História O segredo do meu namorado imaginário. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Amor, Drama, Mistério, Romance, Sexo Explícito, Suspense, Terror
Visualizações 50
Palavras 2.886
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Harem, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ATENÇÃO: O GIF ACIMA MOSTRA UMA DAS CENAS, ENTÃO QUANDO A FRASE ESTIVER EM ITALICO SIGNIFICA QUE É A CENA.
AVISO IMPORTANTE: Prestem bem atenção nos flashback's da estoria, pois, serão eles que farão você montar o quebra-cabeça.
Voltei amores, depois de muito tempo, eu sei. Mas eai como estão? Desejo a todos uma otima leitura!

Capítulo 4 - Descobertas e Segredos


Fanfic / Fanfiction O segredo do meu namorado imaginário. - Capítulo 4 - Descobertas e Segredos

Há meses atrás.

Hospital psiquiátrico de Gonjinam.

Desde do incidente ocorrido na festa, o diretor não estava tendo descanso, pois, sendo o filho herdeiro muito dos problemas estavam envolvendo ele. Então, para solucionar o problema ele decidiu persuadir a única sobrevivente que por coincidência era jovem que ele havia encontrado antes.

- Mande-a entrar. – Disse ele ao interfone.

Assim que seus olhos se cruzaram na porta, Jeon teve uma sensação, não sendo sua primeira vez, era mesma coisa que sentiu quando a viu na cena do assassinato. S/N parecia desnorteada, seus olhos não se mantinham fixados, parecia procurar alguma coisa entre o nada. Naquele instante, mesmo que não tivesse comunicado uma palavra com ela, o diretor percebeu que ela sofria de intimidez aguda, pois, além de demonstrar nervoso ao cutilar as unhas, seu corpo também estava encolhido sobre a porta. O que era um sinal de timidez aguda.

- Pode chegar mais perto, sente-se aqui. – Disse ele fazendo sinal para a poltrona. Essa seria sua primeira vez ao receber alguém de baixo nível em sua clínica já que o hospital é de classe alta, mas por ela estar envolvida no assassinato, para ter uma boa visão da mídia, eles tinham que ajuda-la ou melhor alienar a menina.

S/N sentou-se receosa, não conseguindo encarar o médico enquanto ele tentava todo momento ver seu rosto nitidamente porque a sensação de não querer esquece-lo permanecia na mente do rapaz.

- Pelo o que li de seu relatório, por conta do trauma você está tendo problemas para se lembrar do seu passado. Isso se chama Amnesia, por causa da perda... seu cérebro não consegue suportar por isso fingi que esqueceu, mas essas memorias estão no seu inconsciente. Tem algo que se lembra? Isso pode de ajudar a descobrir os culpados pela morte de sua família.

Com medo, ela repensou se deveria contar o pouco que se lembrava, mas após ver a expressão impaciente do médico, ela decidiu dizer:

- Eu só lembro de um nome. –

- Nome? Isso é bom. Posso verificar na lista de seus familiares, qual é o nome? –

- Tae...Taehyung. –

Dias atuais, Grupo Jeon.

Era para ser um dia comum para os funcionários do grupo Jeon, mais uma vez a senhora responsável pelos avisos dizia a situação da empresa financeira no microfone para que todos que estivessem entrando pudessem ter mais um problema para resolver. No entanto, no meio da multidão, um homem enigmático e odiado entrou no prédio, como se fosse a formiga rainha ao fazer todos do formigueiro pararem para aprecia-lo. As pessoas que antes estavam atrasadas, agora se curvavam em fila para receber o herdeiro da família Jeon.

- Há quanto tempo não vejo você! Senhor Jeon. O que faz aqui? – Disse o secretário-geral, Kim Seojin, conhecido também como o melhor amigo de Jungkook.

- Senhor? Só porque ficou tanto tempo sem me ver não me trata mais como seu amigo? Qual o problema em visitar minha própria empresa? – Disse ele entrando no elevador junto de Kim.

Seojin achou estranho a atitude de Jeon por saber que há muito tempo seu amigo havia abandonado a empresa para se tornar um médico, ele se perguntava qual seria o motivo do herdeiro visitava a empresa. Jungkook precisava mais do que nunca agora da  influência do grupo para descobrir algumas coisas por isso resolveu ir ao escritório do presidente.

- Senhor, Jeon Jungkook está aqui para vê-lo. – Disse Kim saindo em seguida.

Fazia anos que o herdeiro não via o próprio pai, mas pela observação do mesmo ele não havia mudado muito. Seus gostos continuaram a ser os mesmos, Cafona. Era definição de Jeon após ver as mobílias do escritório; um quadro de dragon revestido de ouro acima da mesa e o tapete florido sobre o chão deixava claro a falta de conhecido do pai em relação a decoração.

- O que está fazendo aqui depois de tanto tempo? Quer dinheiro? – Proferiu o presidente em alto tom, mas que mostrava a secura em sua garganta. Ele estava doente.

- Pai... Eu nunca lhe pedi dinheiro, não vai ser agora que farei. Tenho o meu trabalho, só estou aqui para fornecer algumas informações importantes para nós dois. – Há dois dias que o diretor não via sua amada, mas também fazia dois dias que descobriu algo importante de um de seus informantes, era tão sério que precisava contar para seu pai, afinal, os dois estavam envolvidos.

- O que é? Você não é de se preocupar comigo, vai fazer isso agora? – Respondeu o homem recebendo a sinceridade do filho:

- È verdade... eu não me preocupo. Por isso que algo em troca. – O presidente riu.  Depois da saída de sua amada, ele precisava de alguém para vigia-la e como conhece bem o suporte que o presidente tem, ele seria a melhor escolha para contratar alguém.

- Me diga o que é..... Então eu irei pensar se vou te ajudar. – Respondeu ele.

- Tem alguém vasculhando o passado da nossa empresa, acho que você sabe muito bem do que estou falando. -  O presidente entrou choque. De forma alguma, o passado do grupo podia voltar agora, não nesse momento turbulento que eles estão passando.

- Tenho que ser honesto, você me deu uma boa informação. Me diga o que você quer... –

- Alguém de confiança, quero que arrume uma pessoa que é acostumada em atuar. Preciso disso agora. – Após assentir, o presidente chamou alguém pelo interfone que não demorou muito para entrar no escritório.

- Mandou me chamar senhor? – Perguntou a secretaria assistente.

- Sim. Esta é Yoona, minha secretaria assistente. Uma pessoa de confiança, pode confiar nela para os trabalhos mais sujos. – Disse o presidente.

Yoona ficou espantada com a beleza do rapaz ao seu lado, reparou no broche, percebendo que era o mesmo usado por todos integrantes da família Jeon. Naquele instante, pensou em fisgar o coração do próprio, mas após ter seu cumprimento ignorado por ele percebeu que era mais um com a áurea do personagem de cinquenta tons de cinza. A jovem riu e logo depois disse:

- Eu vou fazer o meu melhor. Senhor. –

(...)

Em um café qualquer.

Por algum motivo, Yoona sentia-se desconfortável ao encara-lo de frente, talvez fosse por seu olhar fixo ou a expressão seria que ele mantinha a todo instante. Jeon era uma outra pessoa quando não estava perto de sua princesa, sua mente insana e obsessiva dizia a ele que não podia sorrir ou parecer gentil perante outras garotas enquanto estivesse namorando. De fato, Jeon deveria acreditar nas palavras de sua princesa quando disse que não estavam mais namorando, mas ele não conseguia aceitar porque não havia dado fim no relacionamento.

- Neste envelope tem toda a informação que você precisa sobre essa pessoa. Já aluguei o apartamento ao lado dela ... não é um dos melhores porque.... Porque ela é muito teimosa, mas quero que a vigie pra mim. Seria melhor se você fosse amiga dela por esse motivo dei-lhe a informação, então faça as coisas direito. –  Disse ele.

- Eu aceito, mas queria saber o motivo disso e o que ganharei em troca. – Yoona é uma mulher determinada, mesmo que não tenha nascido em família rica desejava ter todas as coisas que as pessoas de classe alta possuíam. Por isso decidiu se tornar secretaria assistente do grupo Jeon; o que conseguiu com muito esforço ao usar suas habilidades de atuação com Seojin. Porém, ela não deseja ficar somente nesta posição, quer subir mais e para isso precisa limpar sujeira dos outros. Yoona está ciente que este é seu verdadeiro papel na empresa, mas também por arriscar a própria vida sente-se mais tranquila sabendo o porquê de fazer tal missão, no entanto, Jungkook não é do tipo que se rende aos caprichos de umaqualquer para ele.

-  Ganhar com isso não é o suficiente? Tenho certeza que esse não é um dos trabalhos mais interessante que fez, então apenas aceite em silencio.  – Respondeu ele. Yoona percebeu naquele instante que o homem a sua frente não era apenas um rosto bonito sendo somente um integrante da alta classe, mas também um homem interessante.

- Certo. Talvez eu ganharei algo a mais com isso. – Antes de sair, a jovem sorriu singelamente recebendo o desprezo do mesmo.

(...)

Enquanto isso, Local desconhecido.

O senhor de idade sentia-se enfurecido por esse assunto voltar novamente para atormenta-lo, sabia muito bem que desde do começo havia mandado alguém solucionar o problema, mas parece que essa pessoa estava tendo problemas para resolver por isso a chamou em seu escritório.

- Como deixou isso acontecer? Por que ainda não resolveu esse problema? Sabe que isso tem culpa sua por não fazer o trabalho direito e agora recebo a notícia de alguém que não devia. Não mandei colocá-lo de volta na clínica? Se isso vier à tona... eu! –

- Calma, senhor. – Intrometeu-se o rapaz. – Eu estava trabalhando nisso, mas coisas inusitadas aconteceram e parece que cada vez mais ficará interessante. Sobre ocultar o assassinato, eu farei. Tenha certeza, então se me der licença... – O rapaz curvou-se em respeito, não havia tempo para ficar conversando. Tinha que começar a fazer aquilo que havia preparado.

(...)

O apartamento era tão pequeno que mal cabia os próprios moveis, felizmente o pouco dinheiro que havia juntado foi o suficiente para aluga-lo, entretanto, a jovem tinha que arrumar um emprego, afinal, sua faculdade era paga por alguém que não era mais seu amante e ela tinha que sobreviver. Em todo momento, S/N sentia vontade de chorar, mas se conteve porque sabia que nada adiantaria sabendo do que mais precisava fazer no momento era se manter forte, a espera de um milagre. De repente, a campainha tocou trazendo o suposto milagre que precisava.

- Você é minha vizinha, certo? Tem um pouco de açúcar? – Perguntou a jovem.

S/N sentia-se envergonha por ter que dizer que a única coisa que havia em sua geladeira era macarrão instantâneo, mas não havia saída então após convidar a bela mulher para dentro; que não aparentava ser do tipo que moraria num lugar tão básico como aquele prédio, resolveu dizer a verdade:

- Na minha geladeira só tem macarrão instantâneo, na verdade, esses moveis são do proprietário. – Yoona questionava o motivo de um homem da classe manda-la vigiar uma jovem tão sem graça, seu maior palpite era que a jovem estava envolvida com algum processo relacionado a ele.

- Ah! Tudo bem! Parece que você tem os mesmos gostos culinários como eu. Vamos ser amigas, certo? Como já esta tarde, outra hora eu volto porque tenho que terminar de desencapotar algumas coisas. – Respondeu ela reparando na mobília velha do lugar tentando não expressar o nojo que sentia.

- Tudo bem, vamos ser amigas e volte outra hora! – Por coincidência, assim que fechou a porta, S/N se deparou com seu celular tocando. Preocupada com que poderia ser, pois, não estava acostumada a receber ligações nessa hora, atendeu o celular imediatamente recebendo uma chamada de vídeo de Jungkook. Naquele instante, pensou em desligar, mas seria muita falta de consideração então continuou com a chamada.

- O que você quer? – Disse ela.

- Fiquei preocupado... não se contatou comigo durante dois dias. E também acho que temos algumas coisas para resolver ainda. – Jeon tentava a todo momento observar o apartamento pela chamada de vídeo, mas por causa do escuro do quarto estava tendo um pouco de dificuldade.

- Sobre o que precisamos conversar? –

- Primeiro, deve me dizer como estão as coisas para você. Tudo está ocorrendo bem? – Perguntou ele. Jungkook nunca imaginou que mataria sua saudade por ela em uma chamada de vídeo, talvez esse fosse o motivo para deseja-la tanto como agora, desejava beija-la e fazer coisas que nunca conseguiram fazer juntos isso porque um certo alguém o atrapalhou.

- Estou bem e acabei de conhecer minha vizinha. Somente isso. – Pela feição dela, o rapaz percebeu o quanto sentia-se triste, desejava fazer algo por sua amada, na verdade já havia feito ao colocar uma mulher para vigia-la, mas não parecia ser o suficiente porque S/N permanecia triste.

- O que tenho para dizer é que vou continuar pagando sua faculdade, não precisa desistir dela e também vou tentar arrumar um emprego pra você. –

- Pague somente por agora, quando eu arrumar um emprego vou lhe pagar tudo de volta. Eu prometo. Ah! Não precisar arrumar um emprego pra mim, deixe que eu faça isso sozinha. – A garota não queria depender de Jungkook, porém, era sua única opção no momento.

- Por que faltou esses dois dias? – Jeon queria prolongar a conversa o máximo possível, sabendo que nessas duas noites não havia dormido bem por conta da falta que sentia de sua princesa.

- Eu não estou me sentindo bem... preciso desligar agora. Amanhã eu tenho aula. – Na hora em que desligaria, Jungkook a interrompeu dizendo:

- S/N... –

- O que? –

- Durma bem, eu te amo. – Ela desligou rapidamente, não queria que ele visse seus olhos vermelhos. Era uma frase que costumava ouvir todas as noites dele, que continuava sendo de grande importância, mas que não desejava ouvi-la mais porque sabia que a qualquer momento poderia se render ao amor que sentia pelo rapaz.

Após ter a chamada desligada sem uma resposta, o “ eu te amo também” que costumava ouvir, ele deitou-se na cama que originalmente não era dele, mas sim da sua princesa. Encolheu-se agarrando o travesseiro que continha o perfume da mulher que tanto amava, por um momento, relembrou o dia em que se conheceram, não sendo uma lembrança boa para ela, no entanto, para Jeon havia sido muito importante mesmo que tivesse acontecido situações ruins. Antes dela, nunca havia sentindo algo por alguém, mas por que? Por que uma jovem chorando de baixo de uma mesa havia o despertado tanto desejo? Antes, não acreditava em destino, só que ao vê-la novamente no escritório do seu hospital Jungkook começou a acreditar que destino realmente existia, foi naquele dia, sobre a poltrona no escritório ao observar aquela menina assustada que percebeu que a mesma era somente dele.

(...)

Essa seria a primeira vez em que chegava tão cedo na faculdade, S/N resolveu fazer assim por conta dos dias que faltou porque assim poderia pegar melhor um pouco do conteúdo no refeitório antes que a aula começasse.

- Menina! Por que faltou esses dias? Os professores ficaram preocupados com você, principalmente, o professor Park. –  Disse Chin-Mae

- Estava resolvendo alguns problemas importantes... – Mesmo que Chin-Mae fosse um amor de pessoa, S/N não podia dizer os absurdos que estavam acontecendo na vida dela. Enquanto conversam sobre assuntos triviais, Chin percebeu quando o inspector chegou e sentou numa mesa bem distante delas. Ao vê-lo degustar um pirulito, que para ela estava sendo de uma forma sexy, Chin teve que comentar:

- Mano do céu! Esse homem é tão gostoso! – Então observando o jeito engraçado de sua amiga ao se expressar, S/N procurou o homem comentado por Chin-Mae e avistou Jeon, só podia ser ele já que era o único homem no local. Por ser muito cedo, ainda havia poucos alunos na faculdade, principalmente, no refeitório.

- Ele é bonito... – Respondeu ela para não deixar sua amiga sem graça, mas acabou recebendo uma pergunta não muito boa.

- Estava tendo boatos de que ele chamou você de amor nos primeiros dias de trabalho dele. Isso é verdade? Se for, sinto muito por ser tão sincera. –

Sabendo que haviam terminado, não valia mais a pena comentar sobre seu relacionamento fracassado por isso decidiu mentir.

- Não... eu acho que eles ouviram errado. Nunca que um homem bonito como ele gostaria de mim. –

- Não seja exagerada! Tenho certeza que muitos coreanos ficam loucos quando veem uma ocidental como você, certo? – Ao ouvi-la dizer isso, S/N questionava sua origem, desejava descobrir de onde veio, por conta da sua perda de memória o único que poderia explicar isso para ela seria seu ex namorado que ela tentava se afastar.

Naquele instante, um alto barulho foi escutado por todos fazendo com que olhassem assustados para o local, foi um rapaz que deixou uma badeja cair ao chão. O silencio tomou o lugar, o rapaz não conseguia deixar de fita-la sem que suas lagrimas caíssem em desespero. Depois de tanto tempo a procurando, finalmente, a encontrou. No lugar mais inusitado possível, Taehyung correu para mesa das meninas e se ajoelhou de frente para ela que não sabia reagir aquela situação estranha e muito menos Chin-Mae. Ao observar toda aquela situação estranha, Jeon levantou em reação para que pudesse enxergar melhor. Havia um cara ajoelhado de frente para sua mulher?

- Q-quem é você? – Disse S/N assustada.

Taehyung entrou em desespero, suas lagrimas agora tinham som. Mas logo após se recuperou e calmamente disse:

- Você é a S/N, certo? –

A menina ficou intrigada ao saber que ele sabia o nome dela, pensou que poderia ser alguém conhecido que ela havia perdido junto de suas memorias durantes esses meses.

- Você me conhece? Quem é você? – Repetiu ela.

- Eu a conheço a muito tempo, muito mais tempo que você imagina. – Taehyung não podia dizer simplesmente a verdade, não sabia o que aconteceu com ela para ter perdido a memória, certamente, algo de ruim ocorreu e por isso não poderia conta-la a verdade tão rapidamente que ele era seu verdadeiro namorado antes do acidente de seus pais.


Notas Finais


Pessoal, o que estão achando? Muito confuso? Novamente quero lembra-los de prestarem atenção nos flashback's porque eles que ajudarão a montar o "quebra-cabeça"
Outro aviso importante: Para as pessoas que seguem minhas outras fanfic e essa também, eu sinto muito pela demora na entrega dos capítulos. Isso está acontecendo por causa do colégio :( Mas eu trarei todos sempre que possível, na verdade, eu não estava pensando em trazer esse agora, somente com os outros prontos, mas como estou demorando muito para termina-los por conta da falta de tempo, trouxe esse sozinho. Espero que gostaram, obg por todo apoio e agradeço desde já pelos comentários nesse capitulo!

Em andamento:
Os inquilinos ( monsta x ) https://spiritfanfics.com/historia/os-inquilinos-9661098
Meu professor é um vampiro: https://spiritfanfics.com/historia/meu-professor-e-um-vampiro-7762858


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...