História O que em 7752 Km - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ana Carolina, Luiza Possi, Maria Gadú, Preta Gil
Personagens Ana Carolina, Luiza Possi, Maria Gadú, Preta Gil
Tags ana carolina, Chiana, Chiara Civello, Luiza Possi, Preta Gil
Exibições 17
Palavras 1.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Musical (Songfic), Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoas, então eu acho que esse capitulo ficou muito bom, mas foi com muito amor e carinho pra vocês e bom gente eu to um pouco ocupada pra caramba e por isso que eu to demorando pra postar, mas assim que as minhas aulas acabarem eu vou postar mais pra vocês...

Capítulo 7 - Eu que não sei quase nada


Fanfic / Fanfiction O que em 7752 Km - Capítulo 7 - Eu que não sei quase nada

POV Ana Carolina

Eu acordei antes de Chiara me levantei com todo o cuidado pra não acordar Chiara que dormia como um anjo, fui até o banheiro e fiz minha higiene matinal, eu sabia que hoje seria um dia longo, eu tinha que conversar com a Bethânia pra saber se ela iria gravar comigo, eu decidi ir tomar café com minha mãe, mas eu sabia que quando Chiara acordasse iria me procurar pela casa e então eu decidi deixar um bilhetinho na cozinha.

Narrador

Não demorou muito e Chiara acordou ela logo procurou Ana pela cama, ela levanta e vai procurar Ana pela casa e acaba achando um bilhetinho na cozinha. Ela deixou um bilhete pedindo que Chiara descesse e encontrasse-a na casa de sua mãe pra elas tomarem café juntas.

Depois de ler o bilhete Chiara volta pro quarto faz sua higiene matinal e troca de roupa depois de alguns minutos ela desse pra casa da mãe de Ana, Dona Aparecida que a recebe com um sorriso enorme.

― Bom Dia amore. ― Ana falou abrindo a porta.

― Buongiorno. ― Chiara falou olhando para Ana.

― Mãe essa é a Chiara minha namorada. ― Ana comentou olhando para a mãe.

― Bem vinda à família. ― Dona Aparecida comentou abraçando Chiara que fica boquiaberta.

Depois de tomar café elas voltaram para a casa de Ana, de lá Chiara foi até ao hotel pegou suas malas e foi para a casa de Ana, depois de conversar muito com a mãe e a cantora ela decidiu que iria ficar de uma vez por todas na casa da cantora. Quando ela chegou lá encontrou Ana e uma convidada especial muito importante, nada mais nada menos que Maria Bethânia.

POV Chiara

Eu estava impressionada, nem em sonho eu imaginei conhecer a Maria Bethânia, ela é um dos maiores nomes da música brasileira, e eu estou aqui bem de frente com ela, nem nos meus melhores sonhos eu imaginei isso.

― Amore essa é Bethânia, Bethânia essa é a Chiara Civello. ― Ela falou olhando pra mim.

Eu estava ali em pé com uma cara de pasma.

― Prazer Chiara, eu soube que você compõe muito bem. ― Bethânia fala me abraçando.

― Grazie. ― Eu agradeci.

Depois de um tempo conversando eu pude perceber que ela era muito mais simples do que eu pensava e assim como a Ana ela expressava todos os seus sentimentos através da música, e isso me encantava nela, a capacidade que elas tinham de cantar tudo o que sentiam e por mais que eu quisesse negar eu não era daquele jeito, eu não podia mentir pra mim mesma, eu fiz uma música pensando na Ana, eu coloquei tudo o que eu sentia por ela naquela música, eu sempre precisei de uma inspiração que seja pra compor.

― Então qual vai ser a música que nós vamos cantar? ― Bethânia perguntou curiosa.

― Eu pensei em cantar Pra rua me levar ou Eu que não sei quase nada do mar. ― Ana respondeu e eu estava ali só assistindo tudo.

― Eu acho que Eu que não sei quase nada do mar seria mais interessante. ― Bethânia comentou deixando Ana surpresa.

― Então Eu que não sei quase nada no mar. ― Ana comenta sorrindo.

― Então vamos ensaiar. ― Bethânia falou.

Ana pegou o violão e começou a tocar e eu estava ali só assistindo, vendo-as cantando lindamente.

Garimpeira da beleza
Te achei na beira de você me achar
Me agarra na cintura, me segura e jura que não vai soltar
E vem me bebendo toda, me deixando tonta de tanto prazer
Navegando nos meus seios, mar partindo ao meio
Não vou esquecer

Eu que não sei quase nada do mar
Descobri que não sei nada de mim

Clara, noite rara, nos levando além
da arrebentação
Já não tenho medo de saber quem somos
na escuridão

Me agarrei nos seus cabelos
Sua boca quente pra não me afogar
Tua língua correnteza lambe minhas pernas
Como faz o mar
E vem me bebendo toda, me deixando tonta de tanto prazer
Navegando nos meus seios, mar partindo ao meio
Não vou esquecer

Eu que não sei quase nada do mar
Descobri que não sei nada de mim

E eu fiquei ali só assistindo ela ensaiarem até anoitecer, eu estava encantada como ela poderia ser tão linda mesmo cantado e tocando, eu me sentia como uma criança encantada com tudo aquilo. Depois de um tempo ensaiando elas decidiram para de ensaiar.

― Ana eu vou embora qualquer coisa você me liga. ― Bethânia falou indo embora.

E nós ficamos ali sozinhas e eu estava curiosa e queria conhecer a música Pra rua me levar, que apesar de não conhecer muitas as musicas da Ana, eu ficava cada vez mais impressionada como o poder que ela tinha de compor e de encantar as pessoas com musicas que não necessariamente foram feitas pra alguma pessoa.

― Amore cata pra mim Pra rua me levar. ― Eu peço.

― Canto sim. ― Ela falou pegando o violão.

Não vou viver, como alguém
Que só espera um novo amor
Há outras coisas
No caminho a onde eu vou...

As vezes ando só
Trocando passos
Com a solidão
Momentos que são meus
E que não abro mão...

Já sei olhar o rio
Por onde a vida passa
Sem me precipitar
E nem perder a hora
Escuto no silêncio
Que há em mim e basta
Outro tempo começou
Prá mim agora...

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você...

É!
Mas tenho ainda
Muita coisa pra arrumar
Promessas que me fiz
E que ainda não cumpri
Palavras me aguardam
O tempo exato prá falar
Coisas minhas, talvez
Você nem queira ouvir...

Já sei olhar o rio
Pr'onde a vida passa
Sem me precipitar
E nem perder a hora
Escuto no silêncio
Que há em mim e basta
Outro tempo começou
Prá mim agora....

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
(Se acender!)
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você...

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
(Se acender!) (Se acender!)
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você...

Vou deixar a rua me levar

Eu sabia que as musicas delas eram muito lindas, mas eu não tinha a menor ideia de que uma musica que ela fez há muito tempo poderia fazer tanto sentido para a nossa vida agora, mesmo que em momentos tão diferentes das nossas vidas.


Notas Finais


Então pessoas até qualquer hora no snap, pra quem ainda não me segue no snap poeta.louca...
Um beijo no mamilo e flws


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...