História O Pior Pecado Do Pastor - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Alfredo Flores, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais
Visualizações 175
Palavras 3.416
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


POR FAVOR MORESSS LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 33 - Really Problems


Fanfic / Fanfiction O Pior Pecado Do Pastor - Capítulo 33 - Really Problems

Angel Collins

Point Of View

Los Angeles- Califórnia- Estados Unidos

Senti alguém me balançando, e quando “acordei” percebi que meu corpo não estava nem um pouco pronto para ser acordado, ainda com os olhos fechados resmungo e tento manter um pouco de consciência. Depois da ilusória e impossível vida que eu e Justin criamos, começamos a chorar um pouco e pegamos no sono, dormi em cima dele, enquanto ele fazia cafuné em mim, e isso foi como me dar um boa noite cinderela.

Abri meus olhos e eu ainda estava em cima dele, ainda nu o que fez eu me despertar mais rápido do que o esperado, olho para a janela e vejo que não está tão claro como parece e eu sabia exatamente o que isso queria dizer, Justin estava me acordando para ir a escola.

Ele me jogou para o lado, e subiu em cima de mim depositando vários beijos em meu rosto, me fazendo sorrir, ele era o único que me fazia ter bom humor de manhã.

- Seria uma ótima forma de começar o dia se eu não tivesse que ir a escola – resmungo enquanto o sinto ele descer beijando meu pescoço já me arrepiando por inteiro.

- Sinto muito – diz com a voz mais rouca que o normal – A única coisa que posso fazer é deixar sua manhã um pouco melhor. – sorri maliciosa mordendo os lábios e ele fez o mesmo, começando um beijo lento e gostoso. Minhas mãos foram imediatamente para sua nuca e as suas agarraram forte em minha cintura.

Começou uma trilha de beijos começando pelo meu pescoço, indo para meus seios, onde começou a aperta-los com força, e depois começou a chupa-los, meus gemidos saiam roucos e abafados, enquanto eu apertava um pouco do lençol. Senti uma de suas mãos indo em direção ao meu sexo, onde começou a fazer movimentos circularem em meu clitóris, enquanto sua boca ainda trabalhava em meus seios.

Em pouco tempo, senti um liquido quente descer pelos dedos de Justin.

Ele sorriu safado, e desceu colocando minhas pernas em seus ombros, e ficando bem perto do meu sexo úmido, colocou a língua então o gemido foi alto se Liza tinha dormido aqui, eu havia acabado de acorda-la. Sua língua subia e descia e ele as vezes chupava trazendo meu clitóris um pouco para frente, me deixando completamente louca.

Senti ele enfiar dois dedos, e então curvei minhas costas para trás morrendo de prazer, assim que senti meu auge perto, ele tirou os dedos me fazendo o encarar séria.

Ele se deitou, e eu empinei a bunda já direcionando minha boca para seu pênis, comecei lambendo toda extensão do mesmo, e já vi Justin morder os lábios, o que me motivou a mais.

Coloquei tudo na boca, o máximo que podia, e tirei e vi Justin revirar os olhos, comecei a estimula-lo com minha mão, fazendo movimentos de vai e vem. Parei e me sentei em seu pênis novamente, e comecei a rebolar como na noite anterior, espero que Liza não atrapalhe dessa vez. Justin apertava meus seios com força, enquanto eu rebolava sentindo um prazer imenso.

Justin inverteu nossas posições, me deixando por baixo, e abrindo minhas pernas, começando as entocadas, ele ia tão forte que meu corpo se balançava para frente, junto com a cama.

Permanecemos assim por uns minutos, até que senti o auge se aproximar.

- Vai Justin, vai – gemi e ele começou a entocar mais fundo – Oh Justin – curvei minhas costas e senti meu liquido escorrer pela genital de Justin e ele continuou, até que aconteceu o mesmo.

Ele se jogou ao meu lado e nos olhamos começando a rir, rir alto.

- Bom Dia – disse e ele riu

- Bom Dia – respondeu

- Dizem que sexo de manhã faz bem

- Em qualquer horário faz bem – ele disse se sentando, e me puxando junto com ele – Acho que estamos esquecendo de algo muito importante.

- O que?

- Camisinha e remédios – disse simples e meu coração acelerou. Eu havia me esquecido completamente das duas coisas, quer dizer nós dois, e era algo que não poderia acontecer, alias eu poderia engravidar.

_ Justin cadê os remédios da Mandy?

- Vou pegar, vai tomar um banho e se arrumar vou te deixar na escola – assenti e fui em direção ao banheiro, liguei o chuveiro, e entrei no mesmo já sentindo a água quente cair sobre meu corpo, eu não iria lavar o meu cabelo porque dava muito trabalho mas agora teria que lavar.

Justin entrou no mesmo, com um copo de água e um comprimido, me deu e eu tomei, orando para que aquilo funcionasse, fazia uns dias que transamos e não nos preocupamos com isso.

Vi Justin encher a banheira, e colocar espumas dentro, ele foi pegou toalhas e eu já estava indo pegar o shampoo quando ele me interrompe.

- Vem aqui, eu lavo para você – o olhei com duvida, mas já que ele faria esse imenso favor eu não poderia negar. Desliguei o chuveiro pegando o shampoo e o condicionador, mas mudei de ideia e deixei o condicionador pegando um creme de hidratação, se ele quer cuidar do meu cabelo hoje, vou aproveitar.

Ele entrou na banheira já cheia de água e espuma, e fez um gesto para que eu sentasse em sua frente, assim eu fiz sentindo seu sexo em minhas costas, ele me trouxe para mais perto, e eu relaxei, acho que eu não sairia daqui hoje.

- Como faz para lavar seu cabelo? – ele pergunta e eu fico com mais duvida ainda

- Ué – ri – achei que já soubesse

- Não, eu não sei – e então eu fiquei o olhando enquanto eu processava aquele momento, ele não sabia mas queria tentar, para ficar mais tempo comigo, para me agradar, para preencher cada segundo sendo alguém fora da cama, e foi ai que sem perder tempo o beijo lentamente, explorando cada canto de sua boca, deslizando minhas mãos pelo seu corpo tatuado e definido – Vira antes que eu já encaixe meu pau ai – disse e eu ri me virando.

- Para lavar é igual o seu, só que a diferença que você tem que ir descendo ou seja passar no meu cabelo todo.

- Ou seja ficar sem shampoo – ri

- Não é seu mesmo, - ele balança a cabeça em negativo, e coloca o shampoo na mão, e jogou o resto tudo no meu cabelo, acho que ele levou a sério em gastar todo o shampoo.

Senti suas mãos massageando meu couro cabeludo e meu deus isso era muito bom, depois ele foi pegando meu cabelo mecha por mecha e passando todo o shampoo pelo meu cabelo, isso demorava um pouco, já que era tão longo.

- Minha mãe fazia muito isso, ela adorava lavar meu cabelo – comentei

- Você sempre teve o cabelo desse tamanho?

- Sim, mas graças a Liza agora esta mais curto

- Desde de criança?

- Sim, desde de criança – respondo – Eu não conseguia lavar sozinha

- Ainda não sei como consegue agora – sorri

- Costume – resmungo

- Quem lavava para você na clinica, você entrou ainda nova lá

- Ninguém – disse sentindo um pouco incomoda com o assunto mas jamais pararia, afinal conversar com Justin era sempre uma questão de desabafo e confiança, isso fortalecia nossa relação, então por mais que o assunto me machuque eu nunca deixaria de contar.

- E a Benny?

- Eu a expulsava sempre – ele começou a rir e eu também – a Benny ... – pausei – era a única que ainda via esperança em mim, e eu nunca disse algo para ela que não fosse gritando ou brigando – e agora isso doía era estranho – e agora isso me machuca.

- Você não tinha culpa, nem ela, mas acho que agora você já esta mudada o suficiente para ter um encontro com ela e fazer o que achar necessário – ele disse agora pegando um chuveirinho e tirando o shampoo do meu cabelo, o que deixou a banheira com mais espuma.

- Um dia – suspiro pesado

- Tem alguma coisa sobre você que ainda não saiba? – franzi o cenho tentando pensar

- Talvez tenha – disse enquanto dei a ele o creme que ele teria que passar no meu cabelo agora, e tirei a espuma que ele deixou sem querer cair no meu rosto, sorte que não foi no olho. – Você sabe porque eu fui para a clinica?

- Sim, você era uma viciada órfã – disse como se fosse obvio

- Não –ri e mesmo sem olha-lo sabia que sua expressão era de duvida – Eu me viciei em drogas e não tinha mais como compra-las, então roubei uma mulher e tive ficha suja na policia, por ser nova demais acharam que eu tinha problemas de vícios e que o melhor seria a clinica e não a cadeia.

- Eu também já roubei – o olho e ele se mantinha concentrado em passar o creme no meu cabelo, era até fofo- Uma vez eu e o Chris estávamos em um racha, e Ryan estava competindo com um menino que a gente não gostava na época, agora nem lembro o nome dele – sorri fraco – Ai tive que assaltar um casal para ter dinheiro e alugar um carro bom, porque o do Ryan quebraria na largada – gargalhamos

- E foi com arma?

- Era de brinquedo – rimos

Ele tirou o creme do meu cabelo, e eu vi que estava bem macio, me viro para ele e começamos a nos beijar, depois ele me abraçou e eu deitei em seu ombro, e ele depositou um beijo em minha cabeça.

- Vamos, você vai se atrasar – eu queria resmungar e gritar, e dizer que eu queria ficar assim com ele, e que o lugar que eu menos queria estar era na escola, mas eu teria que fazer isso, ate porque ele me obrigaria.

Puis uma toalha na minha cabeça, e levei um tapa na bunda antes de enrolar a outra no corpo, percebo pelo espelho meu pescoço roxo, e ótimo, vou ter uma bela fama, eu já tenho na verdade, não que eu me importe, mas eles vão começara a falar e sobre ter controle sou nova nisso.

Vou ate o guarda roupa, e pego a calça que Liza remendou, e por incrível que pareça nem parecia que Justin tinha feito dela um pano de chão eu tenho que parabenizar Liza, e o melhor de tudo foi que ela deixou mais apertada.

Coloquei, o uniforme e me vi no espelho me achando com um corpo melhor que o de antes até porque o que eu não comia antes, como o dobro agora. Penteei meu cabelo, o secando, passei um pouco de chapinha , sim eu queria ficar bonita hoje, depois o rímel e eu estava pronta.

Calcei o tênis e desci.

{...}

- Vou repetir, Poe a blusa na cintura – Justin não queria me deixar sair do carro enquanto eu não colocasse a blusa de frio na cintura,  isso era vantajoso para mim caso eu me atrase e não de para entrar eu perco a aula e volto, mas ele estava realmente bravo e isso chegava ate ser engraçado. Por enquanto ...- Angel vai logo

- Não, eu não quero, eu quero ficar assim. – ele suspirou pesado, e puxou meu braço me fazendo ir em seu colo, me prendeu entre seu corpo e o volante, e eu sentia seu pênis em minha bunda. Ele pegou a blusa e amarrou a mesma na minha cintura bem forte quase me sufocando – se quer me matar tirando meu ar, me fala.

Ele me ignorou e abriu a porta me colocando para fora, fechou a mesma de novo e abriu o vidro, me virei com cara de bosta e ele riu fraco.

- Vou vir te buscar, quando sair já estarei aqui e avisa o Liam e aquele professor que ... – o interrompo

- Já sei já sei

- Estou indo para a empresa resolver o roubo – assenti – Tchau

- Tchau

- Não tira a blusa da cintura

- Tchau Justin – começo a andar

- Angel – ele me grita, reviro os olhos e volto, ele me puxa pela gola da blusa e me da um selinho rápido.

- Alguém podia ver, ta louco? – disse rindo

- Vai, pode ir agora – me viro para ir mas antes olho para ele

- Eu ... – gaguejo ai merda – è

- Que foi?

- Eu te amo – disse rápido e ele abriu um sorriso tão lindo e sincero que achei que desmaiaria ali mesmo

- Eu te amo – ele disse e eu fiz o mesmo e enfim me virei, se eu não fosse agora não iria mais, ouvi seu carro dando partida, e então era hora de encarar o zoológico.

Via todo mundo me olhando para variar, e outras estavam eram olhando para o Justin.

Assim que entrei, sinto alguém me puxar e quando vejo é Liam.

- Gostei do seu calendário escolar, vir um dia e faltar dez – ri

- Oi Liam – ele sorri e me abraça. E começa andar do meu lado, já que o sinal já tinha tocado.

- Ei Liam – ouvimos uma voz feminina e paramos, uma menina de cabelos pretos e olhos escuros e com a pele levemente morena, se aproxima e da dinheiro para o Liam – Eu podia ter ficado com isso.

- Você se arrependeria muito – ele respondeu- Angel essa é minha irmã Alyssa.

- Oi – a comprimento

- Nossa você é linda – corei sem graça – qual é sua aula? – ela me pergunta

- A mesma que a nossa – Liam se apressa em dizer e então caminhamos juntos até a sala que teríamos aula, e para começar bem era matemática.

E lá estava eu, andando com dois amigos vamos dizer assim, e era estranho ver minha vida tomando rumo de novo, ela parecia enfim estar fazendo sentido de novo, por mais que eu ainda leve um tempo a me acostumar com tudo que é necessário para ter uma vida normal, eu estava progredindo e esta indo bem, eu me sentia feliz de novo, me sentia livre, normal e viva de novo.

Assim que chegamos na sala sentamos mais no fundo, o que eu agradeci a deus, por mais que as crises não me incomodassem mais, pelo menos nesse período de tempo, eu não queria ter uma crise de nervoso ao sentar ali na frente.

Alyssa e Liam sentaram ao meu lado e eu me lembrei brevemente dos tempos antigos eu tinha a Lindsey sentando ao meu lado e nós conversávamos a aula toda, era divertido, o ruim não foi lembrar dessas memórias porque elas eram boas, é saber que Lindsey teve que pagar um preço muito caro para ser minha amiga, ela foi para o buraco comigo tentando me tirar dele, ela estava lá ainda, na clinica, quando ela poderia estar com sua família sendo alguém normal, eu tirei dela o futuro que ela poderia ter tido, e isso era uma magoa que eu carregava no peito constantemente. Depois que me feri quando minha família se foi, levei pessoas para se ferirem comigo, Lindsey, Benny quando eu poderia ter olhado e visto que elas poderiam me salvar mas eu fiz tudo errado, tudo ao contrario, mas Justin abriu meus olhos, abriu um novo mundo para mim, e eu vou poder concertar tudo quando estiver pronta.

- Não me disse que tinha uma irmã – disse para Liam e Alyssa se juntou mais a nós discretamente para Hariel não ver, e isso me fez rir.

- Não valia a pena – ele disse e ela fechou a cara, até que eles eram parecidos – ela não vale nada.

- Não me diga que é uma perdida como ele? – perguntei e todos nós rimos

- Sou – ela respondeu – E você?

Bom a aula toda conversamos e rimos, Alyssa era muito legal e por mais estranho que isso pareça, nos demos muito bem.

- Angel – Hariel me chamou e eu parei de rir com Alyssa e o olhei , bom mas ele só ficava me olhando não dizia nada – Só para um pouco – disse baixo e bem delicado.

- Acho que ele não queria chamar sua atenção – Alyssa sussurrou no meu ouvido – deve estar afim de você

- Até Você – revirei os olhos

- Ah Para Rapunzel – sim esse era meu novo apelido – Olha como ele chamou sua atenção.

Alyssa era engraçada e bem louca, e muito animada, parecia que ela não tinha dias ruins e talvez era disso que eu realmente precisasse. Ela me chamava de Rapunzel e nada a faria parar de fazer isso, então inventei um apelido para ela, comecei a chama-la de Ally, e o engraçado foi que ela amou.

Justin Bieber

Point Of View

Assim que entrei em minha sala na empresa, Ryan, Faby , Lucky e Will já me esperavam, hoje seria o dia que pegaríamos os desgraçados que estão roubando minha empresa, e eu estava bem ansioso, minha vontade era pegar cada um deles e bater muito, mesmo umas sendo mulheres, não valiam nada mesmo.

Me sentei na ponta da mesa de reunião, e Bia como sempre nos trouxe café.

- Lucky foi um ótimo profissional – Will começou – já temos tudo que precisamos, de acordo com as informações que Joel passou a Lucky, a conta da irmã dele é nesta banco – ele me mostrou um papel -  o nome dela é Abby Sailor.

- De acordo com o que observamos e eles disseram – Faby começou a falar – hoje será o dia que irão pegar o dinheiro, já avisamos o banco e eles estão cientes, vamos encontrar eles lá, e ouvir um pouco do que conversam apenas para ter certeza que não tem mais ninguém envolvido, e depois os prendemos – assenti satisfeito

- E quando iremos? – pergunto ansioso

- Agora – Lucky responde e todos nós nos levantamos.- irão no nosso carro por questões de segurança – eu e Ryan assentimos.

{..}

Já estávamos em frente o banco a exatamente uma hora e ainda nada, mas Faby nos alerta dizendo ver uma das garotas entrar no banco, depois que comecei a reparar vi o tal do Joel entrar logo depois, mais cinco minutos e as garotas que faltavam entraram juntas. Todos nós saímos do carro e fomos para dentro do banco.
Passamos direto pelos guardas e fomos para um lugar mais isolado e discreto afinal não podíamos se percebidos, eles falavam com uma garota, provavelmente a tal da Abby.

Lucky suspirou e foi até la como se fizesse parte do esquema, ele estava com uma escuta e daria para nos ouvirmos tudo.

- E ai – lucky chega e todo mundo cumprimenta elem sorrindo, e com apertos de mãos, eu sentia meu sangue ferver dentro de mim.

- vamos lá, temos que ser rápidos – ouvi uma voz masculina que provavelmente era do Joel.

- Vamos – Ouvi Will dizer e deram um sinal ao Lucky.

Assim que chegaram perto deles, eles tiraram todo o dinheiro, filhos da puta.

- Larguem o dinheiro, vocês estão presos FBI – Faby disse e eles nos olharam como se estivessem sidos atingidos por um raio. Não me contive e dei um soco em Joel que fez o nariz do mesmo sangrar rapidamente, Will me tirou e começaram a prender eles.

O banco todo nos olhava, mas era bom eles serem expostos, Ryan tentava me acalmar mas era praticamente impossível.

- Deve ser difícil – comecei a falar com Joel – ter que ter uma vida tão merda para roubar uma empresa como a minha.

- Na verdade encontrei meios mais fáceis – gargalhei

- Encontrei meios mais fáceis para sair da cadeia agora – ele riu e eu quase dei outro soco nele mesmo ele algemado, mas Ryan me segurou

- Não tenho muita coisa a dizer, apenas que você terá que fazer de tudo para me tirar de lá agora.- Ri cínico mais uma vez

- Por mim você apodrece lá

- Quando alguém decide roubar tem que ter um plano B – o encaro como se fosse o devorar – O meu é esse caso eu fosse preso – continuo o encarando – Angel – disse o nome dela pausadamente então meu sangue subiu para a cabeça e meu coração disparou.

- NUNCA MAIS FALE O NOME DELA.

- Cabelos longos, um corpo muito bonito – dei mais um soco nele e Will voltava em minha direção – muito bonita, ela esta na escola agora não esta? – senti um gelo descer na minha barriga – melhor me tirar de lá, ou quando você for buscar ela, não vai encontra-la.

“ Ninguém a tocará

Nem a machucará

Nem a ofenderá

Enquanto eu respirar”

 

 

 


Notas Finais


EITAAAA NE GENTE?
ENTAO MORES QUERIA PEDIR A AJUDA DE VCS PARA POR FAVOR, ME AJUDAR NA DIVULGAÇÃO DA FIC TA? MUITO OBG AMO VCS <3
e essa outra fic aqui é minha caso queiram dar uma olhadinha kk
https://spiritfanfics.com/historia/the-valete-6095289


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...