História O Poder do Amor - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Astoria Greengrass, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Daphne Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nymphadora Tonks, Pansy Parkinson, Personagens Originais, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Remo Lupin, Ronald Weasley, Theodore Nott
Tags Drama, Dramione, Gravidez, Romance, Suspense, Violencia
Visualizações 149
Palavras 2.511
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey guys! Só queria dizer que ' O Poder do Amor' acabará sexta-feira!
Triste eu sei😢, mas é só isso.
Espero que gostem.
Enjoy

Capítulo 40 - Julgamento de Draco


Draco ficou olhando para o teto enquanto a luz da manhã começou a filtrar no quarto. Ao lado dele, Hermione estava dormindo pacificamente e Lyra dormia profundamente no berço do final da cama. No entanto, Draco não podia dormir enquanto todo o seu futuro estava pendurado no equilíbrio e ele sabia que os eventos daquele dia determinariam o tipo de vida que ele e sua família teriam.

Faziam duas semanas que Voldemort havia caído em Hogwarts, e já havia mudado muito para Draco, Hermione e Lyra. Depois de alguns dias ficando no Largo Grimmauld, eles voltaram para sua casa na Escócia com Narcissa, embora eles tivessem planos de esperar um novo começo em outro lugar. Blaise e Theo também se mudaram com eles e atualmente viviam em quartos de hóspedes da casa.

O pai de Theo tinha sido preso em Hogwarts junto com os outros Comensais da Morte, mas ele estava preso de bom grado e não criou uma cena. Theo tinha falado com Dumbledore sobre falar sobre seu pai, especialmente porque ele ajudaria Theo e Blaise a evitar serem pressionados nos Comensais da Morte. Dumbledore concordou em colocar uma boa palavra para o pai de Theo e, apesar de não conseguir fazer muito, garantiu que o senhor Nott não passaria o resto de sua vida em Azkaban. Atualmente, sua sentença não havia sido decidida, embora fosse provável que ele se deparasse com a prisão de anos, mas tanto Theo quanto seu pai aceitavam esse fato, e eles sabiam o quanto não estava em Azkaban por muito tempo, eles poderiam passar por isso juntos e construir uma nova vida para sua família.

Quanto a Blaise, ele escreveu para a sua mãe após a queda de Voldemort apenas para encontrá-la completamente despreocupada com a situação de seu único filho. Ela estava atualmente cortejando mais um marido, e uma vez que ela confirmou que Blaise não esperava ir morar com ela, ela transferiu seu filho para ganhar dinheiro com sua conta Gringotts para que ele pudesse encontrar um lugar para morar. Ela então voltou a sua vida normal, não dando a Blaise outro pensamento.

Incapaz de ficar deitado na cama por mais tempo, Draco saiu com cuidado da cama grande e perambulou na janela enquanto pensava no dia seguinte. Finalmente, ele deveria ser entrevistado no Ministério sobre sua parte na guerra. Desde a queda de Voldemort, Draco ficou surpreso com o firme apoio que recebeu da Ordem, mas ainda estava preocupado com o que o dia poderia trazer. Dumbledore prometeu-lhe que não seria enviado para Azkaban, mas Draco não tinha certeza de como o diretor poderia estar tão confiante. Ele sabia que Dumbledore havia assinado um perdão por ele quando tinha sido forçado a assumir a marca, mas também sabia que legalmente não significava nada, pois Dumbledore não tinha poder legal no Ministério.

Temendo o pensamento de que seu nome não poderia ser limpo, Draco inclinou a cabeça contra a janela fresca. Olhando para o jardim escuro enquanto o sol se levantava lentamente, Draco estava perdido em seus pensamentos até que um barulho o perturbasse. Reconhecendo o som de Lyra acordando, Draco dirigiu-se a sua filha e a pegou em seus braços antes dela começar a chorar e acordar Hermione.

"Ssh, princesa", ele cochichou, balançando sua filha em seus braços. "Não acorde a mamãe. Ela precisa de seu descanso".

Na verdade, era uma raridade que Hermione ainda estivesse dormindo profundamente, já que, como não haviam se reunido, nenhum deles dormia muito bem. Tão felizes quanto estavam de volta juntos, ambos sofreram muito e ainda não processaram metade do que aconteceu com eles. Como resultado, ambos dormiam incansavelmente e, na maioria das vezes, ambos estavam acordados ridiculamente cedo.

"Você é uma boa garota, Lyra", Draco sussurrou, sentando-se na cadeira de balanço no canto da sala com sua filha, que estava bem acordada e olhando para ele com seus olhos grandes e com calma. "Não importa o que aconteça hoje, quero que se lembre de que eu amo a você e sua mãe. Você é a melhor coisa que já aconteceu comigo, Lyra".

Sentindo-se emocionante, Draco parou de falar e apenas segurou sua filha mais perto. Depois de meses de não saber como Lyra estava ou como estava lidando, Draco estava segurando sua filha o mais rápido que podia. Era como se estivesse aterrorizado de que fossem separados novamente e queria ter certeza de que ele não perdeu um segundo com sua preciosa filha.

Por quase meia hora, pai e filha ficaram sentados em silêncio confortável na cadeira de balanço, mas Lyra começou a ficar inquieta. Sabendo que não precisava de alimentação ou troca de fralda, Draco suspeitava que sua filha estava ficando cada vez mais impaciente com o silêncio. Draco descobriu que sua filha estava tão acostumada com as pessoas que estavam por aí e se mexendo sobre ela que ela realmente não gostava da paz e da tranquilidade.

"Tudo bem, vou cantar para você", Draco sussurrou, olhando para Hermione e vendo que ela ainda estava dormindo. "Twinkle, twinkle, little star", ele começou a cantar com uma voz suave.

Enquanto cantava a música favorita da filha, Lyra começou a rir feliz e aplaudir as mãos. Quando a música terminou, Lyra estava animada, então Draco cantou pela segunda vez. Ao fazê-lo, ele não percebeu que Hermione acordava e sorria ao ver os dois sentados no canto cantando rimas infantis.

"Você tem uma boa voz", observou Hermione quando Draco deixou de cantar.

"Você está acordada", Draco disse, corando um pouco com o fato de Hermione o ter ouvido cantar. Não era algo que ele geralmente fazia e ele estava um pouco consciente do fato de sua namorada o ter ouvido.

"Eu estou", Hermione confirmou enquanto ela pulava da cama e se aproximou de onde as duas pessoas mais importantes da sua vida estavam sentadas. "E ver você e Lyra juntos é a visão perfeita para acordar".

"Esperemos que você ainda consiga acordar depois disso", disse Draco sombriamente.

"Nada vai acontecer com você hoje, Draco", insistiu Hermione, apertando o braço do namorado. "Dumbledore já prometeu estar bem ao seu lado enquanto você é entrevistado. Ele não vai deixar que nada aconteça com você".

"Eu sei que ele vai tentar o seu melhor, mas isso não significa que ele possa impedir o Ministério de me jogar em Azkaban", afirmou Draco. "Ele não é o Ministro da Magia".

"Não, mas o ministro em exercício faz parte da Ordem", apontou Hermione. "Kingsley viu em primeira mão alguns dos sofredores de Lyra e eu passamos. Eu sei que ele estará do seu lado".

"Não tenha esperanças", advertiu Draco. "Eu sei que você pode não querer, mas você terá que se preparar para o fato de eu não voltar do Ministério".

"Eu me recuso a pensar nisso", Hermione disse com indignação enquanto arrancava Lyra dos braços de Draco. "Venha, princesa, vamos prepará-lo para o dia. Temos uma festa para se organizar para papai".

"Festa?" Draco questionou, seguindo sua namorada enquanto ela vagava no banheiro com Lyra.

"Mais de uma reunião de amigos e entes queridos", corrigiu Hermione. "Todos nós estaremos aqui esperando por você quando você terminar no Ministério. Não tenho certeza de que você está pronto para acreditar em quantas pessoas adoram e cuidam de você, Draco. Nós não estamos mais sozinhos. Temos um mundo inteiro de pessoas prontas para nos apoiar."

Sabendo que não havia nada que ele pudesse dizer que impedisse sua namorada de reunir todos em sua casa, Draco agradeceu por seu amor e apoio antes de começar a se preparar para o dia seguinte. Quando Draco, Hermione e Lyra estavam todas vestidas, podiam ouvir movimento em outras partes da casa e, dentro de meia hora, todos estavam descendo o café da manhã. Ou melhor, a maioria das pessoas estava comendo, mas tudo o que Draco podia fazer era escolher sua comida.

"Você tem certeza de que não quer que eu vá com você?" Narcissa perguntou a seu filho quanto depois do café da manhã, ele preparou-se para entrar no Ministério sozinho.

"Não, preciso fazer isso sozinho", respondeu Draco. Tanto quanto ele adoraria ter Hermione ao seu lado, ele ainda não havia contado a ela tudo o que tinha acontecido com ele e ele não queria ouvir sobre algumas coisas terríveis que ele havia participado no Ministério, Ele queria poder confiar nela em seu próprio tempo e quando ele estava realmente pronto para falar sobre o que a vida tinha sido para ele sob o controle de Voldemort.

"Nós não podemos estar com você pessoalmente, mas Lyra e eu estaremos lá em espírito", disse Hermione enquanto ela beijava seu namorado e entregou-o Lyra para dar um abraço. "Nós te amamos Draco, nunca esqueças isso".

"Eu também te amo", Draco sussurrou, beijando tanto Hermione quanto Lyra enquanto ele rezava para que ele voltasse logo com eles e Narcissa.

Dizendo um rápido adeus a Blaise e Theo, e novamente agradecendo por todo o seu apoio, Draco respirou profundamente e entrou no ministério. Dado o estado em que o mundo mágico estava dentro, não foi surpresa que o Ministério fosse uma colmada de atividade enquanto as pessoas trabalhavam para acalmar o público e restaurar a ordem para a sociedade.

Draco devia se encontrar com Dumbledore no departamento Auror, e quando ele pisou do elevador no chão correto, ele achou que o diretor já estava esperando por ele. Dumbledore cumprimentou-o calorosamente e, como se estivesse sentindo seus nervos, ele produziu um pedaço de pergaminho de suas vestes e entregou-o a Draco.

"O que é isso?" Draco perguntou, desenrolando o pergaminho e encontrando uma longa lista de nomes. Alguns dos nomes eram membros da Ordem, alguns eram ex-colegas de classe, alguns eram professores e algumas pessoas não conheciam.

"Uma lista de pessoas que estão dispostas a defender você", respondeu Dumbledore.

Draco olhou para a lista com surpresa, dominado pelo grande número de nomes. Todos os Weasleys estavam lá, apesar do fato de eles ainda estarem tentando superar a perda de Arthur e Ron. Todos os professores sobreviventes e funcionários da Hogwarts estavam na lista, apesar do fato de Draco ter jurado que nem todos gostaram dele.

"Por que metade dessas pessoas fariam isso?" Draco questionou, seus olhos caindo no nome de Augusta Longbottom, que foi listado após o nome de Neville. "Esta é a avó de Neville aqui?"

"Sim, Augusta está na lista."

"Mas eu nem a conheço", protestou Draco.

"Ela estava lá em Hogwarts, ela viu de que lado você estava realmente", explicou Dumbledore. "Você tem muito apoio a Draco. Mesmo as pessoas que não sabem que quer se levantar e se certificar de que você não é punido por algo que você não teve controle. Todos sabem que você fez o que você teve para a Lyra e o Ministério verá isso ".

Draco assentiu, esperando que Dumbledore estivesse certo e que o Ministério realmente viu a verdade por trás de suas razões para fazer parte do exército de Voldemort. Embora ele não tivesse que esperar muito para obter sua resposta, enquanto o ministro da Magia, Kingsley Shackelbolt apareceu com alguns Aurores e escoltou Draco e Dumbledore para uma sala grande onde uma seleção de Wizengamot estava esperando.

Ao se estabelecer diante das pessoas que decidirem seu futuro, Draco ficou em silêncio enquanto Dumbledore falava poucas palavras explicando a situação e entregando as listas de pessoas dispostas a falar por Draco. Foi então a vez de Draco sob o destaque e, durante as próximas três horas, ele reviveu seu tempo com Voldemort enquanto contou ao Wizengamot tudo e respondeu a cada pergunta que eles lançaram em sua direção.

"Nós gostaríamos de alguns momentos para consultar uns com os outros", Kingsley finalmente disse a um Draco emocionalmente drenado.

Dormente, Draco saiu da sala para aguardar um veredito. Ele não tinha certeza se ele poderia ser enviado direto para Azkaban sem um julgamento, ou se o Wizengamot simplesmente decidir que um julgamento adequado seria em ordem. Nesse caso, Draco suspeitava que ele seria mantido sob custódia, pois qualquer outro Comensal da Morte aguardava julgamento, inclusive seu pai, estava atualmente sob custódia.

Depois do que parecia ser o tempo mais longo de sua vida, mas na realidade tinha apenas mais de dez minutos, Draco foi conduzido de volta ao quarto. Ele tentou decifrar o que o veredicto seria pelo rosto de Dumbledore, mas a expressão do diretor era ilegível enquanto ele se sentava confortavelmente em sua cadeira.

"Nós não vamos arrastar isso para fora Draco," Kingsley disse com um sorriso gentil. "Todos nós sentimos que você não tem nada para responder. Aceitamos que você foi forçado a ser servido por Voldemort, e que ele o manteve em linha ameaçando a vida de sua filha. Todos nós recomendamos sua bravura no que deve ter sido um momento horrível na sua vida. Também queremos tranquilizá-lo que nenhuma mancha permanecerá em seu personagem. Você não será nomeado como um Comensal da Morte oficial, ou será responsável por qualquer coisa que os Comensais da Morte tenham feito nos últimos meses. Você pode partir, Draco. Volte para sua família e viva a vida que você merece. "

"Obrigado", Draco respondeu, sua voz sufocada de emoção enquanto o alívio de ser perdoado o atingiu como uma tonelada de tijolos.

Uma vez fora da sala, Draco agradeceu sinceramente a Dumbledore por seu apoio. Ele então voltou para o átrio, e ainda um pouco vertiginoso com o que aconteceu, ele entrou em casa para compartilhar as boas notícias com sua família.

Quando Draco chegou em casa, ele foi recebido não apenas por Hermione, mas também por dezenas de outras pessoas. Fiel a sua palavra, Hermione reuniu as pessoas que as apoiaram nos últimos meses. Os Weasley estavam presentes, assim como Harry, Sirius e Remus. Dean, Neville e Seamus estavam todos lá, junto com alguns professores. Snape estava lá, depois de ter esgotado todas as coisas erradas, pois ele simplesmente estava agindo como um espião nas instruções de Dumbledore, e ele estava bastante amável com Narcissa. Até sua tia Andromeda estava presente com o marido, Ted.

"Bem?" Blaise exigiu enquanto Draco entrava na sala de estar e todos ficaram em silêncio.

"Estou livre", respondeu Draco. "Sem acusações para responder, e não vou ser nomeado como um Comensal da Morte oficial".

"Draco, isso é maravilhoso", Narcissa declarou com alívio quando Hermione abraçou Draco e reuniu-o novamente com Lyra.

"Disse-lhe", Hermione sussurrou para o namorado quando as pessoas o parabenizaram.

"Você estava certa", Draco concedeu com um sorriso. "Mas você deveria ter visto a lista que Dumbledore apresentou ao Ministério. Ele estava cheio de pessoas que queriam falar por mim".

"Nossa situação tocou muitas pessoas", disse Hermione. "Mas acabou agora".

"Não bem", Draco respondeu calmamente. "O pai ainda está sendo julgado. Não acabou até eu saber que ele está fora de nossas vidas para sempre".

"O que ele será quando ele for enviado a Azkaban pelo resto de sua vida sem valor", Hermione disse, envolvendo seus braços ao redor de Draco e envolvendo-o em seu abraço. "Este é o começo do nosso futuro, Draco. O resto de nossas vidas começa agora".

"Eu vou beber para isso", Draco disse, pegando uma bebida e propondo um brinde.

Em pé no centro da sala, Draco, Hermione e Lyra estavam unidos como uma família como todos bebiam para o futuro. Era finalmente hora de deixar a guerra atrás deles e olhar para o futuro, o que mais uma vez parecia brilhante e cheio de potencial.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...