História O segredo de seus olhos - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Magia, Mistério, Nalu, Romance
Exibições 403
Palavras 3.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olha quem retornou das cinzas ! Uhuuu ! *Fugindo de pedras*
Bom queridos, estou de volta. Digamos que tive um bloqueio MONSTRUOSO em relação a essa fanfic, e quanto as outras como SWOL tbm estou bem se inspiração, mas seja como for, eu voltei !!

Ainda tenho leitores? Bom, espero que sim!

O capitulo não teve nalu, sei que estão loucos por isso, mas quero que entendam que as coisas não vão ser tão simples...

ENJOY!

Capítulo 29 - De Heroína a Assassina


A temperatura daquele dia havia caído alem do esperado. Lucy colocou suas roupas casuais, deixando cair por cima de seus pequenos ombros seu casaco preto que cobria toda a extensão de seu corpo, não se lembrava bem quando havia encontrado aquela roupa em meio a toda confusão, mas desde que a mantivesse quente aquilo seria o suficiente.

Os longos cabelos louros estavam soltos, formando uma cascata dourada que deslizava por suas costas até a metade da cintura. Passou a mão em sua cocha procurando pelo facão que sempre vinha a calhar em momentos de dificuldade e na sequência sentiu seu molho de chaves, suspirou tranqüila ao perceber que tudo já estava arrumado.

Olhou pela ultima vez o mapa que havia construído, estava totalmente memorizado. Pegou sua mochila com tudo que achava necessário para uma pequena caminhada. Respirou fundo, mantendo os olhos fechados, procurando processar as melhores lembranças de Natsu e sua mãe, concluindo o pensamento com um breve sorrindo no rosto que logo se quebrou ao lembrar que naquele mundo, sonhos estavam fora de questão.

- Vamos lá. – disse abrindo sua porta surpreendendo-se com a grande quantidade de neve que caia do céu azul. Havia algum Dragão do gelo por perto, no mínimo tentando matar algum individuo de frio para por fim se alimentar. Essa era a única justificativa plausível para toda aquela mudança de temperatura em tão pouco tempo.

Poupou sua respiração, ajustando sua mochila em suas contas, pisando na neve fofa com suas botas surradas, finalmente começando a caminhada em direção ao cais.

*x*

- Natsu, como estão às coisas por ai? – após um dia caminhando sem nenhum sinal de seus amigos da Terra 1 (havia nomeado sua terra como Terra 1 e aquele lugar distorcido como a Terra 2) , finalmente Gray havia entrado em contato.

- Apenas um arranhão até agora. – murmurou, satisfeito. Era estranho pensar que Layla havia o treinado para tantos supostos ataques, mas o dia já havia passado e até então apenas um único homem havia tentado matá-lo - Não sabia que existiam vilas por aqui... – comentou e Gray logo respondeu.

- Já chegou ao cais? Você não esta ai a passeio! – era ríspida a forma como Fullbuster falava com seu amigo, mas a verdade era que na Terra 1 a situação não estava tão boa quanto parecia. – O conselho esta enfurecido sabendo que alguém forçou a entrada no portal.

- Eu preciso de mais tempo e – parou de falar por um instante quando teve a visão turva de longos cabelos louros a sua frente. Sua respiração falhou.  – Lucy...?

-Você a encontrou? – Gray perguntou recebendo como resposta um longo silencio. – Natsu? – perguntou preocupado, mas logo Dragneel respondeu com um tom severo. A verdade era que estava começando a ter visões de Heartfilia, algumas vezes podia jurar ouvir sua voz, ou até mesmo sentir seu cheiro. 

- Preciso resolver essa merda logo – concluiu sem paciência e Gray pode perceber que o rosado havia se enganado e não demoraria muito até perder a paciência e explodir.

 

- Juvia chegou, entrarei em contato em breve, por favor, seja rápido – após tais palavras o rosado apenas pode apressar seus passos. Ele sabia que Lucy estava por perto, podia sentir o calor dela, era apenas questão de tempo até encontrá-la.

*x*

Lucy sabia que sua idéia mirabolante de aparecer no cais sem nenhum disfarce ou proteção seria um grande erro, mesmo assim tomou coragem e se meteu no meio de homens grandes, com marcas em toda a extensão de seus corpos. O cheiro de peixe misturado com álcool e suor era enjoativo, mesmo assim ela procurou não vomitar no primeiro barril que vira a sua frente.

A tripulação de Morgan estava à solta nas proximidades do cais, consequentemente o pirata deveria estar por perto. Não tardou muito até Lucy receber a primeira ameaça ao seu lado esquerdo, logo em seguida era possível perceber uma roda ao seu redor.  

Meu sangue colocou boa parte destes homens aqui.

Um homem sorriu, mostrando seus dentes amarelados praticamente podres, o que fez a loira sentir calafrios ao mesmo tempo em que se enjoava com tal situação. Percebeu aproximação de um outro que segurava um facão ensangüentado, instantaneamente apoiou sua mão direita em sua faca, o que fez com o homem desse uma pequena risada.

- Veio nos matar, princesa? – perguntou o mesmo com o facão.

- Como se não fosse o suficiente nos ter jogado nesse buraco. – outro pigarreou, cuspindo no chão, enquanto mastigava algo com a boca aberta, deixando Lucy um pouco mais enjoada.

Como conseguem ser tão nojentos?

- Foi ela? – um garoto um pouco mais novo, devia ter seus sete anos, perguntou para um homem que rasgava um peixe ao meio, e o mesmo acenou positivamente.

Lucy pensou em protestar.  Ela não havia causado mal nenhum a eles, muito menos a aquela criança. A verdade é que sua mãe havia criado aquela prisão, e muitas coisas ali estavam longe de corretas. Piratas não deveriam ser presos com criaturas mágicas. Eles eram assassinos, disso a garota já tinha completa noção. Mas se perguntava se havia real necessidade de serem presos ali? Pena de morte seria melhor do que viver até o ultimo dia de suas vidas em um mundo como aquele.

Então imaginou o quão imperdoável seria para uma criança, fruto de assassinos. Viver em um lugar como aquele, pelo simples fato de ter nascido, sem nem mesmo ter a chance de ser algo bom. 

Lucy sentiu o toque grosseiro de alguém em seu ombro, o que a fez instantaneamente torcer o pulso do mesmo que gritou agonizando de dor. - Matem-na! – o homem gritou, segurando sua mão com o pulso machucado.

Não eram necessárias muitas palavras para tal circunstancia, ela sabia que sua aparição causaria todo aquele conflito, só não queria que uma criança observasse toda a matança. Girou o corpo, enfiando seu facão no estomago de um dos homens que estava se aproximando com intuito de apunhalá-la pelas costas. Segurou sua arma dentro do abdome do mesmo que fazia a mímica de um grito ao mesmo tempo em que não conseguia deixar nenhum som sair de seus lábios, enquanto Lucy o encarava, com os olhos praticamente negros, sentindo a dor que o mesmo transmitia apenas com os olhos. Ela puxou sua faca com força de dentro para fora do homem e no mesmo momento se viu no direito de roupar a espada que o mesmo segurava, tendo em suas mãos duas armas cortantes.  Virou seu corpo para o restante dos piratas enquanto ouvia o outro cair no chão, morto.

- Vadia. – um rapaz gritou no meio da confusão. Não foi grande novidade para Heartphilia ser chamada de forma tão vil, então apenas girou a espada e uma das mãos, esperando para ver quem seria o próximo a atacá-la. Sentia seu sangue pulsar, enquanto o sangue alheiro era jorrado no chão, escorrendo por suas mãos. No fim das contas ela era tão boa como assassina quanto todos eles.

Lucy jogou o corpo para trás e suas armas para frente ao ver uma espada vindo em sua direção. Na seqüência só pode ouvir o som estridente do cruzar das armas. Seus dentes rangeram graças à força que fez para se manter em pé. A força dos homens era um tanto quanto grosseira o que fez Heartphilia dar três passos para trás, ainda segurando firmemente suas armas. Quando viu oportunidade afastou suas armas, correndo em direção a bancada de peixe que havia próxima a si, ficando um pouco distante dos homens, tendo uma boa visão geral do sítio.

- Esta com medo de morrer? – um deles disse rindo alto, tirando vantagem ao ter feito a loira recuar. O que não era bem uma verdade absoluta.

Lucy, na verdade, analisava meticulosamente qual seria o primeiro a morrer e qual era o melhor meio para matá-los da forma mais rápida e segura.

Quem matar primeiro? – pensava persistentemente, enquanto mordia o lábio inferior, indecisa. Nunca se imaginou em tal situação, afinal, era normal uma garota ficar confusa para escolher qual vestido deveria utilizar no primeiro encontro e não por quem ela começaria uma carnificina.

 Um vento frio soprou em sua nuca, lhe causando arrepios. Se seus cálculos estivessem corretos, devia haver por volta de dez homens, mas ela considerava como oponentes em potencial apenas dois já que o restante praticamente não conseguia nem se manter em pé, o que facilitava as coisas.

- Ela só esta contando em quantos minutos ira matar vocês. – um homem no fundo disse com uma voz ríspida e quando ela o fitou, percebeu que era o mesmo Willian que havia a metido em problemas no dia anterior. Observava Lucy persistentemente, com os seus olhos azuis sutilmente tampados pelo cabelo ondulado negro que escorria por sua testa. Ele sorria sarcasticamente a fitando de baixo. – Encantadora! Realmente é encantadora! – disse batendo palmas fazendo a garota sentir o sangue ferver cada vez mais.

-Alguém poderia, por favor, dar um tiro naquele infeliz? – ela disse para os piratas que até cogitaram na idéia, mas não decidiram ignorar o pedido.

Ela o encarou por um único segundo, eram realmente interessantes os sentimentos que os olhares de Heartphilia podiam causar, principalmente quando ela se encontrava irritada. Will sorriu, dando uma acenada com a cabeça, procurando mostrar indiferença, apenas esperando que o show começasse. Lucy bufou. Deixou, propositalmente, uma das espadas cair no chão causando um estrondo que fez todos os homens tiraram a atenção do moreno que havia acabado de se pronunciar, voltando totalmente seus olhos para a garota, que agora mantinha em sua mão direita seu chicote mágico e na outra seu facão ensangüentado.

Antes de começar viu um dos homens assustado, ele era o único quieto que parecia só estar sendo levado pela multidão. Suspirou, na seqüência puxando um pouco de ar para seus pulmões preguiçosos, mantendo os olhos fechados a todo o momento. – Chega de brincar! – um dele disse, e ela pode ouvir o som do gatilho de um revolver ser armado, abriu os olhos abruptamente chicoteando instantaneamente a mão do pirata que assustado soltou a arma fazendo com que o disparo fosse diretamente ao pé de um de seus aliados. Lucy pulou no meio dos homens, havia calculado agora era somente seguir seu plano.

Sem hesitar um único instante, se enfiou atrás do homem que havia levado um tiro nos pés e se encontrava ajoelhado, e em um momento de rapidez puxou os cabelos sujos do baleado passando o facão em seu pescoço, fazendo um corte tão profundo que podia jurar ter sentido a traqueia do mesmo se romper. Ao deixá-lo no chão seguiu para o próximo que recebeu de forma impiedosa uma facada no tórax, acertando diretamente um de seus pulmões, a falta de ar, juntamente com a hemorragia, o fez sofrer lentamente até sua morte.  Lucy seguiu imparcial, um por um.

Quando viu que mais de 50% já havia sido dizimado, ela percebeu que agora a situação estava se tornando um pouco mais complexa já que havia se livrado do mais fáceis. Observou o sorriso de um grandalhão que vinha em sua direção com as costas sutilmente curvadas.

Lutava justamente contra o grandalhão, precisava inicialmente desarmá-lo. E foi o que fez. Na primeira oportunidade que teve acertou um chute na barriga do mesmo que perdeu o ar por um segundo deixando a espada cair. Foi nesse instante que Lucy percebeu o outro correndo em direção a suas costas, esperou até o momento correto, dando a entender que estava encurralada, e quando percebeu que o homem não iria conseguir parar, deu um salto por cima do mesmo, enquanto este acertava seu “amigo” diretamente no peito.

Observou a situação com um sorrido nos lábios finos, satisfeita ao ver o assassino irritado, sedento de ódio. Era apenas ele e mais um e ela poderia ir embora, atrás do que realmente importava. O homem puxou a faca com força para fora do corpo de seu aliado morto. Limpou sua espada ensangüentava enquanto fitava Heartphilia com mais ódio do que nunca.

- Você não é nada diferente de nós. – ele disse aos berros – Uma assassina! – Lucy se irritou. Pela primeira vez, em muito tempo, ela realmente estava irritada. Natsu consiga a deixar nervosa por inúmeros motivos, alem de frustrada e magoada, mas aquele cara. Ele havia a chamado de assassina, ele havia a comparado com um monstro e aquilo ela jamais iria perdoar.

- Você vai engolir suas palavras – disse em um sussurro, para que somente ela pudesse ouvir. Sabia que ainda existia outro pirata, mas estava tão amedrontado que Lucy não apostaria nada que ele iria fugir como um bom rato. Girou a espada em sua mão, aguardando o momento que o grandalhão a atacasse. Sem tardar ele o fez.

Lucy percebeu que o ódio o fazia mais forte, ela girava o corpo de forma que conseguia desviar os ataques que ele tentava lhe proporcionar diretamente em seu peito ou muitas vezes em seu rosto. Sua espada era uma amiga, mas existia tanto sangue em suas mãos que Lucy se perdeu por um instante, um descuido que lhe causou um corte próximo ao ombro, cortando seu casaco.

- Eu gostava desse casaco. – disse analisando o tecido que estava com um rombo gigantesco em seu ombro. Era verdade que o corte em sua pele ardia e ela podia sentir o sangue escorrendo por seu braço, mas no exato momento estava frustrada por seu único casaco não ser mais útil que nem se preocupou com seu ferimento.

Suspirou, ajustando a espada em sua mão acertando um golpe no ombro do homem, como um alerta que ela não estava mais brincando. Sem passar três segundo, com um golpe baixo aproximou-se do mesmo pisando em seu pé, pegando a espada de seu oponente. Agora era Lucy com duas espadas e um grandalhão com um corte no ombro e o pé dolorido. – Ande logo, me mate. – ele disse a fitando com olhos marejados.

- Quero que retire suas palavras. – ela disse séria, o encarando fixamente. Ele não conseguia entender como a loira poderia estar perdendo tempo com aquilo, mas logo deixou uma risada escapar.

- Assassina. – ele sibilou e sem conseguir repetir novamente a garota lhe acertou a espada diretamente no meio de sua barriga, três dedos acima de seu umbigo para ser mais especifico. O homem sentiu o sangue regurgitar diretamente para sua boca, tossindo enquanto sentia o gosto de ferro em sua boca e o metal da espada o matando aos poucos.

-Retire o que disse e eu deixo que volte para seu filho – disse fria, puxando os cabelos do homem para cima, fazendo o mesmo a encarar com ódio. Ela sabia. Sabia que ele era o pai do garotinho, sabia que o garoto ficaria sozinho se ela o matasse e mesmo assim estava prestes a fazê-lo apenas para que seu ego não fosse ferido.

- Morra vadia – ele disse e sem delongas Lucy depositou ambas as mãos no rosto do mesmo que não entendia o que aquilo significava, mas em uma porção de segundo o mesmo não podia mais pensar em nada já que a garota havia lhe torcido o pescoço. 

Observou a sua volta, não existia muita vida naquele lugar, apenas aquele homem amedrontado, Willian que continuava a observando de longe e uma criança que chorava ao perceber seu pai morto. – Você – a loira gritou com o pirata assustado e ordenou – De hoje em diante ele é seu filho, e acho bom você ser um pai melhor do que esse lixo. – ela disse tão séria que o homem apenas acenou. Sua vida havia sido poupada e agora ele teria de cuidar de um garoto que havia perdido seu pai.

Lucy observou Will que batia palmas. Enquanto caminhava em direção ao moreno retirava seu casaco rasgado, por fim o utilizando como pano para limpar todo o sangue que tinha em suas mãos. Sentiu um frio desconfortável lhe tomar o corpo, não era à toa, já que vestia uma saia curta e uma blusinha tão fina que era possível perceber a renda de seu sutiã encardido por baixo.  

Willian percebera a munição da mulher, alem do corpo maravilhoso obviamente, ela andava muito bem armada. O facão ficava perfeitamente posicionado em sua cocha, e uma pequena faca estava presa em sua bota. Ele podia jurar ter visto uma pistola na outra perna da loira e é claro, as chaves celestiais presas no cinto. O que não conseguia entender era, porque ele não utilizava sua magia?

- O que esta fazendo aqui? – ela perguntou segurando uma pequena adaga em sua mão, o que fez Willian erguer seus braços com intuito de deixar claro que ela não precisava colocá-lo em sua lista de assassinatos, pelo menos não aquele dia.

- Estou procurando por um pirata, ouvi dizer que ele esta dando uma boa recompensa para quem encontrar um ladrão que está preso, na ilha das flores. – concluiu, fazendo com que Lucy abaixasse a adaga por um instante deixando a mesma bem posicionada em seu antebraço caso houvesse necessidade de utilizá-la – Morgan.  – Will disse quase em um sussurro ao ver o pirata descer a escadaria, observando a matança que Heartphilia havia proporcionado naquela linda manhã.

- Qual dos dois matou metade da minha tripulação? – o homem com a voz sutilmente rouca perguntou. Lucy reparou em como ele estava vestido como um devido pirata, até o chapéu era notável. Sua pele absorvia toda a luz que lhe insidia, seus olhos esverdeados e seu corpo robusto, de longe era o pirata mais bonito que a loira havia notado até o momento. Até os dentes eram bem cuidados, o que era uma raridade.

- Acredito que fui eu –  disse tranquilamente cruzando seus braços, sentindo um frio intenso lhe tomar o corpo. Era pedir muito para qualquer um dos dois ser no mínimo um cavalheiro e lhe oferecer o casaco?

- Muito bom. –  o pirata disse sem se preocupar muito com a situação em que se encontrava, com tranqüilidade se aproximava da garota, demonstrando nenhum pingo de raiva por ver sua tribulação praticamente dizimada, parecia não estar surpreso. – O que veio fazer aqui? Sei que não é o tipo de pessoa que passa apenas para matar e vai embora, não é mesmo Heartphilia? – Lucy arregalou os olhos, pronta para retirar de seu antebraço a adaga que havia ameaçado Will alguns instantes atrás, mas logo recuou, ela não podia ameaçar o homem que poderia lhe dar respostas tanto quanto preciosas.

- Quero respostas e me falaram que você é o único que poderia me ajudar.

- De fato sou. – ele disse sem nem ao menos piscar, deixando Lucy abismada com tal situação. Ele nem ao menos queria saber do que se tratava, simplesmente sabia. – Mas só irei te ajudar se fizer algo para mim. – sabia. Nunca nesse mundo nem no outro alguma pessoa lhe daria informações sem cobrar algo em troca.

- Fale logo.

- Vocês dois vão até a ilha das flores, e me trarão VIVO um homem. – Willian fitou a loira por breves instantes e quando voltou a si, percebendo que estava sendo obrigado a trabalho com aquela assassina, encarou o pirata com os olhos azuis arregalados. – Você vai pelo dinheiro Willian, e ela vai pelas respostas que tanto procura.  – o moreno concluiu, sem se quer mudar sua expressão vazia.

- Qual o nome desse tal homem?

- Não sei. – e a paciência da garota começou a desvanecer – E não me pergunte onde ele se encontra, porque se eu soubesse, eu mesmo iria buscá-lo.

- E eu tenho que dar uma de mãe Diná? –  Lucy disse uma pilha de nervos, fazendo com que Will desse uma pequena risadinha com a situação – Como vou saber quem?

- Muitos homens já foram até a ilha, há relatos que todas as pessoas que conseguiam se aproximar do homem acabavam adormecendo e quando acordavam se encontravam em um navio, voltando para o cais -  recuperando o fôlego por alguns segundo concluiu – Curiosamente, todos eles tiveram alguma coisa roubada.

- Esta me pedindo para lhe trazer um bandido, é isso mesmo?

- Você quer suas respostas sobre quem forçou a entrada, não é mesmo? – ele perguntou retórico e debochado concluindo – A única coisa que posso lhe afirmar é que essa pessoa também esta te procurando e eu te garanto, ele está bem determinado. – concluiu.

- Como sabe de tudo isso? – a garota indagou confusa, ela se quer havia feito sua pergunta e o homem já tinha todas as suas respostar. Will não havia nem dito que iria aceitar o trabalho e mesmo assim o pirata já sabia.  Ela não havia nem dito seu primeiro nome e ele já sabia até o segundo.

- Ligue os pontos. – o moreno murmurou lhe dando as costas e em seguida ela entendeu. Ele não era somente um pirata, era um vidente. Malditos videntes. Por isso sabia de tudo que acontecia naquele mundo, antes mesmo de acontecer. Por isso todos iam até ele. – Agora preciso ir, uma pessoa esta me procurando e preciso ajudá-lo.

- O senhor realmente vai deixá-la ir, mesmo depois de matar todos os seus homens? – o covarde que agora tinha como obrigação de criar uma criança, perguntou para Morgan que acenou positivamente, demonstrando pela primeira vez um sorriso sinistro.

- Se ela conseguir sair de lá viva já será um milagre – falava enquanto contemplava Heartphilia juntamente com Willian saindo em um barco que havia lhes oferecido - Te garanto que aqui não ira sobreviver quando voltar.

*x*

- Oe! – Natsu gritou para o homem negro que se encontra encostado em um banco próximo a vários piratas mortos no chão. O sangue já estava se tornando seco – Você fez isso? – indagou, sabendo que puxar assunto com um assassino talvez não fosse a melhor idéia, principalmente se ele fosse o responsável por tantas mortes.

- Você pode me fazer um favor? Em troca disso te digo quem foi o responsável por tudo isso e principalmente te dou a resposta que você esta procurando – Morgan murmurou, virando os olhos verdes em direção ao rosado. Ele era exatamente igual a sua visão. – Você demorou mais do que eu imaginava... – reclamou, levantando-se.

- Como sabe que vim atrás de respostas?

- Isso não vem ao caso – concluiu observando o barco de Lucy aproximando-se da ilha das flores. – Vê aquele barco? – perguntou, fazendo o rosado observar que próximo a uma Ilha, acenou positivamente e logo homem tratou de continuar – Naquele barco se encontra a assassina de todos esses homens – o garoto gelou quando pensou que uma mulher fora responsável por tamanha maldade. Mas seu coração parou por completo quando Morgan finalmente concluiu – Ela é a garota que você veio resgatar. Lucy Heartphilia.

_ Esta mentindo – o garoto se recusou a acreditar que sua Lucy fora responsável por tantas mortes.

- Não, eu não estou – o outro suspirou – Diria que ela de heroína passou a ser assassina.

De Heroína a Assassina 


Notas Finais


Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...