História O recomeço - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias South Park
Personagens Clyde Donovan, Craig Tucker, Eric Cartman, Gerald Broflovski, Ike Broflovski, Jimmy Valmer, Kenny McCormick, Kyle Broflovski, Liane Cartman, Personagens Originais, Randy Marsh, Stan Marsh, Token Black, Tweek Tweak, Wendy Testaburger
Tags Cartoon, Eric, Fanfic, Hayley, História, Kenny, Kyle, Originais, South Park, Stan, Universo Alternativo
Exibições 18
Palavras 1.060
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpem, sei que demorou, mas finalmente saiu, espero que gostem e boa leitura!
Beijos de luz!
Ah! Já estava me esquecendo, mandem as perguntas para o especial, vale qualquer personagem, até mesmo para mim.
Agora sim, beijos!

Capítulo 11 - Uma surpresa


Rapidamente, talvez levemente assustada com o que Clyde havia dito, corri até meu quarto, eu simplesmente fiquei perturbada com o que ele havia dito. Depois de tudo que aquele babaca já fez até hoje, eu não tinha escolha, eu tinha que acreditar nele. Querendo relaxar e tirar tudo aquilo do meu pensamento, fui tomar um longo e demorado banho, infelizmente o objetivo de tudo aquilo não foi alcançado. As coisas que passei desde que Kennedy foi embora não saem de meus pensamentos, por um instante passou em minha cabeça, naquele instante perturbada, ligar para Kenny e lhe dizer tudo o que havia ocorrido, afinal ele era o único em que eu confiava e o único com o qual eu me sentia segura. Finalmente, lá pela 00:40h consegui pegar no sono, aquilo depois de muito leite e alguns episódios de Breaking Bad, eu realmente apreciava aquela série, mesmo que eu ainda esteja na terceira temporada. Não dormi muito bem, sonhei com o acontecimento anterior, sinto que este não será o último acontecimento assim. Às nove horas em ponto, acordei com o som da campainha, quem seria? Com medo de que Clyde houvesse retornado, desci lentamente as escadas, fui realmente muito furtiva, isso até que escutei a doce voz de Kenny:

- Hay? Está acordada?

- Kenny, é você?

- Sim! Quem esperava que fosse, o Clyde? – ele perguntou sarcasticamente.

- Talvez... – eu disse com tremor.

- Hay, aconteceu algo?

                Um conflito interno tomou conta de meu ser, eu não sabia o que dizer, se eu o contasse ele poderia ficar irado e brigar novamente com aquele idiota, assim poderia se ferir como na última vez, ou eu poderia mentir, o que certamente ele desconfiaria, mas pelo menos assim ficaria seguro. Como sempre, pensei nele, naquele jovem que fazia meu coração e minhas bochechas queimarem em paixão, escolhi a segunda opção, que para mim parecia a mais correta. Tentando passar certeza e confiança, eu disse:

- Sim, está tudo bem.

- Tem certeza?

- Sim, eu tenho, obrigada.

- Hay, você sabe que estou aqui para tudo o que der e vier, não é mesmo? – Kenny falou em tom triste.

- Sim... Eu sei...

- Eu sei que algo aconteceu, por favor, me diga...

- Kenny, não aconteceu nada, eu juro! – digo abrindo a porta.

- Minha flor, não minta para mim... – ele disse, colocando suas mãos em meu rosto.

- Não estou mentindo. – minha expressão devia dizer o contrário.

- Hay, eu te conheço, mesmo que façam apenas algumas semanas que você tenha chegado, eu te conheço, sei que algo aconteceu. Me fale, por favor, te suplico! – seu tom de voz refletia seu estado de preocupação.

- Ok, mas tem que me fazer um promessa!

- Qualquer coisa por você... – suas bochechas estavam em um linda cor escarlate.

- Não bata no Clyde... – olhei para o chão.

- O que aquele desgraçado fez?! – sua expressão tornou-se de ódio, e sua voz mostrou seu estado de nervos.

- Kenny, você vai cumprir sua promessa?

                Ele respirou fundo, em seguida suas mãos desceram de meu rosto até minhas mãos, ele as segurou e disse:

- Sim, eu vou. – ele estava relativamente mais calmo.

- Acho melhor você se sentar...

                Sem demora andamos até a sala, após fechar a porta me sentei no sofá, onde ele se encontrava há algum tempo.

- Então, vai me contar?

- Vou. Logo após você ir embora, Clyde apareceu, ele tentou... – cuidadosamente pensei em como poderia dizer aquilo – Ele tentou conversar comigo, e disse algumas coisas estranhas, depois disso bati em sua região intima e corri para dentro, ele foi embora.

- Aquele babaca! Ele fez algo, tentou algo? – novamente Kenny ficou irritado.

- Kennedy respire, mantenha a calma.

- Ele fez algo? – Kenny disse ficando mais calmo.

- Ele te-tentou me beijar... – coloquei minha mão em seu ombro.

- Aquele cretino! Vou acabar com ele! – ele se levantou tentando ir embora.

- Ken! Fique calmo, por favor! – disse preocupada.

- Não! Ele mexeu com você, logo você... A pessoa que mais me importo... – ele falou tentando abrir a porta.

- Kenny... – o abracei por trás.

                Senti como ele estava nervoso, carinhosamente Ken colocou sua mão em torno das minhas, como eu não sou das mais altas, estava abraçando sua cintura. Depois de algum tempo naquela posição ele se virou para mim, olhou profundamente em meus olhos e disse:

- Não posso deixar isso passar, não posso deixar ele mexer com o que é meu.

- Kenny, você prometeu... – mais uma vez minhas bochechas ardiam em escarlate.

- Droga... Quer saber?

- O que? – perguntei.

- Tenho coisas melhores com as quais me preocupar. – ele me deu mais um de seus calorosos selinhos.

                Eu ri, o vermelho de minhas bochechas queimava como nunca.

- Lembrei! O cinema, vamos?

- Estou logo atrás de você! – eu disse divertida.

                Saímos da casa de minha tia e iniciamos o trajeto até o cinema. Alguns metros depois esbarramos com o simpático vendedor de sorvete, ele nos olhou e sussurrou algo imperceptível, que, porém, Kenny pareceu entender o que o fez dar mais um de seus sorrisos.

- O que ele disse? – o perguntei curiosa.

- Algo que daqui a pouco vai se tornar realidade, eu espero... – ao terminar o que tinha a dizer ele fitou o chão.

- Como assim?

- Você vai ver logo, logo...

- Vamos, me diga! – questionei dando nele um beijo no rosto.

- Seu suborno não funcionara comigo! – ele riu alegre.

- Vamos ver! – dizendo aquilo lhe deu uma série de beijos do rosto, e por fim, um na boca.

- Continua não funcionando...

                Por algo motivo tropecei, antes que eu caísse no chão Kenny me segurou, ficamos com os corpos praticamente colados, mais uma vez minhas bochechas se coraram.

- Apressadinha, já estamos chegando, você vai ver logo. – ele depositou em minha boca um delicado selinho.

                Como o pedido por ele, esperei, continuamos nosso caminho. Alguns minutos depois chegamos ao local de nosso primeiro “beijo”. Kenny colocou a mão no bolso e disse:

- Você pode fechar os olhos?

- Por quê? – perguntei.

- Você verá!

                Realizando mais um pedido fechei meus olhos. Inesperadamente Kenny falou:

- Pode abrir.

                Ao abrir meus olhos o vi ajoelhado, curiosa e com minhas bochechas em chamas perguntei:

- O q-que é is-isso?

- Hay, você aceita ser minha namorada? 


Notas Finais


E ae, curtiram?! Me digam! E mande as perguntas para o especial.
Tchau meus unicórnios, beijos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...