História O rapto de Perséfone - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Hades, Perséfone
Tags Hades, Perséfone
Exibições 374
Palavras 1.954
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Mistério, Romance e Novela
Avisos: Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas da Autora


Oiiiiiiiiiiiiiii, siim eu sei, quase um mês sem caps!! Sinto muito! Mas eu tenho a certeza que vcs acharão este capítulo uma fofura!! Resolvi mostrar algo mais completo nesta fanfic, nada do que vocês já viram ou leram antes!
Obrigadaaa por tudo!!!
AQUI ESTÁ O LINK DA PÁGINA DA FANFIC, LÁ VCS IRÃO ENCONTRAR A MINHA SURPRESA PELOS 200 FAVORITOS!! ESPERO QUE GOSTEM!
https://www.facebook.com/oficialoraptodepersefone/?ref=bookmarks
Muitoooo obrigada de coração, por tudo!!!
Amo vcs!!
BOA LEITURA:

Capítulo 38 - Plutão e Prosérpina


Fanfic / Fanfiction O rapto de Perséfone - Capítulo 38 - Plutão e Prosérpina

Perséfone simplesmente amara a companhia de Cérbero. Ela nunca soube a história daquele cão. Jamais tivera qualquer contato com uma criatura daquele porte. Fora algo diferente, uma sensação boa conduziu-se para dentro de si quando esteve com o canino. Ela não havia ficado exatamente sozinha naquele dia. As horas voaram e logo trouxeram a noite. Perséfone pouco diferenciava o dia da noite, seus jardins ficavam mais floridos durante o período do dia e quando a noite pairava algumas flores prendiam seus brotos e escutava-se apenas as corredeiras dos rios descendo pelo submundo.

            Pelos seus cálculos, Hades estaria logo no palácio e enfim ela poderia vê-lo. Nem sempre o deus dos mortos iria para os julgamentos, ele era o rei, as ordens cabiam aos outros, não a ele. Ela torcia para que tudo isso fosse possível. 

Ela teve de pedir ajuda a um guarda que fazia a ronda. O soldado usava um elmo romano, prateado. Perséfone deduziu que todos aqueles homens, haviam morrido tragicamente em uma guerra e eram dignos o suficiente para protegerem o palácio de Hades. A deusa o seguiu pelos corredores, tudo era tão parecido, portas iguais, core pouco brilhantes e sem nenhum conteúdo distinto, tudo para que se algum intruso quisesse se aventurar ali, morreria na certa. Era como um labirinto.

A capa do soldado esvoaçava-se suavemente pelo chão de acordo com a rapidez dos passos que dava. O silêncio era nítido e cumplice do eco daqueles passos, era agradável nada mais que isso. Com toda aquela tranquilidade fora fácil para Perséfone cair nos seus próprios pensamentos.

Qual seria a surpresa? Por que não iriam se juntar aos outros deuses? Mas além de tantas interrogações, uma boa parte dela concordava e lhe agradava ficar um tempo com Hades. Eles precisavam disso.

Então ela sentiu a sala ficar mais fria que o normal, e um pouco antes de pensar em ver do que se tratava, ela trompa no soldado que para de repente. Ele se sujeita a manejar uma perfeita reverência. Nisso Perséfone reconhece Hades parado logo a frente.

Não conseguindo se conter, ela desvia do soldado e corre para os braços do deus dos mortos. Passa seus braços ao redor do pescoço dele e sente aquele delicioso cheiro que somente ele possuía.

____Senti sua falta! ____ela sussurra agonizada pelo sofrimento.

            Hades se demorou alguns minutos a responder, dispensou o soldado que evaporou dali, passando a observar a formosura que era sua esposa.

____Você não sentiu minha falta tanto quanto eu senti a sua. ____ele confessa, pegou o rosto dela com as mãos e mergulhou naquele doce olhar. ____Me contaram que estivera em uma ótima companhia.

Ela não conseguiu conter o sorriso.

____Suas cumplices cumpriram seus pedidos corretamente.

____Então você já sabe? ____ele pergunta mesmo sabendo a resposta.

____Não. ____ela mostrou-se chateada. ____Não quiseram me contar. Nix foi muito esperta, tentei de várias formas fazê-la me falar. Mas você sabe que ela não conta.

Ele riu sem esconder o gostinho da vitória.

____Ela fez bem em não lhe contar, quero eu mesmo lhe mostrar. Por falar nisso achei que já estivesse pronta.

Perséfone se faz de desentendida e o olha fascinada.

____No início da manhã confesso que estava me sentindo sozinha, fiquei só no almoço e durante a tarde pude me divertir um pouco. ____os olhos dela se encheram de alegria. ___Cérbero me fora uma excelente companhia, encontrei ele quando entrei nos jardins. Achei estranho ele ter estado lá, desconfio que você o mandou até mim. E sim, eu amei conversar com ele, acho que consegui entender por que ele é tão importante para você.

            Hades a observa com um profundo olhar, era hipnotizante olhar para ele, uma doçura preenchia aquele mar negro. A cada segundo que ficava perto dele, a deusa o amava ainda mais.

____Geralmente, ele não percorre a extensão do palácio, nisso você tem razão e está correta em achar que eu o mandei aqui. ___ele reflete as próprias palavras e fica fascinado ao ver a atenção dela. ____Sabia que se dariam muito bem, quem não gostaria de ficar com você? É impossível alguém odiá-la. Não queria deixa-la completamente sozinha, Cérbero gosta de falar e brincar. Eu senti quando ele se comunicou com você por pensamento.

____Sentiu? ___ela estava fascinada, pois logo voltou a observar a beleza de seu marido. ____Você é tão lindo.

Hades se mostrou confuso, franziu o cenho, procurou desviar o olhar e retornar com alguma resposta, mas ele nunca havia sido elogiado daquela forma. Perséfone aproximou seu rosto do dele dizendo.

____Absolutamente lindo.

            Selou seus lábios nos dele, não gravara quase nada do que Hades havia dito, passou tanto tempo longe dele que precisava beijá-lo logo. Ele separou seus lábios, sussurrou um “eu amo você” e a tomou em seus braços por completo. Teve a impressão que iria queimar, pois ela aquecia toda aquela solidão que havia nele.

 

 

            Perséfone adentrou em seu quarto rapidamente, ao ver Tersa organizando as coisas da rainha, a deusa suspirou aliviada.

____Tersa!

A ninfa voltou-se para a direção da porta e sorriu ao ver a amiga.

____Senhora. ____ela cantarolou. Perséfone foi chegando mais perto, queria ser mais rápida e chegar logo em seu armário. Tersa a acolheria e faria magica com seus vestidos.

____Preciso de sua ajuda, com certa rapidez. ____Perséfone desaba contra a porta do armário. ____Não tenho certeza se conseguirei ficar pronta na hora exata. Preciso que você faça algo e rápido.

            A ninfa começa a rir baixinho, com um olhar que Perséfone sabia muito bem o significado.  A deusa revira os olhos e põe as mãos sobre o rosto, dizendo:

____Nem comece com isso, acho que você precisa urgentemente de um marido. Apenas assim vai sossegar. ____a voz sai sufocada com um tom cansativo.

____O beijo deve ter sido bom pelo o que me parece. ____ a ninfa continua achando graça.  Perséfone mostrou desentendimento ao olhar ara Tersa. ____A senhora tem toda a razão, eu preciso de um marido logo. E espero que ele também borre meus lábios com batom.

____Como assim? ____a deusa ficara perdida.

____Aqui. ____Tersa mostrou em seu próprio rosto o local em que estava sujo de batom. ____Ele fez um estrago isso sim. Adoro um deus com iniciativa.

Perséfone correu para o espelho e caiu na risada quando viu seus lábios borrados em um tom avermelhado.

____Tersa você nunca muda. ____ela continua na brincadeira, porém ainda contente ela muda o humor para um movimento mais sério. Preocupada. ___O que você poderia fazer por mim, além de arrumar meu batom?

____Você vai amar o que está lhe aguardando neste momento. Relaxe, aproveite a noite. Minha senhora, entrou tão preocupada que nem notou o vestido ao lado da cama.

            A deusa procura rapidamente pela cama, sentiu sua boca cair levemente sobre  nobreza do vestido. Ela não conseguia desviar o olhar, nem conseguia acreditar que era todo seu. Aproximou-se maravilhada, o vestido cintilava em seus olhos.

____Você quem o fez? ____perguntou emocionada. ____É magnifico!

Tersa esboçou um sorriso tímido e respondeu:

____Fiz o que pude, a um bom tempo estive trabalhando nele. Tudo para que um dia ele a vestisse. ___ela ficou ao lado da amiga e pôs a mão no ombro da mesma. ___Achei que túnicas poderiam ser um pouco mais sofisticadas que o normal.

____Achou certo, é perfeito. ____gritou Perséfone eufórica. A tonalidade vermelha do tecido parecia brilhar intensamente sobre as lamparinas que iluminavam o quarto. Perséfone passou seus dedos pelo contorno do decote, desde o ombro até o centro que deveriam unir seu busto. O material era divino. Sedoso como um fino algodão e leve como o voo de uma pluma. Ela desceu as mãos pela curvatura cinturada do vestido, sorrindo ao dizer. ____É  a roupa mais bela que já vi em toda a minha imortalidade. Tersa querida, você possui um dom extraordinário.

____Obrigada, majestade. ____agradeceu empolgada.

            Perséfone estava tomada pela emoção, eram tantas surpresas que aconteciam. Uma atrás da outra.

____Então o que estamos aguardando! ____diz Tersa desprendendo as alças do vestido no cabide.  ___Você não estava com pressa?

            A ninfa ajudou Perséfone a retirar o vestido em que a deusa havia usado durante o dia. Hidrataram a pele com ervas medicinais que Tersa pegara no jardim de Hécate. O perfume era suave e delicado, combinavam perfeitamente com a ocasião. Começavam a colocar o novo vestido, com muito cuidado Perséfone entra graciosamente pelo pequeno espaço. Ele coube exatamente na medida de seu corpo.

____Nunca ne senti tão bem em um vestido, uma túnica feita em mais tecidos, perfeita. ___a rainha girava pelo quarto cantarolando de alegria. Sentindo-se encantadoramente única. Ninguém nunca tivera vestidos como aquele.  

Tersa deu os últimos retoques na barra do vestido, prendeu os cabelos de Perséfone e ajeitou o borrado nos lábios da mesma. Ela estava pronta. Em poucos minutos estava de vestido novo e mais arrumada do que nunca. Tinha a certeza que Hades iria amar.

____Como estou? ____ela pergunta nervosa. ____Não sei o que fazer, nunca estive tão receosa. Ele me deixa nervosa as vezes.

Tersa sorri levemente enquanto calça os sapados na rainha.

____Aproveite o momento, a noite é de vocês e somente para vocês. As preocupações se foram, estão livres para se amar e reinarem juntos.

____Obrigada, Tersa. Não sei o que seria de mim sem você. ____Perséfone recolhe cuidadosamente as lágrimas que escorrem pela maçã de sua face.

 

 

            Em cinco minutos, ela caminhava pelo corredor, um trilho de luminárias misteriosas a levaram para o jardim. Hades a esperava no gramado. Nada havia modificado em seu jardim, as flores eram as mesas e sempre que a deusa da primavera marcava presença naquele lugar, elas brilhavam ainda mais. 

            O que lhe chamara a tenção fora o clima que recebia a energia de Hades. Ele estava diferente. Muito diferente. Perséfone sabia que seu marido estava ali, mas ainda assim não deixou de notar a elegância com que os trajes lhe proporcionavam. Costumava vê-lo com seu elmo, capa escura e trajes metálicos misturados a tecido. Mas assim como ela, Hades estava mais moderno, confiante como de costume e sereno como um puma atento em sua presa.

            Tersa. Aquilo só podia ser obra dela, a perfeição, o cuidado e o ouro dominante nos detalhes daquelas peças. O bordado, as joias preciosas nos pequenos detalhes, faziam Perséfone desejar aqueles botões em seu próprio vestido. O tom das cores ainda permanecia nas mais escuras. Mas o corte e o modelo da roupa era o que tornava tudo mais interessante.

            Ele também a analisava, a beleza e suavidade a deixavam espetacular. Era difícil desviar o olhar. Perséfone queria chegar logo até ele, cuidando para não pisar na barra do vestido. Ela precisava tocá-lo, sobre aquele olhar vigilante a deusa repara no corte de cabelo do deus dos mortos. Passa com cuidado os dedos na face do marido, ele era tão perfeito. O espaço diminuía entre eles e Hades quis beijá-la novamente.

____Não, você borrou meu batom da última vez. ____ela afasta os lábios dele, com um rápido sorriso ela encosta sua testa na bochecha do mesmo. ___Está diferente esta noite. Sei que ainda é você, mas ao mesmo tempo sito o contrário.

            Ele solta uma risada, olha para ela e revela um lido buque de narcisos amarelos em seu braço livre. A rainha pula com a surpresa, emocionada recebe as flores e o abraça com força.

____Você é demais!

____Você é o meu tudo Prosérpina.

Ele estala um beijo na face da deusa. Então agora ela entendia, qual era a situação e o que sentiu quando seu visual modificou. O rei dos mortos ainda era Hades, porém, ainda era Plutão o deus romano das riquezas subterrâneas. Assim como Perséfone era a deusa grega da primavera, como também, Prosérpina a deusa romana dos mortos. Ela era a vida como poderia ser a morte.

           

 

 


Notas Finais


BJOKAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAS
e obrigada msm!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...