História The secret of Chrystal - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Ficção, Romance, Shoujo
Visualizações 27
Palavras 919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi gente. Peço desculpas se ficar muito cansativo, mas é porque eu precisei fazer essa adaptação. Continuem lendo que vem mais surpresas.

Capítulo 2 - O começo ou o fim da minha vida? (Part.1)


Fanfic / Fanfiction The secret of Chrystal - Capítulo 2 - O começo ou o fim da minha vida? (Part.1)

Estava a margem, observando aquela
belíssima cauda de sereia que tinha acabado de encontrar no lago.
Era algo totalmente incrível e ao mesmo tempo me dava medo. Era muito real para ser uma simples fantasia (as escamas a espessura, TUDO)
Tinha algo dentro de mim que estava me avisando para colocar a cauda.
Sem ao menos ter pensado coloquei sobre os meu pés e para a minha surpresa se encaixou perfeitamente.
Entrei no lago e senti maravilhosamente linda, era literalmente uma sereia. Nadei tanto que nem percebi a hora passar. O sol já estava se pondo e eu precisava ir pra casa.
Avistei uma pedra enorme perto da margem, resolvi então ir até ela. Mas o inesperado acontece, a calda não queria sair, parecia que minhas veias estavam ligadas às escamas, algo absolutamente bizarro. Tentei, tentei até que fiquei sem esperanças.

- Será que esse negócio não vai sair não? Grr

- Chrystal, onde você está? Acabei de chegar, quero minha comida pronta antes do meu banho. Estou imundo. Onde você está, que não me responde? Vai ficar de castigo, já está avisado.

Repeti para mim mesma que tinha que arrumar um jeito para tirar essa calda. Antes que meu avô me visse desse jeito.

- Aaah o que eu faço? O que eu faço? O qu.....

Surge uma criatura horrível da água, não pude conter meu grito.

- Aaaaaaaaaaaah, socorro! Eu juro que não fiz nada Sr. Demônio eu estava apenas.... Espera você é um demônio não é? Não pegue a minha alma por fav....

- Cale-se sua criatura maligna. Que direito você tem de usar essa calda?
Você acha que sou um demônio? Hahahaha não me mate de rir humano

- O q... o .. o que você é?

- Uma sereia minha querida não está vendo? A única diferença é que eu estou morta e você viva. Mas esse papel irá se inverter.

Perplexa, as palavras não saia da minha boca, eu estava completamente apavorada. Depois de um tempo a encarando tomo fôlego e as palavras saem com muita dificuldade.

- Desculpa eu não fazia ideia de que essa belíssima calda fosse sua. Retomo. -Pra falar a verdade eu pensei que não era de ninguém , eu moro isolada aqui ao lado dessa floresta. Pensei que veio rio abaixo até aqui.

- Como você é inocente garota. Isso me surpreende sabia? Mas como eu estou de bom humor hoje você não vai morrer de forma trágica.

-Morrer? Não por favor me desculpe. Eu moro sozinha com meu avô e ele é minha única família. Não posso deixar ele sozinho, ele vai morrer desse jeito.

- Que ótimo, mais uma alma pra minha coleção.

- Por favor eu imploro!

A criatura me encara, e depois retoma sua fala.

- Vou te dar um tempo a mais de vida. E vou-lhes contar minha história já que você não sabe quem eu sou.

-Primeiramente sou uma sereia, isso já está bem óbvio pra você não está?

Não respondi uma palavra se quer. Como aquela criatura era uma sereia? Sereias são lindas ou não são? Será que as histórias o qual eu ouvira minha vida inteiro tinha sido um engano?

A criatura com qual eu me referia continuou.

- Bom, me chamo Poison, e era uma garota assim como você. Eu tinha uns 16 anos quando fui assassinada, no ano de 1986.

Interrompendo-a perguntei.

- Como aconteceu?

Ela me encara e retoma.

- Eu era uma garota feliz, mesmo com dificuldades na família. Era filha única, mas meus pais não me davam atenção.
Até que um dia meu pai tinha voltado muito bêbado do bar, minha mãe não sabia o que fazer, na hora eu pensei que era uma coisa normal, até porque meu pai sempre bebia e voltava louco para casa. Mas esse dia algo estava diferente, ele começou a rir e ficava falando várias coisas que eu não entendia. Ele chegou a bater na minha mãe, e os dois começaram a discutir. Até o momento que meu pai pegou uma faca e foi pra cima da minha mãe. Na hora eu não pensei duas vezes e entrei na frente, momento exato quando a faca perfurou meu peito e atravessou até minhas costas. Tudo ao meu redor estava ficando escuro, minha mãe chorando ao meu lado e o bêbado do meu pai estava rindo como um psicopata. Meu sangue jorrava como uma fonte, e eu estava sentindo meu corpo fraco. Fechei os olhos e assim foi a minha morte.

- Meu Deus! Estou sem palavras.

- E não é pra ter mesmo.

Refletindo eu continuo.

- Mas, como você se tornou uma sereia?

Poison então me responde.

- Minha alma não pode descansar a não ser que eu consiga matar meu pai para que a minha vingança estava comprida. Mas eu não achei um jeito melhor para me fantasiar a não ser em forma de sereia.

Ela então continua.

- Além da alma do meu pai tenho que conseguir uma quantidade de almas suficientes para que eu possa me livrar disso tudo. Meu pai era um criminoso e como eu o incobertava tenho que pagar pelas pessoas com que ele matou.

Eu estava apenas descobrindo como realmente o mundo era. Como eu nunca tinha visto a cidade eu não achava que as coisas fluiam assim.

Sem paciência com o meu silêncio Poison então diz:

- Chega de discussões vamos ao que interessa! Preciso de sua alma, como você já sabe, e assim irei fazer. Está preparada para sua morte?




Notas Finais


Gente, eu resolvi deixar separado por partes porque ia ficar muito longo (Mas do que já está), então vai ter a continuação no próximo cap.
E aí o que acharam da Poison?
Quero muito saber da opinião de vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...