História O Professor - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Itachi Uchiha, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shisui Uchiha
Exibições 592
Palavras 1.849
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


GENTEEEEEEEEEE
FIZ UMA PEQUENA ALTERAÇÃO NO FINAL DO CAPÍTULO ANTERIOR!
AERIA BOM DAR UMA OLHADINHA LA!
bJINHOS!

Capítulo 5 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction O Professor - Capítulo 5 - Capítulo 5

Saí da casa do meu irmão assim que terminamos a refeição. Fiquei bastante perturbado com o rumo no qual meus pensamentos estavam tomando e então resolvi ir para casa, me manter ocupado com o trabalho e me distrair desses absurdos. Porque, pensar no professor da minha filha daquela forma é no mínimo problemático, até mesmo doentio.   

Chego a pensar que não posso ficar perto de Itachi e Shisui  por muito tempo que passo a me contaminar com pensamentos irracionais e indevidos relacionados a outro homem.  

Agora tudo que penso é em Sarada. Talvez se ela tiver muito contato possa pensar como um deles, ou como eu a alguma horas atrás. Isso já seria demais para que eu pudesse suportar. Criar uma filha por tanto tempo pra ela virar um deles? Negativo. Não sei como meu pai não está se revirando no túmulo agora. 

Não sendo o suficiente aquele ser acabar com o meu almoço, ele volta a me atormentar de noite, antes de dormir. O que ele tem de especial? De diferente? De demais? Ele é só mais um pobre assalariado, que gosta de interferir na vida dos pais que são ocupados e não têm tempo para perder com coisas pequenas, ainda mais de graça.  

-Loiro idiota.- Pensei alto.  

-O que disse?- Sakura perguntou ao entrar no quarto enquanto tirava seus brincos.  

-Nada, só pensei alto. - Coloquei minhas mãos debaixo de minha cabeça, me acomodando melhor na grande cama de casal, enquanto fazia pouco caso da presença da mulher.  

Não me leve a mal. Eu juro que tentei ama-la, tentei gostar dela, mas eu não consigo. De forma alguma. Acho que por ter que me casar rápido e ver isso como uma obrigação, minha mente bloqueia qualquer tipo de afeto por essa mulher.  

-Hum. - Levantou a coberta e veio se acomodar sobre meu peito. Como estou muito indisposto para a afastar, a deixei como estava. Não queria uma briga agora.  

-Sabe... eu coloquei a Sarada para dormir um pouco mais cedo hoje, e agora eu estava pensando... - Falou enquanto alisava meu peitoral com seu dedo indicador e olhava para o mesmo, como se estivesse distraída. - Já faz um tempo que não ficamos um pouco mais... íntimos.  

Olhei para minha esposa e vi que a mesma estava com  as bochechas avermelhadas. Estava pensando em recusar, eu não estou com a mínima disposição para esse tipo de coisa, ainda mais com um dia tão perturbador como esse.   

E foi então que ele surgiu em minha mente novamente. Não posso deixar que isso acontecesse de novo, e por isso aceitei a proposta de minha esposa.  

Segurei em sua coxa, que estava sobre mim, e inverti nossas posições, me deixando por cima e entre suas pernas. Me abaixei, comecei a distribuir mordidas pelo pescoço de Sakura enquanto apertava suas nádegas. Seus gemidos eram estridentes e me enjoavam, tentei com todo o custo não prestar atenção neles, mas era meio difícil com o barulho bem perto de meus ouvidos. Quando as coisas ficaram mais tensas e necessitadas, senti que ela iria gritar, tampei sua bora e dei graças a Deus por agora apenas escutar alguns abafos. Usei a desculpa que Sarada não poderia acordar, caso isso acontecesse não seria algo fácil de se explicar.  

Quando chegamos em nosso limite, me jogo para o lado tentando controlar minha respiração. Olho para Sakura e me levanto.  

-Você toma anticoncepcional, não é? - Perguntei enquanto ia em direção ao banheiro.   

-S-Sim. - Falou timidamente.   

-Então não preciso me preocupar com uma suposta gravidez, certo? - Parei na porta e olhei para ela.  

-N-Não, não precisa. - Falou um pouco triste enquanto se levantava, enrolada no lençol, para pegar algumas roupas e finalmente poder tomar um banho, o segundo da noite. 

Sasuke apenas entra no banheiro e toma um rapidamente, para logo depois sua esposa tomar o seu. Dormem um do lado dou outro, mas bem distantes para um casal que acabou de fazer o que fizeram. Que para Sasuke, não passou de algo carnal.  

  

  

-Sasuke, pode levar Sarada na escola? Estou atrasada para uma consulta. - Sakura fala aparecendo na cozinha como um furacão, pega uma maça enquanto termina de abotoar sua blusa e beija o topo da cabeça de sua filha.  

-Você está brincando, certo? - Perguntei indignado. - Sakura é a segunda vez que isso acontece em menos de um mês!   

-Me desculpa, Sasuke, se eu não sou uma mutante e não consigo me multiplicar pra fazer tudo sempre, mas eu preciso da sua ajuda! - Falou me bronqueando. - Ou vai ser demais para vossa alteza?  

Olhei para ela tentando achar alguma dica de que ela poderia estar brincando comigo, mas tudo que eu ganhei foi um olhar raivoso e um suspiro longo.   

-Estou saindo, leva ela. - disse saindo pela porta e a batendo bem forte.   

Vi minha filha um pouco recolhida e com medo, respirei fundo e fiz um carinho em sua cabeça.   

-Desculpa, Sarada. Você não tem culpa de nada. - Falei me levantando e indo beijar sua testa.   

Ela realmente não tinha culpa de nada e eu  nunca mais quero ouvir o que ela me disse naquele dia, nunca mais. Foi um experiência horrível. Não sou como meu pai, que ouvia eu dizer que eu o odiava inúmeras vezes e não conseguia se comover nem um pouco ao ponto de me perguntar o porque de agir tão rebeldemente, ou se ele havia errado em algo, ou até mesmo se ele poderia mudar na educação que estava dando para seus filhos. Sou uma pessoa diferente, ouvir aquilo realmente me magoou bastante. E agora, eu realmente quero mudar.  

-Está pronta? - Perguntei enquanto sorria para a menor e ela logo me abriu um largo sorriso banguelo.   

-Huhum! - Disse levantando os bracinhos para que eu pudesse a pegar no colo.  

Fomos em direção a escolinha e quando eu estacionei o carro pude me lembrar da besta que tinha lá dentro. Uma besta loira de olhos azuis, a mesma besta que conseguiu tirar toda minha sanidade e paciência nesse fim de semana.   

Ao mesmo momento em que ele está fazendo com que eu e minha filha sejamos mais unidos, ele fode com todo o meu psicológico. Tanto com esse papo de " você devia dar mais atenção a ela" quanto o papo de que "eu não sou um bom pai". Ah por favor.   

-P-Pai? - Sarada perguntou quando percebeu meu silêncio repentino e falta de ação.   

-Desculpa, vamos? - Dei a volta no carro, a peguei no colo e fui em passos firmes para dentro da escola.   

Sei que esse idiota vem me perturbando, mas eu não irei dar com um pé para trás, não agora. Afinal, ele é só um professorzinho.   

-Sarada! - Em falar no demônio.... - Olha só quem veio a trazer na escola! Estou começando a sentir falta da Sakura. - me virei e pude ver os mesmos olhos azuis que tanto me amaldiçoam. - Como você está, gracinha?- Perguntou enquanto segurava as pequenas mãos da menina.  

-Ótima . - disse convencida enquanto soltava uma gargalhada, logo depois que o loiro começasse a fazer cocegas na morena.  

-E o senhor? Está bem? - Me perguntou sorridente.  

-Melhor impossível. -Falei convicto, não baixando a guarda nunca. - E você?  

-Esplêndido! Ah, posso ter uma palavrinha com o senhor? - Me perguntou.  

-Sempre que eu vier aqui teremos que conversar? - Perguntei sem paciência.  

-Vai ver eu gosto da sua companhia. - Brincou alegre, mas essa afirmação acabou me fazendo sentir algo estranho em meu estômago. Acho que deve ter sido o cereal de hoje mais cedo.  

  

  

-E então, como foi ao ver o desenho da lindinha? - Perguntou sorridente e me olhando em expectativa. Sem poder me conter, acabei sorrindo e desviando o olhar.  

-O desenho estava lindo, mais ainda foi o sorriso dela quando a elogiei. - Falei e logo depois olhei para Naruto, que me olhava mais radiante.  

-Saber que um ser humano igual a você sabe sorrir até me reconforta as vezes. - Zombou de mim e continuou. - Fico feliz que tenha gostado, mas me responda: Quanto tempo isso levou?  

-Como assim? - Não entendi aonde ele queria chegar com esse tipo de pergunta,  

-Oras, quanto tempo você gastou para ver o desenho da sua filha? - me perguntou com um tom de zombaria.   

Minha expressão se fechou ao perceber o que ele queria dizer com isso. Me levantei e disse:  

-Você não tem o mínimo direito de me dizer essas coisas! De me afrontar desse jeito. Aonde pensa que vai chegar me fazendo essa tortura mental? Me hipnotizando com esses grandes olhos azuis que me seguem o dia inteiro, acha que assim eu vou mudar? Você está muito enganado, Naruto. Você não entenderia mesmo, é só mais um pobre assalariado tentando me fazer ficar maluco. - Cuspi tudo que eu pensava em Naruto que me olhava surpreso e assustado. Respirei fundo pedindo paciência aos céus e logo me recompus. Não sei o porque, mas esse homem consegue me tirar do sério tão rápido, que as vezes nem eu consigo acompanhar. - Agora se me der licença... 

Me retirei da sala antes mesmo de ouvir o que ele tinha a dizer. 

 

 

Já era o segundo comprimido que eu tomava para ver se minha dor de cabeça passava. Parece que tudo em minha vida está dando errado, nem sequer uma vaga eu achei nessa merda de cidade, tive que deixar meu lindo conversível preto atravessado no estacionamento até alguém reclamar ou me chamar para avisar que tem uma vaga, porque nem um manobrista eu achei nesse inferno. 

 Eu só queria uma boa notícia, uma só, e parece que ela veio em uma hora oportuna. Parece que as vezes você só precisa esperar um pouquinho antes de pular da ponte. 

-Sasuke, vim te avisar que o senhor Namikaze irá fazer um baile de gala em sua casa para apresentar o próximo dono da corporação Rasengan. - Itachi disse enquanto deixava algumas coisas sobre minha mesa. - Aqui está o convite. Infelizmente ele só lhe entregou um para mim e um pra você, Sakura não poderá comparecer. - Falou lamentando. Tenho que dizer que perdi uma ótima oportunidade de me vangloriar ao lado de uma linda mulher. Realmente isso iria me valorizar bastante. Mas nem tudo é o que queremos. 

A corporação Rasengan é uma das mais poderosas corporações do país, competindo com a corporação Hyuuga, Renigan e a do Sahringan, na qual eu pertenço, óbvio. Ser o herdeiro de uma empresa desse porte requer muita responsabilidade e determinação, não pode ser qualquer um, então isso seria um evento e tanto, talvez um dos mais importantes do ano. Não poderia perder por nada. 

-Ah, tudo bem. Vou avisa-la. Quando vai ser? - Perguntou não conseguindo disfarçar meu interesse. 

-Sexta feira. No convite tem as informações. Agora eu vou indo, afinal não posso ficar o tempo inteiro sentado igual vossa senhoria. - Riu descontraído e por um instante me permiti rir também.  

-Vaza logo, Itachi. - Disse e ele saiu tentando segurar o riso. 

Esse idiota...


Notas Finais


desculpa por fazer um sasuke tão idiota... mas ele vai mudar durante a fic <3 quero que acompanhem bem de pertinho !!<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...