivinhem o que fiz? Sim eu coloquei a minha mão em cima dela, mas sério, foi sem querer. Tanto que senti meu rosto borbulhar de vergonha e tirei a mão. Ela apenas me olhou e sorriu.

Sara estava sentada na fileira de baixo, perfeitamente a nossa frente com seu namorado, Adam.

Ela olhava de vez em quando para a gente, fazia um comentário com seu namorado e sorria.

E quando a noite caiu, era a hora de ver os filmes curtos do clube de filmagem. Ela prestava atenção em cada detalhe e as vezes dava risadas.

Observamos o trabalho de cada clube também, as salas estavam perfeitamente arrumadas. Nem parece aqueles animais de 07h10min da manhã que ficam se matando e conversando alto, realmente parecia trabalho de adulto. Afinal, ali era só ensino médio, mas agiam como se fossem do fundamental (e claro que às vezes encaixo isso a mim, Sara e Felipe).

O dia chegou ao final, e eu estava completamente satisfeito. Conheci de fato a menina bonita e legal (bonita com respeito, porque ela é gostosa, desculpe, mas a verdade tem que ser dita) eu gostava dela, não naquele sentido, não vamos apressar as coisas; mas gostava da companhia dela, ela era divertida e me fazia rir. Espero ter passado a mesma visão a ela.

O carro da mãe da Sara chegou e levou os três: Adam; Sara e Amy. A mãe dela me encheu de abraços, como sempre.

Quando o carro estava partindo, Amy acenou para mim e sorriu. Sinto um mistério vindo dessa garota, um mistério que claramente vou descobrir.

[...........]

Depois que cheguei em casa, chamei Sara no whatsapp pedindo o número de Amy. Ela disse que me passaria, e assim fez.

Chamei ela faz mais ou menos uma hora e ela não me respondeu. Pra ser mais específico: A mensagem nem chegou ao celular dela. E isso me intrigou, por quê? Não sei.

Só sei que quero saber onde ela estava. Poderíamos estar na varanda do meu quarto observando as estrelas e dando uns amassos agora, mas não é qualquer uma que fica com uma pessoa que conheceu no mesmo dia.

Só espero desvendar o mistério de certos olhos verde mel.


Notas Finais


Ok. Sério eu to com medo de que as pessoas odeiem isso KKKKKKK

A May nem tá tando assim (abafaocaso) porque disse que aceita essas coisas, pessoas tem opiniões diferentes.
E eu sei disso, mas tenho um aperto no core mesmo assim.

Bom, até o próximo! FUI


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...