História O que a vida me roubou - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Once Upon a Time, The 100
Personagens Camila Cabello, Clarke Griffin, Emma Swan, Henry Mills, Lauren Jauregui, Lexa, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Camila Cabello, Camren, Clarke, Clexa, Emma Swan, Lauren Jauregui, Lexa, Regina Mills, Swan Queen, Swanqueen
Exibições 82
Palavras 2.202
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


bom dia
mais um capitulo.
relevem os erros qualquer duvida dx nos comentários.

Capítulo 2 - Remorso - Clarke


Fanfic / Fanfiction O que a vida me roubou - Capítulo 2 - Remorso - Clarke

Remorso - Clarke

Boston – 15 de abril de 2013

- Clarke que me ouvir.

- se for pra ouvir suas mentiras Alexandra me poupe não à explicação para o que eu vi ontem.

- sempre tem uma explicação Clarke, você acredita mesmo que eu faria uma coisa dessas?

- não Lexa, eu cansei como sempre você vai dizer que estava trabalhando, que era por causa do seu trabalho, sempre a mesma desculpa esfarrapada.

- não é desculpa é a verdade.

- chega já deu pra mim, estamos nessa desde ontem a noite e pra mim já deu, Lexa acabou, não dá.

- não faz isso leãozinho, não faz isso Clarke!

- foi você que fez Lexa, há meses você vem agindo diferente com segredinhos, chegando tarde, com essa sua indiferença, eu não me casei com pra viver uma vida assim.

- eu não trai você, quantas vezes vou ter que repetir Clarke, eu estava em uma investigação e aquela mulher era uma suspeita, então eu tinha que estar lá.

- e ela estar enfiando a língua na sua boca também fazia parte da investigação?

- foi ela que me beijou, eu fui pega de surpresa leãozinho, mas logo a afastei.

- quero que você saia hoje do meu apartamento Lexa.

- Clarke ... eu vou sair vou dá um tempo pra você repensar no que esta fazendo, hoje é a maratona e essa cidade esta um caos, a noite voltaremos a conversar. -

- eu quero que você se exploda Lexa, quero você fora daqui, não quero olhar para você nunca mais. – gritou a loira o rosto de Clarke estava vermelho a respiração irregular.

- Clarke você esta falando isso da boca pra fora e eu irei relevar, posso não ser uma mulher perfeita, teimosa, turrona, mas eu a amo, amo você com cada célula do meu corpo, então não fale isso porque eu sei que você quer apenas me ferir. Tenho algo pra te contar quando chegar quero que você esteja de cabeça fria, Leãozinho tudo vai melhorar isso é uma promessa.  – dito isso ela pega as chaves de casa e sai.

Horas mais tarde em NY

... duas bombas explodiram hoje durante a maratona de Boston, deixando vários feriados e pelo menos três mortos, assim que tivermos mais noticias voltaremos com o plantão...

A noticia de mais um atentado terrorista corria por todos os veículos de comunicação a tv estava ligada mas era ignorada, era uma tarde fria em nova Iorque, a noticia foi ignorada pelas duas mulheres que estavam sentadas na sala.

- então foi isso Regina Lexa vem agindo estranho há algum tempo, e ontem eu a vi beijando outra, chega não nasci para ser feita de idiota, não podia mais olhar pra cara dela, Lexa é uma cínica negou tudo. – a morena que tomava seu chocolate quente com canela, habito que herdou da convivência com a esposa.

- e por isso você pegou o primeiro voo e veio até aqui, não quer vê-la. – a loira fez um gesto afirmativo com a cabeça. - eu sei que se ficasse lá não resistiria e acabaria cedendo como sempre faço.

- já pensou em que ela pode esta dizendo a verdade, veja eu te conheço desde pequena, quando me casei com sua irmã você só tinha onze anos quando e foi morar com a gente, vi você se apaixonar pela aquela cabeça dura da Alexandra, vejo o amor que existe entre vocês duas, Clarke vocês se amam não seja tola, aquela turrona é louca por você.

- ela esta tão diferente Regina, tem momentos que eu não a reconheço.

- olha se Emma estivesse aqui hoje ela estaria puxando sua orelha, mandando voltar pra Boston e conversar com sua esposa. – as duas riram ao lembrarem-se da loira.

- Emma provavelmente faria isso.

A conversa das duas é interrompida pelo celular da loira que voltava a tocar, já era a quinta vez que Lexa ligava fora os cinco recados que tinha deixado na caixa postal, mesmo não sendo do numero da esposa ela conhecia o números de onde a morena trabalhava.

- atenda, ela deve estar preocupada com seu sumiço.

- amanhã eu falo com ela, hoje não. – dito isso a loira desligou o celular.

NY madrugada.

O telefone do apartamento toca, eram duas horas da madrugada, fazendo uma morena de cabelos curtos bufar, Regina tinha o sono leve, então o menor barulho acordava.

- alô. - A voz roupa da morena denunciava que ela tinha sido acordada.

- Regina é você? – uma voz conhecida pela morena do outro lado da linha.

- não a rinha má, claro que sou eu Maura, quem mais poderia ser?

- peço desculpa ligar nesse horário, mas é uma emergência.

- espero que seja mesmo Isles.

- você sabe onde esta Clarke? Eu ligo o celular dela esta dando desligado, fui ao apartamento dela e o porteiro disse que ela saiu no final da manhã com uma pequena mala.

- ela esta aqui, brigou com Lexa e não queria vê-la, Maura você me ligou pra saber disso, não acredito que aquela turrona fez convenceu a você de me ligar uma hora dessas pra saber onde a teimosa esta.

- não é isso Regina, hoje ouve um atentado terrorista aqui na cidade. – Regina pode perceber que o tom de voz da amiga era outro, Maura estava diferente.

- eu vi muito rápido no noticiário, mas como Clarke esta aqui não dei a devida a atenção.

- Lexa ela... – a mulher fraquejou, dá esse tipo de noticia não era fácil.

- Maura o que aconteceu com a Wods?

- eu sinto muito Regina, ela esta entre os feridos o estado dela é critico, tentamos falar com a Clarke, mas não conseguimos, eu liguei varias vezes o hospital tentou, deixei recado e nada, eu ... – Maura não pode mais segurar o choro.

- esta tão mal assim?

- os médicos acham que ela não chegara até amanha de manha, Jane também se feriu, mas não foi nada grave, mas Lexa meu Deus tinha tanto sangue Regina, na hora eu se quer a reconheci. – tom de desespero que a amiga usava, deixou Regina em pânico.

- céus Clarke... ela ... Maura logo estaremos ai. – dito isso a morena desligou, ela não podia acreditar que veria alguém tão próximo a ela passar por tudo que ela passou.

Boston pela manhã

- Maura como ela está? – Clarke que ofegava, tinha entrado correndo hospital a dentro, a noticia tinha a pegado de surpresa, saber que a esposa estava em estado critico estava deixando em desespero, relembrar das ultimas palavras que disse a esposa mesmo sendo da boca pra fora e agora saber que ela pode mais nem ter uma esposa a deixava com um sentimento de remorso evidente.

- Clarke, graças a Deus você esta aqui, tentei falar com contigo desde o ocorrido. -

- só me diga que ela esta viva. – o semblante de desespero da mais nova era evidente.

- esta, mas Clarke o estado dela é critico, fique o tempo todo aqui Clarke, eu nem sei como ela resistiu à noite.

- o que aconteceu? eu quero vê-la!

- Calma ela entrou em cirurgia novamente, os médicos disseram que sem uma nova cirurgia ela não iria resistir muito tempo. – Maura explicava quando viu a amiga pessoal e de profissão se aproximar. - Clarke ela estava próxima da segunda bomba, os danos ao corpo dela foram extensos.

- Maura quão grave é o estado dela? – Regina perguntou vendo estado que a cunhada se encontrava.

- Clarke terá que ser forte Regina. – a loira mais velha olhava para as duas com um olhar penoso, Maura estava acompanhado a amiga desde que soube que ela era uma das vitimas do atentado.

- quero falar com os médicos dela.

- agora só resta aguardar por noticias Clarke, eles a levaram para uma nova cirurgia agora pouco.

- eu não posso perdê-la também. – a loira chorava amparada pela cunhada.

- você não ira, tenha fé Clarke, Lexa é forte vai sobreviver. – Mills tentava consolar a mais nova.

Quatro horas depois

- Parentes de Alexandra Grifin-Wods? – o chamado do medico despertou as duas loiras já que a morena tinha ficado acordada.

- eu sou a esposa dela.

- senhora Wods, o estado da sua esposa continua critico, mas conseguimos salvar a outra perna dela, mas infelizmente ela terá grandes possibilidades de perder a visão, os danos fora extensos. Ela também teve um trauma muito serio no tórax, mas o preocupante foi os traumas nos membros inferiores e na cabeça. Como eu disse conseguimos salvar a perna direita dela, a esquerda já tinha sido amputada ontem. – a noticia deixou a loira em choque.

- como assim amputada, você tinham que ter minha autorização.

- nos tentamos, mas não obtivemos contato com a senhora e o quadro dela não nos deu outra opção, senhora eu sei que deve esta sendo difícil estar sabendo da situação agora, mas fizemos o possível para salvar a perna direita de sua esposa, não foi possível, ja a esquerda com essa nova cirurgia conseguimos. – sabe do quadro da esposa deixou Clarke em um estado letárgico.

- tem mais uma coisa.

- o que mais? – Regina vendo que Clarke não tinha mais reação alguma perguntou.

- o bebê que ela estava esperando, também não foi possível salva-lo.

- espera você disse bebê? – a loira agora estava surpresa com a gravidez da esposa.

- sim sua esposa estava com pouco mais de um mês.

- Clarke a Lexa estava gravida? – Regina perguntou choca a cunhada, Clarke não tinha mencionado sobre a gravides.

- eu... eu não sabia. – a loira agora se encontrava desorientada com a noticia.

- sim estava. Era uma surpresa que ela estava fazendo pra você Clarke. – Maura sabia de todo o processo que a colega de trabalho vinha passando.

- como assim uma surpresa? – Clarke a olhava com angustia. – como eu que sou a esposa dela não sabia?

- ela queria que você soubesse no aniversario de casamento de vocês Clarke, por isso você não sabia, ela me pediu ajuda, eu a acompanhei durante todo o processo, por isso ela estava te evitando nesses últimos dias, ela não queria estragar a surpresa.

- meu Deus isso não esta acontecendo, por isso ela vinha tão distante achei de mistérios, e eu achando que ela estava tendo um caso. Quando eu vi ela beijando aquela mulher ontem eu surtei.

- ela não beijou foi beijada, aquela lá era uma louca que a agarrou a força. Sinto muito que você esteja sabendo dessa noticia dessa forma Clarke, Lexa queria surpreende-la.

- Clarke escuta você precisa ser forte por ela agora. – Regina viu a cunhada desabando a sua frente.

- ela não vai me perdoar Rê, eu fui injusta, burra por não ter a escutados, simplesmente a acusei de ter me traído, e quando ela mais precisou de mim, onde eu estava Regina? – a loira chorava em desespero.

- Clarke calma ela sabia que você não sabia de nada e nem poderia prevê que essa tragédia ira acontecer, ela vai entende-la. – Regina consolava a cunhada.

As três passaram o restante do dia no hospital, com muito protesto Regina consegui arrastar a cunhada pra casa, Lexa estava em coma na UTI, onde a loira não poderia acompanha-la, o máximo que Clarke conseguiu foi vê sua esposa através de um vidro, a cena partiu mais ainda o coração dela, sua esposa estava toda entubada, a alegria que aquele rosto estampava diariamente agora dava espaço a fios e tubo de alimentação, nem de longe aquela lembrava sua Lexa.

NY dias atuais.

- cheguei.

- mamãe. – uma pequena criaturinha loira saiu pulando de alegria ao vê a morena entrar no apartamento.

- olá meu príncipe, onde esta sua tia? – Regina perguntava ao filho olhando envolta da sala e constatando que o pequeno estava só.

- esta lá no quarto falando com a tia Camila. – disse o menos enquanto era bombardeado de beijos pela mãe.

- Camila esta aqui? – a mora ficou surpresa em saber que a única irmã estava lá.

- sim e ela trouxe um montaum de presentes. – disse o menino com o todo exagerado a palavra montaum era sua favorita da vez.

- foi mesmo meu amor, pois vamos até lá agradecer a sua tia. – a morena seguiu com o pequeno no colo até onde as outras duas estavam.

- Karla Camila Cabello Mills lembrou que tem uma irmã sobrinho e agregados? – Regina entrou falando dando um susto nas duas mulheres que conversavam sentadas no chão do quarto.

- Rê. - a mais nova deu um pulo ao vê a irmã mais velha.

- sua safada porque demora tanto a vir vê sua irmã? – a mais velha falava enquanto abraçava a mais nova.

- desculpa mana, mas você sabe a banda esta com a agenda lotada, como tenho dois shows na cidade vim ficar com vocês e fazer uma surpresa para o meu gorducho gostoso. – falava enquanto pegava o sobrinho do colo da mais velha.

 Aquela noite foi diferente, Regina não se sentia tão sozinha, Clarke tinha um motivo para não pensar em Lexa, é o pequeno Henry tinha sua mãe e as duas tias o paparicando.


Notas Finais


espero que tenham gostado
até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...