História O Segredo Daquela Noite. (Xiumin) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Visualizações 192
Palavras 1.804
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - 21


Fanfic / Fanfiction O Segredo Daquela Noite. (Xiumin) - Capítulo 21 - 21

 

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10... Contava mentalmente respirando fundo para não atender as ligações de Xiumin enquanto me olhava no espelho. Quando estava quase perdendo contra meu próprio eu ele desligou. Suspirei olhando a tela e depois o espelho daquele banheiro. Me assustei com o barulho da porta que foi aberta por Mindy. 

- Te assustei? Ela fez um cara de vergonha e eu neguei. - Quer conversar? Neguei novamente. 

- Hoje não, a única coisa que quero por um momento é parar de pensar no que aconteceu agora a pouco. 

- Tudo bem. Ela disse fechando a porta mas logo voltou a me olhar tentando dizer algo. -  Está com fome? Pela primeira vez naquela noite assenti. - Que bom, pois Chen acabou de cozinhar. 

- Obrigada. Forcei o riso e ela suspirou. 

- Deixei toalhas no quarto, tome um banho. Vamos te esperar lá em baixo. 

- Mindy. Chamei antes de sua saída, ela me encarou. - Obrigada por me deixar ficar aqui. 

- Não precisa agradecer. 

Fui para o quarto pegar as coisas que Mindy me emprestou e voltei ao banheiro para tomar um banho. Estava toda molhada por conta da chuva. Ao ligar o chuveiro senti uma enorme vontade de chorar, e não segurei dessa vez. Chorei tudo que não tive coragem de chorar na frente dos outros. 

Tinha raiva de como Lay, Chen e Mindy me encaravam naquela noite, conseguia ver o quanto sentiam pena de mim e isso não é nem um pouco legal. Tinha vergonha de pensar no que eles pensavam sobre mim naquele momento. 

"Coitada, a menina que se apaixonou pelo professor. Não sabe nada da vida e nem do amor."

Ao terminar de encarar toda aquela frustração, desci para a sala e os vi sentado na mesa. Chen abriu um grande sorriso e me convidou para jantar, retribuí o gesto e me sentei na mesa. Mindy me serviu e comi em silêncio. Fico mal por parecer antipática, mas nessa situação acho que eles me entendem. 

- Pode ficar aqui quando quiser Soon, a gente não liga. Disse Chen e sua esposa concordou. 

- Obrigada novamente, mas é só por hoje. Infelizmente minha amiga escolheu o dia errado para pedir o seu ficante em namoro. Arregalei minhas sobrancelhas e suspirei fundo. 

- Fico feliz pelos seus amigos. Disse Mindy.

- Eu também. 

O resto do jantar Jongdae e Mindy conversaram entre si já que perceberam que não queria ser gentil ao puxar assunto naquela noite. Ao ajudar Chen lavar os pratos mesmo depois que ele recusou milhares de vezes eu subi para o quarto no qual Mindy me acomodou. 

Ao entrar lembrei que meu celular estava no banheiro e ao pegar percebi que tinha descarregado. Ótimo, sem ligações de Xiumin.

Sabia que ele já saberia onde estava pois estou na casa do seu melhor amigo e era óbvio que ele contaria. 

Deitei minha cabeça na cama, e pela primeira vez durante meses me senti completamente sozinha. Não queria pensar no ocorrido mas tudo me levava as lembranças. 

 

 

- Jagiya. Xiumin disse novamente e se aproximou. Eunha entrou e foi para cozinha deixando eu e ele a sós. - Desculpa por isso, eu não sabia. 

- Deveria ter me avisado assim que ela chegou, eu não teria...

- Por isso não avisei. Sabia que não viria se soubesse. 

- E você ainda sim preferiu que a gente se conhecesse. 

- Eu queria que ela soubesse sobre nós. Ele disse sem graça e coçou a nuca. 

Queria que ela soubesse? Mas eu não queria. Encarei ele furiosa e o vi ficar incomodado. Ótmo agora ele sabe. 

- Sinto muito. Sussurrou mais para si do que para mim. 

- Acho melhor eu voltar depois. Ia embora mas senti sua mão agarrar meu braço. 

- Fica, ela vai embora. 

- Não quero me frustar com isso. Disse baixo e o ouvi suspirar, ele se aproximou e selou seu lábio ao meu. 

- Não vai, eu prometo. Ele me puxou para dentro de casa e eu me acomodei no sofá enquanto o vi subir as escadas. - Eu vou pegar uma coisa e já volto. 

Não faça isso Xiumin. Não me deixe sozinha. Quando o vi desaparecer, peguei meu celular só para parecer que estava fazendo alguma coisa. Entrei no Instagram e vi uma foto de Baek com Na, sorri ao pensar que a noite de alguém está melhor que a minha. 

- Finalmente conheci a namorada. Disse Eunha saindo da cozinha. 

- Finalmente conheci a ex. Sorri ironicamente. 

- Mulher. Ela falou. - E única. Ou acha mesmo que ele vai casar com você? 

- Não pretendo me casar, então... Dei de ombros. 

- Que bom, pelo menos não vai sofrer tanto quando se separarem e ele ficar com outra. 

- Olha Eunha. Falei me levantando. - Não sei quais são suas intenções ao dizer isso para mim mas não se faça de vítima, todos sabem que foi você que deixou Xiumin. 

- Sim isso é fato. Mas olhe só, ele se envolveu com uma mulher antes mesmo de assinar o divórcio. Não espere muito dele, não vai demorar muito para ele achar sua nova substituta. 

Aquela frase me fez lembrar da infância. Certa vez minha madrasta visitou a nossa casa, eu tinha apenas oito anos quando presenciei a briga de minha mãe e dela. Minha mãe disse a mesma coisa que Eunha, e pela primeira vez me senti como amante. E não era isso que eu queria, nunca pensei que seria como minha madrasta. 

- Você não sabe nada sobre nós. Disse e fitei o chão, pela primeira vez recuando.

- Não sei de você mas sei dele. Acha mesmo que ele esperou 8 meses por você? 

Como ela sabe disso? Claro, Mindy. Elas se falavam na época. 

- O que quer dizer com isso? Perguntei confusa e dei dois passos para trás espiando a escada e verificando se Xiumin estava perto.

- Tão ingênua. Ela riu. - Minseok nunca fica sozinho, ele odeia acordar só na cama então qualquer vadia se acomodou aqui durante esses meses. Ele não te contou? Ela colocou a mão na boca e fingiu estar surpresa. 

- Eunha vá embora. Minseok disse enquanto descia as escadas. 

- Você achou o meu anel? Ela perguntou indo até ele. 

O mesmo abriu sua mão colocou o anel na palma e a empurrou pelos ombros para fora de casa. Quando entrou fechou a porta e me encarou. Eu o olhei confusa tentando buscar alguma resposta para tudo isso. 

- Não é o que está pensando jagiya. 

- Não foram seis né? perguntei me lembrando do dia em que ele me contou que só tinha transado com seis mulheres em toda sua vida. 

- Se eu dissesse isso a você teria ficado comigo? Teria me perdoado mesmo sabendo que eu não te esperei da forma certa? 

- Da forma certa? Solucei pois não aguentava mais segurar o choro, mas limpei a lágrima que escorreu com meu dedo indicador. - Eunha tem razão no final das contas. 

- Não diga isso. Vi seu semblante ficar sério. 

- Eu querendo ou não fui sua amante ao ficar com você naquela noite. 

- Isso não tem nada a ver. Ele tentava justificar. 

- Agora eu entendo... Você queria que ela me visse para parecer forte com a separação mas no final das contas você se importa tanto com o que ela acha de você Minseok. 

Ele arregalou seus olhos marcantes e fechou suas mãos. Passou uma mão pelos cabelos negros e suspirou. 

- Você entendeu tudo errado, merda. O vi socar a parede. 

Peguei minha bolsa e fui até a porta. 

- Tá tudo bem, nós dois sabíamos que não daria certo. Eu não sei de onde achei esperança para isso. 

Sair naquela noite chuvosa frustada comigo mesma não me pareceu uma boa ideia, mas era a minha única opção. Não queria esperar um táxi pois sei que Xiumin tentaria me levar de volta e sei que aceitaria pois o amo muito e qualquer coisa que ele dissesse iria me fazer querer voltar e minhas esperanças subiriam novamente. 

Resolvi pegar um ônibus. E naquela altura eu já não me importava mais com a chuva pois sem ela não conseguiria disfarçar meu choro. Me lembrei que infelizmente não teria onde dormir já que o ap é de Nayoung hoje. Droga. 

Vi um carro parar ao meu lado e já estava pronta para correr quando o vidro foi abaixado revelando a imagem de Lay. 

- Está maluca? Vai pegar um resfriado. Ele abriu a porta e eu entrei. 

- Tudo bem, não seria uma má ideia faltar ao trabalho. Sorri. 

- Quer que eu te deixe na casa do Xiumin? Neguei desesperadamente o fazendo rir. - Brigas? 

- Sim. Respondo rápido e observo a janela. 

- Onde quer que eu te deixe, sua casa? 

- Não. Falo e começo a chorar pensando em onde dormir. 

- Meu Deus, porque está chorando? Ele tentava me encarar mas não conseguia prestar atenção a estrada e em mim ao mesmo tempo. 

- Eu não sei. Disse derrubando ainda mais lágrimas. 

- Já sei o que vai te fazer bem. Ele sorriu mostrando sua covinha e por um momento naquela noite me senti bem. 

Lay me levou ao restaurante para comer, mas quando Chen me viu toda molhada ele ficou bravo com Yixing por não me levar para casa. 

- Está doido? E se ela fica doente? Xiumin te mata. Disse Chen e depois me encarou. - Bom te ver. Olhou para mim e sorriu. 

- Ela não quer ir para casa. Lay justificou. 

- Não tenho onde dormir essa noite. Finalmente expliquei e suspirei. 

- Pode dormir na minha casa, Mindy não vai se importar. Assenti. 

Antes de ir ele me deram uma toalha e chocolate quente, pediram para eu explicar o que tinha acontecido eu contei sobre Eunha. Eles me encararam com cara de dó depois que revelei que descobri sobre as noites de sexo que Xiumin escondeu de mim na nossa brincadeira de perguntas. 

- Somos suspeitos para falar de Xiumin... Mas ele tem motivos... Respondeu Lay. 

- Mentir nunca é motivo. Teria o amado do mesmo jeito sabendo da verdade.

Depois que tentaram me convencer que Minseok tinha um motivo eu pedi para ir embora. E foi assim que fui parar nessa cama solitária. Tão grande e confortável e ao mesmo tempo vazia e angustiante.

Acordei no dia seguinte e ao menos conseguia abrir meus olhos. Peguei meu celular que estava carregando ao lado e olhei a hora. 

10:36 

Ótimo perdi a aula. Rolei meus olhos e me levantei e depois de esfregar mais um pouco os olhos vejo que Minseok está sentado na cadeira em frente a cama. 

- Temos que conversar. Ele disse se levantando. 

Continua...
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...