História O Rei Lobo (KookMin Abo) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Amor, Heterocromia, Jikook, Kookmin, Namjin, Omegaverse, Romance, Universo A/b/o, Vhope, Violencia, Wolf, Yaoi, Yoonseok
Exibições 1.093
Palavras 4.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Volteiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Não me matem por ter demorado um pouquinho, mais final de semestre eu to atolada de trabalhos e provas

OBRIGADO PELOS FAVORITOS ( AINDA NÃO TO CRENDO QUE CHEGOU NOS 400 ❤-❤) E PELOS COMENTÁRIOS AMO TODOS VOCÊS ❤-❤

Este capitulo maior devido a demora, e uma maneira de pedir desculpas shashasha

Boa Leitura ❤

Capítulo 10 - Capítulo 10


Os minutos passaram arrastados até que finalmente a respiração de Jungkook suavizou. Aliviado que o alfa enfim havia adormecido, Jimin finalmente fechou os olhos e deixou a escuridão lhe envolver.

 

★★★

 

Tentou ser o mais silencioso possível ao abrir a porta e entrar no escuro quarto. Seus olhos não tiveram qualquer dificuldade em enxergar mesmo com as luzes apagadas e a janela tampada com cortina vinho de veludo, era uma das vantagens de sua raça. Em passadas silenciosas andou até a grande cama de casal, parando aos pés dela, seu animal interior remexendo-se inquieto na mente ao ter o vislumbre da cabeça do ômega entre as cobertas.

Namjoon inspirou profundamente embriagando-se com o exótico cheiro, que lhe lembrava café com canela. Descobriu-se apaixonado pelo perfume natural do ômega, estava rapidamente se viciando nele.

Ele sentia um forte impulso de quebrar a distância que havia entre ele e o ômega naquele momento, deitar-se sobre ele e marcá-lo da maneira mais antiga, selvagem e íntima – que sua raça já não usava mais. Queria o marcar com seu cheiro, não somente com sua mordida. Seu lobo concordava com ele, ansioso para sair e esfregar-se contra o corpo suave até que seu cheiro estivesse completamente impregnado na pele do ômega a ponto de ninguém – lobo ou humano – conseguir distinguir a diferença entre em o odor próprio do ômega e o odor “deles”.

Foi preciso muito autocontrole da parte de Namjoon para não fazer exatamente o que tanto ansiava. A última coisa que queria era assustar o ômega, é com certeza o pequeno não ia aceitar ficar pacificamente deitado e deixar um grande e pesado lobo marcá-lo. – “Provavelmente ele vai ter outro ataque de pânico” – O pensamento acalmou os desejos de seu lobo, que se aquietou em sua mente.

A sua preocupação em assustar o pequeno ômega era tamanha que hesitava em deitar na cama. Umas duas horas atrás ele tinha acompanhado o Jin até a porta do quarto, lhe informando que tinha algumas tarefas a se fazer antes de deitar e que dormiria somente mais tarde. Namjoon que sempre foi alguém inteligente e observador, não deixou escapar o suspiro de alivio do ômega, nem mesmo as bochechas – que haviam perdido a cor conforme eles subiam as escadas – corarem saudavelmente. O alfa teve a impressão que Jin teria tido outro ataque de pânico se eles tivessem entrado juntos no quarto. As mãos trêmulas e o olhar vidrado de medo foram os sinais.  

Suspirando cansado, ele andou até a cama e sentou-se junto a cabeceira, suas vistas nunca abandonando o dorminhoco. Sorriu ao reparar na expressão tranquila e relaxada de Jin. Por estar dormindo o rosto inocente havia perdido as rugas de preocupação e a tensão que esteve lá o tempo todo quando ele estava acordado.

Não foi preciso analisar muito o comportamento de animalzinho maltratado de Jin, para que Namjoon entendesse que o ômega havia sofrido abuso, mais ainda, afirmava com a maior convicção que as violências sofridas também foram de caráter sexual. Saber que alguém havia ousado tocá-lo e machucá-lo despertava o lado mais sombrio do alfa – que ele sempre esforçava para sufocar.

Seu lobo estava à deriva querendo sair para caçar e matar o verme que ousou aproximar-se do ômega que ‘eles” consideravam serem seus. Namjoon faria exatamente o que seu sombrio lobo desejava, assim que tivesse um nome sairia a caça. Não conseguiria viver em paz consigo mesmo se não matasse o filho da puta que traumatizou o inocente ômega.

Depois de quase meia-hora velando o sono do pequeno, ele forcou-se a levantar e sair de perto da cama. Caminhou para o closet, pegou roupas limpas e trancou-se no banheiro. Cansado demais para perder mais tempo que o necessário para se limpar, tomou um banho rápido de uns cinco minutos. Ao terminar saiu do banheiro vestindo um confortável calção azul de dormir e uma camiseta regata branca.

Bocejando Namjoon andou até a cama e deitou-se no lado direito, tentando fazer o mínimo de barulho possível para não acordar o ômega. Na hora que ergueu a coberta viu que o ômega vestia roupas suas, sorriu, satisfeito pelo ômega tê-lo escutado quando disse para tomar banho e usar suas roupas.

★★★

Seus lábios carnudos curvaram num sorriso calculado ao entrar no espaçoso escritório do último andar do Cassino. O alfa que ele havia chamado o esperava.

O alfa moreno, de 1,87 de altura, cabelos negros e ombros largos, que estava parado em frente à janela admirando a vista, virou-se ao ouvir a porta sendo aberta. Ele não tinha qualquer expressão e os seus olhos eram vazios, carentes de calor humano.

– Não achei que viria tão rápido! – Disse surpreso Park Kwan – Sempre costuma demorar quando eu te chamo.

– Digamos que eu ando entediado demais, então sua proposta veio em uma boa hora. – O alfa sentou-se na ponta da mesa de madeira – Nunca pensei que alguém seria tolo o suficiente para sequestrar seu filho.

– Ao que parece existe! – Rosno furioso – Por isso preciso de sua ajuda, você é o melhor rastreador que eu conheço Alfa Lee Minho.

– Sou? – Franziu o cenho – Se eu fosse já teria encontrado o tal Herdeiro.

– Não falemos dele neste momento! – Era frustrante nunca ter conseguido encontrar Jungkook, nem mesmo Lee Minho que era o melhor rastreador da cidade havia conseguido encontrá-lo – Agora o importante é encontrar meu filho.

– Tudo bem. – O Rastreador cruzou os braços – Então comece me dizendo tudo que sabe.

Andando até o grande sofá preto de três lugares, Leader Kwan se acomodou, antes de contar sobre a ligação que havia recebido poucas horas atrás. Quando terminou de falar o Alfa Minho ficou alguns segundos em silêncio, pensando no que havia sido dito.

– Acha que esse tal de Lee Jin está envolvido? – Perguntou intrigado – Que ele participou do sequestro?

– Tudo me leva a crer que sim! – Suspirou – Vou receber dentro de poucas horas o arquivo pessoa sobre ele, lhe mandarei uma foto e o que mais for necessário.

– Ok! – Desceu da mesa – Então eu vou indo, qualquer notícia a mais me avise!

– Avisarei!

Antes que o alfa alcançasse a porta alguém a abriu subitamente. Uma miúda ômega de 1, 60 de altura invadiu o cômodo, encarando desesperada os alfas.

– Que merda você pensa que é para invadir meu escritório sem bater? – A fúria do Leader fez a pequena ômega abaixar a cabeça para o chão e seus ombros encolheram-se de medo.

– Desculpe Leader! – Choramingou – Eu.... Tenho notícias!

– Fala logo. – Esbravejou – O que está esperando?

– O Leader recebeu uma mensagem em seu e-mail pessoal, talvez queira dar uma olhada. – Estendeu o tablet que trazia consigo – Tem uma foto.

A pequena ômega chamada Mi Nam era dona de um QI acima da média e havia sido “recrutada” – na verdade levada a força – por Park Kwan anos atrás. A mulher era expert em computação, suas habilidades de hacker seriam únicas se ela não tivesse um inimigo a um nível acima dela.

O rosto de Leader endureceu e suas vistas escureceram num tom negro de perigo, quando ele pegou o tablet e viu exposto na tela a foto do seu filho. Uma raiva desmedida queimou dentro dele e seu lobo agitou-se querendo sair. Estava decidido, ele iria matar lentamente cada desgraçado que relou o dedo no seu único filho.

– A quem pertence a conta? Conseguiu rastrear o endereço? – Perguntou quase gritando, dando o tablet para Lee Minho ver a foto.

– Eu... – A ômega esfregou as mãos suadas na calça jeans, com medo de abrir a boca, seu Leader não ia gostar do que diria, ficaria bastante furioso com ela – Eu não consegui rastrear Leader, foi enviado por alguém que entende, tenho certeza que foi o Suga.

Suga era o nome que Mi Nam havia dado para o seu querido inimigo Hacker, que sempre complicava ainda mais a vida dela quando mandava mensagens para o Leader ou simplesmente tentava invadir os computadores do Cassino ou as contas pessoais de Park Kwan. O homem – não tinha certeza se ele era um homem – era um pé no sapato dela o tempo todo, já havia entrado em muitos problemas por culpa dele. Apesar de tudo Mi Nam não odiava e nem nada perto disto, pelo contrário, a cada dia ficava ainda mais curiosa sobre quem seria ele. Suga era alguém interessante disto ela não tinha dúvida.

– Suga? – Perguntou Minho olhando para a foto, sua expressão se manteve impassível como sempre.

– Está me dizendo que as pessoas que levaram meu filho é a Gangue wolfs of midnight? É que você é uma ômega incapaz de rastrear a droga de uma conta de e-mail? – Com a mão direita segurou a ômega pelo pescoço, levantando-a do chão e trazendo o rosto dela na altura do dele.

– Wolfs of midnight? Merda, então o sequestro não tem nada a ver com pedido de resgate. – Minho assobiou – Talvez nunca mais você verá seu filho!

As palavras não era brincadeira, realmente existia está grande chance. Fazia onze anos que Lee Minho tentava encontrar o Herdeiro levado pela gangue e nunca sequer chegou perto de encontrá-lo alguma vez. Sua intuição lhe dizia que eles – Wolfs of midnight – estavam perto, andando entre eles livremente, só não conseguia identificá-los. Se levar este fato em consideração quais eram a chances de conseguir localizarem o ômega Jimin?

Soltando a ômega sem preocupar-se em ser delicado, Leader Kwan encarou profundamente o outro alfa. Ele conhecia o mais novo fazia anos, era uns dos poucos que não o temia e que se recusava a segui-lo cegamente. Apesar da rebeldia dele, Leader Kwan gostava do alfa, por este único motivo ainda não o matou.

Caindo de joelhos no chão, Mi Nam levou as mãos no pescoço massageando a carne dolorida, respirando com dificuldade. Odiava quando o alfa a sufocava, em momentos assim sempre pensava que ia morrer.

– Desta vez você precisa encontrá-los! – Disse rudemente – Estamos falando do meu filho.

– Farei o meu melhor! – Respondeu firme – “Mais talvez ele já nem esteja vivo! "

★★★

Mesmo Namjoon não tendo feito barulho ao deitar, apenas o peso extra adicionado na cama foi o suficiente para puxar Jin do mundo dos sonhos. Desnorteado sobre onde encontrava-se, o ômega entrou em desespero ao ouvir a respiração da outra pessoa e ao perceber o quão perto ele estava de si.

Não emitiu um som sequer, até mesmo esqueceu-se de como falar, sem perceber prendeu a respiração. Desespero angustiante o preencheu ao começar a sufocar-se, quando o oxigênio faltou. Seus estatelados olhos – pregados no teto – encheu de aflitas lagrimas e seu corpo ficou completamente tenso. Ele estava se afogando em si próprio, seu estômago revirava e o mundo a sua volta girava. Sua mente estava repleta com a lembrança do homem mal, que ele tinha certeza estar deitado ao seu lado naquele momento. Seu desespero era tamanho que não lhe permitia raciocinar o suficiente para perceber que aquele cheiro não pertencia ao homem mal.

– Puta merda! – Ele ouviu uma conhecida voz dizer, no entanto, a névoa formada na sua mente não o ajudou a raciocinar.

Braços fortes o puxaram de repente, seu rosto foi pressionado contra o calor do ombro de alguém. Na sua angustiante luta por ar, ouviu uma, surpreendente, calma voz lhe dizendo para puxar e soltar o ar. As mãos másculas esfregavam seus braços, esquentando a carne gelada. Suas vistas giravam e havia um estranho zunido em seu ouvido. Querendo sair da prisão que se encontrava, enquanto tremia incontrolavelmente. Tentou fazer o que lhe era sussurrado, com muito esforço inspirou e expirou, foi necessário fazer o ato várias vezes até sua respiração normalizar.

Depois de longos minutos o mundo voltou em órbita, e ele se sua conta que o cheiro de eucalipto o envolvendo e a calma voz sendo sussurrada pertencia ao Alfa Namjoon. As mãos ásperas do maior não deixaram de esfregar seus braços.

Somente naquele momento Jin registrou que estava sentado de lado no meio das pernas do alfa, com seu ombro direito encostado no tórax duro e seu rosto deitado no ombro dele. Por mais incrível que parecesse ao próprio Jin, não sentiu medo da presença do alfa. Ainda que estivesse sendo tocado ele conseguiu discernir que não era um toque com má intensão. A calma voz dizendo palavras de consolo era como uma bonita melodia que Jin a muito tampo não ouvia, melodia está que lhe fez sentir-se momentaneamente protegido e amando. Tocado pelas palavras serenas começou a chorar. Foi um choro silencioso, sem a emissão de um único som.

– Tudo bem, ninguém irá te machucar, não permitirei! – Sussurrava docemente – Está tudo bem bebê, você está seguro. 

O conforto que lhe era oferecido o fez lembrar de tudo que perdeu e do que nunca teria. O seu lobo uivou triste em sua mente. Quando foi a última vez que foi abraçado? Quando foi a última vez que alguém o ajudou num momento em que tanto precisava? Quando foi a última vez que se sentiu especial e amado?

Os minutos se arrastaram numa velocidade que Jin não soube decifrar. O corpo delicado gradualmente parou de tremer e calor voltou a percorre-lo. O choro cessou. O alfa já não dizia nada, suas mãos haviam parado de esfregar os braços dele, sendo que uma havia caído para a cintura fina e a outra continuava no braço de Jin, fazendo suaves movimentos circulares com as pontas dos dedos na carne pálida.

A sensação que o envolveu era tão agradável, que se viu fechando os olhos e suspirando baixinho. Sentiu-se sonolento e seu corpo ficou languido. Estava tão relaxado que mesmo quando o alfa se mexeu – levando-o junto – não reagiu. Antes que Jin percebesse eles estavam deitados na cama, com ele deitado em cima do alfa.

O pequeno ômega não soube explicar por que não sentiu pavor ao se ver deitado em cima de Namjoon. Porém, talvez essa fosse a questão, ele não se encontrava debaixo, mais em cima dele o que lhe não deixava imponente e lhe passava uma certa segurança. Não se sentia ameaçado e as mãos pressionadas nas suas costas não o fazia sentir-se enclausurado, apenas protegido.

Em todas as outras vezes que esteva com um homem, ele ficou debaixo contra sua vontade e sempre em situações nada agradáveis. Perdidos nesses pensamentos, com seu corpo relaxado totalmente, não demorou para adormecer.

★★★

– Ok! Mais alguma informação não demore a me ligar! – Acordou com a voz do amante. Apoiou os cotovelos na cama e ergueu a parte superior do corpo. Devido ainda estar sonolento os olhos de Hoseok estavam semicerrados ao olhar para o alfa sentado na poltrona – Até depois. Tenha um Bom Dia!

Com o fim da ligação, Yoongi colocou jogou o aparelho celular na mesa e sua atenção voltou para o pedaço de papel que tinhas em mãos. A expressão preocupada na face do alfa intrigou Hoseok, que soube sem perguntar que algo importante estava acontecendo.

– O que houve? – Perguntou repentinamente, assustando o distraído alfa que deu um pulo na cadeira.

– Merda! – Yoongi colocou a mão livre sobre o coração e fitou irritado o maior – Que me matar do coração, porra?

– Sim, essa era a minha intenção. – Gargalhou, divertindo-se com os olhos arregalados do menor – Agora pode me dizer o que está acontecendo? Quem era no telefone?

– Um amigo da minha antiga matilha! – Suspirando, levantou da poltrona e andou até a cama – Ele disse já ter visto ao menos umas três vezes uma mulher muito parecida com a senhora Minseo, na feira semanal de Geumcheon-gu.

– A omma de Jungkook? – Sentou rápido da cama – Será?

Fazia onze anos que eles tentavam localizar a mulher – que havia evaporado no ar – e o resto da matilha de Jungkook, que haviam conseguidos escapar na noite da chacina. Até mesmo haviam recorrido a matilhas que eles tinham uma espécie de parceria. Todos foram orientados a contar qualquer coisa que soubessem sobre a mulher, temiam que o Leader Kwan a encontrasse – apesar de não terem certeza se ele continuava procurando – e a usasse para chegar em Jungkook.

– Precisamos confirmar! – Passou as mãos pelos fios loiros da cabeça – No entanto não quero contar ao Jungkook agora antes de sabermos se é verdade, da última vez que achamos estar perto e no fim descobrirmos que não ele ficou bastante abalado.

– Concordo hyung. – Pensou numa solução – Vamos investigar, quando tivermos certeza contamos a ele. Hoje é o dia da feira né? Então eu vou fazer um passeio por lá!

– Ótima ideia! – Entregou o papel para o mais novo – Eu não posso ir hoje, tenho que monitorar os passos de Park Kwan, então vá com alguém e não esquece de levar ir armado.

– Não confia no seu amigo, hyung? Pode ser uma armadilha? – Suas sobrancelhas se ergueram.

– As únicas pessoas que eu confio vivem dentro desta mansão Hoseok. – Disse sincero – Esse amigo foi o único que mantive contato depois de ter sido expulso da matilha, ele já me ajudou em outros momentos e nunca me traiu, porém, dinheiro é um ótimo motivo para se trair até sua própria família. Então por favor toma cuidado.

– Tomarei. – Sorriu petulante – Não se preocupe, eu sei cuidar muito bem de mim.

Se levar em consideração que viveu por muito tempo sozinho nas ruas, realmente estava certo, sabia se cuidar e sobreviver aos mais diversos perigos. Jung Hoseok já havia passado por maus bocados na sua vida, antes de encontrar Namjoon. Para sobreviver em seus vários anos na rua havia feito coisas pelos os quais ele não se orgulhava, mas que também não se arrependia.

★★★

O peso sobre a barriga dele o acordou, confuso e sonolento abriu os olhos, estreitando-os ao deparar-se com fios castanhos. Sorriu, pensando como eles haviam acabado daquele jeito. Duvidava muito que Jimin tivesse propositalmente aconchegado sobre ele, fez isso enquanto dormia. O lobo na sua mente ficou contente com a confiança inconsciente do ômega. O rosto de Jimin estava pressionado contra seu abdômen, as pernas entrelaçadas nas suas e uma das mãos estava jogada em cima da sua coxa, muito perto de seu membro.

Jungkook não se moveu, mesmo não estando acostumado em ter alguém dormindo agarrado a ele, descobriu que não desgostava. Por que parecia tão certo ter o ômega tão próximo dele? Por que de repente se viu desejando marcar o ômega? Só podia estar ficando louco, ele não podia sentir-se atraído pelo ômega. Precisava ter em mente que Jimin era seu meio de vingança. Ainda que repetisse as palavras na sua cabeça, os instintos o guiaram para um caminho diferente e antes que desse conta estava inspirando profundamente, rosnando possessivo com o odor de baunilha subindo pelas suas narinas. Como ele gostava do delicioso cheiro do menor, que lhe lembrava inocência e doçura.

Incapaz de negar a necessidade crescente no seu interior, levou sua mão direita nos fios castanhos do ômega, acariciando suavemente o couro cabeludo. Ficou agradecido que o menor estivesse dormindo inconsciente da intensa fome que crescia no seu interior.

Quando Jimin resmungou dengoso sem acordar, Jungkook sabia que aquela era a hora de deixar a cama, que se continuasse deitado com o menor praticamente em cima de si, ele estaria ferrado. No entanto, no lugar de se afastar como a razão mandava, ele deixou sua mão cair para o pescoço do ômega, suas unhas arranhando a pele entre o pescoço e o ombro, onde os Alfas marcavam seus companheiros com a mordida.

O desejo o atingiu de uma maneira tão febril que todo seu corpo formigou e seus olhos mudaram. Foi difícil controlar o que habitava dentro dele, manter sobre baia o seu animal, seu lado instintivo e selvagem. O que sentia ia além do desejo físico, era uma necessidade imperiosa de tomar o que lhe pertencia. Seu membro estava completamente desperto.

E foi nesse momento em que Jungkook enfrentava uma grande luta interior para se conter, que Jimin foi arrancado do mundo dos sonhos e jogado na realidade. Ainda não acordado completamente ele abriu os olhos e ficou parado tentando identificar o agradável cheiro que o rodeava. A memória estava meio embaralhada, por isso demorou quase um minuto para se lembrar de onde estava. Quando por fim se deu conta de onde se encontrava e que seu travesseiro era na verdade o abdômen de Jungkook, ele congelou. 

As bochechas gordinhas de Jimin enrubesceram e ele gemeu baixinho, querendo um buraco escuro para se esconder tamanha a vergonha que sentiu. O alfa estava acordado, sua respiração o denunciava e para piorar Jimin podia cheirar a excitação dele. Paralisado, ficou divido entre a vergonha e o medo. Irritado consigo próprio por mexer-se tanto quanto estava dormindo, ele meditou em várias maneiras de lidar com a situação.

Depois de minutos percebendo que só havia uma única maneira de lidar com a situação, ele se ergueu e sentou na cama, sua mão acidentalmente roçando no pênis ereto do alfa. Engoliu o gemido e suas bochechas ficaram mais vermelhas que um pimentão, escondendo as mãos entre as pernas – resistindo a vontade de esconde-las atrás das costas – os olhos dele caíram para o tórax coberto pela camiseta branca e subiu devagarinho até se encontrarem com os orbes profundos do Alfa. Mesmo na penumbra do quarto não teve dificuldade em vê-lo.

O ômega engasgou na sua respiração ao deparar-se com os orbes do alfa, sua respiração ficando gradualmente sôfrega ao segurar o intenso olhar, seu corpo arrepiando-se pela perigosa maneira que era olhado. O íris de Jungkook não estavam em sua cor normal, enquanto um íris era amarelo o outro era vermelho. Inteligente, Jimin supôs que acontecia sempre que ele perdia certo controle sobre seu animal.

Jimin não teve noção de quanto tempo permaneceram se encarando, nem soube explicar porque não era capaz de desviar os olhos e sair da prisão ao qual se encontrava aprisionado. Seus sentimentos estavam uma verdadeira bagunça, ele nunca se sentiu tão confuso como naquele instante. Uma parte dele queria correr e esconder-se no banheiro onde estaria seguro por um breve momento, já a outra parte – que era ainda mais assustadora – queria ficar justamente onde estava e ansiava por “algo” que ele não sabia o que era exatamente.

Tremeu quando subitamente o alfa sentou-se também, seus rostos ficando a milímetros de distância. O coração de Jimin acelerou-se batendo numa velocidade incrivelmente rápida. O cheiro forte sufocando seus sentidos e a respiração quente soprando contra seus lábios carnudos lhe tirou qualquer raciocínio lógico. Enclausurado nos esfomeados olhos do alfa, passou a língua pelos lábios ressecados, molhando-os.

Quase pulou da cama, quando dedos gentis arranharam a pele entre o ombro e o pescoço fazendo-o estremecer de prazer com o toque, inconscientemente deitou a cabeça para o lado rendendo-se ao alfa. O submisso ato do ômega provocou um rosnado animalesco no alfa, que incapacitado de controlar-se se viu baixando a cabeça e roçando seus lábios úmidos na carne suave. Sem quebrar a pele ele mordeu, depois chupou e passou repetidas vezes a língua no local, rosnando satisfeito com o tremor e choramingo desejoso do ômega.

O febril desejo queimando no interior do ômega o aterrorizou. O que estava fazendo? Como podia estar gostando de ser tocado pelo cara que o sequestrou? Ele devia estar apavorado, da mesma maneira que horas atrás. Os pensamentos dele foram invadidos pelo momento que entrou no quarto, lembrou-se do assustador olhar do alfa naquela hora. A amarga lembrança foi como um balde de água fria, o calor abandonou seu corpo instantaneamente e ele começou a tremer por um motivo diferente. Como podia momentaneamente ter esquecido quem era o alfa?

– Pare! – Ordenou bruscamente.

Quase chorou de alivio quando o alfa levantou a cabeça, não esperava que ele fosse atendê-lo. No momento que os olhos deles voltaram a se encontrar Jimin percebeu que estava em perigo. Não fazia nem vinte quatro horas que conhecia o alfa, no entanto, já sabia que se não tomasse cuidado seu coração não ia sobreviver a violenta jornada que o esperava, que as chances de se apaixonar pelo alfa a sua frente eram enormes e as chances de se arrepender no final eram maiores ainda. Não podia esquecer que aquele homem o havia sequestrado por um motivo, não sabia exatamente o porquê, mas sabia que seu appa era parte do motivo.

– Você tem medo de mim? – Jungkook falou roucamente, seus olhos finalmente voltando ao normal.

Jimin não entendeu se era uma pergunta ou uma afirmação.

– Tenho! – Sussurrou sincero, escondendo que estava sentindo mais medo dele próprio – Eu não sei o que você quer comigo. Por que me sequestrou?

– Jimin você é arma que usarei para vingar-me de seu appa, não posso prometer que ao final disso tudo você não sairá ferido emocionalmente, porém, posso prometer que não haverá nenhum dano físico. – Seus olhos se estreitaram – Quando tudo isso acabar você voltará para sua vida normal.

– Meu appa? Vingança? – Seu corpo gelou – Não sei o que aconteceu, mais tenho certeza que meu appa não é o culpado. Ele não é capaz de machucar uma pessoa.

– Eu acho que você não conhece tão bem seu appa! – Tristeza pintou nos olhos do alfa.

– O que quer dizer com isso? – Perguntou ressentido.

– Não é neste momento que irei lhe contar. – Rindo amargamente, desceu da cama e andou até a apagador, acendendo a luz – Vou deixar que continue pensando por mais algum tempo que ele é uma pessoa integra.

– Não fale assim dele. Na minha visão quem é o vilão aqui é você, que me sequestrou e pretende usar-me para uma vingança idiota. – Estava furioso com a calúnia do alfa, confiava no seu appa mesmo não tendo o visto há anos.

Andando novamente até a cama, Jungkook segurou Jimin pelo queixo e o forçou a encará-lo. Fúria flamejava no interior do alfa.

– Cuidado com o que fala Jimin. – Rosnou furioso – Não me faça perder a paciência.

– Agora serei proibido até de falar? – Mordeu o lábio quando os dedos apertaram com força seu queixo, causando-lhe dor – Vai me bater se eu lhe desobedecer?

Jimin arrependeu-se de suas palavras – precisava apreender a controlar-se – quando o alfa rosnou furioso e suas vistas escureceram de raiva. O lobo de Jimin uivou assustado. Medo o consumiu ao esperar o próximo passo de Jungkook.

– Está proibido de falar idiotice sobre o que você não sabe e de usar esse tom de deboche comigo! – Sorriu frio – Não “brinque” comigo se não souber lidar com as consequências.

Jimin ficou mudo, achando-se um estupido por desafiar o alfa. O que esperava? Alfas e desafio não combinava nenhum pouco. Soltou a respiração que não notou estar segurando, quando de repente Jungkook soltou seu queixo e andou para a entrada do banheiro, parando no batente da porta e virando-se para fitar o ômega.

– Quando é o seu Cio? – Falou sério.

– Como? – Surpreso com a repentina pergunta as vistas de Jimin aumentaram consideravelmente

– Quando? – Disse impaciente.

– Dentro de umas três semanas. – Sussurrou inseguro, fitando desconfiado o maior – Por que quer saber?

Ao invés de responder, Jungkook entrou no banheiro e fechou a porta, deixando o confuso e curioso Jimin sozinho no quarto.

O ômega até pensou em bater na porta do banheiro exigindo uma resposta, desistindo ao lembrar que não era um bom momento para desafiar o alfa, já o havia provocado além da conta. Melhor evitar problemas.... Pelo menos por um tempinho. 


Notas Finais


Entãoooooooooooooooo gostaram? E esse NamJin ai? E esse KookMin?

SPOILER PRÓXIMO CAPITULO: VHope... Tchau kkk

Meu oppa LEE MINHO ❤
https://www.dramafever.com/st/news/images/cd9f849d-ac98-4bf8-9b8e-2965150bdf6c_9c622f88-4097-4eb6-b784-0d3cfe1796e5.jpg

A fofa Go Mi Nam ❤ (foi inspirada na personagem, n na atriz)
https://waternmelon.files.wordpress.com/2010/01/go_mi_nam_of_you_re_beautiful_15102009051126.jpg

Obrigado por lerem ❤
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...