História O Segredo do Lobo - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 0
Palavras 1.055
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Festa, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


olá amores e amoras, essa é minha nova conta aqui, e já trago novidades fresquinhas para vocês. Espero muito que gostem.

~Mimi Rezende. 😍😘

Boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Dor.

Minha visão está turva, o borrado que meus olhos conseguem enxergar é o verde, o cinza, o preto, o azul e a luz da lua que contornava tornando quase nítidos os traços do lado direito do meu corpo. Minha mente vagava sentidamente cada parte do meu corpo, explorando algum jeito de parar a grande dor que eu sentia, não era uma dor somente física, mas também psicológica. Eu estava sofrendo. Muito.

É a única coisa que consegui pensar depois de dois segundos. Não me lembro mas de como tinha chegado nessa situação, aquele esmagamento de todos meus ossos pelo ar estavam me sufocando mais do que um afogamento. Era isso, eu me sentia como se estive afogando em um mar de cheiros, ares pelos quais eu tentava bloquear, mas com esse bloqueio fazia impossível meus pulmões aguentarem.

Enquanto meu peito clamava por oxigênio, meu eu clamava por socorro de algo... alguém, seja quem fosse. Não sabia se o que meus olhos captavam era real ou simplesmente algo da minha cabeça que no momento não conseguia raciocinar direito. Eu via alguns... cães? Eram realmente maiores que cães normais, não conseguia distinguir suas faces ou até mesmo o tamanho daqueles corpos. Eu estava sofrendo absurdamente para me preocupar se iria ser comida viva, acho que seria menos doloroso ser comida viva do que sofrer o que eu estava passando.

Nunca fui uma garota de chorar, mesmo quebrando ossos, apanhando, ou até mesmo por sentimentos fúteis como amor, solidão, nada. Mas quem era eu agora? estava com medo, o que era muito raro eu sentir, nunca precisei sentir isso de nada e de ninguém, realmente eu parecia inacreditável, teimosa e impossível. Talvez eu esteja repensando isso por que acho que irei literalmente morrer...

Minha visão começou a ficar mais turva do que já estava, sabia que estava perdendo a consciência, e agradecia por isso. Que eu morra devorada por cães, mas será melhor assim, minha vida já estava desandando a muito tempo ... Ninguém nem ligaria se eu morresse.

Isso...

Ninguém ligaria.

Eu não tinha ninguém mesmo, nunca tive. Mesmo quase sem consciência, ri, testemunhando mais um pouco de dor. Mas pouco me importava com isso, ficava extasiada aos poucos. Adeus realidade em que eu não me importaria de não ter vivido.

Acabou... O sono chegou.

***

Onde estou? Estava em um escuro, não sei se era eu, estava ainda boba do que passei, sei que estava em minha mente, um vácuo, escuro, só minha mente me respondia, não sentia meu corpo, se ainda tivesse um. Sei que tinha, mas não sentia, não conseguia despertar desse estado de dormência que parecia permanente.

O que aconteceu? Sabia que alguma coisa tinha acontecido comigo, mas as lembranças vagas que minha memória guardava estavam encadeadas de alguma forma. Provavelmente eu lembraria aos poucos. Me voltam apenas cenas turvas de algo que aconteceu, mas não pareço pronta lembrar.

Por que me sinto diferente? Parece que há uma parte de mim adormecida e descontrolada. Estou com uma vontade espontânea de correr e me sentir livre, mesmo sem um corpo sobe controle. Essa parte estava me deixando ansiosa, e cada vez mais desperta.

Palavras... Eu estava ouvindo uma voz, tinha quase certeza de que era minha própria mente, mas não eram pensadas por mim, e se eram, eu não as identificava como minha.

"Finalmente você despertou, Kaia. Eu já estava começando á me preocupar se iria sobreviver"

"Quem é você? E como eu teria despertado se ainda estou no mesmo vácuo psíquico que estava á segundos atrás?"

"Você verá, mas agora tenho duas coisas para te falar."

"Se você fosse apenas um eu me pregando peças eu deveria saber essas duas coisas, pois já as teria reveladas."

"Calma mocinha, eu explico isso com a primeira coisa. Então, é o seguinte, agora você e eu somos uma só, ou seja, duas mentes em uma só pessoa. Sou sua irmã de alma, e também sou a você lupina."

"Isso é confuso, mas não me pareço tão surpresa como se esperaria..."

"Claro, afinal nos pensamos juntas, se eu já sabia e aceitava só faltava a outra metade."

"E... 'lupina' ?"

As vozes eram as mesmas, podiam até confundidas se eu não tivesse a certeza de que não era exatamente eu. Quando fiz essa pergunta uma risada, que era a mesma minha com pouquíssimas modificações no tom, ecoou pelo vácuo que era minha consciência.

"Sim, lupina. Você saberá mais quando acordar. E agora vamos á segunda coisa. "

"Sabe que assim me deixa ansiosa, já que disse ser eu, você me conhece."

"De fato. Mas sem mais delongas, a segunda coisa é: Acorde!"

Após aquelas palavras o vácuo começou a se desestabilizar como se me quisesse fora daquele estado. Minha consciência foi se estabilizando, mas eu já não me sentia mais em estado de dormência, eu sentia meu corpo, sentia a pálpebra de meu olho se apertando querendo controlar a entrada de luz. Foi ai que percebi, eu estava bem viva e acordada.

Abri meus olhos aos poucos me acostumando com aquilo, me sentia muito estranha, talvez um estranho diferente. Dei de cara um um teto alto em branco carmim. Me dei conta que não estava mais em uma floresta, agora estava limpa e meu corpo sentia roupas confortáveis sem rasgos ou arranhões.

Senti que havia alguém, ou algumas pessoas me observando, e isso estava deixando as coisas mais esquisitas ainda. Lentamente me mexi e senti meu corpo todo. Me sentei na cama vagarosamente e olhei para frente, só via um pouco do meu cabelo cacheado em cor rosa claro em volta e em minha frente via o Edredom fino de finas listras em amarelo claro e um beje que cobriam minha pernas.

Pisquei devagar e verifiquei minha audição, que agora que parecia ter acordado. Ouvi alguns variados sons, mas os que me chamavam atenção foram os de alguns cochichos vindos das pessoas que me observavam.

Minha vontade era de não virar o rosto, mas minha curiosidade era bem maior que tudo.

"A curiosidade matou o gato" minha mente disse ironicamente.

Devagar virei a cabeça dando de cara com umas oito pessoas juntas olhando para mim como se eu fosse a caçula da família e tivesse acabado de nascer.

Observei seus semblantes que pareciam mais curiosos e esperançosos do que tudo. Um deles foi mais curioso e deu um passo á frente me encarando, não gostei de sua aproximação, tive um ato espontâneo de rosnar com aquilo. Fiquei surpresa comigo mesma e voltei á olhar para minhas pernas.


Notas Finais


Olá novamente, espero que tenha gostado e se puderem dêem seus votos e comentem, isso me incentiva muito a continuar.

Quero deixar também meu user para quem tem o wattpad, sigam-me lá e adicionem OSL na sua biblioteca.

User do wattpad: Iasmim_Rezende.

Muito obrigada, e até o próximo.

Bjos da
~Mimi Rezende 😍😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...