História O que todo mundo quer - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 29
Palavras 4.078
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi Oi! Não desista da fic <3 rs

Capítulo 5 - Tudo que eu não queria ver


Fanfic / Fanfiction O que todo mundo quer - Capítulo 5 - Tudo que eu não queria ver

Jin estava decido a cumprir o acordo em nome de seu pai.

Enquanto se arrumava para o jantar pensava em como cumprimentará a futura princesa, algumas horas antes parecia ter tudo sobre controle e agora não parecia mais.

Seu coração acelerava muito talvez pela ansiedade.

Ao ajeitar seu terno olhou para o espelho e percebeu sua gravata torta, então ajeitou e olhou para a porta sabendo que chegava a hora de ir.

Olhou novamente para o espelho e respirou fundo, só ele entendia porque estava daquele jeito, mais dividir sua insegurança e sentimentos confusos com o seu pai não estavam em seus pensamentos.

- - - - - - - - -

Todo o jantar estava a mesa, a família e os amigos mais próximos do rei estavam ali para conhecer a futura princesa. Haviam em torno de cinquenta pessoas e Seokjin acabava de entrar e todos se levantavam para cumprimentá-lo porque hoje era uma data importante para todos eles graças a Seokjin.

Ele agradeceu mostrando uma expressão seria, ele estava cada vez mais nervoso e olhou discretamente a volta para vê se tinha alguém diferente por ali e ao ver o rei sorriu e avistou ao seu lado o  meu pai que estava bem arrumado com as roupas que deram a ele para vestir e meu pai fez questão de ir até é a ele.

Meu pai abriu um sorriso esperançoso, estava bem receptivo, porque sabia mais do que ninguém que Seokjin poderia desistir do casamento a qualquer momento.

- príncipe Seokjin!
Fez reverência discreta e voltou ao normal.

Seokjin deu uma reverencia maior e pediu esticando os lábios e inseguro por saber quem ele era.

- por favor, me chame de Jin.

Meu pai sorriu abobalhado, ele tinha dinheiro, mais idolatrava quem era maior que ele e ainda mais “famosinho”

- é uma honra te-lo em minha família Jin.
Disse meu pai e Jin de repente corou e pensou rápido e respondeu - obrigado senhor..
Esticou os lábios novamente.

Meu pai diria algo sobre mim mais antes que começasse uma daquelas três mulheres que estavam comigo no quarto foi até ele e cutucou seu braço.

Ele ficou surpreso com a expressão preocupada dela, ele me conhecia e sabia muito bem que alguma coisa eu tinha aprontado.

Ela disse algo no ouvido dele e Jin ficou em silencio olhando para a sua volta e cumprimentado algumas pessoas. Ao notar a expressão preocupada dele percebeu que meu pai deu um sorriso desconfortável pensando no que a senhora disse e sorriu um pouco mais ao ver a expressão preocupada de Jin.

- aconteceu alguma coisa?

A mulher olhou para o meu pai do tipo “eu digo? Oque eu faço?!”

Meu pai balançou a cabeça que não de repente e disse ao Jin de forma informal sem perceber por estar preocupado comigo.

- ai Meus Deus, eu tenho que ir até ela, ela sempre! – o olhou e desistiu de resmungar tentando sorrir.

- eu já volto Prince, quer dizer, Jin.

Jin ao ouvi-lo deu um sorriso e meu pai completou.

- Vou ver o que Sana quer, ela já está vindo.

- está bem..

Ele se virou e sua expressão ficou assustada e sussurrou para a moça ao seu lado.

- ela oque?!

- ela não quer sair do quarto senhor, ela queria ir embora, ela está gritando desesperada dizendo que vai sair pela janela, mais a janela é muito alta! Estamos preocupadas!

- af! Sana... – resmungou ele.

Foram apressados e eu estava desesperada. Gritando feito louca porque elas estavam me segurando e isso me deixava mais irritada ainda.

Uma de um lado e a outra do outro e elas falavam tão rápido que eu quase não podia entendê-las.

-me larguem! Eu estou dizendo na língua de vocês! Eu sei que podem me entender! Me soltem! Já!

Gritei como das outras vezes em meu quarto quando meu pai e minha tia disseram que eu deveria casar. – ME LARGUEM! JÁA!

Gritei e pude perceber os olhos delas fecharem pela minha voz entrar até no cérebro delas e desistirem de falar pedindo para que eu me acalmasse.

Eu preferia que elas falassem, porque em silencio elas me seguravam muito mais forte.

E eu comecei a tentar me debater.

Aquilo parecia um filme de terror na minha cabeça, eu poderia pensar agora que estava prestes a casar com o diabo! Eu quero embora desse lugar!

- SAAAANA! – ouvi um grito que de repente me fez calar e olhar assustada para a porta sei que vinha do corredor e a voz do meu pai parecia muito pior que a minha agora.

- QUE É! – gritei tentando puxar meus braços.

Ouvi a porta ser aberta brutalmente.

O rosto do meu pai estava bem vermelho, me assustou mais não demonstrei estar assustada.

- SANA OQUE VOCÊ ESTA FAZENDO SUA DISTRAMBELHADA?! – antes que eu respondesse ele gritou com as mulheres a volta sem perceber – ANDEM! SOLTEM  ELA QUE ELA NÃO VAI SAIR DAQUI NÃO! ELA NÃO É DOIDA!

Elas ficaram receosas como eu. Porque nunca vi meu pai daquele jeito.

Meus olhos arregalaram e elas me soltaram e ele gritou – PRONTO! CORRA AGORA PRA VOCÊ VÊ! CORRA!

Realmente fiquei até com medo da hipótese de fazer alguma coisa e ver o que aconteceria. Então estive sem reação e ele gritou novamente.

- VOCÊ AINDA NÃO ESTA ARRUMADA PORQUE?! O SEU NOIVO ESTA TE ESPERANDO LÁ EM BAIXO JUNTO A SUA FAMILIA!

- EU NÃO TENHO NENHUM  NOIVO!

- ELE É UM JOVEM MUITO BONITO! PORQUE É QUE ESTA DESSE JEITO!? DESSA LÁ E VÁ VE-LO JÁ!

- SE ACHA ELE É TÃO BONITO CASE-SE VOCÊ! EU ME RECUSO!

Ele respirou fundo e fechou os olhos e eu insisti.

- EU NÃO VOU!

Ele abriu os olhos – SANAAAA!

Escondi-me por instinto atrás de uma das mulheres que ficou assustada ao ver a expressão irritada do meu pai.

Olhei a porta do banheiro meio aberta ao lado e ele gritou me despertando.

- VOCÊ VÁ AGORA SE ARRUMA SE NÃO EU MESMA VOU ARRUMAR VOCÊ! DESSA IMEDIATAMENTE.

- EU NÃO VOU!

Falei ainda atrás da mulher e observei de longe que a porta tinha tranca.

- AÉ! VOCÊ VAI AGORA EU FALEI !

Veio correndo em minha direção então me desviei de todos e corri em direção ao banheiro e eles apressadamente me seguiram e entrei rapidamente fechando a porta quase que na cara deles.

Tranquei rapidamente e ele gritou – ABRA JÁ ESSA PORTA SANA!

- NÃO!

- SANAA!

- NÃO!

Sorri pelo nervosismo.

- SANA SEU FUTURO MARIDO ESTA LÁ EM BAIXO TE ESPERANDO PARA APRESENTAR A TODOS, ISSO É UMA RESPONSABILIDADE NOSSA VOCÊ TEM QUE IR!

- NÃO!

Sentei no chão do banheiro encostando na porta.

Respirei fundo e não tinha nenhuma alternativa, não tinha um telefone, nada!

Olhei para a janela pequena do banheiro, nem por ela eu conseguiria passar, mais estávamos no terceiro andar e teto do primeiro andar já era alto imagina estar no terceiro.

Passei as mãos na cabeça enquanto escutava os murros deles na porta e implorando para que eu abrisse e fizesse o que pediam. MAIS EU NÃO IRIA! NÃO MESMO!

Que medo meu..

Que medo, eu estava com muito medo, eu estava assustada com tudo que teria que fazer parte da minha vida, e eu não poderia fazer nada para me livrar.

Mais no momento estar trancada naquele banheiro era a melhor ideia a se fazer, como se naquele momento isso fosse uma solução que me faria desfazer tudo que meu pai resolveu decidir por mim.

No fundo eu sabia que não daria para desfazer aquela borrada, mais eu me enganava.

Até ele dizer o que no fundo eu já sabia.

- SANA, ABRE ESSA PORTA, NÃO VAI ADIANTAR NADA VOCÊ FICAR AI, DE QUALQUER FORMA VOCÊ TEM QUE CASAR, VOCÊ SABE OS MOTIVOS, VOCÊ JÁ É UMA ADULTA, PRECISA LIDAR COM ISSO DE FORMA CERTA. SE VOCÊ NÃO DESCER VAI FICAR RIDICULO PARA VOCÊ, MAIS SAIBA QUE MESMO QUE NÃO DESSA, NADA VAI IMPEDIR DESSE CASAMENTO ACONTECER!

Prestei atenção no que ele dizia.

Realmente, mais mesmo assim eu iria provoca-lo, ele e aquele cara lá em baixo, os dois ficariam muito irritado! Deixaria pela primeira vez aquele que tomou essa decisão idiota junto com o meu pai constrangidos e dessa vez por minha causa ele iria ficar mofando com a família dele lá em baixo, porque eu dessa vez não iria! Nãoo mesmo!

- - - - - - - - - - - - - - - - -

Todos estavam esperando a futura princesa para o jantar e perguntavam um ao outro discretamente.

Seokjin estava parado próximo a mesa e ouviu passos de salto se aproximarem atrás e olhou.

Era sua prima Olivia – oi opa.

- Oi – disse Le voltando a olhar para os lados com a cabeça em outro lugar e ela entendeu indo em sua frente.

- o que foi? – perguntou a ele e ele com dificuldade tentou se concentrar nela.

- nada, só estou um pouco tenso, parece que esta acontecendo algo errado.

Ela cruzou os braços e olhou para os lados e apertou os lábios.

- hum.. também acho, sua.. – soltou um ar de deboche – sua futura esposa não deveria estar aqui?

- deveria..

Olhou para os lados sem graça percebendo que realmente poderia esta acontecendo alguma coisa.

Ele a olhou tendo uma ideia.

- você não pode ir até lá em cima ver oque esta acontecendo?

- eu? Eu nem a conheço! – soltou um ar, mais sentiu muita mal vontade de ir.

Ele suspirou tentando continuar calmo – tá.. não deve ser nada.

Ela afirmou com a cabeça – além disso, noticia ruim chega rápido.

Quando ela ia falar algo ele viu o meu pai chegar com a expressão transtornada vindo em sua direção e ele se esqueceu de Olivia e foi em direção a ele. Seu pai vendo os dois se aproximarem parou tudo que fazia e veio em sua direção.

Receoso e muito envergonha “do jeito que eu queria!” ele estava ali agora.

Meu pai Jogou os olhos para baixo varias vezes ao dizer.

E o rei estava atento ao seus olhos e suas expressões.

- me perdoe pelo transtorno, mais a Sana, a futura esposa de seu filho teve uma crise nervosa e esta passando muito mal.

O rei pareceu não gostar e Seokjin cortou parecendo preocupado – ela esta passando mal? Como ela ta?

Meu pai deu um leve sorriso e desfez ao nota-lo preocupado, mais o rei nada gostou.

- eu preparei tudo para apresentação de sua filha, todos os meus amigos e familiares estão aqui, o que pensaram de nós quando dizer que a princesa teve uma crise nervosa?você disse a menina que ela iria se casar e com quem?

- oh meu senhor, eu disse, e foi por isso que ela esta assim, ela esta em choque!

Eles acreditaram que o “em choque era uma coisa boa” porque os dois apertaram os lábios e em seguida sorriram rapidamente mais o rei cortou.

- mais ela não pode vir somente no final do jantar?

- não sei se vou conseguir convence-la de vir.

- você é o pai dela, você consegue.

- não, senhor eu não consigo não, não depois do que estou fazendo com ela.

- mais você é o pai e

Seokjin cortou – pai, tudo bem, a gente consegue agir naturalmente, vou dar um jeito.

Seu pai o olhou e deu um sorriso de lado confiando em seu filho.

Colocou a mão em seu ombro e apalpou lentamente. – tudo bem filho, o jantar é seu faça o que quiser.

- obrigado pai..

Ele se afastou indo em direção ao centro da sala e pediu que um dos soldados pedisse atenção.

Ele em boa postura esperou toda a atenção ser voltada para ele e ouviu-se um silencio no salão real.

- boa noite a todos.

Responderam em couro – Boa noite..

- ah.. a minha futura esposa não poderá descer hoje porque esta passando muito mal.. devido ao estresse dos preparativos do casamento, ela quer deixar tudo muito perfeito, coisa de mulheres.

Alguns deram seus risinhos baixo e todos afirmaram com a cabeça.

- então, espero que aproveitem o jantar como se sua presença estivesse aqui por que infelizmente o médico receitou descanso.

Todos ficaram compreensivos de repente.

- obrigado pela atenção e aproveitem a festa – esticou os lábios e seus olhos sorriam.

Quando todos voltaram suas atenções onde estavam, ele se virou para olhar o rei e meu pai e percebeu que os dois estavam embasbacados.

Receoso seus olhos mudaram de confiantes para preocupantes.

- oque houve?

Seu pai deu um sorriso de repente.

- você contornou a situação muito bem..

- verdade.. – disse meu pai sorrindo.

- filho, esteve como um verdadeiro príncipe e um futuro rei.

- obrigado pai.

O rei olhou para meu pai – preciso conhecê-la e principalmente o meu filhão.

Meu pai sem graça se perguntando como faria confirmou com a cabeça.

- podemos ver isso no final da festa?

- tudo bem. – respondeu o pai de Jin.

- - - - - - - - - - - - -

E eu estava lá em cima emburrada enquanto as mulheres imploravam para que eu saísse do banheiro.

 Eu ignorava pensando no que Yana estaria fazendo.. o que o Lukas e minha tia poderia estar comendo agora.. onde o Tyler estaria!?

Suspirei - af, e eu to aqui, sozinha com três mulheres que falam sem parar!

Passou uma hora e meia e aquelas chatas não paravam de pedir para que eu saísse dali.

Eu já tava cansada de ficar sentada no chão do banheiro, levantava, sentava no vaso, deitava na banheira que estava seca, eu já tava sem ideia de como fazer o tempo passar.

Mais naquele horário a festa já poderia ter acabado.

E de repente teve um silencio e ouvi a porta se fechar.

Bom, eu não era boba nem nada, esperei um pouco mais. “e em torno de trinta minutos” percebi que não tinha mais ninguém no quarto, então abri a porta lentamente e o quarto parecia vazio.

Então sai caminhando na ponta dos pés, as luzes estavam acesas e pulei na cama que eu tava doida pra pular antes e olhei para o teto.

Pensando bem, minha consciência não pesou por ter feito aquilo.

Eu não queria casar e meu objetivo era esse, fazer com que tudo se estragasse para que ele não quisesse mais se casar. Porém eu não tinha ideia da responsabilidade que eu tinha em minhas costas! Ele era príncipe! Por que meu pai não encontrou um rico sem fama na vida?! Que saco! Agora fiquei com medo de ser odiada por todos, eu não seria né, ou seria?!

Há! Não seria não! Ninguém fala sobre príncipes e reis da coreia do Sul nos Estados unidos e era pra lá que eu iria quando as coisas aqui não dessem certo. ENTÃO NÃO HÁ PROBLEMA!.

- Sana! – disse meu pai do lado da cama que me fez da um pulo de susto!

- Ai! Que susto! – falei sussurrando e levantando da cama.

Olhei para a porta e havia me esquecido “nem tranquei a porta”

- você agiu feito uma tola hoje!

- quem agiu foi você de me trazer pra esse lugar!

- não pense em falar alto comigo que se não você casa sem dente!

- ahah faça isso e veja se seu noivinho vai me querer!

- ashi! Você esta muito rebelde!

Joguei o olhar para o alto indo para o meio da cama, eu já estava em cima da roupa e nem tinha percebido.

Ele olhou para a roupa e sem seguida me olhou serio.

- vista isso e venha comigo agora.

- pra que? A festa já acabou.

Entre os dentes parecendo que ia pirar! Disse – não interessa você já furou sua festa de noivado agora você vai conhecer ele e a família dele, já! Entenda! Se você não fizer isso estamos falidos! Você tem que fazer! Pense no Lukas e na sua tia, lembra de todo aquele conforto, você lembra? Imagina se ele não te-lo!

Indaguei.

Fiquei preocupada com eles e com o nome da minha família. Mais de repente achava aquilo tão injusto! Porque é que eu que tinha que fazer isso?! Que droga!

- se vista! Já venho te buscar.

Disse ele indo até a porta e saiu.

O rei, o irmão do rei e sua esposa, sua filha Olivia e Jin esperavam na sala do rei.

Todos estavam ansiosos para conhecer a princesa.

Olivia bocejou – a mãe, ela ta demorando muito, a gente não pode vê-la amanhã?

A mãe de Olivia olhou para seu marido que confirmou com a cabeça.

- irmão, se importe de vermos ela amanhã?

- não me importo, tudo bem, assim Seokjin tem mais tempo para conhecê-la.

Seokjin esticou os lábios de lado totalmente sem jeito com aquela situação, ainda mais a olhada do tio tipo“aproveite todo o seu tempo bem sobrinho” mais ele desviou o olhar como se quisesse dizer “Tio pelo amor de Deus ainda me sinto uma criança!”

Olivia olhou Jin torto como se quisesse dizer “essa ansiedade toda? Não vai prestar hahah”

E Ele fez uma careta para ela antes que ele saíssem e ficou somente meu pai, o rei e o príncipe SeokJin.

Esse era o pior momento da minha vida.

Era como se me jogassem na jaula dos leões! Se eu me comprometesse com aquilo eu estava morta pra sempre! Eu viveria uma vida que não escolhi, então eu já não viveria! Eu não tive nenhuma escolha!

Me vestindo senti as lagrimas caírem.

Eu não queria passar por aquilo, me questionei, eu nasci só pra isso mesmo? Pra não viver?!

Depois de colocar toda a roupa me joguei na cama olhando para o teto distante. Pensava na minha mãe, será que ela seria capaz de me defender e ir contra todos da minha família para me proteger?

Era a única pessoa que me trazia um pouco de esperança, parecia que ela ia chegar a qualquer momento como um herói e me tirar dessas situações.

Fechei os olhos ouvi a porta ser aberta.

Ao abrir os olhos e olhar, aquelas três mulheres vinham com um olhar receoso.

Tava na cara que eu não queria casar, elas agora entendiam perfeitamente isso.

Me levantei antes que dissessem alguma coisa e elas fizeram gesto para que eu seguisse.

Duas foram caminhando a minha frente e percebi que uma foi para trás discretamente, porque será que parecia que qualquer hora era chance de fugir daquela casa, qualquer virada de corredor, quanto uma afastava um pouco mais que a outra?

Ao chegarmos a sala que eu deveria entrar, minhas pernas travaram!

O corredor parecia o melhor lugar agora.

- entre.. – disse uma delas.

E me recusei assustada. Apavorada!!!

- quero ir para casa.. – sussurrei em sua linguagem.

Como se elas pudessem Mem ajudar, mais acontece que quando se esta desesperada toda chance você vê como uma esperança, eu pensava que ela poderiam ter pena de mim e me ajudar, uma hora eu pensava que poderia me obrigar, minha cabeça estava numa confusão!

Ela olhou para a mulher atrás de mim que sem perder tempo me segurou.

- não não não! Não, me solta! – falei aumentando a voz.

Meu pai ouviu minha voz e arregalou os olhos dentro da sala e passou as mãos na testa.

- ela esta confusa enquanto a esse casamento.

- mais foi você quem propôs... – disse o rei.

- sim, mais.

Ele se incomodou com os meus gritos dizendo que não ia entrar e para que elas me soltassem e Seokjin ficou atento aos meus gritos.

- Ashi! Me desculpem ela esta muito abalada, me deem um minuto. Já volto

Ele foi até há mim e Jin e o rei trocaram olhares e deram de ombro se perguntando “oque ta acontecendo?”

E eu tentei me debater mais meu pai de repente chegou me pegando e colocando meu corpo sobre um lado do seu ombro e eu gritei batendo em suas costas para me soltar.

- me solta! Me solta! – gritei e ele gritou mais alto – cale a boca!

- não! Me solta!

Seokjin e seu pai ouviram atentos e de repente meu pai entrou comigo em seu ombro e foi até eles.

E me jogou apressada de pé de frente para Seokjin como um saco de cimento.

Seokjin esteve numa expressão assustada pela forma que estava me vendo.

Abobalhado ficou curioso para ver meu rosto, porém eu estava muito agitada e todo meu cabelo foi parar para frente.

Meu pai segurou meu ombro de um lado e sacudiu um pouco.

- cumprimente o!Ande!

Ofegante fiquei com os cabelos sobre o rosto olhando para baixo.

Não tive nenhuma vontade de me mover, queria mostrar o quanto eu poderia ser aterrorizante, uma má impressão já seria o melhor começo! Eu não perderia nenhuma oportunidade.

Seokjin parecia receoso mais não pude ver seu rosto porque meu cabelo tapava minha visão, só pude ver o que conseguia por baixo, seus sapatos marrons, sua calça azul marinho,parecia estar de terno pelo tecido da calça.

Via que era magro e alto, suas costas pareciam bem largas, mais isso foi só o que pude notar por ainda esta cega de raiva de todos eles me obrigarem a estar ali.

Ele pareceu se mover para frente, acho que ele iria me perguntar algo.

Mais meu coração acelerou pelo seu movimento e gritei de raiva, gritei muito alto como fiz quando descobri que teria que me casar.

Gritei tão alto mais tão alto que Seokjin piscou assustado, não esperava um grito tão insuportável que durou cerca de trinta segundos.

O Rei arregalou os olhos para mim e consecutivamente para o meu pai se perguntando “- sua filha tem problemas, ela é louca!?”

Ao parar sem fôlego e ofegante Jin apenas soltou uma risada como se eu fosse uma louca.

E isso me deixou irritada! Ele tava rindo de mim!?

Olhou para o seu pai – Ela é engraçada, parece de um filme de terror.

Gr! – fiz como a garota do exorcista e meu pai deu uma leve risadinha sem graça entendendo que eu poderia agredi-lo e me deu um puxão.

- só um momento.. hehe

Deu-me um puxão na mão fazendo- me ficar de costas para Seokjin e me levou até a porta

Sussurrou – você endoidou!? Se comporte! Lembre-se do que conversamos no seu quarto.

- aquele não é meu quarto! – retruquei.

- retire esses cabelos do rosto! Se comporte como uma dama! Lembre-se do que conversamos!

Respirei fundo fungando o nariz.

Ta. o motivo era toda a minha família se beneficiar ou meu primo e minha tia se beneficiar?

Por eles eu achava que valia! Pelo os outros não!

- não pense que as coisas serão fáceis pra nós se sairmos daqui, não se engane Sana! Não são eles que precisam da gente, somos nós que precisamos deles!

Engoli o choro e ele retirou meus cabelos do rosto.

- Anda, de um jeito nesse cabelo! – sussurrou.

Sequei meus olhos retirando meu cabelo do rosto e olhei para baixo entristecida. Eles me venciam, eu não teria mais vida..

- anda, vamos.

Ao me virar contra a minha vontade olhei para baixo e ao jogar meus olhos para a frente Seokjin me olhou no mesmo momento, de repente estive envergonhada pelo o que tinha acabado de fazer.

Não por Seokjin ser bonito e tão elegante, mais sua aura calma me fez de repente me sentir muito envergonhada e olhei para baixo novamente e meu pai levantou meu queixo discretamente para voltar a olha-lo.

O sangue do meu rosto pareceu ferver de vergonha ao vê-lo me olhar atento numa expressão agora meio preocupada e curiosa, eu mal podia mandar nas expressões da minha face agora.

Eu mal sabia como minha expressão estava e ele deu um meio sorriso e voltou a sua expressão serena e atenta.

- Seokjin essa é minha filha Sana, sua futura esposa.

Ao ouvir meu pai joguei o olhar para o lado muito envergonhada!

E ele parecia estar tão envergonhado quanto eu.

Indaguei e o olhei rapidamente em sua direção de curiosa e percebi que ele rapidamente desviou o olhar também.

Caramba! Se bem que era um alivio enorme não ter que ser obrigada a casar com um velho! Mais eu não queria me casar! nem que se fosse com aquele cara que parecia mais um boneco de cera.

Ele não tinha uma espinha, uma linha de expressão no rosto!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...