História O Sangue da Vingança - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jungkook, Namjin, Vampiros, Vingança, Vmin, Yoonseok
Visualizações 80
Palavras 4.361
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


☣ ATENÇÃO ☣
↪Esta fanfic contém cenas fortes e conteúdo violento. Se não gosta desse tipo de estória NÃO leia.
↪ Os atos sexuais em sua grande maioria são agressivos. Se isso lhe causa desconforto, recomendo que NÃO leia.
↪A fanfiction se passa na Era antiga, sendo assim muitos acontecimentos são retratadas pela realidade da época!
↪ Não se trata de ROMANTIZAÇÃO ou BANALIZAÇÃO dos fatos.
↪ Os conteúdo sexual se trata de dor em troca de prazer, e NÃO de romantismo! Repito, esses atos NÃO se tratam de amor.
↪ Se caso após os avisos tem o interesse de ler, é uma escolha sua, não me responsabilizarei.
↪ Há uma playlist nas notas finais, recomendo que a ouça para melhor experiência.
Todos os avisos foram dados. É um prazer lhe contar essa estória!
-----------------------------------------------

AAAAAAAAAAA 100 FAV, OBG OBG OBG OBG.
Vocês não sabem o quanto isso significa pra mim! Dar seu tempo para tentar deixar o mais perfeito possível não é fácil, e fico agradecida por estarem reagindo bem a toda estória :')
Hoje o cap está focado quase inteiro no Taehyung. E mais algumas coisas são reveladas de leves, basta prestar atenção.
Eu espero que gostem.
AVISOS: recomendo que comecem com a música "Blackout" da playlist, para melhor experiência!
Tenha uma ótima leitura, bolinhos ><

Capítulo 7 - Sexth Blood Drop


Fanfic / Fanfiction O Sangue da Vingança - Capítulo 7 - Sexth Blood Drop

Na vida tudo tem um propósito, nada acontece por acaso. Mesmo que as coisas ruins sejam constante em sua vida, tudo tem um porquê. Muitas vezes reclamamos e procuramos uma razão. Em um momento das nossas vidas iremos nos questionar sobre a nossa existência e perceber que se vivemos é apenas para um propósito, seja lá qual ele for.

Era assim que Taehyung se sentia, estava se questionando até das mínimas coisas e várias vezes em sua mente se repetia uma única frase:

"Eu não quero mais viver".

Ele chorava sentado, suas mãos cobriam sua face, mas seu choro não se cessava sequer um segundo. Pela primeira vez sentiu-se vazio, ele era apenas parte de um plano maior e sua vida toda foi apenas dedicada a isso. Taehyung não podia amar, não podia viver livre daquele palácio, muito menos ditar os próprios passos.

Estava cansado. Não podia confiar em ninguém e a pessoa que mais amou agora o odiava por ter mentido, por ter sido manipulado a mentir.

Ele soluçava como um bebê e se sentia inútil por isso, a frustração lhe preencheu e a dor aumentou mais em seu peito. Kim Taehyung agora estava sozinho.

Ou nem tão sozinho assim...

De longe Jimin podia vê-lo. Estava confuso com toda aquela situação, a última coisa que pensou em ver o Kim fazer, era chorar.

Sentiu pena; realmente algo sério tinha acontecido para Taehyung estar daquela forma. Queria ajudá-lo, mas o que lhe incomodava tanto era o orgulho. Nunca se quer fora íntimo do garoto e tinha seus motivos para isso.

Achava o Kim insuportável, que apenas servia para roubar a atenção de Jungkook para si, enquanto o citado o dava tudo, só para que ele vivesse uma vida boa. O príncipe Park sempre se sentiu muito irritado com essa situação. Kim Taehyung não passava de um interesseiro para si, porém naquele momento seu coração estava implorando para que movesse seus pés e fosse até lá. 

Reparara mais cedo que suas mãos se tocaram e permaneceram um bom tempo por ali, e isso não tinha mal nenhum em seu ponto de vista, afinal seu coração novamente lhe ditava o que devia fazer e dessa vez mandou que permanecesse, sentindo o suave toque alheio.

Sentou-se do lado do loiro e pousou uma de suas mãos em seu ombro, assustando o Kim, que arregalou os olhos ao encontrá-lo ali. Como o Park havia previsto, ele estava com o rosto totalmente molhado, seus olhos tinham um pigmento avermelhado, e seus lábios – por incrível que pareça, Jimin reparou neles – estavam molhados pelas lágrimas.

- O-o que estás fazendo aqui? – sua voz saiu falha, mas o príncipe estava tão inerte aos olhos avermelhados deste que ao menos se incomodou em reparar.

- Eu... – tentou achar palavras, mas era difícil de conversar com Taehyung sem atingi-lo de alguma forma. – Vi que estavas aqui e pensei que poderia lhe consolar. – sua voz saiu baixa por conta de seu orgulho. Virou o rosto para o lado tentando privar o loiro de olhá-lo sem jeito, mas esse não estava preocupado com isso, apenas sorriu fraco ao ver que Jimin não era tão mal assim.

- Acho que não tens muito o que fazer, estou sozinho e prefiro permanecer assim. – foi rude por impulso e o Park suspirou já desistindo da ideia de ser legal com o maior.

- Então tudo bem, sofra sozinho, Taehyung. – levantou-se com desdém, mesmo que seu orgulho agora estivesse totalmente ferido. Era difícil de conviver com o outro e sua paciência já não era muito das boas. Ao começar a andar, logo parou. Arregalou os olhos e engoliu o seco; seu pulso estava sendo segurado pelo loiro.

- Não! – gritou rendido. Não queria ver o príncipe longe de si novamente, isso o machucava todos os dias. – Me desculpe, eu somente não sei lidar com essa situação. – sua mão agarrava o pulso alheio com força e Jimin não contestou, sabia que também não era delicado com o loiro, por isso decidiu virar-se mais uma vez e sentar, sentindo o olhar de Taehyung sobre seus movimentos.

- Aconteceu algo? – disse receoso, e mesmo que aquela pergunta fosse a mais óbvia possível, fazia diferença para o outro. O Kim suspirou e mirou seus olhos ao chão. Não sabia como contar os acontecimentos, e por mais que quisesse desabafar com alguém, não podia.

- Eu e Jeon brigamos. – sua voz soou baixa, não queria admitir aquilo, pois a dor parecia se intensificar mais com as palavras ditas.

- Brigaram? – Park estava absolutamente surpreso, jamais os dois haviam sequer discutido; e se isso aconteceu agora foi por um motivo muito sério, imaginou.

- Sim, ele acredita que sou um traidor e interesseiro. – algumas lágrimas deixaram seus olhos e rolaram por seu rosto; nunca imaginou dizer aquelas palavras.

Jimin por mais que concordasse com o príncipe nada falou. Apenas não aguentou ver o maior chorar e o abraçou sem aviso prévio. Ele podia ser ruim com o garoto, mas seu coração ainda permanecia bondoso.

Taehyung, ao contrário dele, estava surpreso e aquele calor dos braços alheios só fez com que desabasse mais e o abraçasse de volta. Seu choro molhava cada vez mais a camisa do príncipe, e este afagava os fios loiros em consolação.

- Eu não entendo. Eu não consigo entender! Tudo a minha volta parece estar desmoronando e eu não sei mais o que fazer. Eu não sou capaz de ser habitado por tantos segredos assim. – sua voz era abafada pelo tecido, mas estava firme e entristecida. – Eu não sei se devo continuar a viver. – jogou as palavras ao vento sem se preocupar, no entanto Jimin o largou imediatamente e segurou o rosto do loiro com as duas mãos.

- Estás maluco? – se indignou, e o olhou desacreditado. – Sua vida é tão preciosa quanto a do Jeon e a minha junto. Não digas nunca mais isso! Vosmicê está me entendendo?! – ele estava furioso e suas palavras saíram mais firmes do que planejava. O encarava com os olhos semicerrados, e com suas mãos pôs-se apertar o rosto de Taehyung, não a ponto de machucá-lo.

Kim ficou sem reação, abriu e fechou a boca diversas vezes, mas não sabia o que falar, fora uma surpresa e tanto e isso só aquecia mais seu coração. Reparou em cada pedaço de Jimin, seus olhos, suas bochechas cheias e sua boca carnuda. O aperto já fazia seu rosto formigar nas partes tocadas e por um momento hipnotizado na beleza do príncipe não pensou em mais nada. Não pensou nas brigas, nas mentiras, nos planos, muito menos a dor em seu interior. Exclusivamente, só vinha o Park em sua mente.

E com pressa tomou os lábios fartos, e neste instante fechou os olhos desfrutando do toque ingênuo da sua parte. Tirou as mãos de Jimin de seu rosto e os puxou para trás de modo que o mesmo se aproximasse mais. O citado não sabia o que fazer, jamais imaginou que Taehyung o agarraria, visto que deixava bem claro a todos sua heterossexualidade. Mas não o afastou, sentiu os lábios do outro envolver o seu e apreciou aquela sensação.

Infelizmente, aquele toque não durou muito. Jimin o empurrara com brutalidade e o encarava com repulsa.

Tinha desfeito de todo seu orgulho para consolá-lo e recebera isso em troca?

- Você acha que eu sou um pederasta* para beijar-me? – indignou-se mais uma vez.

- E-eu... M-me desculpe... Eu só... – sua garganta começou a arder e algumas lágrimas novamente se formarem em seus olhos.

- Cale-se! – ordenou. – Eu sinto nojo de vosmicê. Aparte de mim, pois não sei o que sou capaz de fazer com essa sua cara impudente. – bradou sentindo o sangue de seu corpo ferver.

- Jimin, não é isso! Por favor me ouça! – não conseguiu segurar mais o choro e se viu sozinho mais uma vez.

- Quer saber? Morra, eu não me importo mesmo. – suas palavras foram tão duras que chegaram a perfurar o coração do jovem com grande facilidade. E se antes estava desolado agora se sentia muito mais.

- Vai embora! Some daqui! – gritou com toda raiva existente em seu corpo. Agora quem sentia repulsa era Taehyung, repulsa daquela ignorância que habitava o príncipe. – Eu que te peço, SUMA DAQUI AGORA, JIMIN! – o encarou com ódio. Sua voz se encontrava completamente grave e abaixo de seus olhos algumas veias negras iam se formando. A raiva do moreno era tanta que ao menos percebeu estas características e o que mais queria era se ver longe do garoto o mais rápido possível. Não pensou duas vezes e virou-se indo embora. Deixando que a dor de Taehyung só alastrasse mais e mais em seu interior.

...

Mágoa. Jeon a sentia com intensidade, seus pensamentos somente se prendiam na decepção, e a incredulidade se fazia presente entre os fatos recentes. O pranto cessou-se rapidamente, e a passos firmes decidiu seguir para a cozinha a procura de Nequitia. Queria questioná-la, bater de frente com a garota e tentar entender para que propósito ela o fazia de brinquedo. Pedia para que se afastasse, mas continuava a atormentar seus sonhos e pensamentos. E quando era inteiramente dominado a mulher sumia e ainda deixava mais mistérios e segredos para que atormentasse seu ser.

Taehyung já mentira o bastante, o que seria então de sua irmã? Com certeza se sentia usado e isso não lhe agradava nem um pouco.

Ao chegar na cozinha nada encontrou, estava vazia, sem nenhum rastro da vampira. Perguntou a todas as servas, e nenhuma delas souberam lhe responder. Foi até o quarto da jovem, vasculhou cada canto daquele cômodo, apenas tinha algumas mudas de roupas e sua cama corretamente arrumada.

Já fazia uns dias e nada mudará, Nequitia só podia saber exatamente o horário que o príncipe iria procurá-la, pois até mesmo na hora da refeição ser feita ela não se encontrava lá. A comida estava pronta e algumas servas apenas a esquentava para servir.

Ao decorrer dos dias perguntava diversas vezes a Yoongi se tivera notícias da jovem, mas nada lhe era contado. Realmente Nequitia estava fugindo de si.

Em uma das procuras pela floresta - informação dada por alguma serva - acabou por se encontrar com um homem um tanto desconhecido. Ele era alto como o príncipe e tinha os fios de seu cabelo enrolados, e um olhar completamente intimidador. O homem se vestia bem, não parecia sem importância e isso lhe deixou intrigado.

- Príncipe! - exclamou o desconhecido se curvando com uma de suas mãos nas costas.

- Te conheço? - semicerrou os olhos questionador.

- Ora, claro que não! Mas teu pai me conheces muito bem. - um sorriso se formou, mostrando que era alguém gentil. Jungkook estranhou, mas não deu muito importância. - Sou Min Kyung, prazer.

- Acho que não preciso me apresentar, não é? - riu acanhadamente. - Bom, eu preciso resolver algumas coisas. Por acaso vosmicê viu alguma moça de cabelos brancos? - perguntou na esperança de que este tivesse a visto.

- Não. - negou com a cabeça. - Não vi nenhuma mulher por aqui. - mentiu.

- Oh, tudo bem. Mesmo assim obrigado! - sorriu. - Até mais. - virou-se e partiu com seu guarda-costas.

...

Jeon caminhava pelo jardim, já esquecera de quantos dias passaram e nenhuma notícia de Nequitia havia encontrado. Achou que a garota tinha apenas lhe usado e esse pensamento o deixava louco. Mais a frente avistou um capuz perolado balançar com o vento, com certeza era uma mulher, porém um pingo de esperança assolou seu interior. Queria que fosse a garota dos olhos misteriosos.

Impulsivamente correu o mais rápido que podia, não sentia cansaço por isso e muito menos falta de ar, ele desejava que cada pedaço do seu ser fosse entregue novamente a quem já pertencia.

Parou ao chegar perto o suficiente, e ao tocar no ombro alheio assustou-se.

Não era a Capuz Vermelho.

Recuou dois passos e tentou gesticular alguma frase, mas o susto fora tão forte que acabou por perder as palavras.

- Jeon. - a voz suave se fez presente e um sorriso doce formou nos lábios da mulher a sua frente.

- Lee SeEun? - franziu o cenho instantaneamente confuso. - O que está a fazer aqui? - sua voz continha incredulidade.

- Vim ver o rei, ora. - seu sorriso permanecia intacto.

- Eu mandei se manter afastada de mim, disse que obedeceria qualquer ordem minha. Por que está aqui, SeEun?! - perguntou bravo. Ela riu e deu dois passos a frente encostando ambos corpos.

- Estava com saudade de seus toques. - sussurrou no ouvido de Jeon, desestabilizando-o. Jungkook respirou fundo, aquela mulher tinha um dom para encantá-lo com seu jeito sensual, porém não deixaria ser encantado desta vez.

- SeEun, se afaste. - pediu calmamente, colocando suas mãos nos ombros da garota, lhe empurrando levemente. - Eu não te darei o que tanto quer. Já passou o nosso tempo, eu estou com outra e você tem que aceitar isso dessa vez!

- Eu não acredito! Como pode me trocar assim novamente? Será que eu terei que matar mais uma outra vez?! - gritou inconformada.

- Se mantenha longe de mim e de qualquer um que há ao meu alcance, SeEun! Ou eu te mato com minhas próprias mãos! - fixou seus olhos no da garota e ela sentiu-se rasgada por alguns segundos. Jeon sabia como machucá-la facilmente. - Já basta ter lhe livrado da morte por inúmeras vezes. Saia daqui! - ela permaneceu imóvel no lugar ainda inconformada. - Eu mandei sair! - esbravejou mais uma vez e ela recuou amedrontada, deixando o jardim imediatamente.

O príncipe suspirou liberando toda sua raiva. Aquela mulher era um verdadeiro inferno e isso acabava o afetando mais do que preferia.

Sabia que ela não o deixaria em paz novamente, mas para manter sua mente um pouco tranquila decidiu pensar que ela nunca mais voltaria ali.

...

Joseph, um servo qualquer, mas que portava um belo corpo, andava apressado pelos corredores do palácio. Cada vez mais se sentia perdido, tão perdido quanto sua mente. A cada passo dado mais ecos se formavam no local e o silêncio já começou a lhe incomodar como nunca antes. Alguns segundos depois, ouviu passos atrás de si e no mesmo instante virou sua cabeça para trás vendo somente o corredor vazio. Talvez estivesse também assustado, porém algo mais forte o impedia de sair correndo.

Desceu alguns lances de escadas indo para o subsolo do local, encontrando a escuridão, mas nada que uma lamparina resolvesse, então a acendeu e seguiu seu caminho. Já muito longe, sempre observando se alguém lhe perseguia, chegou até aonde queria, a mulher que o hipnotizara. Ela tinha um sorriso muito lindo aos olhos de Joseph, mas ele continha uma maldade nunca antes vista por si. A mulher a sua frente vestia um capuz vermelho e se ele já sentia atraído por ela antes, agora muito mais.

O vermelho realmente chamava a atenção dos homens.

- E-eu vim, o que queres de mim? – o homem engoliu o seco enquanto a mulher se aproximava lentamente com os olhos fixos nos seus.

- Estava a pensar, a fome já me persegue por bons dias e você é a pessoa perfeita para este momento. – começou a observar atenta o corpo deste.

- Serei sua comida? – perguntou sem medo, como se estivesse hipnotizado e a Capuz Vermelho estava perto o bastante para segurar-lhe o maxilar.

- Sim, Joseph. – passou os lábios no pescoço rígido já sentindo o cheiro do sangue pelas veias do homem. – E nunca mais sairá daqui. – suas presas apareceram instantaneamente ficando no lugar onde mais amava nas pessoas. Pois era ali que toda sua fome saciava.

Num lugar mais escuro do subsolo, Min Kyung assistia tudo com um sorriso nos lábios. Como o Rei havia dito, algum vampiro tinha sim invadido o palácio e esta era Nequitia. Sentiu-se vitorioso, a entregaria e receberia a fortuna que lhe aguardava, sem mais demoras se pôs a correr dali.

Subiu as escadas já cantarolando uma música qualquer, com um sorriso de orelha a orelha. Queria tanto aquele dinheiro que a ganância abriu suas guardas e num instante já sentia sua garganta ser apertada com força contra a parede.

- Um caçador por aqui? Ora, eu achei que tinha matado todos eles. – um sorriso psicopata se fez presente nos lábios de Taehyung. – Mas com certeza tinha sobrado algum. Sempre sobra, pois meu divertimento é matar caçadores gananciosos, que nem você. – gargalhou mostrando sua alegria em encontrar alguém para descontar sua raiva. Kyung tentou falar, porém sua garganta estava sendo prensada tão a força, que sua cabeça já atingia um tom roxo claro. – Shh... – colocou o dedo indicador na boca do outro. – Apareceste bem quando eu mais precisava. Como eu devo matar-te, caçador? – mordeu o lábio inferior, pensante. – Asfixiado não irá ser tão legal. – soltou o pescoço de Kyung e deixou que ele recuperasse o fôlego. – Não vai correr? – franziu o cenho confuso.

O homem assustado paralisou alguns segundos com aquela pergunta, será mesmo que Taehyung pouparia sua vida? Então não deixou que sua chance fosse embora, começou a correr mesmo ainda tentando recuperar o fôlego. Mas não, o Kim apenas queria brincar consigo.

Kyung já um pouco distante olhou para trás ainda correndo e não viu mais o homem ali, contudo ao virar o rosto para frente sentiu uma pancada forte em seu tornozelo fazendo que seu corpo caísse mole no chão.

- Não consegue correr mais rápido, caçador? – Taehyung abaixou para olhar no rosto sôfrego do desconhecido e sorriu ao lembrar-se de algo. – Ah não, de qualquer forma não conseguiste correr mais que eu. Até porque eu sou um vampiro. – mostrou seus caninos divertido. – Eles estão afiados, não é? Amolei hoje. – brincou. Kyung olhava horrorizado com aquela descoberta, jamais achou que morreria por aquilo que caçava. Ele era um dos melhores da região e se fosse capaz de morrer com dignidade morreria.

- Oh meu Deus! – sua fala saira assustada, enquanto se rastejava para o mais longe possível do vampiro.

- Ei, volta aqui! – Taehyung falou triste ao ver o homem se afastar de si. Mas logo sorriu novamente ao se levantar e ver que estava a acontecer tudo o que queria. – Vai mesmo fugir de mim? Eu tinha jurado que minhas presas o atraíram. São tão lindas. – seu tom de deboche era visível e isso só deixava Kyung mais desesperado. Estava difícil sair dali apenas se arrastando, mas nada podia fazer com uma de suas pernas latejando de dor pelo osso fraturado.

- Saia de perto de mim! – gritou autoritário, mas desta vez quem estava com total domínio era Taehyung.

- Só porque eu gostei do seu cheiro? – fez um leve bico decepcionado. – Está fugindo de mim também porque gosto de homens? Ah o Jiminnie fugiu de mim por isso. – disse melancólico. – Mas tu não irás fugir de mim, caçador! – bateu com as duas mãos em ambas panturrilhas do homem segurando-as após isso. Kyung gritou de dor, as unhas afiadas fincavam sua carne cada vez mais o deixando quase inconsciente pela dor.

- SOCORRO! POR FAVOR, ALGUÉM ME AJUDE! - esgoelou o mais alto que conseguia. Pela primeira vez o terror lhe assolava. Então já que ninguém o ouvia optou pelo suicídio, era mais digno do que morrer por um vampiro qualquer que nem tinha uma alta classe entre eles -ou era assim que achava. Com muita dificuldade levou seus braços lentamente para dentro do terno e dali puxou uma estaca. – ME SOLTA OU EU IREI ME MATAR! – gritou virando o rosto para o vampiro que revirou os olhos, soltando as panturrilhas do homem e agarrando o pé de uma mesinha que tinha ali no canto, a quebrando.

- Já falaste demais, caçador. – foi irônico acertando-lhe a madeira em sua cabeça com força.

...

Kyung estava atordoado, um facho de luz incomodava seus olhos e sua cabeça aos poucos começara a latejar como outras partes de seu corpo. Tentou abrir os olhos com muita dificuldade, mas ao abri-los a claridade daquele facho quase o cegou. Piscou várias vezes para tentar se acostumar com ela e depois de alguns segundos avistou uma sala enferrujada abaixo de si. Arregalou os olhos instantaneamente ao perceber que seus braços estavam pendurados a correntes e seu corpo era pendido apenas por elas. Esforçou seus pulsos para de que algum modo as correntes soltassem dali, porém era uma tarefa impossível já que seu corpo dependia de seus braços para se manter no “alto”.

- A bela adormecida acordou. – Taehyung gargalhou desencostando suas costas da parede. – Era melhor não ter acordado. – sugeriu se aproximando.

- Me solte! Eu não fiz nada para ti! – em seus olhos se formaram lágrimas, desta vez não tinha escapatória.

- Exatamente, não para mim. – o encarou. – Mas para minha irmã, caçador. – pegou uma faca afiada da pequena mesa que tinha ali e apontou para Kyung. – Já ouviu falar da morte de mil cortes? – perguntou vendo o homem arregalar os olhos e começar a perder o fôlego. – Ela anda tão famosa por essas terras, com certeza deve saber. – um sorriso se formou em seu rosto. – Me diga, caçador, quem lhe mandou procurar Nequitia? – ele nada respondeu, não podia contar nada, era sua promessa como caçador.

Taehyung sem muita paciência manuseou a faca na mão e rasgou as vestes de Kyung, uma por uma, até que ele estivesse totalmente nu. O moreno tremia enquanto pingos de suor desciam pelo seu rosto, deixando seus cabelos grudados na testa. O Kim não esperou respostas, apenas posicionou a faca na coxa branca do caçador e arrancou-lhe um pedaço lentamente da carne, ouvindo-o gritar.

- Não vai me contar? – perguntou novamente.

- O Rei, foi ele que me pediu para encontrar vampiros pelo castelo! – disse apavorado, chorando mais ao sentir a dor piorar.

- Já estava a suspeitar de Nequitia, não é? – o outro demorou a responder e por causa disso Taehyung mais uma vez posicionou a faca no costela deste e começou a cortar a carne ali, puxando ela mais que era cortada. Kyung gritava tanto que era quase possível achar que a qualquer momento perderia a voz, e o vampiro assim que terminou jogou o pedaço de carne no chão, vendo muito sangue escorrer pelo corpo alheio.

- Sim, eu sabia! Por favor pare com isso! – implorou sem mais forças.

- Sabe, seu sangue é tão podre que eu nem ao menos sinto vontade de suga-lo do seu corpo. Uma última pergunta: Alguém sabe dela além de ti?

- Não, ninguém mais! – negou com a cabeça com urgência. Tinha medo de que fosse cortado novamente.

- Então tudo bem, acho que irei te libertar. – Kyung o mirou surpreso e com esperanças nos olhos. Poderia sair daquela tortura finalmente. – Podes mandar um recado para um amigo meu? – ele assentiu com pressa ouvindo atentamente. – Diga que eu mandei um abraço para Lúcifer, caçador. – e assim desferiu um único corte na garganta deste, sujando o rosto do vampiro com sangue. – Desgraçado. – proferiu largando a faca no chão a procura de um pano para limpar sua face.

...

Outra vez a noite parecia fria, e desta vez não precisava de mais nada para aquecer o corpo de Jeon. A quentura o acolhia nos sonhos, os quais estava tendo naquele momento.

“O céu já estava escuro e o tempo se tornava agradável, afinal de contas com Nequitia era impossível de algo não se tornar bom. Eles permaneciam deitados na grama de um campo, enquanto olhavam para as estrelas com atenção. Um sorriso se formava na face do príncipe, pois só daquela forma encontrava a vampira.

- Eu já estava com saudades. – confessou ainda sorridente. – Desta vez vosmicê demorou para aparecer em meus sonhos.

- Estive ocupada por noites, não me culpe por isso. – o fitou e riu, deixando Jeon desconcertado.

- Seu sorriso é lindo, Nequitia. – sentiu-se hipnotizado pela mulher.

- Por que continuas atrás de mim? – o questionou mordendo o lábio inferior, para prevenir um sorriso novamente.

- Eu não posso mais viver sem sua presença. Será que estou apaixonado? – franziu o cenho confuso. Nequitia apoiou em um de seus cotovelos e virou de lado para Jeon, colocando sua mão livre na testa do outro.

- Oh não, deve apenas estar ficando louco, meu príncipe. – dessa vez deixou um sorriso escapar, o qual Jungkook amava tanto. E sem cerimônia puxou a nuca da mulher para um beijo caloroso.

- Se não parar de me provocar irei enlouquecer mais. – falou com dificuldade entre os beijos.

- Quem saiba assim vosmicê combine comigo. – mordeu o lábio de Jeon e direcionou a cabeça mais para frente, a fim de aprofundar o beijo. Sentiu a língua do mesmo raspar-se com a sua e não deixou de evolve-la formando um ósculo.

A vampira sem perder tempo, pulou em cima do moreno colocando ambas pernas ao lado do quadril do mesmo, e tomou controle de tudo ao rebolar no membro já rígido.

- Nequitia. – arfou ao sentir os lábios dela descer seu pescoço.

- Shh... – rebolou friccionando com mais força ouvindo um gemido do jovem.”

Acordou assustado, impulsionando seu tronco para frente em um solavanco, e expirou o ar o quanto podia. Seu pênis latejava com força na calça e isso estava a incomodar ele de uma forma absurda, sua pele pingava suor e suas mãos coçavam para tocar no lugar dolorido.

Aquela mulher o deixava assim até em sonhos.

Não pôde evitar e levou sua mão esquerda para debaixo da calça, a fim de aliviar-se. Puxou o membro rígido para fora do tecido, e ao tocar em seu falo gemeu de tão sensível que se encontrava o local. Começou com movimentos lentos arfando baixo e fechando os olhos, em sua mente só via a vampira o torturando de modo dolorido e sendo má da forma que começara a gostar ao experimentar da dor.

Queria ser tocado pelas mãos pequenas de Nequitia, ser punido sem razões e se fazer completamente submisso a ela. Necessitava mais do que encontrá-la em sonhos, precisava do toque real, do cheiro de macadâmia que ela exalava. Lembrar disso o excitava tanto, mas antes que pudesse jorrar seu esperma para fora de si foi parado por uma mão em seu pulso.

Abriu os olhos desesperado e encontrou ali quem mais queria no momento e em um só movimento atacara a mesma colando as costas alheias na cama enquanto a beijava fervorosamente. Nequitia tinha amado aquela atitude por mais que amava mais o controle, porém realmente tinha sentido falta daquele beijo. Contudo não durou muito tempo, já que ela virara ele tomando o controle, prensando os pulsos do príncipe no colchão.

- Estava se tocando sem minha permissão, Jungkook? – perguntou com um sorriso safado bem próximo dos lábios de Jeon. 

Que menino mal, acho que terei que puni-lo.


Notas Finais


Pederasta*: é como era chamado antigamente a pessoa que praticava o sexo com um homem, para assim não dizer "gay" (Até porque o termo foi inventado muito tempo depois).

PLAYLIST:
Spotify: https://open.spotify.com/user/mim_dead14/playlist/6ZBFvI9jc7aOdgYK3WZHWv
Youtube: https://www.youtube.com/playlist?list=PL_8ziQ2havgtySRrj7GBO80WF4X9LVfLi
-------------------------------------------------
MDS COMO AMO O TAE ASSIM!
OQ ACHARAM? AHN? AHN? quero mto saber o que acharam do Tae vampiro.
Só pra avisar ele não é assim, é um homem muito carinhoso e feliz, porém quando mexem com sua irmã ai o negocio fica mais embaixo. Kahsjajs
E Vmin? Nossa foi triste tudo isso, sinceramente eu fico mal ao ver que Jimin é um hétero assumido :s
FINALMENTE KYUNG SE FUDEU GOSTOSO AI AI AI!
E esse final e.e já sabem até o que esperar ne? Disse que quando eu começasse não pararia, pois é.
Enfim meus amores, espero que tenham gostado e se gostaram me digam, conversem comigo u.u
Até terça-feira, leitores! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...