História O primeiro amor do Maknae (VKOOK) - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bts, Namjin, Taekook, Vkook, Yoonseok Jihope
Exibições 1.784
Palavras 2.832
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estou postando hoje.
Tempestade aqui, não pude sair de casa.
Aproveitei para escrever.
Foi um capítulo difícil de escrever, acho que o mais longo da fic toda.
Se puder leiam as notas finais.
Com amor, aos Vkook shippers.

Capítulo 14 - Encontrei o amor onde não deveria encontrar


Fanfic / Fanfiction O primeiro amor do Maknae (VKOOK) - Capítulo 14 - Encontrei o amor onde não deveria encontrar

"Te usarei como ponto focal

Para não perder o lado que eu quero

E eu segui em frente porque eu pensei que poderia

Mas eu senti sua falta mais do que eu pensei que sentiria

Você terá perdido sua cabeça

E eu encontrei o amor onde eu não deveria encontrar

Bem na minha frente, faça isso fazer sentido

E eu encontrei o amor onde eu não deveria encontrar

Bem na minha frente, faça isso fazer sentido.. "

(I found — Amber Run)

                            #########

A imagem de Jungkook sozinho e assustado parado naquela praia, não saia da minha cabeça.

Se ele soubesse o quanto doeu em mim lhe dar as costas.

" Você é meu mar hyung"

Merda de frase que não sai da minha mente!

— Pare de chorar Taehyung! Pare de chorar Taehyung! — Repetia isso no caminho de volta. Coisa inútil de se fazer, sabia que as lágrimas não iriam parar tão cedo.

Eu fiz a pior coisa da minha vida. O Jungkook não vai me perdoar.

Só Deus sabe o quanto eu queria aquela pulseira.

Eu só quero voltar ao meu quarto e fingir que está tudo bem. Sou profissional nisso.

Fui o caminho inteiro chorando. Lembrei da primeira vez que vi Jeon Jungkook:

Camiseta branca, uma calça Jeans rasgada no joelho e uma botina cor amarelo queimado. Confesso que não dei bola pra ele, até então.

Sentado no canto, estralando os dedos e fitando a parede, apenas esperando  apresentarem a eles o último integrante do BTS.

— Oi meu nome é Kim Taehyung — Disse estendendo a mão.

Ele sorriu tímido e desajeitado.

É, foi aí, foi bem aí que soube que iria sofrer.

Ia ter que esconder mais uma vez quem sou. Do que gosto.

— Sou Jeon Jungkook. — Aperta minha mão.

— Eu vou ser seu melhor amigo. — Respondo como se pudesse prever o futuro.

Ele ri.

Desde esse dia, não sei dizer quem é Kim Taehyung sem Jeon Jungkook do lado.

Em cada show, em cada fansign, lá estávamos eu e ele.

Eu me conhecia bem,  logo de cara soube que estava me apaixonando pelo mais novo.

Me reprendia mentalmente por isso.

Logo depois que meu pai me convenceu a ser cantor e me deu todo o apoio do mundo, meu coração se apertou. Não podia decepciona-los sendo o  filho que gosta de ficar de quatro pra outro macho!  Meu pai que tanto me ajudou, me odiaria. Não conseguiria viver com isso.

No dia em que saí de casa, sai decidido a cantar, dar meu melhor, conhecer uma menina, fazer o impossível para gostar dela, casar, ter dois filhos e ser feliz na medida do possível. Talvez não fosse feliz por completo, mas ao menos não seria a "desgraça" da família.

Estava tudo certo, tudo planejado.

Isso até eu ver o sorriso do garoto que a minutos abandonei no meio do nada.

Ele bagunçou meus planos, minha mente e meus sentimentos.

Mas tudo bem, modéstia a parte, sempre me julguei bom ator. Era fácil esconder quem eu era e o que sentia.

Sorria e acene. É meu lema de vida.

Mas de umas semanas para cá, Jungkook começou a agir estranho comigo. No começo imaginei que fosse outra coisa, sei lá.

Só comecei a desconfiar quando  o ouvi  gemendo no dia em que caí sem querer encima dele na cama. Tomei um susto! Quase não consigo disfarçar naquela hora. Sou bom ator, mas tem uma parte do meu corpo que não sabe mentir bem.

Lembro que depois dele ter saido do meu quarto, me tranquei novamente e  comecei a respirar fundo umas 10 vezes seguidas e a recitar todos os mantras que conhecia.

Minha cabeça se encheu de pontos de interrogação:

O que acabou de acontecer? Não pode ser isso... Pode? O que o Jungkook quer? Por que ele fez isso? Ele... ele é como eu?

Uma alegria invadiu meu coração. E me senti culpado, já que sabia que se assim o fosse, ele iria sofrer, já que eu nunca cederia as minhas vontades.

Precisava ter certeza.

Acho que a sorte estava ao meu favor, a oportunidade para que eu descobrisse a verdade chegou quando acordei com ele me vestindo uma blusa, para que eu não sentisse frio e melhorasse logo. 

Olhei confuso. Até pensei que estivesse sonhando.

— Você vai melhorar logo hyung, mas não coma mais hambúrgueres estragados na geladeira. Não quero te ver doente de novo.. Gosto quando você anda por aí animado e sorridente e é triste para mim quando não está assim — meu coração acelerou nessa hora — Você tem que ficar forte para nós e para as armys, como sempre faz —  Ele passou a mão nos meus cabelos  -Descanse hyung.

Fechei os olhos e fingi dormir. Ainda sentia meu coração querendo pular para fora.

Ele me cobriu, mesmo sabendo que passaria frio sem suas cobertas.

Jungkook não faz isso comigo. Eu não consigo pensar direito quando você faz essas coisas.

Será que era mesmo o que eu estava pensando? Kook gosta de mim? De homens?

Decidi por um fim na dúvida que me consumia.

"Você realmente fica triste quando não estou sorridente?"

" Por que me deu sua coberta? "

Pergunto descaradamente.

Depois de ouvir aquelas respostas sinceras e  tímidas vindo dele, não aguentei...   

Mesmo que não pudéssemos ficar juntos, eu precisava sentir ele. Chamei-o para se deitar na cama comigo. Talvez como uma forma desesperada e silenciosa de dizer que sentia o mesmo.

Notei quando o mais novo se deitou ao meu lado.

Percebi a aflição dele, pois eu estava da mesma forma. Na tentativa de acalma-lo, sem dizer uma palavra,  envolvi meus braços ao redor do seu corpo.  Apoei minha cabeça no seu peito, e achei engraçado, ele não percebeu,  mas eu senti seu coração batendo a mil por hora.

Ah se ele pudesse ouvir o meu! Estava centenas de vezes pior.

Fiquei surpreso ao sentir um dos braços dele me agarrarem. Com a outra mão ele acariciou meus cabelos.

Senti vontade de chorar naquele instante.

Queria ter isso pra sempre.

Mas não tem como acontecer. Imagina!  Tenho até medo de um dos hyungs entrar aqui agora.

Abri os olhos por um segundo, o maknae ainda afagava meus cabelos, e ao mesmo tempo fitava o teto com uma expressão séria.

Daria uma barra de ouro para saber o que ele estava pensando.

Estava tão bom aquele "cafuné" que acabei adormecendo.

Acordei no meio da noite.

Jungkook dormia calmo. De lado, me apoei em um dos meus cutuvelos, erguendo metade do meu corpo, de modo que pudesse ver o rosto dele.

Sua boca estava entreaberta, deixando parte dos seus dentes de fora. O cabelo bagunçado, e uma feição que arrisco-me a chamar de um sinônimo de perfeição.

Me aproximei. Eu tinha necessidade de ver cada detalhe do seu rosto.

Como foi um ato de loucura e amanhã voltaria a ser o menino " sorridente e  perfeito" de sempre, sabia que aquele momento ali  juntos na cama não ia se repetir, então precisava me despedir decentemente.

Sorri.

Passei as mãos nos cabelos dele.

Neste momento fiz algo que nunca vou  me arrepender

Logo após encarei-o por alguns minutos.

Eu te amo Jungkook... — disse dando adeus aquele momento. Minutos depois peguei no sono.

Estava feliz e triste. Sou desses que consegue ser tão confuso a ponto de sentir sentimentos antônimos ao mesmo tempo.

Decidi que não iria me afastar. Eu vou cuidar dele, até que ele me esqueça e assim como eu, decida arrumar uma boa esposa e tente ser feliz, sendo um  "bom e normal" cidadão coreano.

Acordei antes dele, já me sentia melhor. Estava terminando  de fazer o café da manhã quando ele levantou.

Ridículo eu sei, mas me senti casado naquela hora. Um marido preparando o café para o marido que tinha dormido até tarde, depois de uma noite cheia de amor.

Iludido deveria ser meu nome do meio.

— Hyung — ele me chama tomando o suco de laranja que preparei — Você falou alguma coisa ontem a noite?

Tomei um gole de suco também, tentando disfarçar o medo de ser descoberto.

Franzo as somrbacelhas.

— Não — minto — não disse nada. Dormi a noite inteira.

O mais novo acreditou.

Desculpa Jungkook, eu tenho uma imagem a manter.

Principalmente para os meus pais.

Depois disso, nos divertimos o dia todo. Ele viu animes comigo e então fomos jogar.

Na primeira pergunta dirigida a mim, notei a curiosidade do mais novo pela minha vida particular.

— Você já ficou com alguém? — diz

— Fiquei? — pergunto só para tortura-lo. Era ADORÁVEL ver ele sem graça.

Ele coça a cabeça.

— É.. ficar.. tipo. — guaguejava completamente envergonhado.

Fofo!

Respondo sua pergunta e ele me vem com outra.

— Até passar a noite com alguém? Tipo..sabe..

— Sim, já. — respondo.

Tive que conter o riso. A cara do Jungkook era impagável. Seus olhos meio desesperados e curiosos. O maknae não sabe disfarçar, principalmente no seu olhar.

Sério, ele não sabe disfarçar nem um pouco!

— Legal — o mais novo diz com um sorriso fingido.

Eu poderia ter contado mais. Com quem, quando, onde, mas não era tão importante. Afinal, trocaria todas aquelas noites por uma com ele.

Passada algumas rodadas, ele erra. Decido fazer a mesma pergunta, mesmo já imaginando a resposta.

— E você já... "passou a noite" com alguém?

Ele fica bastante sem jeito quando admite que ainda não tinha feito isso.

Caramba! Como ele é lindo com vergonha. Adoro deixar ele assim.

Estava me divertindo, até chegar a vez dele de me perguntar novamente.

Apoei as palmas das mãos no chão, tentando afastar meu rosto do dele. O moreno claro se aproximou mais.

— Hyung — ele tocou no meu joelho e eu estremeci —  você beijaria um homem?

Encarei-o.

"Sim, sim! Mil vezes sim, me beije por favor"

Se fosse inconsequente diria isso, mas optei por deixar o nervosismo me consumir e começar a gaguejar em busca de uma resposta.

— Eu...é.. Se e..

Ouço os hyungs chegarem interrompendo o momento tenso.

Nos afastamos rapidamente.

É oficial. Não posso ficar perto de Jeon Jungkook.

Ignorei ele todos esses dias da viagem. O observava sempre que podia, quando o mesmo não estava olhando. Tive que ter muito auto-controle para me afastar assim.

No quinto dia, não estava mais aguentando. Vi ele, Jimin e Hoseok sentados no chão do meu quarto se preparando para ver um filme. Precisava sair, caminhar, por os pensamentos no lugar e lembrar dos motivos pelos quais optei esconder quem realmente sou.

Sem querer, achei um lugar maravilhoso, logo depois de uma trilha. Sentei em uma pedra, olhando o vai e vem do mar. Juntei algumas pedrinhas do chão, voltei a  me sentar e mirei aquela paisagem. Talvez o ar puro me ajudasse a pensar racionalmente.

Joguei a primeira pedra.

— Eu poderia dizer que gosto dele e por isso o estou evitando. Ele pode entender.

Respiro fundo.

— Não, isso seria pior.

Jogo a segunda pedra.

— Eu poderia começar a sair escondido com alguma garota. Vai que me apaixono...

Respiro fundo de novo.

— Não, eu não ia conseguir.

Jogo a terceira pedra

— Eu poderia simplesmente ficar com o Jungkook de uma vez por todas pra todo mundo saber.

Suspiro.

— Meu pai não me perdoaria, eu poderia perder o contrato, meus amigos.

Fecho os olhos.

— Continue sorrindo, sendo um bom menino, um bom filho, um bom Idol. Daqui a pouco isso passa e você vai rir de tudo, né?

Abro os olhos e jogo outra pedra.

Me sinto só. Eu sou uma farça.

Ouvi um barulho vindo em minha direção. Não acredito nos meus olhos..

Como ele me achou?

Ele se aproxima de mim. Eu vou evitar olha-lo a qualquer custo. Se eu o fizer, talvez perca o controle.

Fingi não estar dando muita atenção ao que ele falava, isso até que, com aquele rosto sincero e tímido, me mandou segurar uma pulseira.

Era linda. Simples e linda. O que ele tem pra me falar? Eu só preciso que ele vá embora! Eu não posso lidar com isso.

Eu pensei em pegar a pulseira, me levantar e ir embora. Mas carinhosamente, Jungkook me pediu para que o ouvisse.

Concordei.

Quando ele começou a falar, eu descobri qual é a pior sensação do mundo.

Pior do que bater o dedo mindinho nos móveis da sala, pior que cortar o vão dos dedos com papel sulfite.. muito pior.

O choro preso.

Eu mordia os lábios, apertava os dedos dos pés. Não desejo nem ao meu pior inimigo a sensação sufocante que é não poder deixar as lágrimas cairem. É como se você fosse morrer afogado de dentro pra fora, com suas próprias lágrimas.

Me sentia um lixo.

Quem sou eu pra ser o mar de alguém?

Quem sou eu pra alguém ter se apaixonando por mim dessa forma?

Aah, é mesmo, eu sou Kim Taehyung. Todos amam Kim Taehyung. Certo?

Errado. Aquele menino parado ali na minha frente não me amava porque eu era Kim Taehyung, senão ele teria desistido no instante em que o ignorei. Senão ele jamais teria dito que me esperaria o tempo que precisasse.

Ele não amava "O" Kim Taehyung.
Ele amava eu, Kim Taehyung. Parece confuso, mas a diferença dessas duas pessoas é bem grande.

Ele amarrou a pulseira no meu pulso.

Quis me afogar naquele momento, só para não precisar responde-lo. Eu sabia que iria magoa-lo.

— Você a aceita, hyung? — Diz com um olhar que transbordava esperança.

Eu não vou deixar você acabar com sua vida Jungkook, com o orgulho da sua família.. Eu te amo demais pra fazer isso.

— Eu não quero essa porcaria! — Digo desejando ser engolido pela terra. Eu me odeio...

Admito, não lembro de mais nada.

Estava tão transtornado naquele momento,  que agora a única imagem que me vem a mente é Jungkook parado, me olhando, perdido e triste.

Chego na porta do meu quarto e Hoseok desperta com o barulho. É, Soluços e lágrimas são difíceis de controlar.

Ele começou a me perguntar se estava tudo bem. E eu realmente pergunto isso a mim mesmo naquela hora:

Você está bem Taehyung? A quanto tempo você se maltrata, não? Como você realmente está Taehyung? O que VOCÊ quer fazer? Sem pensar nos outros, quero saber se VOCÊ está bem?

Pergunto-me aquilo pela primera vez em anos.

Fico parado de pé na porta em silêncio.

Hoseok continua falando.

Ignoro.

Quer saber, eu não estou bem! Eu quero aquela pulseira. Mesmo que o Jungkook nunca saiba que eu voltei busca-la, eu preciso dela aqui. Para pelos menos lembrar que fui amado um dia pela pessoa que amei. Eu poderia me agarrar a essa pequena lembrança de felicidade, para seguir com a vida de fachada e infeliz que planejei.

Eu preciso dessa lembrança.

Corro até me faltar o ar. Procuro, procuro. Nada! Quem sabe se eu parasse de chorar os olhos não ficariam embaçados e eu enxergaria melhor.

Não,não..acho que preciso de uma lanterna.

Corro em desespero para o quarto de novo, ignorando tudo, não encontro a lanterna.

Hoseok, eu perdi no mar a coisa mais importante da minha vida.

Volto para a praia.

3:11 da manhã.

Procuro, mergulho, rastejo na areia olhando parte por parte. Mergulho de novo.

Nada.

O pavor tomou conta de mim quando notei que talvez nunca mais fosse acha-la.

Jogo meu corpo, caindo sentado na areia e tiro de dentro de mim todo o choro e angústia guardado aqui há anos.

Eu me odeio! Eu me ideio!

Avisto em  meio a rala neblina, a silhueta da pessoa que magoei. Da pessoa que não deveria me perdoar.

Berro pedindo para que ele vá embora. Eu não aguentaria magoa-lo de novo. Eu não sou desse jeito.  Não tenho mais forças para nada disso.

— MENTIROSO! — Ele grita apontando para mim.

Tento encontrar argumentos para me defender. Mas como disse, não tenho mais forças pra isso.

Decido acabar com essa situação.

Falo a verdade. Quem eu sou, o que eu quero, o que gosto.  Rasgo a minha alma pra ele ali. Fico nu dos meus segredos. Ali naquela praia, decidi mostrar pra ele quem é Taehyung quando não está sorrindo.

Meu coração estava acelerado, meu corpo trêmulo.

Nem lembro direito do que disse. Minha mente ficou no modo automático e a boca só falava, como se estivesse lendo um texto que já estava datilografado dentro do meu coração.

Eu estava tão transtornado, que juro, eu não o vi se aproximar.

Senti ele agarrando meus cabelos.

Parei de falar.

Ele me encara.

Nossas respirações estão ofegantes.

Ouço o barulho do vento, o barulho do mar.

Silêncio.

Tum, tum, tum..

Nossos corações.

— CALA ESSA MALDITA BOCA KIM TAEHYUNG!

Arregalo os olhos. Os lábios dele estavam tocando os meus...

Nada mais importa.

Chega!

Fecho meus olhos para beija-lo.

Não posso mais esconder o que sinto...

Não depois de sentir os lábios de Jeon Jungkook.


Notas Finais


Espero que agora tenham entendido ambos os lados do iniciozinho de Vkook. Foi difícil tentar entender a mente do Tae e por no papel. Revi vários vídeos de vkook moments para escrever, e mais do nunca acredito que Tae esconde coisas atrás do seu sorriso. O Jk é óbvio, nos olhares dele. O Tae não, não completamente. Depois do vídeo recente da moça empurrando ele, (do qual me deixou furiosa) percebi que não foi ilusão minha, tenho 80% de certeza, pela forma como ele reagiu a situação, que ele é esse Taehyung aqui da fic. Acompanho ele há tempos, sendo meu utt. Os olhares dele não me enganam. Dizem que uma pessoa que se esconde atrás de sorrisos reconhece a outra. Talvez seja o motivo de te-lo escolhido desde o começo como utt. Não que ele não seja feliz, mas há coisas no Tae que podem parecer de "outro planeta" mas na verdade é uma maneira de mascarar os sentimentos dele. Enfim.. poderia passar dias falando sobre o Taehyung. E acreditem, foi muita pressão tentar entender mente desse ser humano que amo.
Sobre meu post anterior falando sobre o plágio que tinham me falado, espero que não entendam errado: " Ah não façam fanfic Vkook na vida real pq vcs estarão me plagiando" NÃO! Gente, pelo amor, fiquem a vontade.. Não foi isso que quis dizer ontem não. Até me arrependo do post. Provável que apagarei, só sinto pelos comentários de vocês que foram lindos! E muito obrigada pelo apoio! Pode parecer atitude de gnt fraca mas culpo minhas inseguranças por isso.
Obrigada gnt.
Enfim, CAPÍTULOS importantes estão chegando.
(Aquela carinha)
Obg pela leitura. Me diga o que acharam.
Mil beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...