História O Reencontro — Imagine Taehyung - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Amor, Bts, Imagine, Jhope, Jimin, Jungkook, Romance, Suga, Taehyung
Exibições 721
Palavras 1.135
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - II. Strangers


Fanfic / Fanfiction O Reencontro — Imagine Taehyung - Capítulo 3 - II. Strangers

Cinco anos sofrendo pela mesma garota. S/N era o meu alicerce, eu amei e ainda amo aquela menina-mulher de um jeito louco. Nunca sofri tanto em minha vida. Depois da nossa última noite quando acordei pela manhã, chorei feito um menino abandonado lendo aquela carta. Suas palavras tão frias, S/N não acordou-me para dizer ao menos um Adeus. 

Eu iria atrás dela mas, meus pais já estavam esperando para que fôssemos para o aeroporto. Eu forcei sorrisos todos os dias e durante as noites chorei. Era sempre a mesma coisa, eu mal sabia respirar sem tê-la por perto.

Comecei a fazer faculdade mas reprovei em todas as matérias, eu não sabia qual rumo seguir. A atmosfera caía sob o meu corpo, deixando-me exausto. Eu enxergava-a nas pessoas, eu sonhava com a minha primeira namorada. Ouvia sua voz, sentia seu cheiro. Eu era totalmente dependente dela.

Mal sabia cozinhar. As mulheres queriam relacionarem comigo mas, eu não queria. Eu esperaria S/N por toda a minha vida se fosse preciso. 

Às vezes eu não tinha dinheiro nem para comprar uma balinha. Trabalhei dois dias como vendedor mas, o dono mandou-me embora porque eu ficava vendo alucinações dela.

Eu chegava em casa, deitava sob a minha pequena poltrona — o que causava-me grandes dores nas costas depois —, e imaginava como seria a nossa vida no Brasil.

Queria ter ficado lá com ela, queria filhos com ela, queria uma vida ao seu lado. As coisas complicavam cada dia mais. Saí de casa a procura de um emprego para poder sustentar-me e vi um cartaz dizendo que Rafael Magalhães precisaria de um motorista. 

Disquei o seu contato em meu celular e encostei-me em uma árvore ansioso, eu precisava daquele emprego. 

— Alô? — o rapaz disse em português e eu arregalei os olhos.

— Oh, olá. Vi um cartaz e queria saber se o Senhor já contratou um motorista — falei e pressionei os lábios nervoso. 

— Ainda não, aliás, você foi o primeiro a me ligar — riu baixo — Bom, podemos nos encontrar?

— Claro! — falei de imediato. 

Expliquei o endereço de uma cafeteria e fui até a mesma. Puxei o ar e soltei-o devagar para pelo menos tentar manter a calma. O fato de que Rafael era brasileiro faziam meus olhos marejarem. 

— Ele está de terno — murmurei rolando os olhos pelo lugar.

Vi um rapaz alto, loiro e forte tomando café. 

— Deve ser ele — pensei — Rafael Magalhães? 

— Oh sim, Kim Taehyung certo? — sorriu bebericando o líquido escuro.

— Sim — sentei a sua frente. 

— Gostei de você, já morou no Brasil?

— Já — senti uma pontada no coração — Eu nasci lá, mas meus pais são Coreanos.

— Entendi, está contratado Taehyung, você começará amanhã certo?

— Sério? — arregalei os olhos surpreso — Obrigado Senhor!

— Senhor não — riu — Me chame apenas de Rafael. 

— Desculpe Rafael — sorri sem jeito. 

Meu patrão disse que eu ficaria responsável em levar a sua noiva para qualquer lugar que a mesma quisesse. Mal dormi a noite de tão ansioso que eu estava. Uma sensação estranhamente boa pairava sob meu corpo.

— Bom dia Se... Rafael — sorri sem jeito. 

— Bom dia Taehyung, irei chamar a minha noiva — assenti — Amor? 

— Sim? — ouvi uma voz feminina aproximando-se de nós. 

Naquele momento meu coração acelerou. Minhas mãos começaram a suar frio. Depois de tanto tempo nós nos reencontramos. Então era dela que Rafael estava falando. Eles estavam noivos. Em minha garganta formou-se um nó e uma vontade enorme de chorar veio, respirei fundo e tentei ignorar aquele fato.

— Esse é Kim Taehyung, o seu motorista — o loiro disse sorrindo — Essa é S/N, a minha noiva — Rafael disse entrelaçando a mão dele na dela.

Meus olhos fixaram nas alianças de ouro que ambos carregavam consigo. O pescoço dela estava marcado, marcado por um homem. Um homem que não era eu.

— Prazer Taehyung — ela disse sem olhar-me.

— Prazer Senhorita — falei olhando para o chão.

Seja forte Taehyung. 

— Bem, já que vocês foram apresentados eu e minha noiva vamos para a piscina, fique à vontade Taehyung — Rafa disse.

Encarei S/N por alguns segundos e a mesma olhava para o chão. 

— Obrigado — falei esboçando um minúsculo sorriso — Am.. Rafael pode dizer-me onde é o banheiro? 

— A segunda porta à esquerda — ele disse enquanto segurava a mão da garota que era para ser minha.

Fui o mais rápido que pude até o banheiro tentando segurar minhas lágrimas, assim que abri a porta deixem que as mesmas molhassem meu rosto. Meu corpo e meu coração doíam tanto.

— Por que justo ela? — funguei. 

Ele tocava-a. Ele marcava o seu corpo. Pensei em desistir daquele emprego, mas o salário era bom, Rafael estava sendo até generoso comigo. Lavei meu rosto e saí do banheiro vendo os dois aos beijos na piscina. 

O mundo é pequeno mesmo. Rafael enguia-a no ar, S/N sorria de um jeito lindo. Depois de muito observar os pombinhos fui para a calçada tentando esquecer tudo que aconteceu. 

— Minha noiva precisa ir ao Shopping — meu chefe surgiu do nada assustando-me — Oh, desculpe. 

— Tudo bem — sorri fraco. 

— Taehyung? 

— Sim? 

— Tomei a liberdade de comprar alguns ternos 'pra você — riu.

— Obrigado — falei sem jeito. 

— Espero que goste, está na segunda porta do andar de cima — entregou-me a chave do carro.

Curvei-me e subi a escada para o quarto. Passei em frente ao banheiro e vi S/N penteando seu cabelo, fingi não ter visto e continuei andando mas, senti uma mão em meu pulso. 

— Me desculpa, eu pensei que fosse o Rafa — disse sem me olhar, minha vontade foi de abraçá-la e dizer o quão difícil minha vida está sendo.

Assenti e voltei a caminhar, adentrei a segunda porta encostando na mesma, respirei fundo colocando a mão sob o peito. Meu coração temia em bater acelerado. 

Depois de tanto tempo, S/N ainda tinha o mesmo poder sob o meu corpo. Terei de respeitá-la todos os dias, farei com que meu cérebro e meu coração a esqueça completamente. 

Ela vai casar mas não é comigo. Senti minha cabeça latejar assim que nossos olhares encontraram um ao outro. A morena desviou rapidamente encarando seu futuro marido, ela falou alguma coisa e por fim, saíram da piscina. O loiro cobriu o corpo dela com um roupão branco e vieram em minha direção. Disfarcei enquanto olhava para um quadro qualquer. 

— Taehyung se quiser ir para a casa pode ir, minha noiva disse que não está sentindo-se bem — olhei de soslaio para S/N, a mesma encarava o chão. 

— Tudo bem, obrigado! — sorri fraco e peguei os ternos que estavam sob o sofá — Até amanhã.

— Até — o único que respondeu foi meu chefe.


Notas Finais


Já vou dizendo, é melhor prepararem os lencinhos :') @rafenhazz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...