História The secret of Chrystal - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Ficção, Romance, Shoujo
Visualizações 69
Palavras 1.011
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nice tô meet you. Essa é a minha primeira fic. Espero que gostem.
Mas antes não poderia comentar que elaborei essa fic com a finalidade de juntar duas coisas no qual eu gosto e que tenho uma total facilidade em escrever (Sim estou pensando em vocês leitores). Eu queria destacar o fato de até um determinado ponto da história atingir um ápice totalmente original, mas logo ao final misturar com a saga de livros da Kiera Cass. Sim, estou me referindo a seleção. Até que não chegue esse determinado ponto, vou deixar a fic fazendo parte da categoria originais, e quando chegar vou colocar como originais e também a seleção. Estou fazendo assim para que não haja confusão e até desentendimento do tipo "Cadê a América e o Maxon na história" hahahaha
Espero realmente que me entenda. Enfim boa leitura.

Capítulo 1 - Dear diary


Fanfic / Fanfiction The secret of Chrystal - Capítulo 1 - Dear diary

Querido diário.
Estou me dando um recomeço, uma nova página em branco, onde eu possa idealizar o que espero para essa nova etapa. Deixarei as folhas velhas guardadas na gaveta, onde eu não as folhearei mais. Torço para que cada amanhecer, se de com uma história bonita a ser contada.


Primeiramente, vou-lhes contar minha história.
Me chamo Chrystal, tenho 16 anos, e moro com meu avô, num vilarejo, muito distante da cidade, onde só é possível chegar atravessando o rio.
Giusephi (meu avô) me maltrata, batendo e me obrigando a atender-lhe seus favores. Ele começou a agir assim por conta com o ocorrido com meus pais.

Foi a exatamente sete anos atrás, onde eu estava junto com eles num cruzeiro de férias. Eu era muito pequena então, não lembro detalhadamente o que aconteceu, mas o navio entrou em naufrágio, e todos ao meu redor entraram em desespero, uns até chegaram a pular do navio, com a esperança de tentar sobreviver, o que só os levou ao fracasso, pois a região onde estávamos era considerada área de perigo.

Eu ainda tenho a memória dos meu país falando que ia ficar tudo bem e que eles me amavam, e nada me atingiria se eu estivesse com a pedra pendurada ao meu pescoço (era um amuleto da sorte, ou ao menos era o que eu acreditava). Meus pais acabaram morrendo em minha frente, ao tirarem seus coletes para me salvar, eu estava completamente apavorada, pois eles já não escutava meus gritos e pedidos para ficarem ao meu lado, rapidamente vejo seus corpos boiando na água.
Depois disso eu não lembro de mais nada a respeito, meu avô disse que eu cheguei a costa do mar horas depois do navio afundar. Acredito que eu tinha desmaiado na hora e só acordei quando estava em terrrar firme. O mais impressionante sobrevivi sob o comando de um milagre.

Meus pais haviam deixado além da pedra, um balanço de madeira numa árvore onde o qual eu a amava. Todas a tardes eu ficava me balançando, tentando esquecer um pouco do mundo.

Quando estava ao ponto de dar uma ênfase na minha história, meu avô veio a até mim.

-Chrystal, eu já não falei pra você arrumar as folhas que caiu das árvores no chão? Quantas vezes eu preciso falar?
Só fica nesse balanço estúpido, sendo que há várias coisas a se fazer.
Você vai ficar sem comida por hoje, para aprender uma lição.

Eu estava acostumada com isso, tinha dias no qual, que me deixava trancada no quarto o dia inteiro. Agradeci a Deus por ficar só sem comida, afinal eu não tenho fome frequentemente, e outra que ninguém merece ficar sozinha no quarto olhando para o teto.

Apenas afirmei com a cabeça, com o intuito de já estar indo arrumar


Foi o momento em que ele me puxou do balanço e cai rapidamente no chão. Ele pegou uma faça e cortou a corda do balanço.

Fiquei perplexa, sem fôlego para dizer uma palavra se quer. 

- Como eu já havia falado você vai aprender uma lição querendo ou não. Porque seus pais você obedecia e comigo não?

Pensei em falar que eu o odiava, e que fazia as coisas pelos meus pais por prazer e não por obrigação.

Foi quando ele me encarou e continuou.

- Agora eu sei de onde você puxou, sem pai era exatamente assim, um completo estúpido, só pensava em si.

-Você não tem o direito de falar assim do meu pai, você nem o conhecia, quando íamos sair juntos você o ignorava e conversava somente com a minha mãe.

Ele assentiu com a cabeça. E continuei.

- O completo estúpido aqui é o senhor!

Rapidamente ele me da um tapa, e me segura fortemente pelo pulso e diz:

- Ora, ora, ora, está se revelando. Você vai ficar de castigo, para aprender a respeitar os mais velhos. 

- Que engraçado, o senhor falando de respeito sem nem ao menos saber o significado. Continuei. Respeito é somente pra quem merece, ao contrário de você. 

- Está querendo morrer garota?

- Eu só não acho justo essa forma com que o senhor me trata. Eu sempre faço de tudo por aqui, você sai de manhã e só chega de noite, e por uma coisa que esqueço de fazer, vem você com duas pedras para me atacar. 

- Até que você merece mesmo. Vamos, vai ficar de castigo e a propósito sem esse seu balanço também.


Foi quando ele o colocou em cima do mais alto galho da árvore para eu não conseguir pegar.

Logo em seguida, foi me arrastando para o quarto e deixou-me trancada a horas.

Comecei então a chorar, e peguei a minha pedra no qual meus pais haviam deixado.
Senti uma vibração forte, parecia que eles estavam ao meu lado ou algo assim. Isso me fazia sentir perto deles.

A noite já estava chegando, e eu estava começando a passar fome, pensei em escrever em meu diário para se distrair um pouco, mas nem isso eu tinha força.


                                      ☆

No dia seguinte quanto havia percebido que meu avô não estava em casa. Fui diretamente a cozinha, estava morrendo de fome (acho que a minha habilidade de ficar muito tempo sem comer estava acabando).
Percebi então, que não tinha nada para comer, apenas um suco do dia passado que eu havia feito, e umas bolachas meio murchas.
Olho para a janela e vejo aquelas belas maçãs, na mesma árvore onde estava meu balanço.

Decido então ir até lá. Mas a questão é, como subir nesse árvore? Fui até o sótão, onde tinha uma escada meio inferrujada, coloquei numa posição o qual eu achava que não iria cair. O que falhou pois quando eu subi, consegui cair em questão de segundos. Tentei, tentei, até que conseguiu pegar uma maçã, mas parecia impossível tirar meu balanço de lá.

Estava sentada na grama pensando em algo, quando ouço um barulho vindo em direção ao rio.

Vou ao encontro desse barulho e me deparo com algo incrível!

- Isso tá muito estranho, como que isso chegou até aqui? Será que as sereias realmente existem?




Notas Finais


Peço desculpas por ter sido longo, mas prometo que vou tentar manter um padrão que não fique tão cansativo. Deixei mais em forma de texto para vocês conhecerem um pouco da Chrystal.
Continuem acompanhando que vem mais surpresas por aí.
Opiniões são sempre importante para a mudança, é tanto quanto críticas que são construtivas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...